SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 issue46Invisible inequality: the role of social class in raising children from black and white families author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Educação em Revista

Print version ISSN 0102-4698On-line version ISSN 1982-6621

Educ. rev.  no.46 Belo Horizonte Dec. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982007000200001 

Editorial

 

 

É com alegria que comunicamos aos leitores e colaboradores de Educação em Revista que, a partir deste número 46, a revista estará disponí-vel também na Scielo (www.scielo.br). A Scielo é uma biblioteca eletrônica que proporciona acesso aos textos completos dos artigos publicados nos periódicos indexados na base. O acesso aos artigos pode ser feito através dos índices de cada periódico ou por preenchimento de formulários de busca. Ao ingressar na Scielo, Educação em Revista torna-se acessível a outro universo de leitores, aumentando significativamente a circulação da Revista e a visibilidade dos artigos publicados. Temos certeza de que o ingresso na Scielo significa o reconhecimento da qualidade de Educação em Revista, que foi atestada também na recente avaliação dos periódicos realizada pela Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED) e pela Capes. Esses bons resultados de Educação em Revista vêm no momento em que o Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da UFMG tem sua excelência reconhecida na avaliação trienal da Capes. Com este número celebramos esse triplo êxito da Faculdade de Educação da UFMG.

O artigo que abre este número é um importante estudo sociológico em que Annette Lareau, da Universidade de Maryland, EUA, analisa as influências das famílias na educação de seus filhos e os mecanismos pelos quais os pais de classes diferentes transmitem vantagens para os filhos em famílias negras e brancas. Ela mostra como o "cultivo orquestrado" encoraja nas crianças um sentimento emergente de direito e como as diferenças na vida familiar não recaem apenas nas vantagens que os pais obtêm para os filhos, mas também nas habilidades transmitidas a eles. Além de instigante, esse trabalho apresenta conceitos que podem ser úteis a outros estudos comparativos sobre raça e classe, bem como para avaliações da influência da estrutura familiar na forma como a vida diária é moldada.

No trabalho intitulado "A presença de Aristóteles no livro Como pensamos, de John Dewey", membros do grupo de pesquisa Retórica e Argumentação na Pedagogia da USP de Ribeirão Preto/SP, sob a coordenação de Marcus Vinicius da Cunha, procuram compreender os mecanismos de "apropriação" e "recontextualização" presentes na elaboração de discursos pedagógicos. Para tanto, analisam como a concepção deweyana de conhecimento e ciência retoma e adapta formulações e argumentos aristotélicos.

O terceiro artigo, de autoria de Maurício Miranda Sarmet e Júlia Issy Abrahão, investiga o impacto do uso de ferramentas informatizadas na atividade dos tutores de cursos via Internet. Trata-se de um estudo de caso sobre o trabalho de mediação de uma equipe de tutores de cursos a distância. O exame das interações e estratégias utilizadas na navegação e na resolução de dificuldades concretas revela interessantes aspectos que favorecem a compreensão dos processos pedagógicos que se valem de novas tecnologias.

Em "Movimentos sociais e experiência geracional: a vivência da infância no movimento dos trabalhadores sem terra", Luciana Oliveira Correia, Maria Amélia Gomes de Castro Giovanetti e Maria Cristina Soares de Gouvêa apresentam os resultados de uma pesquisa etnográfica desenvolvida com crianças moradoras de um acampamento do MST, no estado de Minas Gerais. O estudo mostra a construção de identidade de novos atores sociais através da recepção de produções adultas e de práticas culturais singulares.

Na discussão da democratização do acesso à educação superior no Brasil, uma das questões que se coloca é a compreensão das variáveis socioeconômicas que interferem no processo de seleção. O quinto artigo deste número, de autoria de Cristiane B. Lopes, Raphael L. F. Ribeiro, Mariana G. Carvalho, Glaura C. Franco, Rosângela Loschi e Mauro M. Braga, é um estudo detalhado do perfil de vestibulandos da UFMG que busca identificar as características associadas à aprovação de candidatos de escolas públicas e privadas.

Neste número, Educação em Revista dá continuidade à publicação de dossiês temáticos colocando em foco um tema que tem tido presença marcante nas teorizações sociais e culturais contemporâneas. Para a organização do dossiê "Gênero, Sexualidade e Educação", foram convidadas as professoras Dagmar Estermann Meyer e Guacira Lopes Louro, criadoras do GEERGE/UFRGS (Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero), um dos primeiros grupos de estudos e pesquisas sobre relações de gênero no campo educacional do Brasil.

Com esse dossiê, Educação em Revista traz aos seus leitores e às suas leitoras um conjunto de artigos de pesquisadoras de diferentes instituições brasileiras que têm trabalhado no campo da educação com as questões de gênero e sexualidade. Evidenciando a pluralidade temática e teórico-metodológica que acompanha a produção de conhecimento nessa área, o dossiê, certamente, traz uma importante contribuição para ampliar e aprofundar o debate nos campos dos Estudos de Gênero e Sexualidade no Brasil, assim como para mostrar aos/às diferentes pesquisadores/as em educação o quão crucial a discussão dessas temáticas tornou-se para o campo educacional.

As análises contemporâneas sobre as relações de gênero e sobre a sexualidade instigam-nos a ver o mundo, as coisas do mundo e os sujeitos como sendo montados, moldados, produzidos "peça por peça", nas mais diferentes instâncias, instituições, espaços e sempre em jogos de poder. Mostram-nos que diferentes relações de poder sustentam posições de sujeitos, divulgadas em diferentes discursos, que somos constantemente convocados/as a ocupar. É para essa dimensão social e cultural da nossa constituição como homens e mulheres e das formas como experi-mentamos e vivemos nossa sexualidade que os estudos e pesquisas sobre gênero e sexualidade têm se voltado. Os oito artigos que compõem o dossiê aqui apresentado mostram de forma convincente e exemplar essa feitura, essa fabricação e essa produção do sujeito em suas marcações de gênero e sexualidade. Tomando diferentes "pedagogias" como objeto de análise, os estudos apresentados no dossiê entendem que "o educativo vai muito além da escola", e mostram como diferentes práticas e artefatos estão envolvidos na educação, formação e produção de formas de ser masculino e feminino assim como de formas de se vivenciar a sexualidade.

Os temas gênero e sexualidade estão mais do que nunca e de diferentes formas presentes na educação: são temas transversais dos Parâmetros Curriculares Nacionais; são recorrentemente apontados nas discussões sobre a diversidade cultural e sobre o multiculturalismo; aparecem constantemente nas salas de aulas e em outros espaços da escola. Contudo, as questões relacionadas ao gênero e à sexualidade estão também entre aquelas sobre as quais professores e professoras mais expressam dificuldades de tratamento nas escolas e mais desejam ter informações. Assim, com este número, Educação em Revista coloca à disposição dos seus leitores e das suas leitoras uma boa mostra da multiplicidade de tratamento dessa temática, na esperança de contribuir para o debate sobre Gênero, Sexualidade e Educação. Agradecemos às professoras Dagmar Estermann Meyer e Guacira Lopes Louro por terem aceitado nosso convite para a coordenação do Dossiê e por tê-lo feito com competência, compromisso e entusiasmo.

 

Os Editores

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License