SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 número2Malpighiaceae: correlações entre hábito, tipo de fruto e número cromossômico básicoLista atualizada das Orchidaceae do Distrito Federal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Acta Botanica Brasilica

versão impressa ISSN 0102-3306versão On-line ISSN 1677-941X

Acta Bot. Bras. v.17 n.2 São Paulo abr./jun. 2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062003000200002 

Duas novas espécies de Alstroemeria L. (Alstroemeriaceae) para o Brasil

 

Two new species of Alstroemeria L. (Alstroemeriaceae) from Brazil

 

 

Marta Camargo de Assis

Centro Nacional de Pesquisa de Monitoramento por Satélite (CNPM/EMBRAPA), Av. Dr. Júlio Soares de Arruda, 803, CEP 13088-300, Campinas, SP, Brasil (marta@cnpm.embrapa.br)

 

 


RESUMO

São descritas duas novas espécies de Alstroemeria L. para o Brasil: A. amabilis do Paraná e Santa Catarina e A. capixaba do Espírito Santo. São apresentadas descrições, comentários e ilustrações das espécies.

Palavras-chave: Alstroemeriaceae, Alstroemeria, Brasil, espécies novas


ABSTRACT

Two new species of Alstroemeria L. from Brazil are described: A. amabilis from Paraná and Santa Catarina, and A. capixaba from Espírito Santo. Descriptions, comments and illustrations are presented.

Key words: Alstroemeriaceae, Alstroemeria, Brazil, new species


 

 

Introdução

O gênero Alstroemeria L. abrange cerca de 90 espécies restritas à América do Sul. No Brasil o gênero é representado por 38 espécies de distribuição peri-amazônica, concentrada basicamente na porção leste do País. A maioria das espécies tem distribuição relativamente restrita (Assis 2001).

O gênero Alstroemeria é caracterizado principalmente por plantas herbáceas, eretas, rizomatosas, com raízes de reserva espessadas, folhas ressupinadas ou raramente não, inflorescências em cimeira umbeliforme e flores zigomorfas com padrões de manchas nas tépalas.

Bayer (1987) e Sanso (1996) publicaram a revisão de Alstroemeria para o Chile e Argentina, respectivamente. Para o Brasil, excluindo-se trabalhos taxonômicos de Schenk (1855), Baker (1877; 1888) e Ravenna (2000), pouco se conhecia sobre o gênero.

Durante o trabalho de revisão das espécies de Alstroemeria do Brasil, foram encontradas várias espécies novas para o gênero. Duas dessas espécies são aqui descritas.

 

Material e métodos

Este estudo foi baseado em revisão bibliográfica e dos materiais depositados nos herbários IAC, MBM, MBML, PACA, SP, SPF e UPCB, além dos materiais analisados no campo.

 

Resultados e discussão

Alstroemeria amabilis M.C.Assis sp. nov.

Tipo: BRASIL. Paraná: Guaratuba, Serra do Araçatuba, em campo graminoso com rochas, próximo ao cume, elev. 1.400m, 21/I/1994 (fl), R. Kummrow et al. 3387 (holótipo, MBM; isótipos, ESA, HUCS).

Fig. 1-3

Herba foliis chartaceis vel coriaceis, supra pappilata ad glabrescentes; flores petalis externis sine maculis et internis rubro-fasciatis.

Erva ereta 0,6-1,1m alt.; ramos angulosos, ligeiramente papilosos no terço proximal. Folhas do ramo vegetativo não ressupinadas, cartáceas ou coriáceas, distribuídas na metade superior ou por todo o ramo, 7-9 × 1-2cm, oblongas a elípticas, ápice acuminado, base canaliculada, face adaxial glabrescente, abaxial glabra, nervação proeminente em ambas as faces. Folhas do ramo reprodutivo não ressupinadas, adpressas ou semi-amplexicaules, cartáceas a coriáceas, distribuídas por todo o ramo, 1,5-6,5 × 0,4-0,9cm, elípticas a elíptico-lanceoladas ou oblongo-lanceoladas, ápice agudo a acuminado, base cuneada; face adaxial papilosa, abaxial glabra, nervação proeminente em ambas as faces. Cimeira umbeliforme simples, raro composta; pedicelo glabro, 2,2-3,5cm compr. Brácteas foliosas, cartáceas, 1,5-2,5 × 0,30,7cm; bractéolas cartáceas, 0,6-1,7 × 0,20,4cm, elípticas a linear-lanceoladas. Flores patentes, sem odor, campanuladas, vermelhas ou alaranjadas, 2,5-3,5cm compr. Tépalas externas sem manchas, semelhantes entre si, obovais a espatuladas, ápice agudo a mucronado, base atenuada, a superior 3 × 1cm, as inferiores 3,3 × 1,1cm. Tépalas internas rubro-maculadas e listradas, semelhantes entre si, espatuladas, ápice acuminado, base atenuada, margem distal inteira ou ligeiramente crenulada, as superiores ca. 3 × 0,6cm, a inferior ca. 2,2 × 0,5cm. Estames inclusos, filetes glabros, ca. 3cm compr. Estigma incluso, estilete glabro, ca. 2,5cm compr. Cápsula globosa, 1-1,6 × 1,21,6cm.

Distribuição e fenologia: A. amabilis é encontrada em locais úmidos e elevados do Paraná e Santa Catarina, florescendo de dezembro a março e frutificando de março a maio.

Parátipos: BRASIL. Paraná:Guaratuba, Serra de Araçatuba, 31/XI/1960. fl., G. Hatschbach 6698 (MBM); 10/III/1959. fl. fr., G. Hatschbach 5553 (MBM); 13/IV/1983. fl., R. Kummrow 2282 (MBM). Santa Catarina. Campo Alegre:Serra do Quiriri, 14/I/1998 fl., O. S. Ribas et al. 2252 (MBM).

A. amabilis é muito semelhante a A. sellowiana Seub. ex Schenk, encontrada do Paraná ao Rio Grande do Sul, em regiões brejosas. No entanto, esta espécie tem folhas glabras em ambas as faces, flores odoríferas, tépalas internas e externas semelhantes entre si e tépalas internas rubro-punctadas, o que a diferencia de A. amabilis.

Alstroemeria capixaba M.C.Assis sp. nov.

Tipo: BRASIL. Espírito Santo: Santa Teresa, São João de Petrópolis, Escola Agrotécnica 12/II/1999 M. C. Assis et al. 569 (Holótipo, SPF; isótipo, UEC).

Fig. 4-6

Herba gracilis, foliis membranaceis, ellpiticis, glabris. Flores omnibus tepalis maculatis, tepala interna spathacea, apicibus cuspidatis.

Erva 0,25-0,4m alt.; ramos cilíndricos, glabros. Folhas do ramo vegetativo ressupinadas, membranáceas, distribuídas no terço distal do ramo, 2,5-9,5 × 0,7-2,5cm, elípticas, ápice agudo, base atenuada, ambas as faces glabras, nervuras não proeminentes. Folhas do ramo reprodutivo ressupinadas ou não, não amplexicaules, membranáceas, esparsamente distribuídas pelo ramo, 0,6-3,5 × 0,1-0,4cm, linear-lanceoladas, ápice agudo, base atenuada, ambas as faces glabras, nervuras não proeminentes. Cimeira umbeliforme simples, pedicelo glabro, 0,7-2,5cm compr. Brácteas foliosas, membranáceas, 1-3,5 × 0,1-0,4cm; bractéolas não vistas. Flores patentes, sem odor, campanuladas, avermelhadas, 4-5cm compr. Tépalas externas rubro-maculadas, semelhantes entre si, oboval-espatuladas, ápice acuminado, base atenuada, a superior 3,7-4,8 × 0,7-1,2cm, as inferiores, 3,4-3,7 × 0,6-1cm. Tépalas internas rubro-maculadas, semelhantes entre si, espatuladas, ápice cuspidado, base atenuada, margem distal inteira, as superiores, 3,7-4,5 × 0,4-0,6cm, a inferior 3,2 × 0,6cm. Estames inclusos, filetes glabros, ca. 2m compr. Estigma incluso, estilete glabro, ca. 2,7m compr. Cápsula não vista.

Distribuição e fenologia: A. capixaba ocorre no interior das florestas estacionais semidecíduas do Espírito Santo, florescendo em junho.

Parátipos: BRASIL. Espírito Santo: Vitória, 5/VII/1938, fl., M. B. Foster s.n (SP 41439); Santa Teresa, São João de Petrópolis, Escola Agrotécnica Federal, 23/VI/1985, fl., H. Q. B. Fernandes 1337 (MBML, SPF).

Alstroemeria capixaba é caracterizada por seus ramos vegetativos e reprodutivos delicados, e pelas flores com todas as tépalas maculadas. Seus ramos vegetativos e reprodutivos são muito semelhantes aos de A. caryophyllaea Jacq. que ocorre em Minas Gerais e Rio de Janeiro. No entanto, A. caryophyllaea possui flores odoríferas e as tépalas externas sem manchas.

 

Agradecimentos

Este estudo fez parte do Doutorado realizado no Departamento de Botânica do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo e financiado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). A autora deseja manifestar seus agradecimentos à Fundação Margaret Mee pela bolsa concedida.

 

Referências bibliográficas

Assis, M. C. 2001. Alstroemeria L. (Alstroemeriaceae) do Brasil. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.         [ Links ]

Baker, J.G. 1877. On the Brasilian species of Alstroemeria. Journal of Botany 15: 259-287.         [ Links ]

Baker, J.G. 1888. Handbook of Amaryllidaceae. George Bells & Sons, London.         [ Links ]

Bayer, E. 1987. Die Gattung Alstroemeria in Chile. Mitteilungen der Botanischen Staatssammlung München 24: 1-362.         [ Links ]

Ravenna, P. 2000. New or interesting Alstroemeriaceae-I. Onira 4(10): 33-46.         [ Links ]

Sanso, A.M. 1996. El género Alstroemeria (Alstroemeriaceae) en Argentina: Darwiniana 34: 349-382.         [ Links ]

Schenk, A. 1855. Alstroemerieae. Pp.166-180. In C. F. P. Martius & A. W. Eichler (Eds.), Flora Brasilica Vol. 3. Part 1. Verlag von J. Cramer, New York.         [ Links ]

 

 

Recebido em 05/12/2001. Aceito em 13/06/2002

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons