SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 issue2The agency of emotion and ethos in chronicles from the journalistic sphereUsing comparable corpora to filter bilingual dictionaries generated by transitivity author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada

Print version ISSN 0102-4450

DELTA vol.30 no.2 São Paulo July/Dec. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/0102-445048999111008929 

ARTIGOS

Orações subordinadas sem o complementizador Que no Português Clássico

Subordinate clauses without Que in Classical Portuguese

André Luis ANTONELLI

Universidade Federal de Pelotas. E-mail: a_antonelli28@yahoo.com.br


RESUMO

Neste trabalho, olharemos para orações subordinadas finitas sem o complementizador que no Português Clássico. Nosso objetivo é investigar, dentro de uma perspectiva gerativista, se esse tipo de construção pode ser interpretado como um CP ou um IP complemento. A partir de fatos relacionados à posição do sujeito, à ordem linear de advérbios e à colocação de clíticos, mostraremos que orações encaixadas sem o complementizador que instanciam movimento de V para C, resultando, portanto, na presença da categoria CP.

Palavras-Chave: Português Clássico; orações subordinadas sem que; CP complemento; movimento do verbo

ABSTRACT

In this work, we will look at embedded finite clauses without the complementizer que in Classical Portuguese. Our goal is to investigate, within a generative perspective, whether this kind of construction can be interpreted as a CP or an IP complement. Based on facts related to the position of the subject, to the ordering of adverbs and to the placement of clitics, we will show that embedded clauses without the complementizer que instantiate V movement to C, resulting, therefore, in the presence of the CP category.

Key words: Classical Portuguese; subordinate clauses without que; CP complement; verb movement

1. Introdução

No Português Clássico (doravante PCl), particularmente durante os séculos 16 e 17, o complementizador que pode ser omitido em orações subordinadas completivas selecionadas por certos verbos. Esse fenômeno é ilustrado logo a seguir, com (1a) exemplificando uma sentença com o complementizador que e (1b) exemplificando uma oração subordinada finita sem o respectivo complementizador.

(1) a. mas entendeo [ que livrava
  b. logo entendi [ não liurava a enferma,

O objetivo principal deste trabalho é investigar, dentro de uma perspectiva gerativista, a estrutura sintática das orações sem que. Mais especificamente, procuraremos detectar se tais construções correspondem a um CP ou a um IP complemento. Para isso, analisaremos três características das orações sem que, a saber: i) a obrigatoriedade de sujeitos pós-verbais; ii) o fato de que verbos finitos necessariamente precedem advérbios; e iii) o licenciamento obrigatório da interpolação. A partir desses três fatos, defenderemos que, na ausência do complementizador, há movimento de V para C, resultando, portanto, na presença da categoria CP em orações sem que.

O trabalho está organizado da seguinte forma. Na seção 2, contextualizaremos nosso trabalho dentro de uma discussão mais geral já existente na literatura gerativista a respeito de orações sem complementizador em outras línguas. Na seção 3, apresentaremos as evidências em favor da nossa proposta de movimento do verbo finito para o núcleo C da periferia da sentença sempre que o complementizador que está ausente. Concluindo, na seção 4, faremos algumas considerações finais.

2. O debate sobre a presença ou não de CP em orações sem complementizador

No PCl,1 o complementizador quepode ser omitido em orações complemento que são selecionadas por diferentes tipos de verbos, dentre os quais destacam-se verbos de atitude proposicional, tais como duvidar e parecer, verbos de volição ou de desejo, tais como querer e esperar, verbos factivos e semi-factivos, tais como prometer e entender, e verbos dicendi, tais como dizer. Isso é ilustrado com os exemplos em (2).

(2) a. duvida [ corresponderiaõ os favores de Deus taõ abundantes, (C_002,133.11)2
  b. parece [ pódem competir os milagres, (V 004,180.1135)
  c. ele queria [ se observasse: (B_001,143.1160)
  d. se espera [ lhe faça grandes mercês. (G_001,94.1377)
  e. depois promette [ ha-de tomar a todo genero humano, (V_004,101.773)
  f. veyo a entender [ hauia muyto que cortar (C_002,193,766)
    dissemos [tinha sempre a cabeceira. (S_001,60.655)

No âmbito da literatura gerativista, muito se tem discutido se orações sem complementizador correspondem a um CP ou a um IP complemento. Esse debate é bem ilustrado a partir de exemplos como (3) em Inglês, que admite a omissão opcional do complementizador that.

  • (3) Judy believes [ (that) she will leave tomorrow

Bošković (1997), por exemplo, argumenta que sentenças encaixadas finitas sem o complementizador that não projetam a categoria CP, configurando-se apenas como um IP complemento. Isso ocorreria em razão do Princípio de Estrutura Mínina. De acordo com esse princípio, quando duas representações sintáticas manifestam a mesma estrutura lexical e são empregadas na mesma função, dá-se preferência pela escolha sintática que apresenta menos projeções. Bošković assume que, na ausência de that, a presença da projeção CP careceria tanto de uma motivação semântica quanto de uma motivação lexical. Assim, em razão do Princípio de Estrutura Mínima, uma representação que projete apenas um IP complemento seria preferida (cf. também Webelhuth 1992 e Doherty 1997).

Uma proposta diferente é desenvolvida em Pesetsky (1995). Esse autor argumenta que todo núcleo lexical (diferentemente de um núcleo funcional) seleciona um CP complemento. Em relação ao Inglês, a idéia é que as construções encaixadas sem that correspondem a estruturas nas quais o complementizador é um afixo nulo que deve se adjungir, no componente fonético, ao verbo regente. Dessa maneira, mesmo não havendo material foneticamente realizado no CP encaixado, sua presença seria necessária para uma adequada derivação sintática das sentenças sem o complementizador that (cf. também Bošković & Lasnik 2003).3

No que se segue, traremos esse debate para o contexto do PCl, apresentando alguns dados que nos permitam dizer se, na ausência de que em orações complemento finitas, estamos ainda diante da presença de um CP ou simplesmente de uma estrutura que projete um IP complemento.

3. A presença da categoria CP em orações sem que

O objetivo desta seção é apresentar a proposta de que, no PCl, orações encaixadas sem o complementizador que correspondem a estruturas que instanciam movimento de V para C. Para isso, apresentaremos três evidências em favor dessa hipótese.

3.1. Posição do Sujeito

Em orações subordinadas finitas introduzidas pelo complementizador que, o sujeito pode tanto preceder quanto seguir o verbo flexionado. Essas duas possibilidades no que diz respeito à ordem linear do sujeito são exemplificadas em (4) e (5), respectivamente (o sujeito encontra-se em itálico, e o verbo, em negrito).4

  • (4) naõ advirtio este fidalgo [ que Christo deixou a Cezar o que era de Cezar, (C_002,139.106)

  • (5) Pareceu a el-Rei e aos seus [ que lhes acudia o Céu com socorro. (S_001,12.33)

Já nas orações sem que, temos um quadro distinto. Se o sujeito dessas construções é realizado foneticamente, sua posição linear é obrigatoriamente pós-verbal.5 Esse fato é ilustrado em (6).6

(6) a. pedia [ lhe desse o Arcebispo a praça em seu serviço. (S_001,70.776)
  b. temer [ não salte de lá alguma faísca , (S_001,167.1934)
  c. reconheceu [ habitavam juntas seis Nações diferentes , (B_001,91.727)
  d. parece [ quiz Deos nesta demonstraçaõ reprehenderlhe o enfado, (C_002,176.575)
  e. parece [ fiou o Senhor o pregaõ de seus merecimentos. (C_002,221.1128)

Uma maneira natural de interpretar a possibilidade de se ter o sujeito em posição pré ou pós-verbal em orações com o complementizador visível é assumindo que o sujeito possa ser alçado para [Spec,IP], como uma forma de satisfazer o traço EPP de I, mas que também possa permanecer numa posição interna a VP onde é inicialmente inserido na derivação, à la Koopman & Sportiche (1991), por exemplo.7 Assim, se admitirmos que o complementizador é concatenado em C e que os verbos flexionados nas línguas Românicas sempre sobem, no mínimo, para o domínio de IP em virtude da morfologia rica que apresentam, a ordem com sujeito pré-verbal em (4) seria derivada em razão de movimento do sujeito para [Spec,IP], ao passo que a ordem com sujeito pós-verbal em (5) seria derivada em razão da permanência do sujeito numa posição mais baixa em relação ao verbo.Essas duas possibilidades de derivação são representadas, respectivamente, em (7) e (8).

  • (7) [CP [C' que ] [IPsujeitoi [I'verbop ] [VPti [V' tp]]]

  • (8) [C' que ] [IP [I' verbo ] [VPsujeito [V' t ]]]

Essas considerações nos permitem lançar um olhar interpretativo interessante sobre o fato de que, em orações sem que, a ordem canônica do sujeito é necessariamente pós-verbal. Vamos supor que tais orações são um CP complemento que licencia movimento do verbo para C. Note-se que essa hipótese é derivacionalmente possível já que, em razão de não haver um complementizador visível na periferia da sentença, nada bloquearia, a priori, a subida do verbo para C. Caso isso realmente ocorra, uma das previsões imediatas é a de que o sujeito estará sempre em posição pós-verbal, tenha ele se movido para [Spec,IP] (cf. (9)) ou permanecido numa posição interna a VP (cf. (10)). Uma análise nessa direção explica o porquê de sempre encontrarmos o verbo finito precedendo o sujeito em orações subordinadas sem o complementizador que.

  • (9) [CP [C' verbop ] [IP sujeitoi [I'tp ] [VPti [V' tp]]]

  • (10) [C' verbop ] [IP[I' tp ] [VP sujeito [V' tp ]]]

Um argumento que parece corroborar essa hipótese é o fato de que, nas orações sem complementizador do PCl, pode-se ter o sujeito posposto entre um verbo auxiliar finito e o verbo lexical, como comprova o exemplo a seguir.

  • (11) entendendo [ lhe teriaellaencomendado esta deligencia, (C_002,157.335)

É interessante notar que o tipo de posposição do sujeito exemplificado em (11) é idêntico ao padrão de inversão do sujeito em orações interrogativas matrizes do Inglês. Nessa língua, como se vê a partir do contraste de (12a) em relação a (12b) e (12c), o sujeito ocorre entre o verbo auxiliar e o verbo principal.

(12) a. What has Mary said?
  b. *What Mary has said?
  c. *What has said Mary?

Esse padrão de posposição do sujeito nas interrogativas do Inglês é usualmente analisado como um caso de movimento do verbo para C, tendo o sujeito sido movido até [Spec,IP] (cf., entre outros, Pesetesky & Torrego 2001, Rizzi 1996, Rizzi & Roberts 1996). Tendo em vista o fato de que o PCl admite esse tipo de ordem de palavras nos casos de posposição do sujeito das sentenças encaixadas sem que, é plausível pensar então que tais orações de fato instanciam movimento de V para C.8

3.2. Posição de advérbios

Em orações subordinadas introduzidas pelo complementizador que, advérbios podem ocorrer linearmente tanto à esquerda do verbo finito quanto à sua direita. Essa variação é exemplificada a seguir, em que os dados em (13) apresentam advérbios em posição pré-verbal, ao passo que os dados em (14) apresentam os mesmos advérbios em posição pós-verbal (o advérbio encontra-se em itálico, e o verbo, em negrito).

(13) a. E dizia [ que o seguir estremos sempre fora estranhado dos bons entendimentos; (S_001,110.1289)
b. e inspirando no coração de seus súbditos [ que tambémlhe tenham perfeita obediência. (S_001,46.470)
     
     
(14) a. Não nego [ que a nobreza, quando está junta com talento, deve sempre preceder a tudo. (V_004,199.1747)
  b. Consiste em [ que no dia do Juiso, se o mundo acaba para mim, acaba também para todos. (V 004,75.271)

Já nas orações não introduzidas pelo complementizador, os advérbios ocorrem necessariamente à direita do verbo, como se vê em (15).

(15) a. e pera se espertar usava do remédio da água, que dissemos [ tinha sempre a cabeceira. (S 001,60.655)
  b. e conseguiu do imortal, e Augusto Rei Dom João IV [ houvesse também um como Tribunal, ou Junta, a quem unicamente pertencesse o cuidado das Missões, (B_001,171.1384)

Tal assimetria entre orações com que e orações sem que no tocante à posição de advérbios pode ser facilmente interpretada ante a hipótese de que o verbo finito é alçado para a periferia da sentença nas orações que omitem o complementizador. Dentro da proposta de Cinque (1999) para a estrutura oracional, considera-se que advérbios ocupem o especificador de diferentes projeções funcionais na camada de IP, cada uma correspondendo à noção semântica expressa pelo constituinte adverbial. Com relação a orações com um complementizador visível, deve-se assumir que o verbo finito também está localizado no domínio de IP, já que seu movimento para a periferia da sentença seria bloqueado em razão da presença de que. Assim, tendo em vista que um advérbio pode estar associado a diferentes interpretações (cf. Jackendoff 1972) e, consequentemente, a diferentes posições estruturais, a variação entre a ordem de palavras "advérbio-verbo" e "verbo-advérbio" pode ser derivada a partir da possibilidade de se ter o mesmo advérbio numa posição mais alta ou mais baixa do que aquela ocupada pelo verbo finito no domínio de IP. Ou seja, a variação estaria relacionada a eventuais diferenças de siginificado atribuídas aos advérbios, que resultariam em posições estruturais distintas em relação ao verbo.

Já no caso das orações sem que, a ausência do complementizador não impediria o alçamento do verbo para o núcleo de CP. Nessa configuração, o verbo finito estará sempre estruturalmente acima de um advérbio, independentemente do valor semântico expresso por este em qualquer que venha a ser sua posição no domínio de IP. Com isso, derivamos a obrigatoriedade de advérbios em posição pós-verbal em orações sem complementizador.

É importante dizer que foram encontrados apenas 4 exemplos com advérbio pós-verbal em sentenças sem o complementizador que. Em termos quantitativos, sem dúvida trata-se de um número bastante limitado para assegurar que, na gramática do PCl, advérbios são licenciados necessariamente em posição pós-verbal no contexto de orações sem o complementizador, como aqui fizemos. Nesse ponto, porém, gostaríamos de fazer menção à situação de duas línguas românicas modernas, em relação às quais não precisamos depender de um corpus para teorizar a respito da gramática dessas línguas, já que temos acesso à intuição dos falantes, algo que evidentemente não ocorre em relação ao PCl. No Espanhol, por exemplo, certos advérbios podem ocorrer em posição pré-verbal em orações complemento finitas introduzidas pelo complementizador que, como exemplificado em (16).9

  • (16) Lamentó [ que siempre se cuestionen sus actuaciones lamentou que sempre se-CL questionem suas atuações "Ele lamentou que as suas ações sejam sempre questionadas."

Fato semelhante é observado no Italiano nas orações complemento finitas introduzidas pelo complementizador che, como se vê em (17) (cf. Poletto 2001).

  • (17) Credo [ che sicuramente lo facia creio que certamente o faça "Eu acredito que certamente ele faça isso."

Já em orações sem complementizador, tanto o Espanhol quanto o Italiano licenciam o advérbio apenas em posição pós-verbal. Esse contraste pode ser observado em (18) para o Espanhol (cf. Gallego 2010) e em (19) para o Italiano (cf. Poletto 2001).

(18) a. Lamento [ cante siempre Luis
    lamento cante-3p.s sempre Luis
    "Eu lamento que o Luis sempre cante."
  b. *Lamento [ siempre cante Luis
     
     
(19) a. Credo [ lo facia sicuramente
    creio o-CL faça-3p.s certamente
    "Eu acredito que certamente ele faça isso."
  b. *Credo [ sicuramente lo facia

Essa restrição imposta por línguas como o Espanhol e o Italiano poderia ser interpretada como uma característica geral das línguas românicas que licenciam o fenômeno de orações sem complementizador, a saber, a propriedade de não licenciarem advérbios em posição préverbal sempre que o complementizador não é realizado foneticamente. Dentro dessa hipótese, portanto, seria esperado que o PCl também mostrasse o mesmo tipo de restrição, conforme evidenciado em nossos corpus, ainda que numa quantidade pequena de dados.

3.3. O padrão de interpolação

Um dos tópicos mais discutidos da gramática do PCl é, seguramente, o fenômeno da colocação de clíticos (cf., entre muitos outros, Martins 1994, Paixão de Sousa 2004e Galves, Britto & Paixão de Sousa 2005). Um aspecto interessante a respeito desse fenômeno tem a ver com o fato de que a próclise (clítico em posição pré-verbal), enquanto ordem categórica do clítico em relação ao verbo em diferentes contextos sintáticos, pode ser derivada com o clítico ocupando uma posição final ou na periferia da sentença ou no domínio de IP. Por exemplo, nas interrogativas matrizes -wh, contexto este em que a próclise é categórica (cf. (20a)), pode-se dizer que o clítico se encontra na periferia à esquerda da sentença junto com o verbo, tendo em conta que, nesse contexto específico, é obrigatório o movimento de V para C (cf. Lopes-Rossi 1996), como esquematizado em (20b).

(20) a. quem me socorre? (C_002,172.509)
b. [CP quem me socorrei [IP ti ...]]

Já em outros ambientes sintáticos, como nas orações complemento finitas introduzidas pelo complementizador que, onde a próclise também é categórica, o clítico parece estar adjungido à esquerda do verbo no domínio de IP (cf. (21)). Que o constituinte verbal finito não está em C depreende-se da presença do complementizador, o que bloqueia movimento do verbo para o núcleo de CP.10

(21) a. Propôs com ardente espírito, que o Céu o chamava a viver, (B_001,15.138)
  b. [CP que [IP o Céu o chamava ...]]

Nas orações subordinadas que não manifestam o complementizador, os pronomes clíticos também ocorrem obrigatoriamente à esquerda do verbo finito. Esse padrão categórico de próclise é exemplificado em (22).

(22) a. sabia [ lhe falavam a verdade. (S_001,39.389)
  b. pedia em particular [ o encomendassem a Deus, (S_001,55.596)
  c. Estas são as grandes coisas que sabemos [ se hão -de ver (V_004,63.26)
  d. e o dizia por mil bocas [ o tinham feito. (B_001,200.1585)
  e. rogaria às ditozas aparecidas [ lhe pagassem diante de Deos (C_002,153.282)

Tendo em vista que, a depender do contexto sintático, a posição final do clítico nos casos de próclise pode ser ou no domínio de CP ou no domínio de IP, o fato de se ter próclise de forma categórica nas sentenças sem o complementizador por si só parece não nos dar nenhuma pista quanto à real posição do verbo. Dizemos isso pois, a priori, a ausência do complementizador não pode ser tomada como uma evidência definitiva nem para movimento do verbo para C nem para permanência do verbo em I. O desafio que se coloca então é saber se há alguma evidência independente que permita concluir que a próclise nas sentenças sem o complementizador resulta de subida do constituinte verbal para C ou de permanência do verbo em I. Uma resposta para esse desafio talvez possa ser extraída olhando-se para os casos em que o elemento de negação não também está presente. No PCl, pode-se ter ou o clítico precedendo não, formando a sequência clítico-não-verbo (o que se costuma designar de interpolação), ou o elemento de negação precedendo o clítico, resultando na sequência linear não-clítico-verbo. Nas interrogativas matrizes negativas com clítico, tem-se categoricamente a interpolação, como atesta a ordem clítico-não-verbo dos exemplos em (23).

(23) a. como se não -de ter por fortuna de Messias? (V_004,179.1128)
  b. porque o não acceitaes em vosso serviço? (V_004,202.1825)

Já nas orações subordinadas finitas introduzidas pelo complementizador que, a seqüência não-clítico-verbo pode ser licenciada, como ilustram os exemplos em (24).

(24) a. temendo que aquelles passos que hauia dado a virtude naõ os fisesse desandar a vangloria; (C_002,144.160)
b. advirto que os prophetas não se hão -de conhecer, (V_004,191.1516)

Os dados em (23) e (24) apontam para a existência de uma correlação interessante: quando se tem movimento do verbo para C, como nas interrogativas -wh, o clítico aparece sistematicamente à esquerda de não, licenciando assim a interpolação, ao passo que, permanecendo o verbo em I, como nas subordinadas finitas introduzidas pelo complementizador que, pode-se ter o clítico à direita de não. Cabe destacar que o nosso objetivo aqui não é explicar como as seqüências clítico não-verbo ou não-clítico-verbo são formadas, mas sim mostrar que, a depender da posição do clítico em relação ao elemento de negação, pode-se ter uma evidência independente para a posição do verbo.11

Com isso em mente, voltemos a nossa atenção para as orações subordinadas sem o complementizador. Caso o verbo seja alçado para C, é de se esperar que a ordem linear clítico-não-verbo seja derivada de forma categórica. Permanecendo o verbo em I, espera-se que a sequência não-clítico-verbo possa ser derivada. No âmbito dos textos que analisamos, das sentenças sem o complementizador que manifestando simultaneamente um clítico e o elemento de negação não, todas elas apresentam a ordem clítico-não-verbo (cf. (25) a seguir), sugerindo, portanto, que essas orações apresentam movimento do verbo para C.

(25) a. requerendo-lhe da parte de Deus, e de Sua Majestade, [ lhe não pusesse impedimento à jornada; (B_001,143.1160)
  b. se attreveo a dizer a seu Pay [ se naõ achava com resoluçaõ de ser Religioza; (C 002,137.60)
  c. mas deixa se entender [ lhe naõ perdoaria nesta occaziaõ, (C 002,144.165)
  d. he de crer [ o naõ saberia o seu Director;(C_002,166.447)
  e. e persuadido [ a naõ deixasse de fazer; (C_002,169.484)
  f. mas consta-me [ lhe naõ pedio oraçoens; (C_002,174.539)

4. Considerações finais

Neste trabalho, fizemos uma discussão a respeito de orações completivas finitas do PCl que não são introduzidas pelo complementizador que. Três fatos relacionados a esse fenômeno foram apresentados: i) a obrigatoriedade de sujeitos pós-verbais; ii) a distribuição de advérbios em relação ao verbo; e iii) o padrão de licenciamento da interpolação. A partir desses três aspectos, mostramos que, nesse período gramatical da história do Português Europeu, construções sem o complementizador correspondem a estruturas que manifestam movimento do verbo para C. Tendo em conta o debate no âmbito da literatura gerativista sobre a estrutura dessas construções, particularmente se correspondem a um CP ou a um IP complemento, os resultados aqui apresentados sugerem que, ao menos em relação ao PCl, estamos diante de orações que projetam a categoria CP.

Cabe dizer que algumas questões igualmente relevantes não foram discutidas aqui, como por exemplo a motivação para o movimento do verbo para a periferia da sentença. Esse tópico será deixado para pesquisas futuras. Outra questão a ser desenvolvida é a comparação sistemática do fenômeno de orações sem complementizador no PCl com outras línguas que também manifestam essa propriedade, a fim de se determinar a existência ou não de traços mais gerais que regulem o funcionamento do fenômeno em questão.

1A noção de PCl que assumimos neste trabalho é a de uma fase gramatical na história do Português Europeu que se estende do século 14 ao fim do 17 (cf. Galves, Namiuti & Paixão de Sousa 2006). Para a discussão que se iniciará a partir de agora, apresentaremos os resultados de uma investigação realizada em cinco textos de escritores portugueses nascidos nos séculos 16 e 17: i) Vida de Dom Frei Bertolameu dos Mártires, de Luis de Sousa, nascido em 1556; ii) Gazetas, de Manuel Galhegos, nascido em 1597; iii) Sermões, de António Vieira, nascido em 1608; iv) Rellaçaõ da Vida e Morte da Serva de Deos a Venerável Madre Ellena da Crus, de Maria do Ceu, nascida em 1658; e v) A Vida do Padre António Vieira, de André de Barros, nascido em 1675. Todos esses textos fazem parte da base de dados do Corpus Tycho Brahe, um corpus histórico do Português de livre acesso na rede mundial de computadores a partir do endereço eletrônico http://www.tycho.iel.unicamp.br/~tycho/corpus/index.html.

2A informação entre parênteses que aparece em cada exemplo do PCl corresponde à sua identificação no Corpus Tycho Brahe.

3A respeito desse debate no tocante a outras línguas, cf., por exemplo, Brovetto (2002) em relação ao Espanhol, Poletto (2001) e Giorgi & Pianesi (2004) em relação ao Italiano e Kishimoto (2006) em relação ao Japonês.

4Em números absolutos, foram coletadas 1429 orações introduzidas pelo complementizador que. Desse total, 478 eram com sujeito pré-verbal, 346 eram com sujeito pós-verbal e 605 não apresentavam o sujeito realizado foneticamente. Em termos percentuais, a ordem com sujeito pré-verbal corresponde a 34%, a ordem com sujeito pós-verbal corresponde a 24% e a ordem com sujeito nulo corresponde a 42%.

5Coletamos 133 orações sem o complementizador. Desse número total, 38 são estruturas com sujeito pós-verbal. Os casos remanescentes correspondem a estruturas com sujeito nulo.

6

Um intrigante exemplo é o que apresentamos em (i), com especial destaque para o trecho em negrito.

(i) Foy seu Pay Dom Antonio Mascarenhas, ramo illustre deste nobilissimo tronco, como Irmaõ do primeyro Conde de Palma, que parece athe o titulo da caza quiz mostrar o triunfo que nella hauia de ter com tal descendente. (C_002,133.15)

A princípio, tínhamos interpretado o trecho em negrito como uma oração subordinada sem o complementizador que, oração esta selecionada pelo verbo parece. Nesta leitura, teríamos um sujeito pré-verbal, que seria o sintagma focalizado "athe o titulo da caza". Entretanto, esse trecho é passível de uma outra interpretação, em que o verbo parece seria uma oração parentética, ainda que não sinalizada por vírgulas, e não mais um verbo regente que seleciona uma oração complemento. Essa incerteza fica mais latente considerando que os critérios de pontuação em fases passadas do português nem sempre são idênticos ao da escrita moderna (cf. Ribeiro 1995), fato este que exigiria uma investigação sistemática por si só para determinar se o verbo parece é uma oração parentética ou não. Assim, em vista da incerteza quanto à real interpretação do trecho em questão, optamos por não considerá-lo em nossa análise.

7Numa terminologia mais minimalista, diríamos que o sujeito ou é alçado para [Spec,TP] ou permanece numa posição interna a vP (cf. Chomsky 1995). Aqui, continuaremos empregando ainda os rótulos mais tradicionais, já que, para os propósitos desse trabalho, isso não afetará os resultados de nossa argumentação.

8Um trabalho a ser feito, conforme sugerido por um dos pareceristas, é verificar se sentenças introduzidas pelo complementizador que também licenciam um sujeito pós-verbal interpolado entre o verbo auxiliar e o verbo principal. Assumindo-se que essa ordem de palavras resulte de movimento do verbo para C, como defendemos aqui, espera-se que tal sequência linear não seja possível em orações com que, já que o complementizador bloquearia o movimento do verbo finito para C. Deixaremos esse tópico para uma investigação sistemática futura.

10Note-se também a presença do sujeito entre o complementizador e o verbo.

11Para uma discussão recente a respeito da dinâmica sintática entre não e pronomes clíticos no PCl, cf. Namiuti (2008).

Referências bibliográficas

BOŠKOVIĆ, Željko. 1997. The Syntax of Nonfinite Complementation. Cambridge, Mass.: The MIT Press. [ Links ]

BOŠKOVIĆ, Željko & Howard Lasnik. 2003. On the distribution of null complementizers. Linguistic Inquiry 34: 527-546. [ Links ]

BROVETTO, Claudia. 2002. Spanish clauses without complementizers. In Teresa Satterfield, Christina Tortora & Diana Cresti. Eds. Current Issues in Romance Languages. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins. [ Links ]

CHOMSKY, Noam. 1995. The Minimalist Program. Cambridge, Mass.: The MIT Press. [ Links ]

CINQUE, Guglielmo. 1999. Adverbs and Functional Heads. New York/Oxford: Oxford University Press. [ Links ]

DOHERTY, Cathal. 1997. Clauses without complementizers: finite IP Complements. The Linguistic Review 14: 197-220. [ Links ]

GALLEGO, Ángel. 2010. Phase Theory. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins. [ Links ]

GALVES, Charlotte, Helena Britto & Maria Clara Paixão de Sousa. 2005. The change in clitic placement from classical to modern european portuguese: results from the Tycho Brahe Corpus. Journal of Portuguese Linguistics 4(1): 39-67. [ Links ]

GALVES, Charlotte, Cristiane Namiuti & Maria Clara Paixão de Sousa. 2006. Novas perspectivas para antigas questões: revisitando a periodização da língua portuguesa. In: Annette Endruschat, Rolf Kemmler & Barbara Schafer-Priet. Eds.. Grammatische Strukturen des Europaischen Portugiesich. Tubingen: Calepinus Verlag. [ Links ]

GIORGI, Alessandra. & Fabio Pianesi. 2004. Complementizer deletion in Italian. In: Luigi Rizzi. Ed.. The Structure of CP and IP. New York: Oxford University Press. [ Links ]

JACKENDOFF, Ray. 1972. Semantic Interpretation in Generative Grammar. Cambridge, Mass.: The MIT Press. [ Links ]

KISHIMOTO, Hideki. 2006. On the existence of null complementizers in syntax. Linguistic Inquiry 37: 339-345. [ Links ]

KOOPMAN, Hilda. & Dominique Sportiche. 1991. The position of subjects. Lingua85: 211-258. [ Links ]

LOPES-ROSSI, Maria Aparecida Garcia. 1996. A Sintaxe Diacrônica das Interrogativas-Q do Português. Tese de Doutorado, UNICAMP. [ Links ]

MARTINS, Ana Maria. 1994. Os Clíticos na História do Português. Tese de Doutorado, Universidade de Lisboa. [ Links ]

NAMIUTI, Cristiane. 2008. Aspectos da História Gramatical do Português: Interpolação, Negação e Mudança. Tese de doutorado, UNICAMP. [ Links ]

PAIXÃO DE SOUSA, Maria Clara. 2004. Língua Barroca: Sintaxe e História do Português nos 1600. Tese de doutorado, UNICAMP. [ Links ]

PESETSKY, David. 1995. Zero Syntax. Cambridge, Mass.: The MIT Press. [ Links ]

PESETSKY, David. & Esther Torrego. 2001. T-to-C movement: causes and consequences. In: Michael Kenstowicz. Ed.. Ken Hale: a Life in Language. Cambridge, Mass.: The MIT Press. [ Links ]

POLETTO, Cecilia. 2001. Complementizer deletion and verb movement in standard Italian.' In Guglielmo Cinque & Giampaolo Salvi. Eds.. Current Issues in Italian Syntax. Oxford: Elsevier. [ Links ]

RIBEIRO, Ilza. 1995. A Sintaxe da Ordem no Português Arcaico; o Efeito V2. Tese de Doutorado, UNICAMP. [ Links ]

RIZZI, Luigi. 1996. Residual verb second and the wh-criterion. In: Adriana Belleti & Luigi Rizzi. Eds.. Parameters and Functional Heads. Oxford: Oxford University Press. [ Links ]

______. 2006. On the form of chains: criterial positions and the ECP. In: Lisa Cheng & Norbert Corver. Eds.. Wh-Movement: Moving On. Cambridge, Mass.: The MIT Press. [ Links ]

RIZZI, Luigi & Ian Roberts. 1996. Complex inversion in French. In Adriana Belleti & Luigi Rizzi. Eds.. Parameters and Functional Heads. Oxford: Oxford University Press. [ Links ]

WEBELHUTH, Gert. 1992. Principles and Parameters of Syntactic Saturation. New York: Oxford University Press. [ Links ]

Recebido: Agosto de 2011; Aceito: Março de 2014

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.