SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 número95Rawls e a religião: tolerância e razão públicaDiagnosticar e prescrever Médicos que formaram o Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Ciências Sociais

versão On-line ISSN 1806-9053

Rev. bras. Ci. Soc. vol.32 no.95 São Paulo  2017  Epub 10-Ago-2017

http://dx.doi.org/10.17666/329517/2017 

RESENHAS

Perspectiva relacional nos estudos de movimentos sociais, protestos e organizações

Monika Dowbor

ROSSI, Federico M; BÜLOW, Marisa vonorgs. Social movement dynamics: new perspectives on theory and research from Latin America. 2015. Ashgate, Surrey: 231p.

As ondas recentes de mobilizações nas ruas do Brasil postularam mais uma vez o rompimento com o Estado, seu sistema e formas de representação política. Junto com essa contestação vieram à tona a proclamação do caráter apartidário e horizontal dos movimentos, as inovações no repertório de ação, os atores organizados em torno de pautas inéditas, a repressão do Estado, o uso de redes sociais, o papel das novas e velhas mídias, entre outros aspectos. Esses temas conformam uma nuvem de pautas urgentes que impulsionaram agendas de pesquisa, agregando pesquisadores antes alheios aos estudos dos movimentos sociais. O ar de novidade gerou certa neblina e ofuscou linhas de pesquisa em franca expansão no Brasil e também em outros países da América Latina, como mostra a coletânea aqui resenhada Social movement dynamics: new perspectives on theory and research from Latin America. Refiro-me às complexas e diversas relações dos movimentos sociais com as instituições e outros atores sociais e estatais. Na esteira de outros trabalhos já publicados no Brasil, portanto, este livro se propõe a dar continuidade a esse tipo de estudo. Sua principal contribuição, conforme anunciam os organizadores da coletânea, Federico M. Rossi e Marisa von Bülow, consiste em resgatar e elaborar os instrumentos analíticos capazes de analisar os movimentos sociais em tipos concretos de entornos socioeconômicos e políticos e em interações com o Estado, suas instituições e outros atores. Em síntese e também de acordo com a formulação dos organizadores, as análises têm um enfoque relacional, termo de inspiração neoinstitucionalista (Skocpol, 1985).

Para quem não tem acompanhado o debate acadêmico sobre os movimentos sociais no Brasil, um parágrafo de atualização. Desde os anos 2000, um conjunto de estudos nessa área vem demostrando a insuficiência do foco apenas na política de confronto ou nas diversas formas de protesto. Além de ampliar conceitos como o de repertório de ação (Abers, Serafim, Tatagiba, 2014), cunhar novos, como o domínio de agência (Lavalle, Houtzager e Castello, 2011) ou padrões de ação coletiva (Carlos, 2012), entre outros, uma consequência direta dessa inflexão consistiu no desafio de incluir nas análises tanto as instituições, quanto outros atores. O que caiu por terra, afinal, foi a separação analítica de dinâmicas próprias dos movimentos, de um lado, das do Estado, de outro. Termos como autonomia e cooptação, que permitiam separar o mundo dos movimentos daquele do Estado, abrindo espaço para análises dicotômicas, deixaram de orientar as pesquisas, e a perspectiva das interações colocou-se para os estudiosos exigindo a inclusão analítica do Estado. O caráter relacional e mutuamente transformador, ao qual Ruth Cardoso (1984) já se referia nos anos de 1980 como forma de analisar as relações entre movimentos e instituições, se impôs.

O livro leva justamente essa tarefa coletiva adiante. Voltado claramente aos pesquisadores desse campo, ele reconhece os avanços e as especializações já existentes, e sua organização interna reflete isso. Os capítulos são agrupados em três blocos: no primeiro, discute-se como lidar com as interações entre os movimentos e o Estado sem cair em dicotomias clássicas, como autonomia versus cooptação ou mobilização versus institucionalização; no segundo, a reflexão focaliza as possibilidades de lidar analiticamente com os protestos e, no último, discutem-se os avanços no campo dos formatos organizacionais de movimentos sociais. Os autores, todos pesquisadores de longa carreira, fazem, em cada capítulo, uma sólida e abrangente revisão da literatura de seu campo, o que em si já é uma fonte importante de referência para aqueles que querem se inteirar desses debates.

A base empírica da coletânea é a América Latina, mas seus colaboradores não se propuseram a fazer um diagnóstico dos movimentos neste continente, nem construir uma nova teoria, algo à la teoria decolonizada. Sua proposta consiste em trazer e evidenciar aspectos analíticos capazes de capturar os movimentos sociais em interação com outros atores e instituições a partir de instâncias empíricas localizadas na América Latina. É inevitável que as contradições, as desigualdades e os marcos históricos da América Latina se imponham, mas o desenvolvimento teórico-analítico avança no diálogo e com o conhecimento produzido pelos pesquisadores de países desenvolvidos. Tendo em vista a variedade de temas abordados, esta resenha levará o(a) leitor(a) pelos capítulos, ressaltando na medida do possível as formas analíticas que traduzem esse enfoque relacional.

Se é do consenso desse campo de pesquisa que as ações dos movimentos sociais não se restringem a confrontos públicos (Abers, Tatagiba e Serafim, 2014; Carlos, 2012; Guigni e Passy, 1998; Jasper, 2004), de que maneira analítica poderíamos capturar esse tipo de ação quando ele não tem visibilidade pública? Um caminho já oferecido pela literatura abrange a lista de táticas via instituições, tais como ocupação de cargos em governos, participação em instituições participativas, entre outras. A proposta de Federico M. Rossi, no capítulo “Conceptualizing strategy making in a historical and collective perspective”, sugere distinguir e tipificar o nível intermediário de ação que se situa entre o repertório geral de ações e as táticas pontuais: o repertório de estratégias. Se não for de caráter confrontacional, o movimento social poderia assumir outras estratégias desse repertório. Baseando sua proposta no estudo dos movimentos sociais na Argentina, Rossi ressalta os seguintes estilos de atuação: frente popular multiclasse, aliança insurgente com a direita; colonização do Estado, estratégia de testemunho; estratégia sindicalista e estratégia de foco moderado e “onguização”. Cada uma dessas estratégias daria um contorno para um número bem maior de táticas.

A escolha de uma estratégia é pautada pela trajetória pregressa do movimento, e para acessá-la Rossi cunha o conceito de “estoque de legados”. Com ele o autor dialoga diretamente com as raízes históricas do repertório de ação dos movimentos sociais, mas o circunscreve localmente na medida em que se refere ao conjunto de experiências de lutas passadas concretas que são sedimentadas, compartilhadas e aprendidas entre os atores. Mostra assim as raízes históricas das estratégias, mas não associadas a macroprocessos da formação dos Estados-nação, e sim aos processos de um Estado concreto, no caso, a Argentina.

Permanecendo no nível das microações, o capítulo de Rebecca Abers e Luciana Tatagiba, “Institutional activism: mobilizing for women’s health from inside the Brazilian bureaucracy” ajuda a entender uma das táticas, a saber, a de ocupação de cargos em governos. As autoras propõem-se a descrever o que os ativistas, de fato, fazem quando assumem esses cargos, tomando por base o caso de políticas públicas de saúde da mulher no governo Dilma (2010-2013). No entanto, mais que efeitos, elas focam analiticamente os constrangimentos aos quais os ativistas estão expostos e os recursos de que dispõem. Essa análise exige que se olhe o ativista institucional, categoria cunhada para denominar o militante no Estado, do ponto de vista do movimento e do Estado. A relação com o primeiro é ambivalente. Pode ser de fogo amigo, na medida em que os militantes de fora pressionam e criticam as ações de ativistas dentro do Estado. Mas o ativista pode usar politicamente suas redes para buscar apoio político, bem como para construir alianças ou para executar tarefas relacionadas com a implementação de políticas públicas. A relação com o Estado também deveria ser, em tese, ambivalente. Isto é, composta por possibilidades e constrangimentos. Mas, de certa forma, as autoras deixam no segundo plano a discussão sobre a permeabilidade do Estado (Marques, 2006), que permitiu o acesso do movimento a algumas de suas instituições e tomam as dificuldades dos militantes como a descrição analítica do Estado. O Estado aparece hostil e pesado, apenas constrangendo a ação de ativistas. É hostil na medida em que está sujeito às dinâmicas de coalizões partidárias, que tornam os gestores públicos menos favoráveis às pautas do movimento. É pesado enquanto máquina administrativa e burocrática ao exigir processos e procedimentos que tornam a implementação das ações mais lenta. A análise do Estado pelo prisma dos ativistas em si é interessante, mas dificulta a compreensão mais abrangente do funcionamento das instituições. Para podermos avançar nessa tarefa, um caminho interessante poderia ser agregar as abordagens e categorias já existentes sobre o Estado aos estudos dos movimentos sociais em interação com as instituições.

No caso dos estudos sobre movimentos movidos frequentemente pelas novidades que esses atores trazem para a cena política, corremos certo risco de adotar as categorias práticas como lentes de análise. Este já foi o caso da “autonomia” como postulado dos movimentos nos anos de 1970, que foi adotada para descrever a relação entre os movimentos sociais e o Estado pela literatura acadêmica (Lavalle e Szwako, 2015). Como consequência, excluíram-se das pesquisas as interações realizadas via instituições (Cardoso, 1984). Termos como antipartidarismo, horizontalidade ou autonomia expressam tensões e ambivalências que precisam ser entendidas como percepções e ações de atores, para depois serem reconstruídas empiricamente. Ann Mische, no capítulo “Patrisan performance: the relational construction of Brazilian youth activist publics”, dá conta desse desafio de maneira brilhante. Ela mostra, com base na pesquisa sobre o impeachment do presidente Collor, em 1992, como a relação entre o ativismo cívico e o partidário já era tensa e problemática, e o antipartidarismo surgia como um postulado. O movimento estudantil tornou-se antipartidário então? A análise cuidadosa da autora mostra que os jovens ativistas já eram portadores de vínculos com diferentes organizações, entre as quais os partidos, e como faziam um jogo de ativação e desativação de vínculos e pertencimentos. Isto é, os ativistas escolhem deliberadamente do seu leque de pertencimentos aqueles vínculos que possibilitam o diálogo e a ação no espaço em que se encontram.

No capítulo de Paul D. Almeida, “The role of threats in popular mobilization in Central America”, muda-se o foco analítico para discutir mais especificamente protestos, mas persistirá aqui a pergunta sobre como envolver o Estado na reflexão empreendida. Desastres socioambientais, governos reacionários, crises econômicas... O que os movimentos sociais fazem contra o retrocesso do mundo? Essa pergunta nos leva ao cerne desse texto, que chama a atenção para os fatores explicativos da mobilização de ação coletiva. O autor destaca do clássico conceito de oportunidade política (McAdam, 2006) sua faceta menos explorada, a saber, a ameaça política. A investigação das mobilizações da América Central reforça o papel das ameaças ou das condições negativas como desencadeadoras da ação coletiva. Almeida aproveita a classificação já existente, tratando, pois, da ameaça de repressão do Estado, do indício dos problemas econômicos atribuídos ao Estado e dos prejuízos ambientais. O Sul geopolítico está repleto desses fenômenos que podem provocar a ação dos movimentos ainda que nem sempre.

À semelhança do argumento utilizado nos anos de 1960 de que a penúria e a pobreza não constituem condição suficiente para o desencadeamento de uma ação coletiva, Almeida propõe um arcabouço explicativo mais amplo para entender as condições em que cada tipo de ameaça incita tal ação. Vejamos o exemplo dos problemas econômicos. Aqui se enquadram as recorrentes campanhas contra a política neoliberal, que, no século XXI, têm contemplado ampla participação popular na América Central. Para que a mobilização seja alavancada, segundo o autor, é preciso que haja a percepção de que o Estado tem responsabilidade nos problemas econômicos. A mobilização acontece então, em decorrência de suas políticas públicas combinadas com a existência de mecanismos democráticos, como as eleições.

Almeida assume que a identificação das ameaças é apenas parte da explicação. Em torno de cada uma das ameaças, afirma o autor ao terminar o artigo, há processos prévios de decisão e de interação, os quais precisam ser incorporados na análise. Ao indicar essas novas frentes, ele amplia o escopo para além dos protestos, trazendo o Estado e outros atores para dentro da análise. Ultrapassar um enfoque que se restringe apenas ao movimento social é um dilema que os estudiosos da área enfrentam, uma vez que a agregação de novos elementos analíticos pode ser onerosa e nem sempre viável. Tanto na proposta de Almeida, como na de Abers e Tatagiba, uma solução seria conduzir as pesquisas com equipes mistas, compostas por especialistas em instituições políticas, grupos de interesse e movimentos sociais.

A agenda de pesquisa sobre os efeitos dos movimentos sociais tem sido retomada e dispõe de proposições robustas e arcabouços explicativos (Amenta et al., 2010; Bosi, Giugni e Uba, 2016). Os efeitos são usualmente classificados como de intramovimento (referentes a ativistas, a aspectos organizacionais e à influência em outros movimentos) e extramovimento (culturais e políticos) (Earl, 2000). Também podem ser organizados como efeitos previstos e não previstos. São estes últimos, ainda pouco estudados, que Ligia Tavera Fenellosa aborda em seu capítulo “Evenful temporality and the unintended outocmes of Mexico’s Earthquake victims movement”. Trata-se de uma empreitada arriscada, na medida em que o imprevisto significa aquilo que não faz parte das reivindicações dos movimentos sociais, ou seja, aparentemente quase tudo. A força de sua proposição reside no caráter culturalista (Jasper, 2005) e que ainda assim consegue incluir em sua análise o sistema político.

O caso estudado refere-se ao mobilização decorrente do grande terremoto que devastou a cidade do México (DF) em 1985. A demanda da população atingida girava em torno da moradia, e a mobilização nesse sentido foi bem-sucedida. Contudo, não fazia parte das reivindicações a democratização das relações com o Estado, ainda que, na época do terremoto, milhões de habitantes da capital não eram representados por nenhuma instância legislativa, e as autoridades locais não eram eleitas pelo voto popular. Não obstante, a importância simbólica da ação solidária de cidadãos percebidos até então como indiferentes e individualistas foi aproveitada pelos atores políticos. A participação cidadã entrou, assim, na agenda de governo e foi potencializada pelos partidos da oposição. O efeito imprevisto, portanto, consistiu na convocação de um órgão de participação cidadã que, apesar de ter sido aquém do almejado pela oposição, significou, na visão da autora, a maior mudança qualitativa na democratização do Distrito Federal do México. Do ponto de vista analítico, para poder capturar esse tipo de efeito é preciso adotar, defende a autora, uma visão do movimento social como sequência de eventos históricos dentro de uma cadeia mais ampla de ocorrências. Eles se tornam históricos à medida que sua pauta, visão, transgressão e ruptura são capturados e expandidos por outros atores presentes na cena política. Esse caminho analítico parece bastante atraente e possui a beleza de evidenciar o caráter normativo dos movimentos sociais e seu poder de difusão.

Os dois últimos capítulos dedicam-se às formas organizacionais dos movimentos sociais. Entendê-las como elementos responsáveis pelas mobilizações derrubou a visão dominante até a década de 1970 sobre a espontaneidade dos ciclos de protesto. No entanto, a vertente responsável por esse novo argumento, conhecida como “mobilização de recursos”, ficou na sombra da teoria do processo político e não desenvolveu amplas linhas de pesquisa próprias (McCarthy, 1999). Com o capítulo de Adrian Gurza Lavalle e Marisa von Bülow – “Institutionalized brokers and collective actors: diferente types, similar challanges” – adentramos novamente nesse complexo e diverso universo das organizações, detendo-se mais especificamente na presença de entidades intermediadoras (brokers), criadas por atores singulares e institucionalizadas. Os autores contribuem com uma análise detalhada dos tipos e dos papéis que elas podem desempenhar. Diferenciam três tipos, a depender do vínculo mais ou menos formal com seus membros – associações de pico, conglomerados associativos e entidades multisetoriais –, que podem desempenhar o papel de tradutor, coordenador, articulador e representante. O capítulo contribui para delinear quais são os prós e os contras ligados à institucionalização de organizações dos movimentos bem como ilumina as maneiras pelas quais as formas organizacionais são criadas e recriadas e o que gera sua continuidade.

Entre os capítulos que mais claramente dirigem o olhar para as diferenças entre o Sul e o Norte do planeta está o de Rose J. Spalding: “Domestic loops and deleveraging hooks: transnational social movements and the politics of scale shift”. A autora trata do transnacionalismo dos movimentos sociais, isto é, o ativismo transnacional, tema que já inspirou, de acordo com ela, vários estudos e gerou categorias e proposições, como o trabalho de Keck e Sikkink (1998) e o estudo de Sidney Tarrow (2005). Spalding ressalta o contexto político da recente democratização, a guinada para a esquerda e os conflitos decorrentes da pressão externa para a implementação das regulamentações neoliberais. A própria instância empírica da autora – a exploração de recursos minerais – também situa a discussão na problemática muito presente no Sul global. A autora contribui para o debate introduzindo novos ângulos analíticos ancorados nessa região do planeta, mas que também podem ser utilizados no Norte. O transnacionalismo lateral, termo proposto por ela, é um deles. Trata-se de relações qualitativamente diferentes no ativismo transnacional, uma vez que mais igualitárias entre os parceiros regionais em comparação com as existentes nas conexões entre Norte e Sul, marcadas negativamente por diferenças em termos culturais e de poder. Os atores inseridos nas relações circunscritas pelo transnacionalismo lateral compartilham de situações parecidas, o que permite uma maior difusão de práticas e estratégias, estabelecendo uma troca mais rente à realidade.

A coletânea termina com uma conclusão de Margaret Keck. A cobrança que porventura poderia ser feita por falta de uma definição acerca de movimento social se dissolve neste texto. Deixando explícita a perspectiva relacional que marca o livro, ela afirma: “precisamos nos perguntar não só de onde eles [movimentos sociais] vêm e para onde acham que vão, mas também qual é a natureza das arenas em que eles desenvolvem suas lutas e quais são as capacidades das instituições sobre as quais recaem as demandas – normalmente setores do Estado – para responder às reivindicações” (p. 217). Nesse sentido, o prisma analítico dos movimentos sociais como desafiadores do status quo se mantém com todo o vigor para entendermos como se constrói e se reconstrói a autoridade política diante das necessidades dos cidadãos.

Bibliografia

ABERS, Rebecca; SERAFIM, Liza & TATAGIBA, Luciana. (2014), “Repertórios de interação Estado-sociedade em um Estado heterogêneo: a experiência na era Lula”. Dados – Revista de Ciências Sociais, 57, 2: 325-357. [ Links ]

AMENTA, Edwin; CAREN, Neal, CHIARELLO, Elizabeth & SU, Yang. (2010), “The political consequences of social movements”. Annual Review of Sociology, 36: 287-307. [ Links ]

BOSI, Lorenzo; GIUGNI, Marco & UBA, Katrin. (2016), The consequences of social movements. Cambridge, Cambridge University Press. [ Links ]

CARDOSO, Ruth Correa Leite. (1984), “Movimentos sociais urbanos: balanço crítico”, in Bernardo Sorj e Maria Hermínia Tavares de Almeida (orgs.), Sociedade e política no Brasil pós-64, São Paulo, Brasiliense. [ Links ]

CARLOS, Euzeneia. (2012), Movimentos sociais e instituições participativas: efeitos organizacionais, relacionais e discursivos. São Paulo, tese de doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. [ Links ]

EARL, J. (2000), “Methods, movements and outcomes: methodological difficulties in the study of extramovement outcomes”. Research in Social Movements, Conflicts and Change, 22: 3-25. [ Links ]

GUIGNI, Marco & PASSY, Florence. (1998), “Contentious politics in complex societies: new social movements between conflict and cooperation”, in Marcos Giugni, Doug McADam e Charles Tilly (orgs.), From contention to democracy, Lanham, Rowman & Littlefield Publishers. [ Links ]

KECK, Margaret E. & SIKKINK, Kathryn. (1998), Activists beyond borders. Ithaca, Cornell University Press. [ Links ]

LAVALLE, Adrián Gurza; HOUTZAGER, Peter & CASTELLO, Gabriela. (2011), “La construcción política de las sociedades civiles”, in Adrián Gurza Lavalle (org.), El horizonte de la política: Brasil y la agenda contemporánea de investigación en el debate internacional, México, Ciesas,p p. 207-267. [ Links ]

LAVALLE, Adrián Gurza & SZWAKO, José. (2015), “Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate”. Opinião Pública, 21 (1): 157-187. [ Links ]

JASPER, James. (2004), “A strategic approach to collective action: looking for agency in social movement choices?”. Mobilization, 9 (1): 1-16. [ Links ]

JASPER, James. (2005), “Culture, knowledge, and politics”, in T. Janoski, R. R. Alford A. M. Hicks e M. A. Schwartz (orgs.), The handbook of political sociology: States, civil societies, and globalization, Cambridge, Cambridge University Press, pp. 115-134 [ Links ]

MARQUES, Eduardo. (2006), “Redes sociais e poder no Estado brasileiro: aprendizados a partir de políticas urbanas”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 21 (60): 15-41. [ Links ]

MCADAM, Doug. (2006), “Conceptual origins, current problems, future directions”, in Doug McAdam, John D. McCarthy e Mayer Zald (orgs.), Comparative perspectives on social movements: political opportunities, mobilizing structure, and cultural framings, Cambridge, Cambridge University Press. [ Links ]

MCCARTHY, John D. (1999), “Reinvigorating ZMRM: Zald/McCarthy resource mobilization”. Paper presented at Zaldfest, a conference held to recognize the contributions of Mayer Zald to the sociology of organizations, social movements, and culture, on 17-18 September 1999. Disponível em http://deepblue.lib.umich.edu/bitstream/handle/2027.42/51351/587.pdf?sequence=1, consultado em 30/6/2016. [ Links ]

SKOCPOL, Theda. (1985), “Bringing the state back in: strategies of analysis in current research”, in Peter B. Evans, Dietrich Rueschemeyer e Theda Skocpol, Bringing the State back in, Cambridge, Cambridge University Press. [ Links ]

TARROW, Sidney. (2005),The New Transnational Activism, Cambridge, Cambridge University Press. [ Links ]

Monika Dowbor é professora do Programa de Pós-graduação em ciências sociais da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo (RS), e pesquisadora do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). E-mail: mdowbor@gmail.com.

Creative Commons License  This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.