SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número3Somos todos brasileiros? Estudo sociológico sobre a moderna divisão do trabalho social brasileira: trajetórias ocupacionais de trabalhadores brasilienses da construção civil - 1992/2003Educação e conversão religiosa: os batistas de Richmond e o Colégio Taylor-Egídio de Jaguaquara, Bahia - 1882-1936 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Sociedade e Estado

versão impressa ISSN 0102-6992

Soc. estado. v.21 n.3 Brasília set./dez. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922006000300015 

RESUMOS DAS TESES E DISSERTAÇÕES APRESENTADAS NO PPG-SOL/UnB DE SETEMBRO A DEZEMBRO DE 2006
TESES

 

Programa de Atendimento ao Superdotado da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (1991-2002): inclusão social ou tergiversação burocrática?

 

 

Marília Gonzaga Martins Souto de Magalhães

Curso: Doutorado em Sociologia
Data da defesa: 4 de agosto de 2006
Orientador: Prof. Dr. Lúcio de Brito Castelo Branco

 

 

RESUMO

O presente estudo analisa o Programa de Atendimento ao Superdotado da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, no período de fevereiro de 1991 a dezembro de 2002, procurando verificar se as ações desenvolvidas nos processos de encaminhamento, avaliação e atendimento ao aluno superdotado favoreciam sua inclusão social.
Lançando mão de entrevistas com gestores, professores e ex-alunos do Programa e, também, de estudos documentais, a pesquisa constatou a necessidade e a importância de se identificar e de proporcionar ao aluno superdotado um programa especializado como forma de favorecimento ao seu ajustamento e inclusão social. A predominância de alunos do sexo masculino no universo de alunos pesquisados foi notória, comprovando um alto contingente de superdotados deste sexo.
Com relação à necessidade de oferecimento de um programa especializado para superdotados, constatou-se que ela existe, uma vez que, no ensino regular, tais alunos não são identificados por seus professores e, portanto, não são estimulados da maneira mais adequada.
O estudo verificou divergências entre os profissionais da área no aspecto referente à gestão de um programa para superdotados subordinado ao mesmo órgão que atende os deficientes. O mesmo foi constatado no aspecto alusivo a uma possível correlação existente entre as limitações que o Programa de Atendimento ao Superdotado da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal enfrenta e as Diretrizes Norteadoras desta área emanadas do MEC, visto que, nessas diretrizes, percebe-se uma priorização das ações voltadas para os alunos que apresentam alguma deficiência em detrimento dos programas para superdotados, sobretudo na questão de alocação de recursos e reconhecimento da superdotação.

Palavras-chave: superdotação, inclusão, atendimento, educação.