SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue2Western Linguistics: an historical introductionEnsaios sobre as gramáticas do português author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada

Print version ISSN 0102-4450

DELTA vol.19 no.2 São Paulo  2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-44502003000200007 

RESENHA REVIEW

 

 

Resenhado por/by: Marlene Viegas

Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

 

 


Palavras-chave: Discurso como prática social; Socialização; Análise (Crítica) do Discurso.


Key-words: Discourse as social life; Socialisation; (Critical) discourse analysis.


 

 

SARANGI, Srikant & Malcom COULTHARD (eds.) 2000: Discourse and Social Life. London: Longman

Discourse and Social Life é composto por quinze capítulos, aparentemente independentes e, segundo os editores – Sarangi e Coulthard –, distribuídos de forma mais ou menos aleatória e sem que haja uma estratégia de leitura, permitindo, assim, que o leitor vagueie pelos capítulos, procure interstícios entre as matérias e, ao discordar da posição de alguns autores por identificação com a de outros, teça a sua própria rede de relações entre os textos. Foi precisamente com esta postura que se pretendeu conceptualizar os conceitos fundamentais do livro, procurando traçar paralelos entre as várias contribuições.

A obra inicia-se com uma introdução da autoria dos editores, na qual é definido o tópico de investigação (i.e., a visão do discurso como prática social) e se apresenta um resumo das intervenções de cada um dos participantes, realçando o equilíbrio existente entre as análises micro e macro-linguísticas apresentadas e apontando pistas para uma redefinição da noção de discurso.

Ao longo do livro a noção de socialização surge frequentemente, mas a sua referência é mais explícita nos textos de Ruqaiya Hasan (cap.2), de Celia Roberts (cap.6) e de Greg Myers (cap.7). Para estes estudiosos a socialização pelo uso da língua é central para a análise linguística.

Motivada por princípios teóricos sistémico-funcionais, Hasan argumenta que as mudanças con/textuais, quando sustentadas por ligações coesivas, são exemplos de exercícios de controlo discursivo e de manifestação de poder na interacção entre pais e filhos. Estas mudanças são definidas tendo em conta a inserção de sub-textos que se fundem no contínuo do texto 'principal' e que obrigam a uma reclassificação da situação discursiva. O objectivo é, então, perceber o modo como as crianças aprendem a lidar com as mudanças con/textuais e, consequentemente, como é feita a aprendizagem e integração social da criança no decurso do seu desenvolvimento. Refira-se, a propósito da relação entre pais e filhos, o que Nikolas e Justine Coupland (cap.12) concluem acerca da presença dos filhos junto dos pais em consultas geriátricas. Esta presença é entendida não só como uma ameaça ao suporte ideológico das clínicas de geriatria (comprometidas em respeitar a autonomia do paciente), como também torna intricado o quadro relacional em que se insere o discurso médico no processo de atribuição de direitos e responsabilidades. É curioso observar como os papéis sociais de quem exerce o controlo e de quem possui o poder se invertem de pais para filhos ao longo dos anos.

Também informada pela ideia de socialização, Celia Roberts analisa as entrevistas a que são submetidos os médicos de família candidatos ao Royal College of General Practitioners. Neste caso em particular, as entrevistas feitas aos médicos de família por outros colegas de profissão permitem analisar como a exclusão social e institucional é consequência óbvia da utilização dos mesmos padrões avaliativos de reciprocidade comunicativa para entrevistar quer os candidatos que partilham com os examinadores a cultura dominante, quer os candidatos pertencentes a minorias étnicas. A discriminação surge quando não há uma comunhão absoluta de ideologias e de valores culturais entre examinadores e examinados, numa sociedade que, paradoxalmente, se pretende multicultural.

Greg Myers, por sua vez, procura perceber como é que a socialização emerge nas conversas entre os vários membros de um 'focus group'. Os 'focus groups' por ele estudados são artificialmente compostos por pessoas propositadamente reunidas num mesmo contexto situacional, com o objectivo particular de se estudar as estruturas de conversação. Nestes casos, a socialização emerge do contacto temporário do grupo como comunidade social. Os textos de Myers e Roberts parecem estabelecer, assim, uma conexão lógica entre o desconforto na interacção e a exclusão social e institucional, permitindo ao leitor perceber a construção discursiva e social da diferença.

O texto de Robert B. Kaplan (cap. 5) também se refere à existência de quebras ou dificuldades na interacção provocadas pelas diferenças culturais. A partir de uma fusão metodológica que articula o conceito de 'Contrastive Rhetoric' com a disciplina de análise do discurso, e recorrendo ainda ao trabalho desenvolvido por Halliday e Hasan em Cohesion in English (1976), Kaplan apresenta um conjunto de questões, relacionadas com o núcleo de propriedades contextuais (vd. p. 92), que só poderão ser correctamente respondidas quando ultrapassadas e compreendidas as barreiras culturais que enformam e delimitam o texto. Percebe-se, então, que diferentes padrões de realização textual são originados por diferenças culturais nos sistemas linguísticos dos falantes. A noção de contexto surge aqui (assim como nos textos de Hasan e Sarangi) como produto e produtor cultural e como elemento de maior relevo no estudo da linguagem em uso.

Outro conceito igualmente importante nesta obra é o de hibridez interactiva. Logo no primeiro capítulo, Srikant Sarangi aborda a análise do discurso a partir de duas noções fundamentais – tipo de actividade e tipo de discurso –, cuja sobreposição ou encaixe é visível, sobretudo, nas consultas de aconselhamento médico (considerado como sendo, simultaneamente, um tipo de actividade e um tipo de discurso) na área da genética. Assim, o mesmo tipo de discurso pode surgir no domínio de diversos tipos de actividade. A partir desta sua análise, o autor conclui que a hibridez é um conceito fundamental no estudo de rotinas de interacção. Ruqaiya Hasan (cap.2) partilha com Sarangi a opinião de que a hibridez (i.e., a combinação de diferentes discursos num único e complexo discurso) é uma propriedade subjacente à interacção verbal, sobretudo quando nela se revelam assimetrias de poder. A este respeito, veja-se também a ligação entre a distribuição do poder e a construção discursiva das intenções patente no texto de Theo van Leeuwen (cap.4), ou ainda os relatos de encontros entre enfermeiras e pacientes apresentados por Sally Candlin (cap.13), em que, mais uma vez, ter o controlo do discurso é uma forma de restringir as opções do outro. Neste último caso, e apesar do profícuo, porém aparente, emposse do paciente e de uma democratização de papéis apenas sugerida, a verdade é que a hibridez discursiva nada mais faz do que atenuar o poder e a autoridade personificados na figura da enfermeira.

O entendimento do discurso como prática social, pressupõe também um debate de ideias sobre o registo oral e o registo escrito. Geoffrey Leech (cap.3), por exemplo, reflecte sobre a necessidade de existirem ou não modelos de descrição gramatical diferentes para a análise de textos orais e escritos. Na sua função de linguista de corpus, Leech propõe a análise de corpora que sejam representativos quer do registo oral quer do registo escrito, de modo a que, através dos mesmos instrumentos de análise descritiva, se possam perceber as diferenças entre a gramática da linguagem oral e a gramática da linguagem escrita, no que concerne a distribuição, numa espécie de 'mapa de frequências', das suas características lexicais e sintácticas. Este capítulo é, de facto, nuclear no livro e apresenta uma força quase centrípeta perante a variedade de análises de dados orais (vd. Candlin, Coupland/ Coupland, Hasan, Maley, Roberts e Sarangi) e escritos (vd. Fairclough, Widdowson, Wodak e van Leeuwen).

Aliás, a questão da linguagem oral e da linguagem escrita é também relevante nos estudos de Ruth Wodak (cap.11) e Yon Maley (cap.14), particularmente no que se refere à recontextualização. Wodak apresenta um conjunto de quatro instrumentos linguísticos (adição, elisão, substituição e mudança) que permitem a recontextualização linguística – ou seja, a passagem da oralidade para a escrita e vice-versa – de dados retirados de reuniões da União Europeia sobre políticas do emprego. Maley, por outro lado, revela as estratégias forenses que os advogados empregam (e.g., a reiteração e a reformulação selectiva) para que os testemunhos de 'expert witnesses' sirvam os seus propósitos, quer pela valorização das opiniões e provas destes, quer pela destruição da sua credibilidade. Em ambos os casos, quer a nível oral, quer a nível escrito, recorre-se a processos de recontextualização que alteram, durante a sua acção, as características lexicais e sintácticas dos enunciados originais. Na verdade, a linguagem é exposta a novos contextos que obrigam à sua reformulação estrutural.

Ao longo de Discourse and Social Life, os vários participantes vão apresentado uma pluralidade de ferramentas analíticas de auxílio à análise de discurso. É precisamente isto que Malcom Coulthard (cap.15) faz ao apresentar novas técnicas linguísticas que permitem a determinação da autoria de textos e a identificação de plágios. Também Theo van Leeuwen (cap.4) expõe no seu texto uma 'grammar of purpose' com a qual pretende descrever os recursos da língua inglesa que permitem a construção discursiva, a interpretação e a negociação de intenções nas práticas sociais. Conclui, então, que a acção social não é intrinsecamente intencional mas discursivamente construída. Van Leeuwen termina o capítulo demonstrando a aplicação desta gramática à Análise Crítica do Discurso (ACD).

Contrariamente a quem procura colmatar as falhas da ACD, propondo alternativas analíticas, há quem procure apenas descortinar essas falhas. É o que faz Henry Widdowson (cap.9) ao criticar esta disciplina, baseando-se, sobretudo, no tipo de micro-análise interpretativa aplicada aos textos, em que o analista assume o lugar de leitor privilegiado que, não apresentando uma metodologia que justifique a sua análise, assume insistentemente uma posição interpretativa de não-cooperação. Neste aspecto particular, o discurso de Widdowson aproxima-se do de Ruth Wodak (que assume uma postura crítica relativamente à ACD, argumentando a favor de uma abordagem analítica e interdisciplinar mais sóbria e abrangente), enquanto, simultaneamente, faculta aos leitores o enquadramento linguístico do texto de Norman Fairclough. Este teórico e defensor da ACD apresenta no capítulo décimo um conjunto de soluções necessárias para permitir a interacção e o diálogo democráticos, no seio dos discursos governativo e político. Pode perceber-se pela sua análise que, à semelhança do que acontecia na apresentação de Maley, a recontextualização das contribuições políticas pode ser usada com a finalidade de dar uma interpretação errónea às verdadeiras intenções do locutor.

Neste contexto de divergência axiomática, e seguindo as tendências de Coulthard e van Leeuwen, o capítulo de Ron Scollon (cap. 8) apresenta-se como uma solução medianeira. A sua proposta de introduzir o entendimento etnográfico como um aspecto a ter em conta na análise do discurso contribui para a atenuação da 'unfinalisability' bakhtiniana (vd. p. 142) de todo o estudo discursivo. Scollon aproxima-se, assim, de Roberts, Kaplan e Leech porque, tal como eles, acredita nos objectivos práticos que a descrição linguística pode alcançar.

Da leitura dos vários capítulos, percebe-se que o conceito de discurso, para além de polissémico, é plural, sendo pois mais correcto falar de discursos. O trabalho desta 'comunidade' de analistas e estudiosos constitui, assim, uma contribuição extremamente multífera para a definição da interdisciplinaridade do discurso como prática social, permitindo que o variado leque de análises dêem ao leitor uma visão abrangente e actual dos tipos de investigação que estão a ser desenvolvidos no âmbito dos estudos discursivos.