SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 issue1Prognostic factors of surgically-treated patients with cancer of the right colon: a ten years' experience of a single universitary institutionInfluence of surgical technique in the peritoneal carcinomatosis surgical wound implant: experimental model in mice author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo)

Print version ISSN 0102-6720

ABCD, arq. bras. cir. dig. vol.28 no.1 São Paulo  2015

http://dx.doi.org/10.1590/s0102-67202015000100003 

Artigo Original

Perda de peso hospitalar, dieta prescrita e aceitação de alimentos

Vania Aparecida LEANDRO-MERHI1 

Silvana Mariana SREBERNICH1 

Gisele Mara Silva GONÇALVES2 

José Luiz Braga de AQUINO3 

1Faculdade de Nutrição

2Faculdade de Ciências Farmacêuticas

3Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil


RESUMO

RACIONAL:

A perda de peso e a desnutrição podem ser desencadeadas por vários fatores, além de estar relacionada com o tipo de doença e com a terapia empregada.

OBJETIVO:

Investigar a ocorrência de perda de peso e fatores relacionados, durante a internação.

MÉTODO:

Estudo transversal com 456 pacientes hospitalizados, sendo estudadas as seguintes variáveis: sexo, idade, doença, evolução de peso, tipo e aceitação da dieta prescrita. Para comparar o peso entre os três primeiros dias de internação e para o estudo dos fatores que interferiram na alteração do peso, foi utilizada a Análise de Variância (ANOVA) para medidas repetidas. Para comparar a proporção de respostas na aceitação da dieta, foi utilizado o método das Equações de Estimação Generalizadas (EEG), com nível de significância de 5%.

RESULTADOS:

A dieta mais prescrita foi a geral (28.8%) e 45.5% dos pacientes perderam peso durante a internação. A aceitação da dieta hospitalar melhorou do 1º para o 3º dia de internação (p=0.0022), mas mesmo assim, a perda foi significativa (p<0.0001). Verificou-se que a idade e o tipo de dieta prescrita não influenciaram na perda de peso no período; mas, o tipo de doença e o sexo, apresentaram influência nos pacientes portadores de neoplasias (p=0.0052) e o sexo masculino (p=0.0002) apresentou mais perda de peso.

CONCLUSÃO:

A perda de peso no decorrer da internação foi relacionada apenas ao sexo e ao tipo de doença.

Palavras-Chave: Perda de peso; Dieta prescrita; Pacientes hospitalizados; Estado nutricional

ABSTRACT

BACKGROUND:

Weight loss and malnutrition may be caused by many factors, including type of disease and treatment.

AIM:

The present study investigated the occurrence of in-hospital weight loss and related factors.

METHOD:

This cross-sectional study investigated the following variables of 456 hospitalized patients: gender, age, disease, weight variation during hospital stay, and type and acceptance of the prescribed diet. Repeated measures analysis of variance (ANOVA) was used for comparing patients' weight in the first three days in hospital stay and determining which factors affect weight. The generalized estimating equation was used for comparing the food acceptance rates. The significance level was set at 5%.

RESULTS:

The most prescribed diet was the regular (28.8%) and 45.5% of the patients lost weight during their stay. Acceptance of hospital food increased from the first to the third days of stay (p=0.0022) but weight loss was still significant (p<0.0001). Age and type of prescribed diet did not affect weight loss during the study period but type of disease and gender did. Patients with neoplasms (p=0.0052) and males (p=0.0002) lost more weight.

CONCLUSION:

Weight loss during hospital stay was associated only with gender and type of disease.

Key words: Weight loss; Prescribed diet; Hospitalized patients; Nutritional status

INTRODUÇÃO

Diversos trabalhos têm avaliado no decorrer dos últimos anos o estado nutricional e sua relação com o tempo de internação, consumo energético dos pacientes, tipo de doença, e perda de peso durante a hospitalização1,5,15,16,17,25, muitos desenvolvidos no Brasil 1,15,16,17, e outros ao redor do mundo5,25. No que se refere a perda de peso, esta situação já está bem documentada5,15,16,mas ainda é preciso lembrar que a perda de peso e a desnutrição em pacientes hospitalizados pode ser desencadeada por vários fatores, além de estar relacionada com o tipo de doença e com a terapia empregada10,16,23. Outros estudos mostram que a inadequação nutricional é a causa da incidência do risco nutricional em pacientes hospitalizados13. Intercorrências como o baixo consumo energético, inapetência, alterações de dietas, anorexia, náuseas, vômitos, horário das refeições hospitalares e outras situações também são apontadas como fatores desencadeantes do risco nutricional e da perda de peso nesta população1,11,13.

É sabido que o cuidado nutricional em hospitais ainda é inadequado6,11,13 e muitas ações deveriam ser implementadas no sentido de se melhorar este cuidado, entre elas a atenção nutricional focada na observação da aceitação da dieta pelos pacientes internados e em ações de estímulo para o aumento do consumo energético durante a hospitalização6,11,12,13,24.

Há estudos desenvolvidos no Brasil que investigaram a aceitação de dietas em ambiente hospitalar26, entre eles, chama a atenção o de Sousa et al, 2011 26 que avaliou a aceitação de dietas de pacientes internados em um hospital público, encontrando índice de resto-ingestão acima do limite aceitável para população enferma. Entre outras questões, os autores sugerem que sejam criadas estratégias de estímulo à ingestão alimentar dos pacientes. Outros trabalhos têm mostrado melhoras no tratamento médico quando associados às práticas de orientações dietéticas adequadas e controle de peso corporal 20.

No presente estudo, o objetivo foi investigar em pacientes hospitalizados a ocorrência de perda de peso e fatores relacionados como dieta prescrita e aceitação da dieta, durante a internação.

Método

Este trabalho foi iniciado após aprovação da administração do hospital e obtenção de parecer favorável do Comitê de Ética em Pesquisa da instituição.

O estudo de corte transversal foi desenvolvido com uma população composta por 456 pacientes hospitalizados em uma enfermaria de cirurgia, de ambos os sexos. O tamanho amostral foi definido com base no intervalo de confiança de 95%, a partir da população hospitalizada no período, e que atendia todos os critérios de inclusão e exclusão estabelecidos para este estudo. Os critérios de inclusão foram: pacientes com idade superior ou igual a 20 anos, com registro de informações médicas e nutricionais nos prontuários médicos desde o primeiro dia de internação até o dia da alta hospitalar ou óbito, tipo de doença, tipo de dieta prescrita e tempo de internação. E entre os critérios de exclusão estavam os pacientes com presença de edema ou ascite, os portadores de doenças terminais, aqueles com idade inferior a 20 anos e os admitidos no serviço apenas para investigação clínica e realização de exames.

Foram estudadas as seguintes variáveis: sexo, idade, motivo da internação (tipo de doença), evolução de peso, tipo e aceitação da dieta prescrita no início da internação. As dietas prescritas na internação foram classificadas de acordo com a modificação em sua consistência, como: dieta líquida (composta por alimentos liquidificados); dieta branda (alimentos bem cozidos e não condimentados); dieta geral (dieta normal sem restrições e modificações), dieta enteral ou parenteral (suporte nutricional) e jejum. O periodo de jejum foi variável, dependendo da evolução pós-operatória de cada paciente.

Para a análise da evolução ponderal durante a internação, os registros de peso diário foram classificados como ganho de peso; manutenção de peso e perda de peso. Para a análise da evolução ponderal nos três primeiros dias de internação, foram considerados 434 pacientes, em função do impedimento de alguns para a realização da segunda e terceira aferição do peso. A aceitação da dieta hospitalar foi avaliada por meio da observação da distribuição das refeições e visitas diárias aos pacientes, sendo classificada como boa aceitação, quando o paciente ingeriu 75% ou mais da refeição oferecida; regular aceitação, quando ingeriu de 25 à 50% e aceitação ruim, quando a ingestão alimentar foi inferior a 25%.

Para a caracterização dos pacientes estudados, foi realizada uma análise descritiva por meio de tabelas de frequência para as variáveis categóricas e medidas de posição e dispersão para as variáveis contínuas (valores de média, desvio-padrão e mediana). Posteriormente, foi utilizado o teste qui-quadrado para verificar associação ou comparar proporções. Para comparar o peso entre os três primeiros dias de internação e para o estudo dos fatores que interferiram na alteração do peso nos três primeiros dias, foi utilizada a Análise de Variância (ANOVA) para medidas repetidas. Para a localização das diferenças foi aplicado o teste de perfil por contraste. Foi utilizada a transformação por postos (ranks), devido à ausência de distribuição normal. E, para comparar a proporção de respostas na aceitação da dieta entre os três primeiros dias de internação, foi utilizado o método das Equações de Estimação Generalizadas (EEG). O nível de significância adotado para os testes estatísticos foi 5%.

RESULTADOS

Foram estudados 456 pacientes com média de idade de 54.4±16.7 anos (mediana 55.5); tempo de internação de 8.9±6.5 dias (mediana sete dias); IMC de 24.2±5.6 kg/m2(mediana 23.4 kg/m2) e % CEH/NET de 81±32.7% (mediana 76.7%). A Tabela 1 mostra descrição geral das variáveis estudadas, verificando-se que 56% da população foi do sexo masculino; 38.8% com ≥60 anos. A dieta mais prescrita durante o período de internação foi geral (28.8%) e 45.5% dos pacientes perderam peso durante a internação.

Tabela 1 - Análise descritiva geral da população estudada (n=456) 

Variáveis n %
Sexo
Feminino 201 44.0
Masculino 255 56.0
Tipo de doença
Doenças do trato digestivo 165 36.2
Neoplasias 158 34.6
Outras 133 29.2
Idade
<60 anos 279 61.2
≥60 anos 177 38.8
Dieta prescrita (n= 448)*
Líquida 39 8.7
Branda 83 18.5
Geral 129 28.8
Enteral / Parenteral 33 7.4
Jejum 164 36.6
Evolução ponderal durante a internação (n=444)*
Ganho de peso 56 12.6
Manutenção de peso 186 41.9
Perda de peso 202 45.5

* Sem informação nos prontuários para dieta prescrita em oito pacientes e para evolução ponderal (aferição do peso do 1º ao 3º dia de internação), em12 pacientes

A aceitação da dieta mudou com o decorrer da internação. Ela mudou para melhor (p=0.0022), ou seja a aceitação da dieta hospitalar pelos pacientes melhorou do 1º para o 3º dias de internação (Tabela 2); mas, mesmo assim, a perda de peso foi significativa; os pacientes continuaram perdendo peso, apesar da melhora na aceitação da dieta (Tabela 3). Observou-se que em apenas três dias, a mudança no peso já foi significativa (de 65.2 kg para 64.7 kg, p<0.0001) (Tabela 3).

Tabela 2 - Análise descritiva e comparação da aceitação da dieta nos três primeiros dias de internação 

Aceitação da dieta n % p *
1º dia 0.0022
Boa 159 76.1
Regular 31 14.8
Ruim 19 9.1
2º dia
Boa 159 76.1
Regular 32 15.3
Ruim 18 8.6
3º dia
Boa 174 83.2
Regular 21 10.1
Ruim 14 6.7

EEG: Equações de estimação generalizadas. Teste de perfil por contrastes para localização das diferenças: dia 1 e 3; dia 2 e 3.

Tabela 3 - Análise descritiva e comparação do peso nos três primeiros dias de internação. 

Variável (peso) n Média±DP Mediana p *
Peso 1 434 65.2±15.8 62.0 <0.0001
Peso 2 434 65.1±15.8 62.0
Peso 3 434 64.7±15.8 62.0

n=434, para o mesmo número de medidas de peso nos três primeiros dias de internação.

* ANOVA para medidas repetidas com transformação por postos. Teste de perfil por contrastes para localização das diferenças: dia 1 e 2; dia 1 e 3; dia 2 e 3.

Na Tabela 4, foram analisadas as variáveis associadas ao balanço ponderal durante toda a internação (ganho, manutenção ou perda de peso), não sendo verificado associações significativas entre sexo (p=0.5950), idade (p=0.4724), tipo de doença (p=0.0934), tipo de dieta prescrita (p=0.5720), aceitação da dieta (p=0.0506) e a evolução do peso (ganho, manutenção e perda de peso), durante o período de internação.

Tabela 4 - Análise descritiva e associações entre as variáveis estudadas com a evolução de peso (ganho, manutenção ou perda de peso*) durante toda a internação 

Variáveis Ganho Manutenção Perda Total p
n(%) n(%) n(%) n(%)
Sexo
Feminino 25 (44.64) 92 (47.67) 86 (42.57) 203 (45.01) 0.5950
Masculino 31 (55.36) 101 (52.33) 116 (57.43) 248 (54.99)
Idade
<60 anos 35 (62.50) 111 (57.51) 128 (63.37) 274 (60.75) 0.4724
≥60 anos 21 (37.50) 82 (42.49) 74 (36.63) 177 (39.25)
Doença
Doenças digestivas 17 (30.36) 78 (40.41) 67 (33.17) 162 (35.92) 0.0934
Neoplasias 20 (35.71) 54 (27.98) 82 (40.59) 156 (34.59)
Outras 19 (33.93) 61 (31.61) 53 (26.24) 133 (29.49
Dieta prescrita
Líquida 4 (7.27) 15 (7.85) 20 (10.10) 39 (8.78) 0.5720
Branda 7 (12.73) 38 (19.90) 36 (18.18) 81 (18.24)
Geral 20 (36.36) 52 (27.23) 54 (27.27) 126 (28.38)
Enteral / Parenteral 4 (7.27) 9 (4.71) 18 (9.09) 31 (6.98)
Jejum 20 (36.36) 77 (40.31) 70 (35.35) 167 (37.61)
Aceitação da dieta
Boa 44 (89.80) 102 (73.91) 119 (73.91) 265 (76.15) 0.0506
Regular 5 (10.20) 28 (20.29) 26 (16.15) 59 (16.95)
Ruim - 8 (5.8) 16 (9.94) 24 (6.9)

*Categorias de peso durante toda a internação. Número de pacientes em cada categoria que apresentou registro de peso em todo o período de internação (aferição de medidas em todo o período)

Posteriormente foram estudados os fatores relacionados à evolução do peso nos três primeiros dias de internação, pela ANOVA (Tabela 5). Foram estudados o sexo, a faixa etária, o tipo de doença e a dieta prescrita. Foi analisado qual fator que mais contribuiu para a perda de peso no período, ou seja; o que fez o peso mudar durante o decorrer deste período de internação. Nesta análise, verificou-se que pacientes do sexo masculino apresentaram mais perda de peso do que os do sexo feminino (p=0.0002); a idade não influenciou a evolução do peso neste período, ou seja, nos três primeiros dias de internação (p=0.2590), assim como o tipo de dieta prescrita na internação, também não influenciou na perda de peso (p=0.0926). Mas o tipo de doença apresentou influência na perda de peso, com os pacientes portadores de neoplasias apresentando maior perda de peso (p=0.0052). Assim, apenas o sexo e o tipo de doença foram relacionados à perda de peso em kg durante o período de internação. Demais dados estão ilustrados na Tabela 5.

Tabela 5 - Fatores relacionados à evolução ponderal nos três primeiros dias de internação 

Variável Peso n Média±DP Mediana p (ANOVA)
Sexo feminino Peso 1 195 62.4±15.6 60.0 0.0002
Peso 2 195 62.3±15.6 60.0
Peso 3 195 62.1±15.6 59.0
Sexo masculino Peso 1 239 67.5±15.7 67.0
Peso 2 239 67.4±15.6 66.0
Peso 3 239 66.9±15.8 65.2
Idade <60 anos Peso 1 271 66.1±16.9 63.3 0.2590
Peso 2 271 66.0±16.9 63.3
Peso 3 271 65.7±17.0 63.0
Idade ≥60 anos Peso 1 163 63.6±13.8 61.2
Peso 2 163 63.6±13.8 60.9
Peso 3 163 63.2±13.6 60.2
Doenças do trato digestivo Peso 1 158 65.6±16.4 62.0 0.0052
Peso 2 158 65.6±16.4 62.2
Peso 3 158 65.3±16.5 62.0
Neoplasias Peso 1 151 62.3±14.9 60.0
Peso 2 151 62.3±14.9 60.0
Peso 3 151 61.7±14.8 59.0
Outras doenças Peso 1 125 68.1±15.8 68.0
Peso 2 125 67.9±15.8 67.0
Peso 3 125 67.7±15.7 67.0
Dieta líquida Peso 1 38 62.3±13.9 59.0 0.0926
Peso 2 38 62.0±14.1 57.8
Peso 3 38 61.7±13.8 57.8
Dieta branda Peso 1 77 65.3±13.7 65.0
Peso 2 77 65.8±13.9 64.8
Peso 3 77 64.7±13.7 64.0
Dieta geral Peso 1 126 67.1±16.9 64.5
Peso 2 126 67.0±16.8 64.3
Peso 3 126 66.8±16.8 64.5
Enteral / Parenteral Peso 1 30 61.3±18.9 58.0
Peso 2 30 60.9±18.7 57.2
Peso 3 30 60.3±19.0 57.0
Jejum Peso 1 156 64.5±14.9 62.5
Peso 2 156 64.3±14.8 62.3
Peso 3 156 64.2±14.8 62.4

DISCUSSÃO

Avaliou-se a presença de perda de peso no decorrer da internação em pacientes hospitalizados e sua relação com o sexo, a idade, o tipo de doença, dieta prescrita e aceitação da dieta. Os dados encontrados mostraram altos índices de perda de peso, 45,5% da população total. Pelo fato deste estudo ter sido realizado com pacientes cirúrgicos hospitalizados, é importante relatar que o tempo de jejum submetido não foi prolongado, apenas o tempo normal de jejum pós-operatório.

Este é um dado preocupante, pois a perda de peso pode comprometer a evolução clinica em diversas situações. A perda de peso, isolada ou combinada com a evolução laboratorial no decorrer da internação, pode ser considerada como o principal indicador de um estado nutricional insatisfatório4, a qual pode ser atribuída a vários fatores responsáveis pela diminuição do consumo energético; como a inapetência, náuseas, vômitos, disfagia, terapia medicamentosa, aumento da necessidade energética e diminuição da capacidade de digestão e absorção dos nutrientes, em virtude da doença instalada, e até mesmo o ambiente hospitalar, o qual pode ser considerado desfavorável à melhora do paciente3,18. As causas da desnutrição são muitas, no entanto a baixa ingestão alimentar, ou seja, insuficiente, pode apresentar maior repercussão no estado nutricional 7,9.

Trabalhos recentes ainda têm mostrado altos índices de desnutrição em pacientes hospitalizados, como por exemplo 60.7% de desnutrição1 que identificou como fatores associados a perda de peso recente e involuntária, a diminuição do apetite, diarréia, consumo energético e o sexo masculino.

Os achados encontrados mostraram que na ocorrência de perda de peso, foi observado que os pacientes que mais perderam peso foram homens e os portadores de neoplasias. É importante salientar que a população estudada foi de portadores de doenças do trato digestivo, neoplasias digestivas e de cabeça e pescoço e outras (como doenças vasculares, ginecológicas, urológicas e traumas). Esta população foi submetida durante a internação à operações digestivas e oncológicas em sua maioria, e outros tipos como vasculares, ginecológicas e urológicas. O tempo de seguimento ocorreu desde o primeiro dia de internação até a alta hospitalar, com acompanhamento clínico e nutricional diário, e a avaliação da evolução ponderal foi realizada apenas nos três primeiros dias de internação, que era o objetivo do estudo. O tempo de internação foi muito variável, dependendo da evolução clínica de cada paciente.

A idade e o tipo de dieta prescrita não foram relacionados com a perda de peso durante a internação, nem o jejum, pelo menos, nos três primeiros dias. Foi observado nos resultados que mesmo aqueles pacientes em jejum, não apresentaram perda de peso. Talvez isto possa ser explicado pelo jejum e geralmente estarem recebendo solução de glicose, o que poderia ter influenciado os resultados. A perda de peso em pacientes hospitalizados tem sido mostrada em diversos trabalhos1,5,15,16. Neste estudo, a quantidade de fluidos intravenosos foi variável dependendo do tipo de procedimento cirúrgico e do tempo em que foi realizado o ato operatório, sempre com o objetivo de se manter balanço hídrico adequado. A perda de peso nos que estavam com boa aceitação da dieta pode ter ocorrido pelo maior porte do procedimento cirúrgico, o que levaria consequentemente, à maior resposta metabólica ao trauma cirúrgico.

Em outro estudo, do tipo prospectivo, com 1500 pacientes hospitalizados em clínica médica e cirúrgica, foi verificado 62.9% de pacientes que perderam peso e 11.7% de desnutrição até a alta hospitalar 19.

Um fato interessante mostrado no nosso estudo foi o fato de ter ocorrido a perda de peso mesmo em pacientes que apresentaram melhora na aceitação da dieta (p=0.0022; do 1º para o 3º dia de internação). Chama atenção o fato da população aqui estudada apresentar perda de peso, mesmo com a melhora da aceitação da dieta. Isto pode ter ocorrido porque muito provavelmente o valor energético total (kcal) da dieta hospitalar oferecida estivesse abaixo das necessidades energéticas individuais do paciente. Tal fato poderia explicar a perda de peso, mesmo na presença da melhora na aceitação da dieta.

Dietas insuficientes ou inadequadas, entre outros fatores, também pode ser a causa da desnutrição em pacientes hospitalizados. Assim, dimensionar a influência da dieta hospitalar e dos demais fatores que contribuem para a desnutrição do paciente hospitalizado, poderá contribuir para se estabelecer um planejamento da intervenção nutricional e sua repercussão no tempo de permanência hospitalar.

Kondrup et al.13 mostraram em um estudo com pacientes internados por período superior a uma semana, que 25% apresentavam ingestão alimentar que cobria entre 75-99% de suas necessidades energéticas. O consumo de mais de 75% parece fundamental, uma vez que todos os pacientes com consumo abaixo disto apresentaram perda ponderal. As causas da inadequação do cuidado nutricional em hospitais são várias e muitos pacientes estão desnutridos na hospitalização e apresentam dietas inadequadas13. Trabalho13 mostrou que 22% dos pacientes hospitalizados apresentaram risco nutricional e, entre eles, apenas 25% receberam durante o período de internação, quantidades adequadas de energia e proteína. Inúmeros fatores contribuem para esta inadequação nutricional como a falta de atenção dietoterápica individualizada e dificuldades operacionais nutricionais. A terapia nutricional adequada é fator essencial para a manutenção satisfatóri21,14 e deveria ser prática rotineira em internados.

Com o objetivo de investigar a causa do processo contínuo de perda de peso em pacientes hospitalizados, Barton et al 2 avaliaram se a dieta hospitalar era capaz de atingir as necessidades energéticas, a proporção de alimentos que era desperdiçada e a média da ingestão nutricional dos pacientes em um hospital universitário com 1200 leitos e encontraram que a dieta hospitalar de rotina fornecia 2000 Kcal/dia e atendiam à demanda energética dos pacientes. No entanto, foi observado que mais de 40% da alimentação hospitalar era desperdiçada pela baixa ingestão alimentar, resultando no consumo inadequado em relação aos requerimentos nutricionais, o que poderia justificar a perda ponderal em muitos pacientes hospitalizados 2.

Normalmente poderia ser esperado que idade avançada e má aceitação da dieta, exercessem alguma influência na perda de peso, fatores estes não observados neste estudo. Há estudos mostrando que o baixo consumo de alimentos, assim como diminuição do apetite e problemas mastigatórios estão associados com o desenvolvimento de desnutrição em idosos8, mas a intervenção nutricional pode prevenir a perda de peso e a melhora em idosos com risco de desnutrição22.

Tendo por pressuposto, que o estado nutricional manifesta por um lado o perfil nutricional da população, e por outro problemas nutricionais associados à internação pacientes hospitalizados de um modo geral, deveriam ter um acompanhamento dietoterápico de rotina estabelecido entre as rotinas hospitalares.

CONCLUSÃO

A perda de peso no decorrer da internação está relacionada apenas ao sexo e ao tipo de doença.

AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem à Pontifícia Universidade Católica de Campinas, SP, Brasil, pela realização deste trabalho.

REFERÊNCIAS

1.Aquino Rde C, Philippi ST. Identification of malnutrition risk factors in hospitalized patients. Rev Assoc Med Bras. 2011;57(6):637-43. [ Links ]

2.Barton AD, Beigg CL, Macdonald IA, Allison SP. High food wastage and low nutritional intakes in hospital patients. Clinical Nutrition 2000; 19(6):445-449. [ Links ]

3.Beck AM, Balknas UN, Furst P, Hasunen K, Jones L, Keller U, Melchior JC, Mikkelsen BE, Schauder P, Sivonen L, Zinck O, Oien H, Ovesen L. Food and nutritional care in hospitals: how to prevent undernutrition - report and guidelines from the Council of Europe. Clin Nutr 2001; 20(5): 455-460. [ Links ]

4.Bozzetti F, Gianotti L, Bragac M, Di Carloc V, Marianid L. Postoperative complications in gastrointestinal cancer patients: The joint role of the nutritional status and the nutritional support. Clin Nutr 2007; 26: 698-709. [ Links ]

5.Cabello AJP, Conde SB, Gamero MVM. Prevalencia y factores asociados a desnutrición entre pacientes ingresados em um hospital de media-larga estância. Nutricion Hospitalaria 2011; 26(2):369-375. [ Links ]

6.Cereda E, Lucchin L, Pedrolli C, D'Amicis A, Gentile MG, Battistini NC, Fusco MA, Palmo A, Muscaritoli M. Nutritional care routines in Italy: results from the PIMAI (Project: Iatrogenic MAlnutrition in Italy) study. Eur J Clin Nutr. 2010;64(8):894-8. [ Links ]

7.Dupertuis YM, Kossovsky MP, Kyle UG, et al. Food intake in 1707 hospitalized patients: a prospective comprehensive hospital survey. Clinical Nutrition 2003; 22: 115-23. [ Links ]

8. Feldblum I, German L, Castel H, Harman-Boehm I, Bilenko N, Eisinger M, Fraser D, Shahar DR. Characteristics of undernourished older medical patients and the identification of predictors for undernutrition status. Nutrition Journal 2007;6:37. doi: 10.1186/1475-2891-6-37. [ Links ]

9.Garcia RWD, Leandro-Merhi VA, Pereira AM. Estado nutricional e sua evolução em pacientes internados em clínica médica. Revista Brasileira de Nutrição Clínica 2004; 19(2): 59-63. [ Links ]

10.Garth AK, Newsome CM, Simmance N, Crowe TC. Nutritional status, nutrition practices and post-operative complications in patients with gastrointestinal cancer. J Hum Nutr Diet. 2010; 23(4):393-401. [ Links ]

11.Hiesmayr M, Schindler K, Pernicka E, Schuh C, Schoeniger-Hekele A, Bauer P, Laviano A, Lovell AD, Mouhieddine M, Schuetz T, Schneider SM, Singer P, Pichard C, Howard P, Jonkers C, Grecu I, Ljungqvist O; The NutritionDay Audit Team. Decreased food intake is a risk factor for mortality in hospitalized patients: the NutritionDay survey 2006. Clin Nutr. 2009;28(5):484-91. [ Links ]

12.Holst M, Rasmussen HH, Laursen BS. Can the patient perspective contribute to quality of nutritional care? Scand J Caring Sci. 2011;25(1):176-84. doi: 10.1111/j.1471-6712.2010.00808.x. [ Links ]

13.Kondrup J, Johansen N, Plum LM, Bak L, Larsen IH, Martinsen A, Andersen JR, Baernthsen H, Bunch E, Lauesen N. Incidence of nutritional risk and causes of inadequate nutritional care in hospitals. Clin Nutr 2002; 21(6):461-468. [ Links ]

14.Kruizenga HM, Wierdsma NJ, Van Bokhorst MAE, Schueren DVD, Hollander HJ, Jonkers-Schuitema CF, Heijden EVD, Melis GC, van Staveren WA. Screening of nutritional status in the Netherlands. Clinical Nutrition 2003; 22(2):147-152. [ Links ]

15.Leandro-Merhi VA, Aquino JLB, Chagas JFS. Nutrition status and risk factors associated with length of hospital stay for surgical patients. Journal of Parenteral and Enteral Nutrition 2011; 35(2):241-248. [ Links ]

16.Leandro-Merhi VA, Aquino JLB, Camargo JGT, Frenhani PB, Bernardi JLD, Portero-Mclellan KC. Clinical and nutritional status of surgical patients with and without malignant diseases: cross-sectional study. Arquivos de Gastroenterologia 2011; 48(1):58-61. [ Links ]

17.Leandro-Merhi, Garcia RWD, Mônaco DV, Oliveira MRM. Comparación del estado nutricional, consumo alimenticio y tiempo de hospitalización de pacientes de los hospitales, uno público y otro privado. Nutrición Hospitalaria 2006;21(1):32-7. [ Links ]

18.Leandro-Merhi VA, Mônaco DV, Lazarini ALG, Yamashiro A, Maciel AC. Estado nutricional de pacientes hospitalizados em um hospital privado. Revista Brasileira de Nutrição Clínica 2004; 19(3): 116-122. [ Links ]

19.Liang X, Jiang Z-M, Nolan MT, Wu X, Zhang H, Zheng Y, Liu H, Kondrup J. Nutritional risk, malnutrition (undernutrition), overweight, obesity and nutrition support among hospitalized patients in Beijing teaching hospitals. Asia Pac J Clin Nutr 2009;18 (1): 54-62. [ Links ]

20.Nakajima Y, Sato K, Sudo M, Nagao M, Kano T, Harada T, Ishizaki A, Tanimura K, Okajima F, Tamura H, Sugihara H, Tsuda K, Oikawa S. Practical dietary calorie management, body weight control and energy expenditure of diabetic patients in short-term hospitalization. J Atheroscler Thromb. 2010;17(6):558-67. [ Links ]

21.Ottery FD. Supportive nutrition to prevent cachexia and improve quality of life. Semin Oncol 1995; 22(suppl 3):98-111. [ Links ]

22.Persson M, Hytter-Landahl A, Brismar K, Cederholm T. Nutritional supplementation and dietary advice in geriatric patients at risk of malnutrition. Clinical Nutrition 2007; 26:216-224. [ Links ]

23.Raslan M, Gonzalez MC, Dias MCG, Nascimento M, Castro M, Marques P, Segatto S, Torrinhas RS, Cecconello I, Waitzberg DL. Comparison of nutritional risk screening tools for predicting clinical outcomes in hospitalized patients. Nutrition 2010; 26:721-726. [ Links ]

24.Rüfenacht U, Rühlin M, Wegmann M, Imoberdorf R, Ballmer PE. Nutritional counseling improves quality of life and nutrient intake in hospitalized undernourished patients. Nutrition. 2010 ;26(1):53-60. [ Links ]

25.Saka B, Ozturk GB, Uzun S, Erten N, Genc S, Karan MA, Tascioglu C, Kaysi A. Nutritional risk in hospitalized patients: impact of nutritional status on serum prealbumin. Revista de Nutrição 2011; 24(1):89-98. [ Links ]

26.Sousa AA, Gloria MS, Cardoso TS. Aceitação de dietas em ambiente hospitalar. Revista de Nutrição 2011; 24(2):287-294. [ Links ]

Fonte de financiamento: não há

Recebido: 19 de Agosto de 2014; Aceito: 27 de Novembro de 2014

Correspondência: Vânia Aparecida Leandro-Merhi E-mail: valm@dglnet.com.br

Conflito de interesses: não há

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.