SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 issue4Medicinal plants used for aliments of the gastro-intestinal tract at Colonia Treze village, Lagarto Municipality, Sergipe State, BrazilIntraspecific variation in wood anatomy of Pseudopiptadenia contorta (DC) G.P. Lewis & M.P. Lima (Leguminosae -Mimosoidae) in two Atlantic rain forest remnants author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Botanica Brasilica

Print version ISSN 0102-3306On-line version ISSN 1677-941X

Acta Bot. Bras. vol.20 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062006000400008 

Fungos filamentosos isolados do solo em municípios na região Xingó, Brasil

 

Filamentous fungi isolated from soil in districts of the Xingó region, Brazil

 

 

Maria Auxiliadora de Queiroz CavalcantiI, 1; Luciana Gonçalves de OliveiraI, II; Maria José FernandesI; Débora Massa LimaI

IUniversidade Federal de Pernambuco, Centro de Ciências Biológicas, Departamento de Micologia, Cidade Universitária, 50670-420 Recife, PE, Brasil
IIUniversidade Federal de Pernambuco, Departamento de Micologia, Cidade Universitária,50670-420 Recife, PE, Brasil (lugoliveira@yahoo.com.br)

 

 


RESUMO

O solo é considerado um dos principais hábitats para a população de microrganismos, dentre os quais estão os fungos. A região de Xingó é caracterizada por apresentar ecossistema típico de Caatinga. Com objetivo de isolar e identificar fungos filamentosos na região Xingó, utilizou-se amostras de solo coletadas nos municípios de Canindé de São Francisco (SE), Olho D'água do Casado (AL) e Piranhas (AL), durante o período chuvoso (maio e julho/2000) e de estiagem (março/2001), tanto na superfície do solo quanto a 20 cm de profundidade. Foram identificados 96 táxons pertencentes a oito espécies de Ascomycota, oito espécies de Zygomycota e 80 anamorfos, sendo uma espécie de Coelomycetes e 79 espécies de Hyphomycetes. Penicillium e Aspergillus foram os gêneros mais diversos com 31 e 17 espécies, respectivamente.

Palavras-chave: fungos filamentosos, solo, caatinga


ABSTRACT

The soil is one of the most important habitats for microorganisms, among them the fungi. Xingó is a region characterized by typical caatinga ecosystems. The aim of this research was to isolate and identify filamentous fungi from soils of the Xingó region using samples collected at the soil surface and at 20 cm depth, in the districts of Canindé de São Francisco (Sergipe), Olho D'água do Casado (Alagoas), and Piranhas (Alagoas), during the rainy (May and July/2000) and dry seasons (March/2001). We identified 96 taxa belonging to eight species of Ascomycota, eight species of Zygomycota and 80 anamorphs, with one species of Coelomycete and 79 species of Hyphomycetes. Penicillium and Aspergillus were the most diverse genera with 31 and 17 species, respectively.

Key words: filamentous fungi, soil, caatinga


 

 

Introdução

O solo é considerado um dos principais hábitats para população de microrganismos e dentre estes, encontram-se os fungos (Paul & Clark 1989). No solo, os fungos são encontrados em comunidades variando de 104 a 106 organismos por grama (Alexander 1977), participando ativamente dos processos de biodeterioração e biodegradação (Allsop & Seal 1986; Eggins & Allsop 1985), contribuindo para ciclagem de nutrientes e conseqüentemente, para a manutenção dos ecossistemas.

Existem vários estudos sobre os microfungos do solo em regiões tropicais (Hyde 1997) e estudos ecológicos sobre esses fungos foram realizados na América do Sul e Central, particularmente nas Bahamas, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Honduras, Jamaica, Panamá e Peru (Farrow 1954; Goss 1960, 1963; Goss & Timonin 1962; Robinson 1970; Rogers 1971; Gochenaur 1970; 1975; Samuels & Rodrigues 1989, Rodrigues & Samuels 1989).

A caatinga encontra-se hoje em acentuado processo de desertificação ocasionado, principalmente, pelo desmatamento e uso inadequado dos recursos naturais (Drumond et al. 2000). Portanto, as comunidades microbióticas e os processos por elas desencadeados precisam ser estudados não apenas para se conhecer os indivíduos e respectivas funções, mas também os efeitos dos distúrbios ou estresses ambientais sobre tais comunidades (Kennedy & Smith 1995).

Pelo exposto, o presente trabalho teve como objetivos isolar e identificar fungos filamentosos do solo nos Municípios de Canindé de São Francisco, Olho D'água do Casado e Piranhas, na região Xingó.

 

Material e métodos

Área de Estudo – A caatinga faz parte do conjunto de ecossistemas de latitudes tropicais e subtropicais que sofre estresse hídrico sazonal (Sampaio 1995). Localizada no Brasil, e com aproximadamente 800.000 km2, inclui parte dos Estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Minas Gerais (Andrade-Lima 1981; Ab'Saber 1997). Essa região semi-árida possui um regime de chuva muito irregular, variando de 300 a 1.000 mm, concentrada em 3-5 meses sendo detentora de alto potencial de evapotranspiração (Sampaio 1995). A vegetação é caracterizada por apresentar formações de floresta seca composta de vegetação xerófila de porte arbóreo, arbustivo e herbáceo, com ampla variação de fisionomia e diversidade de espécies, predominando representantes de Caesalpinaceae, Mimosaceae, Euphorbiaceae, Fabaceae e Cactaceae (Drumond et al. 2000).

Xingó é a região onde se encontra instalada a Hidroelétrica de Xingó, da Companhia Hidroelétrica de São Francisco, caracterizada por apresentar ecossistema típico de caatinga, contendo um programa multidisciplinar para o desenvolvimento do Nordeste do Brasil, atingindo cerca de 29 cidades nos Estados de Alagoas, Bahia, Pernambuco e Sergipe, abrangendo diversas áreas como: educação, energia, recursos hídricos, aqüicultura, biodiversidade e gestão ambiental. Na área de biodiversidade está sendo procedido o levantamento exploratório da flora, fauna e microfungos.

Foram selecionados os municípios de Canindé de São Francisco (SE) (9º33'13,4" S e 37º41'13,5" W), Olho D'água do Casado (AL) (9º50'83" S e 37º83'22" W) e Piranhas (AL) (9º62'44" S e 37º75'69" W) para a realização do presente trabalho.

O clima da Região é característico do semi-árido, com precipitação média anual de 500 mm e temperatura média anual de 24 a 26 ºC. A área é coberta por vegetação caducifólia espinhosa (Caatinga), arbustivo-arbóreo em geral aberta. O estrato herbáceo é quase ausente no período seco. Na flora destacam-se as leguminosas Caesalpinia, Mimosa, Anadenanthera. Compondo o estrato arbustivo dominam espécies de Euphorbiaceae e sobre os afloramentos rochosos, são comuns espécies de Cactacea e Bromeliaceae (Souza et al. 2003).

Amostras de solo foram coletadas em três pontos aleatórios casualisados, tanto na superfície quanto a 20 cm de profundidade, durante os períodos chuvoso (maio e julho/2000) e de estiagem (março/2001), nas Fazendas Cana Brava, Capelinha e Baixa da Légua, nos Municípios de Canindé de São Francisco, Olho D'água do Casado e Piranhas, respectivamente. O solo foi coletado com auxílio de uma pá de jardinagem e armazenado em sacos plásticos, etiquetados e transportados para a Universidade Federal de Pernambuco, para posterior manipulação.

Para o isolamento utilizou-se Agar Sabouraud, acrescido de cloranfenicol (100 mg L-1) (Lacaz et al. 1991). A identificação foi realizada com as colônias repicadas e purificadas em Batata Dextrose Ágar (BDA): batata inglesa 140 g, glicose 20 g, ágar 16 g e água destilada (q.s.p) 1.000 ml; Agar Czapeck (CZ): Sacarose 30 g; NaNO3 3g; MgSO4 0,5; Kcl 0,5 g; FeSO4 + 7 H2O 0,01 g; K2PO4 1 g; ágar 16 g e água destilada (q.s.p) 1.000 ml (Lacaz et al. 1991) e Agar Malte: extrato de Malte 20 g, peptona 1,0 g, glicose 20 g, ágar 20 g e água destilada (q.s.p) 1. 000 ml (Pitt 1988).

Do solo coletado, nos três pontos aleatórios, foi preparada uma amostra composta. Para o isolamento dos fungos, o solo, tanto de superfície quanto de profundidade, foi submetido à técnica de diluição sucessiva (Clark 1965 modificado), onde 25 g de solo foi suspenso em 225 ml de água destilada esterilizada (ADE) (dilução 1:10). Desta diluição, 10ml foi adicionado a 990 ml de ADE (diluição 1:1000) da qual 1ml foi semeado em Ágar Sabouraud adicionado de cloranfenicol (100 mg L-1), contido em placas de Petri, em três réplicas. As placas permaneceram a temperatura ambiente (TA 28 ºC ± 1 ºC) e o crescimento acompanhado por 72 h. Após purificação, as amostras foram transferidas para meios específicos (Czapeck, BDA, Agar Malte) para posterior identificação utilizando bibliografias como: Carmichael et al. (1980), Domsch et al. (1993), Ellis (1971), Pitt (1988), Raper & Fennel (1977), Ames (1961), entre outras. Quando necessário, procedeu-se ao microcultivo em lâmina (Ridell 1950).

 

Resultados

Das amostras do solo coletadas dos municípios da região Xingó, durante o período chuvoso e de estiagem, foram isolados 96 espécies pertencentes a oito de Ascomycota, oito de Zygomycota e 80 anamorfos, sendo uma espécie de Coelomycetes e 79 espécies de Hyphomycetes. O total de 1.230 unidades formadoras de colônias (UFC) foi obtido, representadas principalmente por Aspergillus fumigatus Fresenius, Aspergillus niger Van Thieghem, Humicola fuscoatra Traaen, Fusarium solani (Mart.) Appel & Wollenw e Aspergillus japonicus Saito com 246, 76, 59,55 e 54 de UFC, respectivamente (Tab. 1).

Os gêneros dominantes, de acordo com o número de espécies, foram em ordem decrescente: Penicillium (31), Aspergillus (17) Fusarium (8), Absidia, Rhizopus, Trichoderma (3), Chaetomium, Cladosporium, Curvularia, Eupenicillium, Humicola, Paecilomyces e Torula (2), Arachniotus, Acremonium, Kabatiella, Cunninghamella, Emericella, Gongronella, Monodictys, Myrothecium, Neocosmospora, Ramicloridium, Tritirachium , Phoma, Pithomyces, Scolecobasidium e Zopfia (1).

 

Discussão

A maioria das espécies encontradas neste trabalho é referida como isoladas do solo (Domsch et al. 1993; Ellis 1971; Raper & Fenell 1977). Entretanto, Monodictys castaneae (Wallr.) S. Hughes e Kabatiella caulivora (Kirchn.) Karak. (=Aureobasidium caulivorum (Kirchn.) W.B. Cooke) estão sendo referidas, provavelmente, pela primeira vez, para o Brasil, como espécies isoladas do solo. Monodictys castaneae foi isolada em caule morto e madeira apodrecida (Ellis 1971), enquanto Kabatiella caulivora (= Aureobasidium caulivorum) foi isolada de Trifolium incarnatum, sendo referida como patogênica, causando antracnose em vegetais (Hermanides-Nijhof 1977).

No Brasil existem poucos relatos sobre fungos do solo em regiões do semi-árido sendo mencionados os de Cavalcanti & Maia (1994) que estudaram fungos celulolíticos em solo, da zona semi-árida do Estado de Pernambuco, concluindo que existia uma alta diversidade de espécies de Hyphomycetes, principalmente espécies de Aspergillus e Penicillium. Maia & Gilbertoni (2002) referem o registro de dezenas de espécies de Hyphomycetes em municípios da região semi-árida no Nordeste Brasileiro. Dentre as espécies citadas, por estes autores, Aspergillus flavipes, A. flavus, A. japonicus, A. niger, A. sydowii, A. tamarii, A. terreus, A. ustus, Cladosporium cladosporioides, Fusarium equiseti, F. lateritum, F. oxysporum, F. solani, Humicola fuscoatra, Myrothecium verrucaria, Paecilomyces lilacinus, P. varioti, Penicillium aurantiogriseum, P. commune, P. funiculosum, P. janthinelum, P. pinophilum, P. restrictum, P. verruculosum, P. vinaceum, P. viridicatum, P. waksmanii, Trichoderma harzianum, T. koningi e T. pseudokoningi, também isoladas e identificadas no presente trabalho. Souza et al. (2003) estudaram a diversidade de fungos micorrízicos na região Xingó onde foram observados 24 táxons de fungos micorrízicos arbusculares.

Estudos realizados por Abdel-Hafez (1982) em solos do deserto na Arábia Saudita indicam uma predominância de fungos anamorfos, relatando também o autor a presença de espécies de Chaetomium sp., (Ascomycota), Cunninghamella sp. e Rhizopus sp. (Zygomycota). Dentre os Ascomycota isolados e identificados no presente trabalho ocorreu Chaetomuim brasiliense, C. cupreum, Neocosmospora vasinfecta, Penicillium dodgei (= Eupenicillium brefeldianum) e Penicillium indonesiae (= E. javanicum). As duas espécies de Chaetomium são descritas como isoladas de detritos vegetais (Ames 1961); entretanto, Neocosmospora vasinfecta, Eupenicillium brefeldianum e E. javanicum são cosmopolitas em regiões tropicais e subtropicais (Domsch et al. 1993). Dentre as espécies de Zygomycota isoladas e identificadas neste estudo ocorreram Absidia corymbifera, A. cylindrospora, A. ramosa, Cunninghamella elegans, Gongronella butleri, Rhizopus microsporus var. chinensis, Rhizopus microsporus var. microsporus. Segundo Domsch et al. (1993) estas espécies são amplamente distribuídas e podem ocorrer em diversos substratos, principalmente o solo.

As espécies de fungos encontrados em solo de Caatinga da região Xingó constituem em sua maioria de Hyphomycetes em especial espécies de Penicillium e Aspergillus.

 

Agradecimentos

Ao CNPq, pela concessão de bolsas de produtividade em pesquisa e iniciação científica; à equipe do Programa de Biodiversidade - Projeto Xingó/UFPE/UFRPE/CHESF, pelo apoio.

 

Referências bibliográficas

Abdel-Hafez, S.I. 1982. Survey of the mycoflora of desert soils of Saudi Arabia. Mycopathologia 80: 3-8.        [ Links ]

Ab'Saber, A.N. 1977.Os domínios morfoclimáticos da América do Sul, primeira aproximação. Geomorfologia 52: 1–21.        [ Links ]

Alexander, M. 1977. Introduction to Soil Microbiology. New York, John Weley.        [ Links ]

Allsop, D. & Seal, K.J. 1986. Introduction to Biodeterioration. London, Edward Arnold.        [ Links ]

Ames, L.M. 1961. A monograph of the Chaetomiaceae. Army, Army Research Office.        [ Links ]

Andrade-Lima, D. 1981.The Caatinga Dominium. Revista Brasileira de Botânica 4: 149-63.        [ Links ]

Carmichael, J.W.; Kendrick, W.B.; Conners, I.L. & Singler, L. 1980. Genera of Hyphomycetes. Alberta, University of Albert Press.        [ Links ]

Cavalcanti, M.A. & Maia, L.C. 1994. Cellulolytic fungi isolated from allluvial soil in semi-arid area of the northeast of Brazil. Revista de Microbiologia 25: 251–254.        [ Links ]

Clark, F.E. 1965. Agar-plate method for total microbial count. Pp. 1460-1466. In: C.A. Black; D.D. Evans; J.L. White; L.E. Ensminger; F.E. Clark & R.C. Dinaver (eds.). Methods of soil analysis, Part 2. Chemical and microbiological properties. New York, Madson Inc.        [ Links ]

Domsch, K.H.; Gams, W. & Anderson, T.H. 1993. Compendium of soil fungi. v.I. San Francisco, Academic Press.        [ Links ]

Drumond, M.A.; Kill, L.H.P.; Lima, P.C.F.; Oliveira, M.C.; Oliveira, V.R.; Albuquerque, S.G.; Nascimento, C.E.S. & Cavalcante, J. 2000. Estratégias para o uso sustentável da biodiversidade da caatinga. In: Workshop de avaliação e identificação de ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade do bioma caatinga. Petrolina, Embrapa/Cpatsa, UFPE e Conservation International do Brasil.        [ Links ]

Eggins, H.O. & Allsop, D. 1985. Biodeterioration and biodegradation by fungi. In: J.E. Smith & D.R. Berry (eds.). Industrial Mycology. The filamentous fungi. v.I. London, Edward Arnold.        [ Links ]

Ellis, M.B. 1971. Dematiaceus Hyphomycetes. Kew, Commomwealth Mycologi Institute.        [ Links ]

Farrow, W.M. 1954. Tropical soil fungi. Mycologia 46: 632–645.        [ Links ]

Gochenaur, S.E. 1970. Soil mycoflora of Peru. Mycopathologia et Mycologia Applicata 42: 259-272.        [ Links ]

Gochenaur, S.E. 1975. Distributional patterns of mesophilous and termophilous microfungi in two Bahamia soils. Mycopathologia 57: 155-164.        [ Links ]

Goss, R.D. 1960.Soil fungi from Costa Rica and Panama. Mycologia 52: 877-883.        [ Links ]

Goss, R.D. 1963. Futher observation on soil in Honduras. Mycologia 55: 142-150.        [ Links ]

Goss, R.D. & Timonin, M.I. 1962. Fungi from the rizosphere of banana in Honduras. Canadian Journal of Botany 40: 1371-1377.        [ Links ]

Hermanides-Nijhof, E.J. 1977. Aureobasidium and allied genera. Studies in Mycologi 15: 141-67.        [ Links ]

Hyde, K.D. 1997. Biodiversity of tropical microfungi. Hong Kong, Hong Kong University Press.        [ Links ]

Kennedy, A.C. & Smith, K.L. 1995. Soil microbial diversity and the sustainability of agricultural soils. Plant and soil 170: 75-86.        [ Links ]

Lacaz, C.S.; Porto, E. & Martins, J.E.C. 1991.Micologia médica: fungos, actnomicetos e algas de interesse médico. São Paulo, Savier.        [ Links ]

Maia, L.C. & Gilbertoni, T.B. 2002. Fungos registrados no semi-árido nordestino. Pp. 163-176. In: E.V.S.B. Sampaio; A.M. Giulietti; J. Virgínio & C.F. L. Guamarra-Rojas (eds.). Vegetação & Flora da Caatinga. Recife, Associação de Plantas do Nordeste - APNE; Centro Nordestino de Informações sobre plantas - CNIP.        [ Links ]

Paul, E.A. & Clark, F.E. 1989. Soil Microbiology and Biochemistry. San Diego, Academic Press.        [ Links ]

Pitt, J.I.A. 1988. A laboratory guide to commons Penicilium species. North Ryde, Commomwealth.        [ Links ]

Raper, K.B. & Fenell, D.I. 1977. The genus Aspergillus. Malabar, Robert and Krieger Malabar.        [ Links ]

Riddell, R.W. 1950. Permanent stained mycological preparation obbtained by slide culture. Mycologia 42: 265-270.        [ Links ]

Robinson, B.M. 1970. Micro-fungi of sugar-cane roots and soil in Jamica. Tropical Agricultural (Trindad) 47: 23–29.        [ Links ]

Rodrigues, K.F. & Samuels, G.J. 1989. Studies in the genus Phylacia (Xylariaceae). Memoirs of the New York Botinical Garden 49: 290-297.        [ Links ]

Rogers, A.L. 1971. Isolation of keratinophilic fungi from soil in the vicinity of Bogota. Mycopathologia et Mycologia Applicata 44: 261-264.        [ Links ]

Sampaio, E.V.S.B. 1995. Overview of the Brazilian Caatinga. Pp 35-63. In: S.H. Bullock; H.A. Mooney & E. Medina (eds.). Seasonally dry tropical forests. Cambridge, Cambridge University Press.        [ Links ]

Samuels, G.J. & Rodrigues, K.F. 1989. Batisatia annulipes and its anamorph, Ascostroma annelosynnema. Mycologia 81: 52-56.        [ Links ]

Souza, G.R.; Maia, L.C.; Sales, M. & Trufem, S.F.B. 2003. Diversidade e potencial de infectividade de fungos micorrízicos arbusculares em área de caatinga, na Região de Xingó, Estado de Alagoas, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 26: 49-60.        [ Links ]

 

 

Recebido em 1/07/2005. Aceito em 5/05/2006

 

 

1 Autor para correspondência: xiliamac@terra.com.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License