SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue2Seedling morpho-anatomy and chromosome number of Cybistax antisyphilitica (Mart.) Mart. (Bignoniaceae)The importance of Private Natural Heritage Reserves for conservation of Atlantic rain forest bryoflora: a study at El Nagual, Magé, Rio de Janeiro State, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Botanica Brasilica

Print version ISSN 0102-3306On-line version ISSN 1677-941X

Acta Bot. Bras. vol.22 no.2 São Paulo Apr./June 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062008000200006 

Uma nova espécie de Mezilaurus Taubert (Lauraceae) para a flora brasileira

 

A new species of the genus Mezilaurus Taubert (Lauraceae) for the Brazilian flora

 

 

Flávio Macedo AlvesI, 1; João Batista BaitelloII

IUniversidade de São Paulo, Instituto de Biociências, Av. Pádua Dias 11, C. Postal 09, 13418-900 Piracicaba, SP, Brasil
IIInstituto Florestal, Rua do Horto 931, 02377-000 Bairro Horto Florestal, São Paulo, SP, Brasil (baitello@if.sp.gov.br)

 

 


RESUMO

É descrita e ilustrada uma nova espécie de Mezilaurus Taubert (Lauraceae): Mezilaurus vanderwerffii F.M. Alves & J.B. Baitello, caracterizada por folhas densamente dotadas de pontoações glandulares na face adaxial. A espécie é relatada para o Cerrado, Cerradão, e Floresta Estacional Semidecidual do entorno do Pantanal Matogrossense.

Palavras-chave: nova espécie, Mezilaurus, Lauraceae, Mato Grosso do Sul, Brasil


ABSTRACT

The species was named Mezilaurus vanderwerffii F.M. Alves & J.B. Baitello and is characterized by leaves with dense, glandular dots on the adaxial surface. The species is reported for Cerrado, Cerradão, and Semideciduous Forest surrounding the Pantanal Matogrossense

Key words: new species, Mezilaurus, Lauraceae, Mato Grosso do Sul, Brasil


 

 

Introdução

Os inventários botânicos têm revelado que Lauraceae está, em termos florísticos e econômicos, entre as famílias mais importantes, mas a identificação de suas espécies é tarefa difícil (Baitello 2001). A maioria dos seus gêneros não pode ser distinguida seguramente com base apenas em caracteres vegetativos (Rohwer 1993b). Por esta razão é essencial, para uma identificação segura, a presença de flores, pois, em geral, as chaves de identificação e as descrições taxonômicas estão baseadas em caracteres florais (van der Werff 1991).

O gênero Mezilaurus Taubert compreende 18 espécies, ocorrendo da Costa Rica ao Sudeste do Brasil. A maioria das espécies é encontrada em áreas de boa drenagem do rio Amazonas e poucas espécies ocorrem em outros ecossistemas (van der Werff 1987).

Mezilaurus é um dos gêneros de Lauraceae que possuem as menores flores, cerca de 2 mm de diâmetro na antese, caracteriza-se por folhas, em geral, congestas no ápice dos ramos, flores trímeras, bissexuadas, apenas 3 estames férteis, representando a série III, e cúpula pouco desenvolvida, quase sempre estreita e em forma de um disco plano.

O gênero é pobremente coletado e, por esta razão, a maioria das coleções botânicas possui poucos espécimens, o que demonstra a necessidade de maior número de coletas para melhorar o entendimento taxonômico do gênero (van der Werff 1987).

Estudo florístico da família Lauraceae no Mato Grosso do Sul revelou uma nova espécie de Mezilaurus, representando a segunda espécie do gênero para o Bioma Cerrado (lato sensu) da região Centro-Oeste, embora as coletas disponíveis revelem que esta espécie não é exclusiva desse Bioma.

 

Material e métodos

Este estudo foi realizado atravéz de consulta aos herbários CGMS (Herbário da UFMS, Campo Grande, MS), COR (Herbário da UFMS, Corumbá, MS), UB (Herbário da UNB, Brasília, DF) e SPSF (Herbário do Instituto Florestal do Estado de São Paulo), HPL (Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda).

 

Resultados e discussão

Mezilaurus vanderwerffii F.M. Alves & J.B. Baitello sp. nov.

Fig. 1a-b

 

 

A Mezilaurus crassiramea et M. itauba floribus glabris, foliis adaxialiter confertim et minime pontoado-glandulosis differt.

Árvore até 16 m; râmulos crassos, lenticelados, glabrescentes ou glabros, cicatrizes foliares evidentes; gema apical densamente alvo-serícea. Folhas congestas no ápice dos ramos; lâmina cartácea, levemente discolor, sub-brilhante em ambas as faces, 6,0-17,0×4,0-6,0 cm, elíptica a obovada, decorrente para o pecíolo, ápice agudo a sub-obtuso, base aguda, densamente e minutamente pontoado-glandulosa, pontoações visíveis sob lupa na face adaxial, e sob luz forte, como pontos translúcidos, em ambas as faces, face adaxial glabra, abaxial esparsamente pubescente a glabra, venação eucamptódroma, nervura central na face abaxial achatada na base, saliente e mais estreita para o ápice, nervuras laterais 10-14 pares. Pecíolo achatado, 2,0-4,5 mm compr., esparso e curtamente pubescente, pêlos eretos.

Inflorescência subterminal, axilar, agrupada no ápice dos ramos, mais curtas que as folhas, flores aglomeradas no ápice dos ramos laterais, ramos esparso-pubescentes a glabros, pêlos curtos, pedúnculo até 3,5 cm. Flores ca. 2,0×2,0 mm, glabras externamente; tubo floral obcônico, pouco profundo, densamente pubescente por dentro; pedicelo 1,33,0 mm; tépalas 6, subiguais, ca. 1,0×1,0 mm, eretas, mais curtas que o tubo floral, face interna densamente pubescente na base, pêlos longos, quase apressos, margem papilosa. Estames 3, representados pela série III, todos férteis, sem glândulas, exsertos na antese, ca. 1,0×0,6 mm, anteras glabras, ligeiramente dolabriformes, locelos 2, apicais, amplos, lateral-extrosos, filetes livres, pouco mais estreitos que as anteras, densamente pubescentes, pêlos longos e levemente crespos; estaminódios quando presentes, podendo ser apenas 1, bem a pouco desenvolvidos, ápice piramidal, filódio densamente pubescente, pêlos longos; pistilo lageniforme, glabro, 1,5×0,7 mm, ovário elípsóide, atenuado para o curto estilete, estigma subcapitado. Fruto 2,0×1,5 cm, elipsóide, verde quando jovem, negro quando plenamente maduro, pedúnculo curto, lenhoso; cúpula subpateliforme, estreita, 4,06,0 mm larg., tépalas persistentes ou caducas.

Tipo: BRASIL. Mato Grosso do Sul: Ribas do Rio Pardo, 3/IV/1994, fl., fr., H. Lorenzi, H. 1467. (Holótipo SPSF; Isótipo HPL).

Parátipos: BRASIL. Mato Grosso do Sul: Aquidauana, Estrada do Paxixi, Morro do Paxixi, 26/X/1986, bot., S.T. Vasconcellos et al. 34 (COR, UB); Aquidauana, Piraputanga, 2/IV/1994, fl., fr., H. Lorenzi 1495 (HPL), Aquidauana, Piraputanga, Pesqueiro da Serra, 11/XI/1997, fl., U.M. Resende 1032 (CGMS); Ribas do Rio Pardo, margem da rodovia MS 262, 28/IX/1994, fr., G. F. Arbocz 792 (SPSF).

Distribuição geográfica: a espécie é freqüentemente encontrada no Cerradão de Piraputanga e no Morro do Paxixi, município de Aquidauana, no Cerrado típico e na Floresta Estacional Semidecidual do entorno do Pantanal Matogrossense. Lorenzi (1998), refere que a espécie apresenta freqüência elevada, porém dispersão muito descontínua ao longo da sua área de distribuição.

Comentários: a principal característica diagnóstica da espécie é a presença de pontoações glandulares, vistas sob luz forte como pontos translúcidos através das faces adaxial e abaxial, caráter não encontrado em nenhuma outra espécie do gênero. Mezilaurus vanderwerffii enquadra-se no grupo de espécies cujas flores são glabras, pediceladas e de anteras biloceladas (van der Werff 1987). Até o presente esta nova espécie e Mezilaurus crassiramea (Meisn.) Taubert ex Mez, são as únicas que têm ocorrência no Cerrado, porém, ambas são perfeitamente distintas, pois, Mezilaurus crassiramea possui folhas com ambas as faces pubescentes, flores e ramos puberulentos, enquanto que Mezilaurus vanderwerffii tem folhas com a face adaxial densamente pontoado-glandulosa, face abaxial glabrescente, flores externamente glabras e ramos com poucos tricomas esparsos.

O epíteto homenageia Henk van der Werff, do Missouri Botanical Garden (USA), grande estudioso da família Lauraceae e autor da última revisão do gênero.

A madeira de Mezilaurus vanderwerffiii, por ser dura e pesada, é utilizada localmente para moirões, postes, cruzetas, dormentes, carpintaria em geral, armações de pontes, obras hidráulicas e outras obras externas que requeiram resistência mecânica e grande durabilidade (Lorenzi 1998). Seus frutos são apreciados pela avifauna, especialmente por tucanos.

Na sua região de ocorrência é conhecida como tapinhoã, nome dado para outra espécie do gênero, Mezilaurus navalium (Allemão) Taubert ex Mez, que ocorre na mata atlântica do Estado do Rio de Janeiro.

 

Agradecimentos

À MSc. Ubirazilda Maria Resende, pelas valiosas informações sobre a ecologia e utilização econômica da espécie; a Jefferson Prado, do Instituto de Botânica, pela diagnose latina, às curadoras dos Herbários CGMS, Ângela Lúcia Bagnatori Sartori e COR, Iria Hiromi Ishii, pelo apoio logístico; à Conservation International (CI-Brasil), pela bolsa de Mestrado de Flávio Macedo Alves.

 

Referências bibliográficas

Baitello, J.B. 2001. Novas Espécies de Lauraceae para a Flora Brasileira. Acta Botanica Brasilica 15: 445-450.         [ Links ]

Lorenzi, H. 1998. Árvores brasileiras. Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. v.2. Nova Odessa, Editora Plantarum.         [ Links ]

Rohwer, J.G. 1993a. Lauraceae. Pp. 366-391. In: K. Kubitzki; J.G. Rohwer & V. Bittrich (eds.). The Families and Genera of Vascular Plants. Flowering Plants. Dicotyledons. Berlin, Springer-Verlag,         [ Links ]

Rohwer, J.G. 1993b. Lauraceae: Nectandra. Flora Neotropica, Monograph 60. New York, New York Botanical Garden.         [ Links ]

van der Werff, H. 1987. A Revision of Mezilaurus (Lauraceae). Annals of the Missouri Botanical Garden 74: 153-182.         [ Links ]

van der Werff, H. 1991. A Key to the Genera of Lauraceae in the New World. Annals of the Missouri Botanical Garden 78: 377-387.         [ Links ]

 

 

Recebido em 31/10/2006. Aceito em 18/06/2007

 

 

1 Autor para correspondência: flaurace@yahoo.com.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License