SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.3 issue1Brasil X Estados Unidos: é a paixão que nos separaEntre a palavra oficial e a heresia popular author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Lua Nova: Revista de Cultura e Política

Print version ISSN 0102-6445

Lua Nova vol.3 no.1 São Paulo June 1986

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64451986000200012 

POLÊMICA

 

EUA: a guinada à direita*

 

 

Scott Mainwaring

Professor de Ciência Política, pesquisador do Kellogg Institute (EUA) e foi pesquisador-visitante do CEDEC durante o ano de 1985

 

 

Passo a maior parte de meu tempo pensando ou escrevendo sobre a América Latina, particularmente sobre o Brasil, onde vivi por dois anos e meio, e espero continuar fazendo isso no futuro. Nos Estados Unidos uma de minhas funções é tentar explicar alguns aspectos da realidade da América Latina aos norte-americanos. No Brasil, entretanto, eu freqüentemente faço o contrário e é isso que pretendo aqui: escrever sobre a política dos Estados Unidos, para os brasileiros.

Muitos aspectos de mudança no governo norte-americano são bem captados pela imprensa brasileira. Com exceção dos países da América Central, ninguém está mais a par do caráter belicoso da política externa de Reagan do que os brasileiros. Desde que subiu ao poder, Reagan tem representado a volta a um estilo clássico de imperialismo na tentiva de dominar o resto do mundo. A intolerância, o desinteresse por instituições democráticas e pela justiça, a virulenta reafirmação de força dos Estados Unidos aparecem numa ampla fusão de áreas incluindo o manuseio da dívida. Outras mudanças políticas nos Estados Unidos são, no entanto, menos claras para os brasileiros. A imprensa capta geralmente as mudanças institucionais, enquanto as mudanças na sociedade civil não são percebidas.

O que quero mostrar é justamente a importância de se conhecer os movimentos da sociedade civil para maior compreensão da natureza da mudança da política norte-americana.

Quando Nixon foi forçado a renunciar em 1974 e quanto a oposição finalmente forçou o fim da guerra no Vietnã, muitos americanos tiveram esperança de que começaria uma nova era na política do país, combinando o melhor da herança americana com uma nova preocupação com a injustiça no mundo. O otimismo se mostrou infundado, apesar de alguns sinais que demonstravam ser este otimismo mais que mera fé. A proliferação progressiva de movimentos sociais (movimento feminino, movimento negro, movimento contra a guerra, movimento ecológico) temperam fortemente o final dos anos 60 e início dos anos 70. Os republicanos ganharam o controle da presidência em 1968, mas os democratas mantinham uma larga maioria na Câmara e no Senado. O mais importante talvez tenha sido a vitória que obtiveram quando conseguiram pôr fim à guerra no Vietnã.

A busca de mudança, acoplada aos primeiros efeitos da crise econômica mundial conseqüente à crise do petróleo de 1973, dão os elementos necessários para a compreensão da política de Carter. Parte da esquerda latino-americana entendeu a política de direitos humanos de Carter como a última cartada do imperialismo. Esta leitura não poderia estar muito além da verdade, e hoje, com a volta da política beligerante, o fato parece evidente.

Quando terminou a guerra do Vietnã, grupos ou indivíduos que se opunham à guerra se encontravam frente a uma oportunidade histórica de ajudar a redefinir a política externa do país. A política de direitos humanos, que se originou destes grupos progressistas da sociedade e não da Comissão Trilateral, foi direcionada a redefinir o papel dos Estados Unidos no mundo.

Quando Carter assumiu a presidência, apesar de seu discurso ser coerente com a política dos direitos humanos, a sua prática parecia um tanto contraditória. A política de direitos humanos não era exatamente o que os movimentos sociais progressistas desejavam, tropeçando em alguns aspectos. Todavia, em termos de política externa, os primeiros dois anos e meio da administração Carter representaram uma ruptura com o passado.

Desde que os Estados Unidos emergiram como potência mundial na última década do século passado, sua política externa foi imperialista. Neste século, os três presidentes mais progressistas foram Woodrow Wilson, Franklin Delano Roosevelt e Lyndon Johnson, todos promovendo mudanças positivas na esfera doméstica. Porém, mesmo estes líderes progressistas não escaparam de um impulso imperialista. Wilson continuou a política agressiva na América Central, que havia começado en 1890. Roosevelt certa vez declarou que "Somoza é um filho da puta, mas é nosso filho da puta". Johnson foi o responsável pela escalada americana no Vietnã, pela invasão da República Dominicana, e foi quem deu apoio para o golpe no Brasil.

Não obstante fosse relativamente fraco em termos de lidar com o Congresso e em projetar uma imagem pública consumível, Carter foi o presidente deste século que mais seriamente questionou a abordagem militarista para defender os interesses nacionais. Neste tempo a esquerda criticava as contradições de sua política de direitos humanos, ao apoiar governos repressivos como o da Coréia do Sul, Filipinas e África do Sul, para citar alguns. Ainda assim é importante reconhecer que o discurso e a política de Carter representaram uma tentativa de lidar com o Terceiro Mundo de uma maneira nova.

A posição explícita de que os Estados Unidos não poderiam simplesmente impor sua vontade ao Terceiro Mundo através da força militar trouxe uma mudança importante. A política de direitos humanos teve efeitos positivos em países como o Brasil e a Argentina, apesar das atrocidades que continuaram a ser cometidas nos dois países. Carter teve também um admirável papel nas negociações de paz do Oriente Médio.

Entretanto, o impulso para uma mudança progressista representou apenas um lado da resposta dada pela sociedade civil à derrota no Vietnã. Na Segunda metade dos anos 70 uma "nova" direita emergia, uma direita que interpretava o grande erro no Vietnã como um enfraquecimento do compromisso de derrotar o desafio comunista. A nova direita diferia dos republicanos moderados, que dominavam o partido na era pós-60, tanto na política externa quanto interna. Para a nova direita, figuras como Nixon ou Kissinger eram conciliatórias demais com relação à União Soviética.

A política de direitos humanos foi repudiada ostensivamente porque representava interferência externa nos negócios de outros países, ainda que na prática a administração de Reagan não tenha sido repudiada por invadir outros países (Granada) ou tenha se engajado em guerras encobertas (Nicarágua). Falando de um modo geral, a nova direita apoiou e praticou uma política de conduzir abertamente o poderio militar norte-americano para o Terceiro Mundo.

Exatamente como no caso de Carter e da implementação de uma política de direitos humanos, a volta de Reagan a uma política de bigstick respondeu a um movimento significativo da sociedade civil. Especialmente depois do desastre no Irã, da vitória sandinista na Nicarágua e da divulgação das atrocidades cometidas pelos regimes comunistas de Cambodja e Vietnã, os meios de comunicação começaram a acusar Carter de ter sido um presidente fraco. Movimentos sociais organizados pela nova direita exigiam uma presença mais agressiva dos Estados Unidos no Terceiro Mundo.

A nova direita cristã desempenhou um grande papel na articulação de uma imagem dos Estados Unidos personificando as virtudes cristãs e empregando todos os meios disponíveis para derrotar o comunismo, representando-o como a força do mal que destrói os valores cristãos. O fenômeno Reagan em geral e a volta a uma política externa beligerante em particular não podem ser entendidos sem uma referência ao largo apoio da sociedade civil a uma política imperialista mais ruidosa.

Esta oposição social á política de direitos humanos de Carter e a exigência de maior agressividade na política externa são elementos indispensáveis para explicar por que Carter se voltou para a direita depois do fiasco no Irã. Um dos sinais mais visíveis deste movimento à direita veio quando Cyrus Vance renunciou ao posto de secretário de Estado, deixando Zbigniew Brzezinski como o homem forte em termos de política externa.

Menos visível, mas possivelmente mais importante, foi a mudança na política da América Central. Carter nunca apoiou os Sandinistas, mas quando eles subiram ao poder ele buscou meios para uma coexistência pacífica. Além disso, ao mesmo tempo que ele nunca apoiou a revolução, ele se opôs a Somoza. Em contraste, quando a extrema direita depôs do poder os coronéis mais progressistas de El Salvador, no final de 1979, Carter não fez nada. Quando começou a escalada das atrocidades, a política de direitos humanos foi atirada pela janela, vítima da exigência de uma política mais agressiva.

Carter representou uma tentativa para chegar a um acordo com o mundo moderno — especialmente com o Terceiro Mundo e a União Soviética — de maneira mais esclarecida. Uma de suas maiores falhas foi a incapacidade de comunicar ao público americano o que significava esse esforço. Os meios de comunicação e o público interpretaram a renúncia a uma política externa mais agressiva como sendo fraqueza. Reagan foi eficiente na exploração dessa imagem e em contrapor uma imagem contrária, de uma América forte que não se deixará "encurralar" em outra parte do mundo.

A imagem evocada por Reagan foi parcialmente apócrifa. Como mostraram as "derrotas" na Coréia, em Cuba e na China, os Estados Unidos nunca foram capazes de dominar o mundo completamente, como Reagan sugeria. Todavia, a imagem de uma América forte, com renovada força militar, foi eficiente como suporte vitorioso para a direita.

A direita também foi capaz de capitalizar eficientemente símbolos e mitos, ao criticar a política interna de Carter e ao propor alternativas. Reagan desencadeou um ataque popular às instituições da Previdência Social, retratando-as como anátema da tradição americana do trabalho árduo. O discurso antiestatal acompanhado da real redução de impostos para a classe média e da prosperidade se mostraram igualmente populares. Apelos ao patriotismo, moralismo e valores tradicionais da família também encontraram um forte eco na sociedade.

Considerando que Carter representou uma tentativa (freqüentemente malograda) de responder prospectivamente aos problemas dos anos 70, o discurso e a política de Reagan representaram exatamente o contrário: uma volta aos valores e à política tradicionais. É irrelevante que o passado seja uma quimera, o que importa é o suptorte significativo para estes valores no momento atual.

O perigo que Reagan representa para o mundo tem sido claro para muitos, mas os perigos que a nova direita representa, em termos das instituições democráticas nos Estados Unidos têm sido geralmente subestimados. Enquanto sustenta o ponto de vista de que a intervenção estatal é o mal que ataca a sociedade americana, a nova direita promoveu a expansão da capacidade de o Estado atuar fora da esfera dos políticos democráticos e até de regular a vida individual. A expansão dos poderes da CIA e do FBI são exemplos claros. Neste sentido houve uma tentativa de reformar a natureza da política americana de maneira a ir além das práticas republicanas convencionais.

Todavia, a distância entre a administração Reagan, que inclui muitas características individuais da nova direita e os tradicionais líderes republicanos, explica o desdém da primeira com relação aos últimos.

A administração Reagan tem incomodado indivíduos que se têm oposto à sua política. Em 1982 a Agência de Informações dos Estados Unidos (CIA) colocou na lista negra inúmeras personalidades eminentes da oposição, incluindo o senador Gary Hart e, por mais surpreendente que possa parecer, um dos diretores anteriores da própria CIA. A alfândega tem molestado pessoas que voltam da Nicarágua, conhecidas por sua oposição à intervenção na América Central. O "Serviço de Renda Interna" (impostos federais) envolveu em intrigas desonrosas o nome de instituições progressistas (como o Instituto de Estudos Políticos), publicações {Mother Jones, por exemplo) e indivíduos. A Fundação Inter-Americana, apoiada financeiramente pelo Congresso, depois de alguns excelentes trabalhos de apoio aos movimentos de base da América Latina, foi submetida, pela primeira vez em sua história, a um critério político. O novo diretor, um velho amigo de Reagan, da Califórnia, não sabe nada sobre a América Latina e começou a tomar providências para o desmantelamento do caráter progressista da organização. Pela primeira vez, os apontamentos do Departamento de Estado se viram submetidos a um critério ideológico e não de méritos. O pior de tudo talvez tenha sido o uso, sem precedente (mesmo se comparado a Nixon), de mentiras ao lidar com o público americano, especialmente no que diz respeito à América Central.

O que é notável é a indiferença, ou pior, o apoio que estas práticas encontram no público americano. A intolerância à diversidade, o nacionalismo e o militarismo, o provincialismo e a hostilidade a idéias diferentes encontram-se por toda parte e se chocam quando alguém considera a criatividade produzida na segunda metade dos anos 60 e parte dos anos 70. Foi a combinação do autoritarismo social e estatal que sugeriu a Bertrand Gross o título exagerado porém não menos sugestivo de seu livro: Fascismo Amávell

Também não foi detectada por muitos a erosão que sofreram algumas conquistas sociais. Desde um programa federal conhecido como "Ação Afirmativa", durante as décadas de 60 e 70, corporações e universidades foram encorajadas a contratar mulheres e membros das minorias. Hoje, esta tendência se reverteu, novamente sob o estandarte de se evitar a intervenção do Estado. A Corte Suprema reverteu algumas das decisões mais liberais dos anos anteriores. Desde que é praticamente certo que Reagan nomeará novos juizes para a Corte Suprema, é provável que no futuro a Corte se curve numa direção ainda mais conservadora. Assim como as conquistas legais dos anos 60 e 70 foram importantes para o crescimento do espaço para uma sociedade mais progressista, assim as reversões legais dos anos 80 serão importantes para criar espaço para direita.

Qualquer discussão sobre a administração Reagan será incompleta sem alguma referência à combinação da personalidade popular do presidente e à ausência de qualificação para o cargo executivo. Os meios de comunicação têm chamado Reagan de "O grande comunicador", por causa de seu apelo carismático. Ao mesmo tempo sua ignorância a respeito do mundo contemporâneo é evidente em todas as suas gafes. Seu desprezo pelo trabalho duro e as freqüentes férias no seu rancho na Califórnia são também largamente conhecidos. O presidente tem conseguido projetar uma imagem de um líder efetivo a despeito desses traços. Entretanto, é preciso reconhecer que ninguém no recente passado político dos Estados Unidos tem efetivamente trabalhado o aspecto simbólico da vida política.

Os avanços da direita têm colocado questões difíceis para o Partido Democrata e para os movimentos sociais progressistas. Os movimentos inovadores que floresceram na segunda metade dos anos 60 não desapareceram, mas se fragmentaram e sua capacidade de promover mudanças entrou em declínio. A oposição à guerra do Vietnã serviu como um ponto de união destes movimentos progressisstas, mas desde 1975 eles se tornaram mais dispersos. Entre eles somente o movimento das mulheres e dos negros tiveram saldo significativo. Nos anos recentes os líderes negros se concentraram na política eleitoral e têm tido sucesso na eleição de maiorias negras em cidades como Chicago, Filadélfia, Los Angeles e Atlanta. A campanha para a presidência de Jesse Jackson em 1984, que resultou numa surpreendente demostração de força, foi um dos pontos mais visíveis desse movimento. Infelizmente, um dos seus efeitos colaterais foi levar os democratas conservadores do Sul a se unirem ao Partido Republicano. Estados sulinos, que costumavam ser solidamente democráticos, mudaram de lado, com graves conseqüências em termos de política nacional. Ao mesmo tempo, os democratas continuaram a controlar a grande maioria dos governos estaduais (35 dos 50), indicando um abismo significativo entre os padrões eleitorais estaduais e nacional.

O Partido Democrata se dividiu sobre o que fazer com o movimento direitista. A maioria dos líderes sente que o partido deve seguir a tendência nacional e se mover na mesma direção. A campanha de Mondale refletiu isso claramente: um liberal clássico adotou um discurso que em alguns casos era tão conservador como o de Reagan, aparentemente acreditando que era a única maneira de ganhar. Particularmente no Sul, os líderes brancos do partido insistem na necessidade de se mover para o centro. O coordenador da campanha de um candidato democrata a um cargo federal, derrotado nas últimas eleições, resumiu este ponto de vista quando disse, meio brincando, que o partido deveria indicar Jeanne Kirkpatrik e Sam Nun (um congressista conservador da Geórgia) para presidente e vice-presidente em 1988. Ao mesmo tempo, a maioria dos ativistas continua a apoiar causas classicamente liberais ou radicais e aceita menos o movimento para a direita. O resultado é que o partido está mais fragmentado do que em algumas décadas passadas.

De um ponto de vista ético e político estou convencido que a visão progressista deve prevalecer. Em certos momentos são necessários compromissos estratégicos, porém, alguns desses compromissos são moralmente dúbios e estrategicamente questionáveis. Por exemplo, a promessa de caráter eleitoral de Mondale de impor a quarentena à Nicarágua não foi repreensível só por razões éticas, também perdeu a oportunidade de destruir uma administração cuja política foi condenada unanimemente por todo o mundo.

Por causa de sua inabilidade em responder ao movimento direitista com maior criatividade, o Partido Democrata não pode ser o líder favorito da esperança no futuro. Nem a juventude suprirá essa esperança. O grupo compreendido entre 18 e 25 anos votou maciçamente em Reagan, dando a ele uma proporção de votos maior que a população como um todo.

De fato, é difícil, num primeiro relance, encontrar sinais significativos de esperança no cenário político da América, com exceção da crescente oposição à sua política na América Central.

Paradoxalmente, a maior esperança está provavelmente nos problemas da administração Reagan e no Partido Republicano. Considerando a administração, durante o primeiro trimestre de 1985 a economia entrou em declínio. O desempenho econômico de 1983-1984 se baseava não somente na política exclusionária que mais adiante empobreceu os grupos mais pobres do país, mas também numa fantástica dívida interna (aproximadamente U$ 200 bilhões por ano) e uma dívida comercial (por volta de U$ 120 bilhões por ano). Neste sentido, o crescimento foi desigual e frágil como o que Brasil experimentou durante os anos 70. Os limites deste tipo de crescimento são claros; o que não está claro é se será Reagan a pagar os custos dessa política econômica, ou se o seu sucessor será forçado a isso. De qualquer modo, por causa do fracasso da política econômica de Reagan, o Partido Democrata tem chances de ganhar a maioria para o Senado em 1986. Atualmente os republicanos detêm 53 contra 47, porém, em 1986 vinte republicanos e treze democratas poderão se candidatar à reeleição. Na Câmara dos Deputados, os democratas detêm a maioria com 252 contra 183, o que não é grande coisa, já que um número significativo (no mínimo 30) de democratas conservadores sempre vota com Reagan.

O Partido Republicano, a despeito de seu sucesso, enfrenta problememas de unidade quase tão significativos quanto os do Partido Democrata. Reagan foi provavelmente o único indivíduo capaz de manter as várias facções do partido unidas. A luta entre a extrema direita e as facções republicanas mais tradicionais estava clara para todos na convenção do partido em 1984, À extrema direita, que às vezes se opôs a Reagan por achá-lo moderado demais, chegou a propor a expulsão de alguns liberais do partido.

Entrementes, a esquerda continua a trabalhar na criação de novas alternativas. Contra todas as posibilidades e em face da significativa fragmentação e divisão internas, a esquerda continua a levantar a bandeira que defende desde 1960. Em benefício dos Estados Unidos e do mundo nós só podemos esperar que essas vozes solitárias de agora se tornem as bases de um crescente coro.

 

 

* Tradução de Gila Eitelberg Azevedo.