SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue2Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramentoPreconceito lingüístico: o que é, como se faz author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada

On-line version ISSN 1678-460X

DELTA vol.19 no.2 São Paulo  2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-44502003000200016 

NOTAS SOBRE LIVROS BOOKNOTES

 

 

Por/by: Sonia Regina Potenza Guimarães Pinheiro

LAEL/PUC-SP

 

 

BAGNO, Marcos (2001 ) Português ou Brasileiro? ( um convite à pesquisa ). São Paulo : Parábola Editorial. 182 p.

Esse livro pretende ser um conjunto de sugestões práticas, acompanhadas de reflexões teóricas baseadas nas investigações lingüísticas recentes e tem como finalidade transformar aulas dos professores em atividades de pesquisa, empreendidas junto aos alunos de ensino médio.

Além disso, o livro tem a intenção de servir de apoio a professores que querem estudar o brasileiro, assim como levar o aluno (e a eles próprios) a refletir sobre a língua que falamos, a conhecê-la melhor.

Em sua introdução, o livro mostra que o professor tem duas opções: ensinar português, que se apresenta como transmitir uma ideologia lingüística, uma ideologia que menospreza as identidades individuais e esmaga a auto-estima dos cidadãos ou estudar o brasileiro, isto é, ter uma visão mais sincronizada com o pensamento científico contemporâneo, admitir que a gramática tradicional foi uma contribuição importante, mas que é preciso ir além dela.

O livro tem oito capítulos, que se iniciam ou seja, têm como título, frases de música popular brasileira, e a letra completa da música Plataforma de João Bosco e Aldir Blanc vem logo na primeira página , abrindo a obra.

O capítulo 1 apresenta uma visão histórica do estudo da linguagem através da gramática tradicional da antigüidade à ciência lingüística moderna. Aponta o caráter aristocrático e elitista da língua portuguesa, baseado nos modelos clássicos, do grego e do latim. Mostra a mudança do ensino da língua através dos tempos até os dias atuais, passando pela noção de erro e suas contradições e dando finalmente " voz" à língua falada.

O capítulo 2 fala da necessidade nesse trabalho de definir um corpus para estudar o português falado no Brasil e de que esse corpus foi composto com material jornalístico.

Os capítulos de 3 a 7 se dedicam a um estudo detalhado de cinco fenômenos sintáticos, alvo das reflexões teóricas e objeto da pesquisa prática que é proposta ao professor e seus alunos: capítulo 3 estratégias de relativização; capítulo 4 estratégias de pronominalização; capítulo 5 os pronomes sujeito – objeto; capítulo 6 as orações pseudopassivas sintéticas e capítulo 7 regências dos verbos ir e chegar no sentido de direção. Estes cinco capítulos seguem um roteiro de apresentação que compreende: o que será pesquisado, explicações sobre o uso dos fenômenos estudados, estudo da tradição gramatical e tabelas, nas quais são descritos os dados colhidos nas pesquisas.

O capítulo 8 é uma conclusão geral do livro, na qual o autor aconselha os professores a apresentar aos seus alunos as opções que a língua oferece, a explicar o funcionamento de regras e dos processos gramaticais que ocorrem em cada uma e aponta as diferenças entre a língua falada culta e a língua escrita culta, português do Brasil e português de Portugal.

O livro termina com a apresentação de uma pequena lista de sugestões para futuras pesquisas e encoraja o leitor a acrescentar a ela outros fenômenos lingüísticos, que possam se prestar a esses estudos, contribuindo assim, para tornar cada vez mais significativo o ensino, ou como chama o autor, o estudo do brasileiro.

Uma outra grande contribuição dessa obra é apontar o fato que os falantes de uma língua têm o direito de reivindicar o uso de regras não admitidas nas gramáticas normativas, tomando o cuidado necessário para não estigmatizar ou ridicularizar as pessoas que, pelas mais diversas razões, optarem por continuar usando regras sintáticas tradicionais.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License