SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 issue1Current concepts on the sagittal balance and classification of spondylolysis and spondylolisthesis author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Ortopedia

Print version ISSN 0102-3616

Rev. bras. ortop. vol.49 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2014

https://doi.org/10.1016/j.rbo.2013.11.001 

Editorial

O caminho da qualidade editorial

Gilberto Luis Camanho

Revista Brasileira de Ortopedia. E-mail: gilbertocamanho@uol.com.br


Desde que iniciei minha função como editor da RBO chamei a atenção dos leitores e autores: minha visão era que uma revista médica deve informar e educar e ter como objetivo ser lida.

As outras qualidades que se agregarem à revista, como fatores de impacto e citações nos sites de busca específicos, são valores que devem ser considerados secundários. Na nossa forma de ver, uma boa revista médica é séria na análise dos assuntos publicados e lida pela maioria dos interessados na área. Os índices de qualidade virão como consequência.

Essa visão de forma alguma descarta a importância dos índices que são usados para qualificar as revistas de caráter científico e a meta de atingi-los continua a ser um dos pilares de nossa gestão editorial. Um dos fatores para se obter um dos índices de valorização considerados importantes, chamados de fatores de indexação, é estar ligado a uma grande editora. Sem dúvida alguma, após vivenciarmos um ano de convívio com a nossa atual, que é uma grande editora, pudemos observar que a diferença de apoio logístico e suporte é grande e que esse deve ser considerado um fator positivo na análise de uma revista.

Ao longo destes anos observamos que a deterioração dos objetivos fundamentais das revistas médicas começou a ocorrer inicialmente de forma esporádica e restrita, até que atingiu níveis que a nosso ver merecem reflexão.

A indexação, que deve ser considerada o reconhecimento da qualidade, sofreu algumas distorções.

Publicar em revistas indexadas passou a ser uma moeda de troca para concursos acadêmicos e até para valorização profissional. No nosso meio universitário, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que regulamenta os programas de pós-graduação, considera que um trabalho publicado em uma revista com índice de impacto 4 ou acima vale 10 vezes mais do que um trabalho publicado na RBO; um com índice 1,6 vale seis vezes mais. Vale dizer que não há revistas de ortopedia com impacto 4 no mundo. Essa valorização descabida da indexação causou algumas atitudes estranhas para o meio das publicações de caráter educacional e científico. Algumas revistas indexadas cobram para a análise e publicação de trabalhos originais. Discordamos profundamente dessa cobrança, pois sem dúvida pode gerar interesses escusos que se assemelham ao criticadíssimo "conflito de interesse". Explico o porquê dessa minha interpretação:

  • - O fato de um médico ser consultor de uma determinada empresa nos dá o direito de imaginar que será tendencioso na publicação do resultado do uso de materiais produzidos pela empresa em questão.

  • - O fato de um autor pagar para análise e aprovação de um trabalho também nos dá o direito de imaginar que a aceitação do trabalho será facilitada.

Ter alto fator de impacto passou a ser um bom negócio.

Várias revistas foram criadas. Para demonstrar o que esse expediente gerou, a revista Science, de tradição e qualidade inquestionáveis, publicado no ano de 2013, vol.342, p.60-5 um interessante texto de um autor que forjou um trabalho, sobre um medicamento forjado, feito em uma instituição forjada e com autores forjados, com o título "Who's afraid of peer review?" Esse autor criou esse trabalho falso sobre um quimioterápico e o enviou para 400 revistas. Até o momento da publicação na Science, dessa sua interessante experiência, o trabalho já havia sido aceito em mais de 150 revistas do mundo!!!

Ter uma revista científica para publicação passou a ser bom negócio.

Na RBO vamos no caminho seguro, lento e progressivo de nossa indexação internacional e procuramos divulgar a produção científica da ortopedia brasileira nos seus limites. Exigir cada vez mais qualidade dos trabalhos, atualizar o nosso corpo de editores e divulgar a metodologia necessária para produção de trabalhos científicos tem sido a nossa diretriz.

Acreditamos que bons trabalhos, bem avaliados e corrigidos, servem de exemplo para que próximos trabalhos sejam melhores. Educar pelo exemplo é tarefa longa, mas segura.

Indexar a RBO, agora em sistemas internacionais, continua a ser um de nossos objetivos, mas dentro nos nossos limites.

Ser lida pela comunidade ortopédica brasileira, para a SBOT e para a RBO, é o nosso bom negócio.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.