SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 issue3Book review: towards the psychoanalytic unconscious: the origins of the concept to the first freudian elaborations author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Psicologia: Teoria e Pesquisa

Print version ISSN 0102-3772

Psic.: Teor. e Pesq. vol.30 no.3 Brasília July/Sept. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722014000300014 

Carta ao editor

 

 

Marcia Cecília Vianna Cañete; Maria Sylvia de Souza Vitalle; Flávia Calanca da Silva

Universidade Federal de São Paulo

Endereço para correspondência

 

 

Foi com grande satisfação que lemos o artigo "Reflexões Sobre a Queixa Muda da Anoréxica" publicado nesta revista (jul-set 2011, volume 27 número 3), no qual é citado nosso artigo "Anorexia nervosa: estudo de caso com uma abordagem de sucesso". Verificamos que há uma incorreção em tal citação, uma vez que ela foi utilizada no sentido de corroborar a ideia de que a anorexia estaria dentro de uma estrutura perversa ou histérica. Ocorre que essas palavras não aparecem em nosso texto em nenhum momento, nem tampouco é possível inferi-las a partir de qualquer ideia transmitida na leitura do artigo.

Achamos importante frisar que a abordagem que utilizamos em nosso trabalho é psicodinâmica e, predominantemente, existencialista. A Psicologia Existencial Humanista, também conhecida por Teoria Holística da Personalidade, foca seu interesse na natureza do homem, principalmente em seu potencial positivo, e na forma como tal natureza é criada e revelada no ser existencial. Na prática terapêutica, seja ela individual ou grupal, o psicólogo que utiliza essa abordagem busca facilitar o crescimento pessoal, trabalhando com o paciente no aqui-agora, sendo que os grupos funcionam como espaço experiencial. Esse tipo de abordagem vê a autoconsciência como componente indispensável ao crescimento sadio, pois é através do aprofundamento de seu nível de consciência que o indivíduo pode expressar ao máximo seus potenciais, definir seu rumo, e participar ativamente do processo de seu crescimento pessoal.

Na terapia de abordagem existencial-humanista, um dos principais objetivos do terapeuta é auxiliar o paciente no processo de auto-descoberta, para que ele possa evoluir em direção a seus projetos de vida, utilizando, para isso, seus potenciais. O terapeuta participa ativamente, com a totalidade de seu ser, do processo terapêutico no qual o problema central é a aceitação do próprio eu, mas também dos outros "eus", do "mundo dos outros".

Num indivíduo com personalidade sadia, tanto as experiências passadas quanto as possibilidades futuras pertencem ao momento presente, e nele estão atuantes. A vida não é um sistema fixo, ela segue sua evolução em direção à flexibilidade e à mudança, num processo de crescente totalidade e enriquecimento do organismo, onde passado e futuro estão no momento presente.

 O papel do terapeuta no grupo consiste basicamente em, no início, favorecer um clima terapêutico de respeito incondicional, acolhimento e aceitação para facilitar a participação ativa de cada integrante, através da expressão sincera e sem censura de quaisquer sentimentos pessoais. As intervenções terapêuticas visam estimular a discussão sem julgamentos entre os participantes por meio de relatos de sua forma de encarar e lidar com situações semelhantes em sua vida. As ações do terapeuta têm por objetivo também auxiliar cada um a perceber reações emocionais, comportamentos e atitudes que constituem um padrão pessoal em resposta a problemática trazida. O questionamento busca desestabilizar tal padrão, na tentativa de ajudar a fazer surgir outro padrão, que possibilite nova forma de ser e estar no mundo, forma essa mais compatível com as necessidades e desejos identificados. Na psicoterapia atual, o terapeuta participa do encontro com seu paciente em uma relação pessoa a pessoa, revelando-se também, e nessa relação ocorre uma troca de ideias e mútuas sugestões, não sendo mais possível partir de rotulações para desencadear a caminhada terapêutica. Portanto, viemos por meio desta Carta ao Editor, ressaltar que utilizamos uma abordagem psicoterápica diferente da utilizada pelos autores que nos citaram. Além disso, não consideramos a anorexia uma estrutura perversa ou histérica. Houve uma interpretação enviesada, baseada em outras teorias, sobre o que escrevemos no nosso artigo.

 

 

Endereço para correspondência:
Setor de Medicina do Adolescente, Departamento de Pediatria, Rua Botucatu 715, Vila Clementino, São Paulo, SP, Brasil, CEP: 04023-062, E-mail: vitalle.dped@epm.br

Recebido em 03.12.2012
Primeira decisão editorial em 25.09.2013
Versão final em 11.12.2013
Aceito em 12.12.2013

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License