SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue1Sobreviver na prisão: relações informais e clientelistasE com a palavras: os alunos - estudo das representações sociais dos alunos da rede pública do Distrito Federal sobre a Sociologia no ensino médio author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Sociedade e Estado

Print version ISSN 0102-6992

Soc. estado. vol.19 no.1 Brasília Jan./June 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922004000100024 

RESUMOS DAS TESES E DISSERTAÇÕES DEFENDIDAS NO PPG-SOL/UnB DE JANEIRO A JUNHO DE 2004
DISSERTAÇÕES

 

Reestruturação produtiva do Banco do Brasil: trajetória profissional dos funcionários da área de recursos humanos que permanecem na empresa

 

 

Zilda Vieira de Souza Pfeilsticker

Curso: Mestrado em Sociologia
Data de defesa da dissertação: 11 de março de 2004
Orientador: Profª Drª Berlindes Astrid Küchemann

 

 

RESUMO

A presente dissertação é uma reflexão sobre a reestruturação produtiva e a trajetória profissional. Tem como objeto a trajetória profissional dos funcionários da área de Recursos Humanos do Banco do Brasil, de Brasília (DF), que vivenciaram a reestruturação e permanecem na empresa, e, por objetivo, a análise de como esses funcionários reorganizaram sua trajetória profissional. Parte da premissa de que os funcionários que permaneceram na empresa submeteram-se às novas regras como estratégia de sobrevivência no mundo do trabalho. Para tanto, foi utilizado o estudo de caso, dadas as possibilidades que oferece ao aprofundamento da investigação.
Foi verificado que reorganizar a trajetória profissional significou, para o funcionário, aderir aos novos valores da empresa, adequar-se ao novo perfil do funcionário, investir na capacitação profissional sob forma continuada e permanente, ter foco em resultados e perseguir a constante sintonia com um mercado altamente competitivo e com elevado grau de incerteza. O funcionário tornou-se autogestor de seu desenvolvimento, assumindo a responsabilidade de grande parte da atualização de suas competências profissionais, antes a cargo da empresa.
Constatou-se que a reorganização da trajetória impôs ao funcionário vivenciar um longo e contínuo processo de capacitação profissional sempre mediado pela visão de curto prazo, em decorrência do acelerado ritmo das mudanças. A pesquisa demonstrou que a quebra dos paradigmas estabilidade e segurança no Banco do Brasil estimulou entre seus funcionários e suas funcionárias um acentuado processo de individualização no trabalho, passando a existir uma ênfase nas metas individuais em detrimento das construções coletivas.

Palavras-chave: reestruturação produtiva, trajetória profissional, processo de individualização no trabalho, capacitação profissional, autogestor.