SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.47 número1Pseudartrose congênita de clavículaResultados funcionais e radiológicos a longo prazo da fixação percutânea das fraturas da extremidade distal do rádio índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Brasileira de Ortopedia

versão impressa ISSN 0102-3616

Rev. bras. ortop. vol.47 no.1 São Paulo jan./fev. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-36162012000100003 

ARTIGO ORIGINAL

 

Qual a melhor incidência radiográfica para avaliar o desvio das fraturas tipo die-punch? Estudo em cadáver

 

 

Diego Figueira FalcochioI; Bruno Eiras CrepaldiII; Christiano Augusto TrindadeII; Antonio Carlos da CostaIII; Ivan ChakkourIV

IMédico Assistente do Grupo de Cirurgia da Mão e Microcirurgia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – São Paulo, SP, Brasil
IIMédico Residente do Serviço de Ortopedia e Traumatologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – São Paulo, SP, Brasil
IIIDoutor e Chefe do Grupo de Cirurgia da Mão e Microcirurgia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – São Paulo, SP, Brasil
IVDoutor e Consultor Sênior do Grupo de Cirurgia da Mão e Microcirurgia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – São Paulo, SP, Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Avaliar qual a melhor incidência radiográfica para diagnosticar os desvios da fratura tipo die-punch da extremidade distal do rádio.
MÉTODOS: Utilizou-se um rádio do Banco de Tecidos Salvador Arena. Após limpeza e retirada de partes moles, realizou-se osteotomia da região dorsoulnar da superfície articular com microsserra, osteótomo e martelo. Fixou-se o fragmento distal com fita adesiva, nos degraus articulares de 1, 2, 3 e 5mm. A peça foi submetida a radiografias nas incidências frente, perfil, oblíqua semipronada, oblíqua semissupinada e tangencial (75º com o plano da mesa). Em uma segunda etapa, avaliou-se o desvio da fratura em cada radiografia, com auxílio do software AutoCAD 2010®.
RESULTADOS: A incidência tangencial foi a melhor para identificar os desvios de 1 e 3mm e a segunda melhor nos desvios de 2 e 5mm. No desvio de 2mm a melhor incidência foi a oblíqua semipronada e no de 5mm a oblíqua semissupinada, sendo que não se consegue identificar os desvios de 1 e 2mm na oblíqua semissupinada.
CONCLUSÃO: A incidência tangencial foi superior na avaliação do degrau articular de 1mm e 3mm e a segunda melhor quando houve degrau de 2mm e 5mm.

Descritores – Fraturas do Rádio/radiografia; Fraturas do Rádio/cirurgia; Cadáver


 

 

INTRODUÇÃO

As fraturas da extremidade distal do rádio correspondem a aproximadamente um sexto das fraturas do corpo humano. Com maior exposição a traumas de alta energia nas grandes cidades e o aumento da expectativa de vida da população, o número de fraturas intra-articulares aumentou na mesma proporção(1).

A fossa do semilunar é um componente comum das fraturas do rádio, e pode ser a única acometida. Este padrão de lesão é decorrente de carga axial, que provoca o choque do semilunar contra a fossa dele, fragmentando-a, sendo conhecido como fratura em die-punch.

Estudos a respeito das fraturas da região distal do rádio, com longo seguimento, correlacionam o resultado funcional à manutenção dos parâmetros anatômicos, e citam como fatores de mal prognóstico, por exemplo, a alteração da congruência articular, em que degraus articulares de 1 ou 2mm levariam à artrose sintomática em grande percentual dos pacientes(2).

Dada a grande dificuldade de avaliação pré e intraoperatória desse fragmento, muito já se estudou sobre o assunto. O estudo por tomografia computadorizada no pré-operatório é o padrão ouro(3). Contudo, a avaliação intraoperatória e pós-operatória é dificultada pela presença de placas, fixadores externos e fios metálicos.

Demonstrou-se que a incidência tangencial da borda dorsal do rádio (75° com o plano da mesa, com flexão máxima do punho), proporciona excelente visualização da superfície dorsal do rádio no intraoperatório, auxiliando no controle do tamanho do parafuso, a fim de se evitar lesões tendíneas (Figura 1)(4).

 

 

Baseado nesse trabalho(4), desenvolvemos estudo em cadáver, cujo objetivo é demonstrar qual é a melhor incidência para avaliar o desvio da borda dorsal do rádio na fratura tipo die-punch.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Um rádio de cadáver, congelado, do Banco de Tecidos Salvador Arena do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, sem sinais de trauma prévio ou deformidade, foi utilizado para a realização do trabalho. Após limpeza e retirada das partes moles, foi realizada osteotomia com microsserra oscilatória, formão e martelo, na face dorsal da fossa do semilunar, até 4cm proximal à articulação. Foi criada falha óssea metafisária de cerca de 3cm, deixando o fragmento distal com apenas 1cm, contendo a superfície articular (Figura 2).

 

 

Posicionou-se esse fragmento com degraus articulares de 1, 2, 3 e 5mm, com fita adesiva incolor, de modo que interferisse o menos possível na visualização real e radiográfica. Os degraus foram medidos com paquímetro digital (Tools Club Ferramentas Ltda®) (Figura 3).

 

 

Submetemos a peça a estudo radiográfico nas incidências de frente, perfil, oblíqua semipronada (OSP), oblíqua semissupinada (OSS) e tangencial à borda dorsal, a 75º com o plano da mesa (Figura 4).

 

 

As imagens do estudo radiográfico foram fotografadas, e posteriormente analisadas por meio do software AutoCAD 2010®, com o qual mensuramos o degrau articular (Figura 5).

 

 

 

RESULTADOS

Os degraus articulares mensurados foram alocados na Tabela 1 e na Figura 6. Quando não se observou o degrau na radiografia, sua representação correspondeu a 0. As radiografias, com todos os desvios e em todas as incidências, estão agrupadas na Figura 7.

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

Dada a grande dificuldade de avaliação dos desvios articulares do fragmento dorsoulnar no intra e no pós- operatório, e o fato de se conseguir boa visualização da superfície dorsal do rádio com a incidência tangencial(4), decidiu-se comparar a capacidade de percepção dos desvios articulares desse fragmento com diferentes incidências radiográficas, buscando melhorar a prevenção, evitar a artrose sintomática e as alterações biomecânicas do carpo.

De fato, como demonstrado por Cole et al(3), a tomografia computadorizada é o exame de padrão ouro no diagnóstico das fraturas intra-articulares da região distal do rádio para avaliar os desvios, o número e o tamanho dos fragmentos, sendo uma boa ferramenta na tentativa de evitar a artrose sintomática e as alterações biomecânicas do carpo(5). Todavia, apesar da possibilidade de sua utilização no intraoperatório, a utilização de materiais de implante de ligas metálicas atrapalharia a formação da imagem na tomografia, e nos deixaria a radioscopia e a radiografia como métodos para avaliação da redução e da fixação.

E qual a melhor incidência para tal avaliação? Além das incidências convencionais, Lundy et al(6) defenderam a incidência em perfil com cerca de 22º de elevação (perfil articular do rádio) para avaliar o afundamento intra-articular, e que isso ajudaria a diminuir o erro na medição do desvio intra-articular. Já Lee et al(7) demonstraram que a "descontinuidade" da linha das corticais radial e ulnar somadas, em milímetros, na incidência oblíqua, é a melhor forma de avaliar desvios rotacionais.

No nosso estudo, observa-se que, com 1mm de desvio, o degrau articular foi melhor observado na incidência tangencial seguida pela OSP. Com 2mm de desvio a melhor incidência foi a OSP, seguida pela tangencial. Ao avaliar os desvios com 3mm observou-se que a incidência tangencial foi novamente superior à OSS. E, por fim, com desvio de 5mm, o degrau foi melhor observado na OSS seguida da incidência tangencial. No estudo não foi possível visualizar desvio articular com 1 ou 2mm na incidência OSS.

A incidência tangencial se apresentou como a mais constante na avaliação do degrau articular do fragmento dorsoulnar, uma vez que teve aumento relativamente proporcional da visualização do desvio à medida em que se aumenta o degrau articular.

A incidência OSS não se mostrou interessante para avaliação dos menores desvios (1 e 2mm) e a OSP não se apresentou entre as melhores incidências para avaliação do desvio maior (5mm), como demonstrado na Figura 6.

Portanto, se acrescentarmos a avaliação da incidência tangencial às incidências frente, perfil, OSS e OSP, conseguiremos melhorar a acurácia na análise da redução e fixação dos fragmentos dorsoulnares, dada a sua constância na percepção dos degraus articulares.

Na prática cirúrgica encontraremos maior dificuldade para observar o degrau na incidência tangencial devido à sobreposição dos ossos do carpo, que irá atrapalhar a visualização. Entretanto, as incidências oblíquas e de perfil também terão sua análise dificultada pela presença da ulna.

 

CONCLUSÃO

No modelo estudado, a incidência Tangencial foi superior na avaliação do degrau articular de 1mm e 3mm e a segunda melhor quando produzido degrau de 2mm e 5mm.

 

REFERÊNCIAS

1. Ilyas AM, Jupiter JB. Distal radius fractures--classification of treatment and indications for surgery. Hand Clin. 2010;26(1):37-42.         [ Links ]

2. Pruitt DL, Gilula LA, Manske PR, Vannier MW. Computed tomography scanning with image reconstruction in evaluation of distal radius fractures. J Hand Surg Am. 1994;19(5):720-7.         [ Links ]

3. Cole RJ, Bindra RR, Evanoff BA, Gilula LA, Yamaguchi K, Gelberman RH. Radiographic evaluation of osseous displacement following intra-articular fractures of the distal radius: reliability of plain radiography versus computed tomography. J Hand Surg Am. 1997;22(5):792-800.         [ Links ]

4. Pinheiro Júnior M, Costa AC, Chakkour I. Qual a melhor incidência radiográfica para avaliar a proeminência dos parafusos na face dorsal do rádio? Estudo cadavérico. In: Anais do 29º Congresso Brasileiro de Cirurgia da Mão. São Paulo: Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão; 2009.         [ Links ]

5. Batra S, Gupta A. The effect of fracture-related factors on the functional outcome at 1 year in distal radius fractures. Injury. 2002;33(6):499-502.         [ Links ]

6. Lundy DW, Quisling SG, Lourie GM, Feiner CM, Lins RE. Tilted lateral radiographs in the evaluation of intra-articular distal radius fractures. J Hand Surg Am. 1999;24(2):249-56.         [ Links ]

7. Lee SK, Shin R, Zingman A, Loona J, Posner MA. Correlation of malrotation deformity in distal radius fractures with radiographic analysis: cadaveric study. J Hand Surg Am. 2010;35(2):228-32.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
Bruno Eiras Crepaldi
Rua Pedro Doll, 531, ap. 81, Santana – 02404-001 – São Paulo, SP.
E-mail: brunoecrepaldi@yahoo.com.br

Trabalho realizado no Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, SP.

Trabalho recebido para publicação: 19/04/2011, aceito para publicação: 19/07/2011.