SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 issue60As realidades que as "tribos urbanas" criam author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Ciências Sociais

On-line version ISSN 1806-9053

Rev. bras. Ci. Soc. vol.21 no.60 suppl.60 São Paulo Feb. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092006000100013 

RESENHAS

 

Relacionamentos inter-raciais: entre a razão e o desejo

 

 

Márcia Lima

 

 

Laura Moutinho, Razão, "cor" e desejo: uma análise comparativa sobre relacionamentos afetivos-sexuais "inter-raciais" no Brasil e na África do Sul. São Paulo, Editora da Unesp, 2004. 452 páginas.

O Brasil é um país de mestiços. Frase clássica para simplificar o Brasil nos quatro cantos do mundo. Entretanto, nossa mestiçagem está longe de ser simples. Pelo contrário, tem sido motivo de muitos debates acerca de seu significado e suas conseqüências sociais e políticas para o entendimento da sociedade brasileira.

Mas como surgem os mestiços? Qual a representação construída na sociedade brasileira acerca do processo da mestiçagem? Como esse processo está articulado a diversos outros aspectos normativos e afetivos. Qual a especificidade do caso brasileiro?

A tese de que o entendimento das relações raciais no Brasil se dá a partir de contextos específicos tem se tornado cada vez mais difundida entre os estudiosos. Nesse sentido, o mercado afetivo é reconhecidamente um dos espaços mais preconceituosos das relações raciais brasileiras. Como um país que canta em verso e prosa sua mestiçagem é rígido em relação às relações inter-raciais? Qual a representação na historiografia, na literatura e na sociologia clássica brasileiras acerca do processo de miscigenação e do casal miscigenador? Como se vêem e se pensam os casais inter-raciais nos dias de hoje? Como que uma sociedade que se constitui pela oposição legal à miscigenação, como a África do Sul, nos ajuda a entender melhor o Brasil? Essas são algumas das múltiplas indagações que construíram a tese de doutorado de Laura Moutinho e que precisavam ser aprofundadas no debate sobre o tema.

O problema proposto pela autora não é dos menores, e para tanto foi fundamental seu trabalho hercúleo. Logo na "Introdução" é possível ao leitor perceber a magnitude de seu esforço intelectual e de pesquisa. A autora debruça-se em dados estatísticos, nas peças teatrais, na literatura e em textos acadêmicos, procurando apreender e reconstituir a forma como a mestiçagem tem sido sintetizada no Brasil. No decorrer do texto, o leitor é constantemente surpreendido com diversas desconstruções que informam o imaginário social acerca da mestiçagem.

O primeiro impacto advém dos dados estatísticos, que mostram que o Brasil se organiza de forma homogâmica em relação a diversos aspectos, inclusive à cor (capítulo 1). Além de ter uma endogamia racial significativa, o padrão mais comum das uniões inter-raciais é de homens mais escuros com mulheres mais claras. Portanto, a representação clássica de mestiçagem construída em torno da mulher negra ou mulata não se baseia em dados. A autora é cuidadosa na leitura dos trabalhos estatísticos de Nelson do Valle Silva, Elza Berquó e Celi Scalon, procurando a partir deles elaborar um série de questões que serão aprofundadas no decorrer do texto. A forma como esse primeiro problema é construído, tendo por base uma pesquisa quantitativa, acena para o diálogo muito profícuo nas ciências sociais que diz respeito à análise desses diferentes níveis de observação para o entendimento das relações raciais.

Nos três capítulos seguintes Laura Moutinho nos conduz a uma viagem pelas mais diversas representações acerca da mestiçagem. Mobilizando fontes variadas, ela traz a questão discutida no primeiro capítulo à luz de outros problemas, elaborados a partir de distintas fontes. O ponto fundamental que perpassa esses capítulos, mesmo que, em cada um deles, seja apresentado de forma diferenciada, é o erotismo. Quando discute os clássicos da historiografia brasileira (capítulo 2), o erotismo encontra-se na natureza, na lubricidade do casal miscigenador. Neste caso, observa-se certa articulação importante entre raça e gênero, isto é, seja na mestiçagem positiva (a que viabiliza a nação), seja na negativa (a que corrompe o caráter nacional), o casal misicigenador é constituído pelo branco português com a mulata, a negra ou a indígena. Não existe possibilidade do homem negro ocupar esta esfera – seu lugar é o mundo do trabalho. A mulher branca, desqualificada do ponto de visto erótico e estético, somente tem lugar no parentesco formal.

O erotismo ganha uma outra roupagem – desta vez extremamente dramática – nos romances literários e na peças teatrais, analisados no capítulo 3. Interessante como as representações sociais ausentes da historiografia aparecem de forma contundente na literatura clássica – o casal, homem negro e mulher branca, aparece pela primeira vez erotizado. Contudo, de um lado, o homem é acusado de querer ascender socialmente e, de outro, a mulher nesta situação deveria estar certamente desqualificada no mercado matrimonial. A marca de tragédia perpassa a maior parte das relações inter-raciais analisadas (com mortes, assassinatos e suicídios), assim como o fato de a mestiçagem, o casamento e o sexo inter-racial serem tematizados sem que haja menção à procriação. Na literatura, para os casais inter-raciais que estabelecem relações sexuais, formais ou não, a possibilidade de ter filhos não se realiza: os filhos não são mencionados, são abortados (de modo natural ou induzido), revelam uma relação platônica, ou então, quando existem, são assassinados pela mãe.

No capítulo 4, o erotismo contrapõe-se à razão, sintetizados nas noções de classe, status, prestígio e ascensão – objetos tradicionais da análise sociológica. Analisando alguns autores clássicos, como Donald Pierson, Florestan Fernandes, Carl Degler, Roger Bastide, a autora discute como as noções de raça e gênero são representações organizadas com base em certas estruturas de prestígio e status, que dão sentido às idéias de mestiçagem, racismo e nação veiculada por esses autores, ainda que apareçam de forma diferenciada em cada uma delas.

No capítulo 5, Moutinho vai a campo e fornece ao leitor o relato de pessoas que vivem relacionamentos afetivos-sexuais inter-raciais. Este capítulo contribui para a compreensão de questões bastante desafiadoras nos estudos das relações raciais no Brasil. Entre outras, gostaria de destacar a complexidade da classificação racial entre os casais estudados e as "zonas de sombra e silêncio" que os estudiosos do tema no Brasil precisam enfrentar. Ao cruzar cor, afeto e prazer, a articulação entre raça e status torna-se mais complexa, combinando distinções sutis e diversas. A autora mostra narrativas em que sobressai o tema do retraimento, do constrangimento e até mesmo da auto-exclusão, talvez uma das formas mais perversas de atuação do racismo. Das falas das entrevistadas infere-se a opacidade do homem branco no campo do erotismo. Para a autora isto mostra, em parte, a força de seu lugar de poder e dominação na esfera cotidiana e normativa, que, entretanto, se modifica quando o eixo é deslocado para a esfera do erotismo. Destaca-se, entretanto, que essas duas esferas não são distintas e sem correlação. É justamente a partir da presença do erotismo no homem negro aliada às mudanças nos padrões de sexo e casamento das últimas décadas (que possibilitaram às mulheres um papel ativo nesse campo) que essas esferas aparecem nas análises estatísticas. Ou seja, o destaque na esfera do erotismo tem correlação com o processo de miscigenação brasileiro, observado não somente pela relação do homem branco com a mulata, mas, como mostram os dados estatísticos, pelo homem negro com a mulher branca.

No último capítulo, a experiência sul-africana coroa o trabalho ao propiciar ao leitor o contato com uma realidade pouco estudada no Brasil e ao demonstrar como processos a princípio "opostos" possuem aproximações possíveis, mais difíceis de ocorrer, de fato, na trajetória da relação inter-racial nos Estados Unidos. A comparação ilumina o processo em ambos os países. Brasil e África do Sul, não obstante as diferenças mais evidentes, têm em comum o reconhecimento da existência do mestiço e o fato de operarem com a idéia de aparência, origem e convívio de modo (às vezes surpreendentemente) similar. É interessante como o erotismo também aparece em lugar de destaque na África do Sul. Também neste caso o desejo sexual "inter-racial" funda a nação, mas diferentemente do Brasil, que o faz de modo afirmativo (na relação homem branco e mulher negra, mestiça ou indígena), ao contrário da África do Sul, onde esse desejo aparece pela sua negação.

A abrangência da análise empreendida em Razão, "cor" e desejo e a discussão aqui resumida fazem jus ao prêmio recebido pela obra na edição de 2003 do Concurso Edusc-Anpocs. De toda maneira, creio que foi o leitor quem mais ganhou com esta publicação.

 

 

MÁRCIA LIMA é professora do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License