SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue1Musculoskeletal pain in lower limbs in obese patients before and after bariatric surgeryIncidence of vitamin B12 deficiency in patients submitted to Fobi-Capella Roux-en-Y bariatric surgery author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo)

Print version ISSN 0102-6720

ABCD, arq. bras. cir. dig. vol.25 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-67202012000100008 

ARTIGO ORIGINAL

 

Experiência brasileira inicial em cirurgia da obesidade robô - assistida

 

 

Ricardo Zugaib Abdalla; Rodrigo Biscuola Garcia; Claudio Renato Penteado de Luca; Rafael Izar Domingues da Costa; Claudia de Oliveira Cozer

Hospital Sírio - Libanês, São Paulo,SP, Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

RACIONAL: As técnicas minimamente invasivas associaram-se à cirurgia bariátrica propiciando redução na agressão aos órgãos e sistemas. A robótica é uma nova possibilidade dentro do conceito de mínima invasão.
OBJETIVOS: Avaliar a experiência inicial da robótica em cirurgia da obesidade.
MÉTODOS: Foram operados 27 pacientes no mesmo hospital, pela mesma equipe, com o mesmo sistema cirúrgico que foi Da Vinci S.
RESULTADOS: Foram realizadas seis colocações de banda gástrica, cinco gastrectomias verticais e 16 septações gástricas com by-pass em Y-de-Roux. Ocorreu uma complicação importante e nenhum óbito.
CONCLUSÕES: A via robótica mostrou-se segura durante experiência inicial, propiciando maior facilidade durante o procedimento em pacientes obesos.

Descritores: Obesidade/cirurgia. Robótica. Procedimentos cirúrgicos minimamente invasivos.


 

 

INTRODUÇÃO

O ideal da cirurgia bariátrica é trazer ao paciente obeso mórbido significante índice de perda de peso a curto e longo prazo, com o mínimo possível de complicações operatórias.

As técnicas minimamente invasivas associaram-se à cirurgia bariátrica e propiciaram grande redução na agressão aos órgãos e sistemas, com diminuição da morbidade e do tempo de recuperação. Existe significante melhora das complicações pulmonares e de ferida operatória, além de diminuição no tempo de internação hospitalar7.

A primeira aplicação da robótica em cirurgia bariátrica é atribuída à Cadiere, que em 1999 instalou uma banda gástrica robô - assistida2. Em 2003 Jacobsen por sua vez publicou estudo de 107 casos de by-pass gástrico operados por 11 cirurgiões diferentes. Nesta amostra não houve nenhuma deiscência de anastomose gastrojejunal, sendo que as vantagens apontadas deste procedimento foram a visão em 3-D, a possibilidade de confecção de um pouch menor e o menor uso de grampeadores devido à facilidade da realização de anastomoses com o robô. Em compensação, o tempo cirúgico foi maior com a robótica, em relação à cirurgia laparoscópica e laparotômica3.

Mais trabalhos surgem para avaliar a curva de aprendizado em cirurgia bariátrica robótica. Para tal, é usada uma unidade na qual o tempo cirúrgico é dividido pelo índice de massa corpórea do paciente, chegando em um resultado expresso em minutos/IMC. Mohr, em 2005, comparou o tempo cirúrgico de suas primeiras gastroplastias robóticas com uma amostra retrospectiva das mesmas operações laparoscópicas e chegou à conclusão que a cirurgia robótica era mais rápida (3,8 min/unidade IMC versus 5,0 com p= 0,009)5.

Em 2005 Dominick Artuso, em Nova Iorque, fez uma análise de 41 gastroplastias robóticas realizadas entre 2001 e 2002, comparando com a laparoscopia. O tempo cirúrgico mostrou-se maior com o robô, sem diferença estatística em relação ao número de deiscências de anastomose gastrojejunal1,6.

Os americanos conseguiram analisar grande número de pacientes, graças à grande disponibilidade dos sistemas cirúrgicos robóticos naquele país. Em 2008, o Huntington Memorial Hospital em Pasadena, publicou uma análise de 100 casos de by-pass laparoscópicos robô-assistidos, chegando à conclusão que a realização do procedimento era segura em um hospital comunitário, tendo resultados não inferiores à gastroplastia laparoscópica nas mãos de cirurgiões experientes4. Além de séries maiores, existem exemplos de pacientes com obesidade extrema tratados com o uso da robótica, tal como relato de neoplasia ginecológica operada através de cirurgia robô-assistida em uma paciente com IMC de 98. Este exemplo ilustra bem a sensação de facilidade que o sistema robótico traz na operação dos pacientes obesos em relação à laparoscopia tradicional8.

Nos países europeus o volume de cirurgias bariátricas realizadas por via robô-assistida ainda é bem menor do que nos EUA. Os estudos são na maioria relatos de casos e pequenas séries mostrando a experiência inicial de alguns centros, com poucos casos . Exemplo disso é a série do grupo de Atenas, na Grécia, com uma análise de nove casos operados entre dezembro de 2008 e maio de 2009.

Outras técnicas foram estudadas, tal como a banda gástrica por robótica. Horgan em 2004 chegou à conclusão que a via laparoscópica convencional era mais rápida para colocação da banda, porém a via robótica teve menor morbidade com o mesmo tempo médio de internação hospitalar. Segundo o autor, o robô facilitava a confecção de suturas difíceis, principalmente nos pacientes super-obesos6.

O objetivo deste trabalho foi descrever a experiência pioneira de equipe já atuante em cirurgia da obesidade, com a nova via de acesso robô- assistida.

 

MÉTODOS

Foi realizado, através do sistema Da Vinci S, um total de 27 operações bariátricas pelo mesmo cirurgião entre setembro de 2008 e agosto de 2011 no Hospital Sírio-Libanês em São Paulo, SP, Brasil. Dentre as operações executaram-se seis colocações de banda gástrica, cinco gastrectomias verticais e 16 septações gástricas com by-pass em Y-de-Roux. Foram avaliadas complicações técnicas do método, infecção da ferida operatória, hérnia incisional, re-operações e mortalidade

 

RESULTADOS

Ao todo foram operados 10 homens e 17 mulheres. Três gastrectomias verticais foram realizadas em pacientes do sexo masculino e duas em pacientes do sexo feminino. Foram instaladas bandas gástricas em dois homens e quatro mulheres. Os by-pass foram realizados em cinco homens e 11 mulheres.

Em quatro pacientes que realizaram by-pass gástrico e uma que realizou gastrectomia vertical, ocorreram hematomas nos pontos de entrada dos portais. Nenhum desses pacientes evoluiu com infecção da ferida operatória, e nenhum até o momento apresentou hérnia incisional.

Ocorreu uma complicação importante do procedimento, devido à lesão inadvertida de intestino delgado durante o grampeamento da enteroenteroanastomose. A lesão foi identificada no segundo dia do pós-operatório e tratada com laparotomia e enterectomia.

Não houve outra reoperação na série descrita como também complicações tardias até o momento deste publicação. Nenhum paciente morreu.

 

DISCUSSÃO

A cirurgia bariátrica robô-assistida oferece vantagens principalmente ao cirurgião. O fato de se operar com ergonomia adequada e de forma confortável traz ao profissional mais tranquilidade na realização de procedimentos mais desgastantes. Entre esses procedimentos pode ser incluída a cirurgia da obesidade, que eventualmente pode ter duração aumentada e proporcionar ao cirurgião grande esforço físico.

O grupo em questão é pioneiro na realização de cirurgia da obesidade robô - assistida no Brasil, tendo realizado os primeiros procedimentos no país e até o momento tem a maior experiência brasileira no assunto. O primeiro procedimento realizado foi um by-pass gástrico em julho de 2008.

Nesta casuística é importante lembrar que a complicação ocorrida foi relacionada às linhas de grampeamento realizadas, e ocorreu no primeiro procedimento. O grampeamento na cirurgia robótica é realizado pelo auxiliar, através de trocarte de laparoscopia comum, sem utilização de material próprio do robô. Desta forma não se pode considerar a deiscência da enteroenteroanastomose uma complicação do método robótico em si. Por outro lado, mostra que o assistente na cirurgia robótica tem papel importante, devendo ser devidamente treinado para procedimentos avançados de videocirurgia, tal como grampeamento da neocâmara no by-pass gástrico.

O que a literatura mostra é que a cirurgia bariátrica robótica tem espaço, principalmente em equipes bem treinadas e hospitais preparados para tal. A superioridade da cirurgia abdominal robô-assistida ainda não foi claramente demonstrada, porém a literatura sobre o assunto vem crescendo, inclusive com o surgimento da telecirurgia e cirurgia à distância1,4.

A impressão inicial, até no momento empírica, é que o robô facilita procedimentos a princípio mais complicados, tais como operações em pacientes super-obesos. Além disso, possibilita a gastroenteroanatomose manual (com uso do braço robótico) calibrada, oferecendo mais precisão no procedimento. Vencida a curva de aprendizado e com toda a equipe treinada e certificada em cirurgia robótica o procedimento torna-se tranquilo e padronizado.

 

CONCLUSÃO

A cirurgia robô-assistida facilita procedimentos em pacientes obesos. Como a experiência inicial, pode-se concluir que o método é seguro e deve ser mais estudado através de trabalhos comparativos com a videolaparoscopia, que hoje é realizada com mais frequência em grandes centros.

 

REFERÊNCIAS

1. Artuso D, Wayne M, Grossi R. Use of Robotics During Laparoscopic Gastric Bypass for Morbid Obesity. JSLS .2005; 9:266-268        [ Links ]

2. Cadiere GB, Himpens J, Vertruyen M, Favretti F. The world's first obesity surgery performed by a surgeon at a distance. Obes surg .1999; 9: 206-209        [ Links ]

3. Jacobsen G, Berger R, Horgan S. The role of robotic surgery in morbid obesity. Journal of laparoendoscopic & advanced surgical techniques. 2003; 13(4): 279-283.         [ Links ]

4. Joseph Y, Deng MD, Da Vid J, Lourié MD, 100 Robotic-Assisted Laparoscopic Gastric Bypasses at a Community Hospital. The American Surgeon. 2008 ; 74 (10): 1022 - 25        [ Links ]

5. Mohr CJ, Nadzam GS, Alami RS, Sanchez BR, Curet MJ. Totally robotic laparoscopic Roux-en-Y Gastric bypass: results from 75 patients. Obesity Surgery. 2006;16(6):690-6.         [ Links ]

6. Moser F, Horgan S. Robotically assisted bariatric surgery. American Journal of Surgery. 2004. 188 (4a suppl): 38S-44S.         [ Links ]

7. Nguyen NT, Goldman C, Rosenquist CJ, Arango A, Cole CJ, Lee SJ, Wolfe BM. Laparoscopic versus open gastric bypass: a randomized study of outcomes, quality of life, and costs. Ann Surg. 2001; 234(3):279-289.         [ Links ]

8. Stone P, Burnett A, Burton B, Roman J. Overcoming extreme obesity with robotic surgery. Int J Med Robotics Comput Assist Surg .2010. Published online in Wiley InterScience (www.interscience.wiley.com). DOI: 10.1002/rcs.341        [ Links ]

 

 

Correspondência:
Ricardo Zugaib Abdalla
e-mail: ricardo.abdalla@hsl.org.br

Fonte de financiamento: não há
Conflito de interesses: não há

 

 

Trabalho realizado no Hospital Sírio - Libanês, São Paulo,SP, Brasil.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License