SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 número93Vidas em fuga: juventude e justiça criminalO pensamento revolucionário de Nicolau Maquiavel índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Ciências Sociais

versão On-line ISSN 1806-9053

Rev. bras. Ci. Soc. vol.32 no.93 São Paulo  2017  Epub 09-Fev-2017

http://dx.doi.org/10.17666/329314/2017 

RESENHAS

Demência(s), em imagens, narrativas e experiências

Daniela Feriani

SWINNEN, Aagje; SCHWEDA, Mark(eds.). Popularizing dementia: public expressions and representations of forgetfulness. BIELEFELD: Transcript, 2015. Aging Studies, n. 6, 410p.

Quais são as implicações teóricas, críticas e éticas da popularização da demência ao longo dos anos? O que o boom de imagens e narrativas tem a nos dizer? Num esforço de pensar a complexidade da demência, tomando-a como um fenômeno cultural que transborda a medicina, o livro Popularizing dementia faz uma análise de mão dupla: pretende compreender, de um lado, como a cultura popular representa a demência e, de outro, como essas imagens afetam, são adotadas e reformuladas pelo público mais geral. Se o cinema, a literatura e a mídia reforçam estereótipos negativos, eles também são potenciais modelos alternativos para pensar e lidar com a demência.

A diversidade de significados e práticas do tema traz múltiplas possibilidades de abordagens teóricas e metodológicas, materiais e campos num diálogo profícuo entre diferentes áreas do conhecimento, como antropologia, filosofia, literatura, arte, cinema, línguas, mídia, gerontologia, enfermagem, educação.1 Os autores mostram como a demência vai além de componentes orgânicos, tendo dimensões sociais, econômicas, políticas, pessoais, numa tentativa de trazer à tona, na medida do possível, as experiências e vozes das pessoas com demência, com implicações importantes para as noções de doença, narrativa, memória e identidade. Ao problematizar o discurso biomédico de “dissolução” e perdas, a coletânea traz outras interpretações possíveis para uma doença que se revela como enigma e emaranhado de relações.

O livro é dividido em três partes. A primeira parte – “Literary fiction” – traz representações da demência em textos literários contemporâneos, discutindo como a estrutura narrativa informa os sentidos da demência e daqueles que a sofrem.

Em “The locus of our dis-ease”, Lucy Burke faz uma leitura minuciosa do romance de Margaret Forster, Have the men had enough? (1989), e mostra a relação entre a chamada “época do Alzheimer”, na qual há a biomedicalização da doença, e o neoliberalismo, discutindo as reconfigurações das noções de família, cuidado e autonomia. Ao contar os dilemas pelos quais uma mulher passa ao se dividir entre as escolhas pessoais e o cuidado da avó com demência, o romance mostra como a família deixa de ser o lócus tradicional do cuidado para ser um campo de conflitos, num contexto de crescente profissionalização do cuidador e da interferência cada vez maior de valores neoliberais, como a linguagem de mercado (bônus × ônus) e a valorização do indivíduo, nas relações afetivas.

Com um argumento semelhante, de que a demência é uma doença da vida contemporânea, Sadie Wearing, em “Desconstructing the American family”, analisa dois livros de ficção – The corrections (2001), de Jonathan Franzen, e May we be forgiven (2013), de A. M. Homes –, mostrando como a demência reconfigura o cuidado e o parentesco ao questionar a família nuclear e paradigmas de subjetividade e saúde, além da crítica aos valores neoliberais. Para além dos diferentes retratos das figuras parentais com demência – mais positiva em Franzen, mais fatalista em Homes – e de diferentes estruturas narrativas – em primeira pessoa e em terceira pessoa, respectivamente –, os romances exploram os impactos subjetivos da demência e a rede de vulnerabilidades e responsabilidades que ela engendra, numa clara demonstração, segundo Wearing, de como a literatura pode iluminar questões filosóficas e práticas envolvidas nas relações entre aqueles que convivem com a doença.

A influência de um discurso religioso apocalíptico e de metáforas góticas na representação da demência como o mal é o tema de Marlene Goldman em “Purging the world of the whore and the horror”. Ao analisar três livros de literatura moderna e contemporânea canadense – The double hook (1959), de Sheila Watson, Scar tissue (1993), de Michael Ignatieff, e Soucouyant (2007), de David Chariandy –, a autora discute como as mulheres com demência aparecem como fantasmas, vampiros, zumbis, devendo passar por rituais de purificação e expulsão da comunidade. Além da associação entre gênero, idade e perigo, os romances exploram as relações tensas entre as gerações. Ao percorrer as metáforas da demência ao longo dos livros – como terror e mal por ferir os princípios neoliberais, sendo vista como falha de controle moral –, Goldman argumenta que o ideal religioso de juventude ganha força com os emergentes discursos biomédicos sobre a perda patológica de memória e a crescente responsabilização do indivíduo pela própria saúde.

Para Irmela Marei Krüger-Fürhoff, em “Narrating the limits of narration”, as narrativas da demência podem revelar as possibilidades e os limites da literatura e mudar a noção de pessoa como sujeito autônomo, fornecendo novos modos de narrar. A autora analisa quatro textos – “Losing my mind” (2002), de Thomas DeBaggio, “My father’s brain” (2001), de Jonathan Franzen, “The old king in exile” (2011), de Arno Geiger, e “Out of mind” (1984), de J. Bernlef –, mostrando a relação entre narrativas do self e suas condições pós-narrativas. Enquanto os textos autobiográficos fazem um esforço para documentar a sobrevivência de uma narrativa coerente, os textos ficcionais, estando em um lugar seguro, acabam indo além ao explorar as falhas e vulnerabilidades daquele que narra, com sentenças cada vez mais curtas e confusas. O autobiográfico tem o mérito de amenizar o medo da doença, mas com o risco de idealizá-la e de ser menos convincente para o leitor que queira ter a sensação do que é ter demência. Já os textos ficcionais podem estar apenas transportando uma estrutura narrativa já experimentada na literatura pós-moderna, além de deixar os leitores com o que eles pensam ser perda da memória e falhas da linguagem de uma pessoa com demência. A diferença é tanto textual quanto ontológica.

Reconhecendo o potencial das narrativas ficcionais sobre demência em nos fazer mais conscientes de nossos medos e expectativas, Naomi Kruger, em “The ‘terrifying question mark’”, relata o próprio processo de escrever uma ficção sobre a doença de Alzheimer. A autora discute como a sua representação pode ser um novo tipo de estória ao reimaginar e desestabilizar configurações habituais. Como narrar a partir de dentro da desintegração da consciência? Como representar a perda da linguagem quando ela é a única ferramenta? Como transcrever os sentimentos da demência? Como prevenir que o texto seja tão caótico que ninguém o queira ler? Ao optar pela primeira pessoa, numa prosa não convencional, inacabada, com lapsos temporais, Kruger pretende fazer os leitores entrarem na consciência da personagem com demência e sentirem a falta de coerência, as falhas, os escorregões da linguagem e as fragilidades deles próprios – de todos nós, afinal – em fazer as conexões a partir dos fragmentos que são dados. A aposta é a de que a demência possa ser um estímulo para produzir narrativa e inventividade.

A segunda parte do livro – “Art, artistic approaches, and film” – traz expressões da demência em filmes, museus e design, investigando o potencial terapêutico ou didático de tais abordagens num contexto no qual a demência se revela útil para as artes visuais, com forte apelo dramático.

Vendo na arte uma esperança para novas atitudes em relação à demência, Scott Selberg, em “Dementia on the canvas”, analisa as obras de dois artistas com doença de Alzheimer – William Utermohlen e Willem de Kooning –, os quais continuaram a produzir até estágios mais avançados da doença, com trabalhos cada vez mais abstratos. A demência como ameaça à representação torna ainda mais complexa e perigosa a correlação entre obra de arte e personalidade do artista: ora a arte é vista como acesso a uma subjetividade que permanece – e as alterações estilísticas ao longo dos trabalhos continuariam a ser avaliadas pelo valor estético, dentro dos critérios artísticos de qualquer obra –, ora é vista como resultado da perda do self – e aí as mudanças nas obras indicariam as alterações da própria doença. Selberg se pergunta o que está por trás do fazer artístico para ele ser tão recomendado para o tratamento da demência e como a demência, por sua vez, pode se mostrar proveitosa para novas potencialidades artísticas.

Em “Cultural projection of dementia in the Reminiscence Museum”, Elena Bendien discute como clichês que relacionam reminiscência na velhice e demência são criados no contexto cultural holandês. Com um olhar crítico diante de práticas como terapia da memória, a autora se preocupa com a expansão de imagens sobre demência, as quais podem ter um efeito negativo nos cuidadores e familiares. Bendien faz pesquisa no Museu da Reminisciência, em Rotterdam, no qual há a reconstrução de várias cenas da vida doméstica dos últimos 150 anos. Ao acompanhar a visita de um grupo de idosos com algum tipo de demência em estágio inicial, a autora percebe que algumas evocações forjadas não faziam sentido para algumas pessoas, numa demonstração de que não basta ser antigo para ativar a memória e/ou ter alguma relação com os visitantes do museu.

Oliver R. Hautz analisa o “Opening mind through art”, programa artístico para pessoas com demência desenvolvido em 2009 na Universidade de Midwestern, nos Estados Unidos. O autor tenta apreender como os estudantes que ofereceram as atividades mudaram a visão que tinham sobre demência ao longo do semestre durante o qual o programa foi realizado. Ao interagirem semanalmente com os enfermos através de atividades artísticas e criativas, os estudantes mudaram de percepção e atitude em relação a eles – anteriormente de medo e receio –, vendo-os como pessoas únicas, capazes de expressão apesar das dificuldades trazidas pela doença, e com os quais puderem aprender algo para além do programa artístico.

A materialização da demência no design de roupas é o tema do artigo de Sonja Iltanen, em “‘Zip!’ Dementia materialized in clothing design”. Ao entrevistar designers, a autora discute como as visões desses profissionais sobre demência são refletidas nas roupas confeccionadas para as pessoas que têm a doença. Atendendo a demandas de cuidadores – as pessoas com demência não são ouvidas –, os designers acabam reforçando alguns estereótipos negativos. Uma das peças mais destacadas é o macacão com zíper atrás, tido como uma roupa que facilita o cuidado e a higiene, além de restringir o movimento e alguns comportamentos considerados inadequados, como a tentativa do enfermo de tirar a roupa em locais inapropriados e mexer nas partes íntimas. A autora mostra como esse tipo de roupa acaba infantilizando as pessoas que a vestem, numa clara relação com os macacões usados em bebês.

Em “Challenging representations of dementia in contemporary Western fiction film”, Andrea Capstick, John Chatwin e Katherine Ludwin discutem quais as implicações da popularização da demência para a própria definição da doença, notando o reforço do discurso biomédico e de preconceitos, como a perda do status humano e “morte em vida”. O artigo mostra o risco de se generalizar situações e informações que podem ser falsas e/ou muito específicas para cada pessoa, adotando uma posição crítica sobre o uso de filmes – como Iris (2001), The notebook (2004) e Away from her (2006) – na grade escolar de estudantes da área de saúde ao tomá-los como situações de caso sem ponderar sobre como tais representações podem ser perigosas e atender a interesses específicos, como o próprio efeito dramático do cinema. Os autores sugerem alguns filmes independentes – como Ex memoria (2006) e Bay tree voices (2012) – como alternativa à estigmatização da demência ao trazer a diversidade de experiências das pessoas que a sofrem.

Para Lisa Folkmarson Käll, em “Intercorporeal relations and ethical perception”, os filmes Away from her (2006) e A song for Martin (2001) mostram como a subjetividade se constitui de maneira intercorporal através, principalmente, do relacionamento entre as pessoas com demência e seus familiares. Apesar das diferenças, os filmes abordam como o self e a agência das pessoas enfermas estão situados numa malha de relações com outras pessoas e instituições, sendo que sentimentos como raiva e frustração podem ser mais expressões pessoais em relação às mudanças de vida do que sintomas patológicos. Assim, para a autora, o que os filmes trazem à tona é a transformação da subjetividade daqueles que tem e convivem com a doença muito mais do que o discurso biomédico da perda.

Na terceira parte do livro – “Media discourses and public understandings” –, os autores abordam as concepções da demência na mídia e no público mais geral, mostrando as relações entre discursos médicos e narrativas leigas, além de problematizar alguns desenvolvimentos científicos e tecnológicos.

Em “Dementia in the making”, Annette Leibing mostra de que forma um conjunto de técnicas – como mudanças no estilo de vida, regulação dos riscos cardiovasculares e validação de biomarcadores – tem mudado seu valor, de um sinal pós-sintomático usado para o diagnóstico e a pesquisa, em 1990, para o indicador do que a autora chamou de “earliness”, num contexto em que a prevenção e o diagnóstico precoce são a maior parte da atual agenda de pesquisas. Leibing discute como essas mudanças aparecem na mídia, refletindo sobre os impactos das mesmas na maneira de entender a doença a partir de diferentes abordagens sobre o cérebro e sua relação com o corpo, num movimento em que a demência deixa de ser vista como doença cerebral para se tornar uma condição geral de saúde, o que possibilita uma série de intervenções no estilo de vida (por exemplo, não fumar e fazer exercício físico) a fim de tornar o cérebro mais saudável.

Como a expectativa pelo diagnóstico precoce muda visões pessoais e respostas sociais para a doença de Alzheimer é a questão discutida por Yvonne Cuijpers e Harro Van Lente em “The meanings of early diagnostics for Alzheimer’s disease in Dutch newspapers”. Ao analisar artigos de 1995 a 2010, os autores mostram que diferentes significados sobre o diagnóstico precoce estão relacionados com entendimentos específicos sobre a doença e seu futuro: desde uma ideia de demografia apocalíptica e complexo mistério científico até promessas de progresso tecnológico, passando por significados referentes a saúde, cuidado e velhice. Apesar de os artigos dos jornais trazerem outras interpretações possíveis para além do paradigma biomédico, eles acabam por reforçar preconceitos e imagens negativas sobre a doença, como a “perda do self”.

Sanna Inthorn e Julia Inthorn, em “Respect for autonomy?”, mostram de que forma revistas populares contribuem para o entendimento público da demência. Apesar de compartilharem da preocupação de um reforço da estigmatização pela mídia, as autoras consideram que as representações da demência em jornais e revistas têm implicações para os dilemas éticos diante das tomadas de decisões de enfermos e cuidadores no dia a dia. As revistas analisadas –Saga Magazine, Yours e Choice – têm o potencial para descrever modelos de cuidado que apoiam o bem-estar das pessoas com demência, valorizando o relacionamento familiar e a experiência emocional envolvida. Apesar disso, as revistas raramente exploram ideias relacionadas com a autonomia, talvez a mais importante questão ética no cuidado das pessoas com demência segundo as autoras, delegando a tomada de decisões aos cuidadores e familiares.

Em “Representation of Alzheimer´s disease among non-specialists”, Marie-Christine Nizzi tenta compreender como a doença de Alzheimer ganha significados específicos em contextos culturais diferentes – Paris/França e Boston/Estados Unidos. Com diferentes sistemas de saúde e de cuidado, a França tem uma longa história de planos governamentais e campanhas massivas na mídia para informar a população, em contraste com Boston, onde a informação sobre a doença é escassa e descentralizada. Ao entrevistar pessoas leigas, a autora notou que as representações dos franceses são mais ricas e estruturadas, com ênfase nos sintomas; já entre os norte-americanos a ênfase foi nos aspectos emocionais do cuidador. Reconhecendo se tratar de uma pesquisa limitada, Nizzi percebeu que, mais do que o gênero e a idade, o fator com maior influência nas respostas foi ter ou não contato com alguém com a doença: se a “perda da memória” foi a expressão mais mencionada por quem não tem contato, as pessoas que convivem com o enfermo citaram a “perda da independência” (franceses) e a “tristeza” (norte-americanos).

Com a possibilidade real de robôs fazerem o trabalho do cuidado, Ike Kamphof, em “In the company of robots”, pergunta como esse desenvolvimento tecnológico reconfigura a identidade pessoal e pública de pessoas com demência. Com foco em notícias divulgadas entre 2008 e 2013 pelos projetos CompanionAble e GiraffPlus, voltados para discussão e realização de robôs para o mercado do cuidado e gerenciamento da velhice, o artigo mostra a reiteração de estereótipos negativos, de um lado, e o potencial para novas visões sobre a identidade das pessoas com demência que emergem das relações com os robôs, de outro. Numa perspectiva crítica que pretende dissolver dicotomias como a frieza das máquinas versus o calor humano, além de uma revisão dos estudos sobre identidade, o artigo discute as implicações éticas dos robôs ajudantes. Por fim, a autora vê no filme Robot & Frank (2012) um modelo alternativo ao abordar relações de parceria entre Frank, o idoso com demência, e seu amigo robô, muitas vezes mais “humano” do que alguns familiares.

O que estamos entendendo quando falamos em demência? Ao mostrar a derrapagem conceitual na qual a demência se esbarra, Elana Commisso, em “The zero-degree of dementia”, discute as diferentes perspectivas teóricas – materialista/empírica (neurobiológica) e idealista/sociossimbólica (transcendental, fenomenológica, semiótica) – que estão em jogo. Numa tentativa de unir essas perspectivas, a autora discute os trabalhos dos filósofos Catherine Malabou, Adrian Johnston e Slavoj Žižek como aqueles que melhor descrevem a complexidade ontológica da demência como um misto de orgânico e inorgânico, um processo entre sujeito e substância, materialidade e experiência subjetiva.

Demência parece mesmo ser um tema escorregadio. Apesar do cuidado dos autores em reconhecer que se trata de um termo guarda-chuva e do esforço muito bem-vindo em mostrar a diversidade de usos, significados e disputas que o mesmo encobre, algumas derrapagens conceituais – como a correlação entre demência e doença de Alzheimer – escapam. O próprio subtítulo do livro, ao justapor demência e esquecimento, não faz juz à riqueza de experiências tão bem trilhadas pelos autores.

Popularizing dementia é um livro urgente. Corajoso e ousado, percorre um caminho tortuoso, ainda por ser desbravado. Traz desafios e reinvenções às ciências sociais ao tomar alguém em processo demencial como interlocutor e mapear uma doença tão misteriosa e plural. Se uma aura nebulosa ronda a demência, que o livro possa ser um sopro para levar as reflexões acadêmicas aos consultórios médicos, jornais e revistas, às casas das pessoas e instituições voltadas ao cuidado.

1 Os editores Mark Schweda (filósofo) e Aagje Swinmen (professora assistente do Centro para Gênero e Diversidade da Universidade de Maastricht) são colaboradores dos chamados aging studies. Seguindo tendências como cultural studies e gender studies, os aging studies surgiram na década de 1990 de maneira interdisciplinar com o objetivo de compreender os aspectos culturais do envelhecimento.

DANIELA FERIANI é doutoranda em antropologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Estuda a composição de um campo de experiências, disputas e imagens da doença de Alzheimer. E-mail: danielaferiani@yahoo.com.br

Creative Commons License  This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.