SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número2Idioma grego: análise da etimologia anatomocardiológica: passado e presenteO ensino médico e o SUS índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery

versão impressa ISSN 0102-7638

Rev Bras Cir Cardiovasc vol.27 no.2 São José do Rio Preto abr./jun. 2012

http://dx.doi.org/10.5935/1678-9741.20120051 

RELATO DE CASO

 

Retransplante cardíaco em criança sem o uso de hemoderivados

 

 

Antonio Alceu dos SantosI; José Pedro da SilvaII; Luciana da FonsecaIII; José Francisco BaumgratzIV

IEspecialista em Cardiologia; Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo; Médico Assistente da Equipe Dr. José Pedro da Silva, São Paulo, SP, Brasil
IIDoutor em Cirurgia Cardiovascular; Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
IIIDoutora em Cirurgia Cardiovascular; Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
IVEspecialista em Cirurgia Cardiovascular; Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Este artigo relata um caso de retransplante cardíaco sem o uso de hemoderivados, em uma criança de 6 anos, com miocardiopatia dilatada grave, após rejeição crônica do enxerto e refratária ao tratamento clínico. Para evitar transfusão sanguínea nessa cirurgia, foi realizado planejamento multidisciplinar, que envolveu o uso de eritropoietina no pré-operatório, hemodiluição normovolêmica aguda e recuperação de sangue autólogo no intraoperatório (cell saver), bem como hemostasia meticulosa e redução de flebotomias no pós-operatório.

Descritores: Transplante de coração. Criança. Eritropoetina. Transfusão de sangue autóloga. Rejeição de enxerto.


 

 

INTRODUÇÃO

A Medicina é uma das muitas áreas do conhecimento ligada à manutenção e à restauração da saúde. Ela trabalha, num sentido amplo, com a prevenção e cura das doenças humanas e animais num contexto médico. Isso ficou bem evidente em 1967, quando se realizou o primeiro transplante cardíaco entre humanos, por Barnard [1]. Nesse mesmo ano, Kantrowitz et al. [2] tentaram, sem sucesso, o primeiro transplante em recém-nato portador de anomalia de Ebstein. Somente em 1984, após a introdução da ciclosporina no manuseio de rejeição, que Bailey et al. [3] realizaram o primeiro transplante em criança portadora de síndrome de hipoplasia de coração esquerdo (SHCE).

Em crianças com miocardiopatia grave, refratária ao tratamento clínico, como no caso de miocárdio não compactado [4], ou com choque cardiogênico [5], o transplante cardíaco se impõe como medida salvadora. O primeiro transplante cardíaco em adulto sem uso de transfusão de sangue ocorreu em 1985 [6]. No Congresso da Sociedade Brasileira de Cardiologia (CSBC), de 2009, foi relatado um transplante cardíaco em uma criança de 2 anos e 9 meses, sem o uso de hemoderivados [7]. Transplante cardíaco neonatal e infantil tem possibilitado sobrevida e melhora da qualidade de vida em crianças com grave disfunção miocárdica [8]. A falência do enxerto ocorre em aproximadamente 7% dos transplantes de coração em crianças [9]; nesses casos, o retransplante se torna a única opção terapêutica. Estratégias bem definidas têm possibilitado reduzir o uso de hemocomponentes em cirurgias cardíacas [10,11]. O tratamento mediante o retransplante cardíaco, em especial para os pacientes pediátricos, é o que apresenta menores perspectivas de obtenção de órgãos em tempo hábil, especialmente pelo menor peso e pela menor disponibilidade de doadores compatíveis. Recentemente, descobrimos, após pesquisa na literatura nacional e internacional, que ainda não havia sido descritos casos de retransplante em criança sem o uso de transfusão de sangue. Sendo assim, relatamos um caso de um retransplante cardíaco, em uma criança de 6 anos, sem uso de hemoderivados.

O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo (São Paulo, SP, Brasil).

 

RELATO DE CASO

Uma criança, do sexo feminino, com diagnóstico ao nascimento de SHCE, foi submetida, inicialmente, ao primeiro (4/11/2003) e segundo (19/3/2004) estágio da correção pelo protocolo de Norwood. Após 2 anos e 4 meses, evoluiu com disfunção miocárdica grave, sendo necessário transplante cardíaco, realizado em 29/7/2006, sem o uso de hemocomponentes [7].

A criança apresentou boa evolução até 2009, quando novamente foi internada no Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, com 6 anos, peso e superfície corpórea de 16,6 kg e 0,69 m2, respectivamente, com diagnóstico de insuficiência cardíaca congestiva em classe funcional IV de acordo com a New York Heart Association (NYHA), além de taquicardia ventricular por rejeição crônica grave, refratária ao tratamento imunossupressor (ciclosporina, micofenonalato, metilprednisolona), bem como ao uso de drogas vasoativas (dobutamina, milrinona, noradrenalina), evoluindo com deterioração clínica rápida, chegando ao choque cardiogênico, com necessidade de ventilação mecânica. O ecocardiograma transtorácico revelou função ventricular esquerda deprimida em grau importante, com delta D de 16%. Em decorrência dessa grande instabilidade hemodinâmica, sem resposta ao tratamento medicamentoso, foi indicado novo transplante cardíaco.

Por motivos religiosos, os pais solicitaram que a equipe aplicasse nesse caso o protocolo de gerenciamento e conservação do sangue para cirurgias cardíacas graves e complexas, criado pela equipe especialmente para cirurgias em adultos, mas em alguns casos também em crianças, conforme apresentado no CSBC, em 2011 [12]. Com uma conduta mais restritiva para transfusão de sangue [13], essa cirurgia foi aceita.

No pré-operatório, a criança evidenciava níveis normais de hemoglobina (13,0 g/dl), hematócrito (38 mL/dL) e plaquetas (146 mil/mm3), mesmo assim, iniciamos prontamente o tratamento com eritropoietina recombinante humana (rHuEPO 600 UI/kg/semana), sulfato ferroso (10 mg/kg/dia), ácido fólico (5 mg/dia) e cianocobalamina (vitamina B12 5.000 UI/dia), visto que o resultado ótimo desse estímulo eritrocitário ocorre mais tardiamente, após a primeira semana [14].

Com um planejamento de toda a equipe (cirurgião, clínico, anestesiologista e médicos de terapia intensiva), foi realizado o retransplante cardíaco ortotópico, em 13/12/2009, com sucesso e sem administração de hemocomponentes. O tempo total de isquemia foi 180 minutos. Para a cirurgia, usamos minicircuito (mini-CEC) sem albumina humana no priming, anestesia hipotensiva controlada, normotermia, hemodiluição normovolêmica aguda (HNA) e, fundamentalmente, a recuperação intraoperatória de células (cell saver), bem como hemostasia meticulosa.

No pós-operatório, a criança foi mantida normotensa e em normotermia e também minimizadas as flebotomias. Foram reintroduzidos rHuEPO, ferro, folato e vitamina B12, além do início dos imunosupressores. A dose de ciclosporina foi controlada de acordo com seu nível sérico, por meio do método de radioimunoensaio, mantendo-se o nível entre 300 a 400 ng/mL. A dose do micofenolato de sódio foi de 11,2 mg/kg/dia. O nível mais baixo de hemoglobina após a cirurgia foi de 9,7 g/dl. A alta hospitalar foi 40 dias após o transplante e com níveis normais de hemoglobina (Figura 1).

 

 

Desde o retransplante até essa data, a criança encontra-se em excelente estado geral, com função cardíaca biventricular normal ao ecodopplercardiograma (Figura 2), sem nenhum sinal de rejeição, bem como ausência de toxicidade pelos imunossupressores.

 

 

DISCUSSÃO

Desde o primeiro caso de retransplante relatado em 1977 [15], a experiência com esse procedimento ainda é limitada, principalmente em criança. Vasculopatia e rejeição aguda ou crônica do enxerto representam as principais indicações [16]. Em 1964, foi realizada a primeira cirurgia cardíaca no mundo sem transfusão de sangue [17], e desde então vários outros casos semelhantes têm sido descrito na literatura [18]. Embora alguns trabalhos demonstrem, inicialmente, que cirurgias com grandes hemorragias não tratadas com hemocomponentes aumentam o risco de morte [19], o que, realmente tem sido observado, na última década, são vários estudos demonstrando aumento na morbidade [20], e, fundamentalmente, aumento na mortalidade relacionada à prática de transfusões de sangue [21, 22]. Outro problema de extensão mundial é a escassez de sangue, suscitando grande preocupação. Em uma situação de demanda crescente por sangue e hemoderivados, com tendência estacionária das doações, acentua-se a insuficiência dos estoques em vários países [23]. No Brasil, a demanda de sangue cresce 1% ao ano, enquanto as expectativas de crescimento das doações de sangue variam de 0,5% a 0,7% ao ano [24]. Tudo isso tem contribuído para a classe médica procurar opções terapêuticas [11] e estratégias mais restritivas [25] para evitar ou minimizar as hemotransfusões.

Temos na literatura vários protocolos para realização de cirurgias cardíacas pediátricas isentas de transfusões de sangue homólogo, primeiramente, podemos citar o proposto po Gomez et al. [26], que enumeraram várias estratégias no pré, intra e pós-operatório. Em 2008, outros autores corroboraram a eficácia e segurança desses programas [27]. Outro protocolo considera a pré-doação de sangue autólogo associada à administração de eritropoietina [28].

De modo semelhante, desde 2002, também desenvolvemos um programa de gerenciamento e conservação do sangue homólogo para cirurgia cardíaca, que se resume basicamente em aumentar a massa eritrocitária (ferro, folato e rHuEPO) [29, 30], bem como a HNA, a recuperação intraoperatória de células [27] e, fundamentalmente, a técnica cirúrgica com meticulosa hemostasia. Graças a esse programa, várias transfusões de sangue têm sido reduzidas, ou até mesmo evitadas, em especial neste caso de retransplante.

 

CONCLUSÃO

Foi possível realizar um retransplante cardíaco sem o uso de sangue homólogo, em uma criança com miocardiopatia dilatada grave, após rejeição crônica do enxerto e irreversível à terapêutica medicamentosa, utilizando um programa de gerenciamento e conservação de sangue, além de rigoroso planejamento multidisciplinar. Transfusões de sangue podem ser evitadas ou reduzidas quando se tem o propósito de conservar o sangue autólogo.

 

REFERÊNCIAS

1. Barnard CN. The operation. A human cardiac transplant: an interim report of a successful operation performed at Groote Schuur Hospital, Cape Town. S Afr Med J. 1967;41(48):1271-4.         [ Links ]

2. Kantrowitz A, Haller JD, Joos H, Cerruti MM, Carstensen HE. Transplantion of the heart in an infant and an adult. Am J Cardiol. 1968;22(6):782-90.         [ Links ]

3. Bailey LL, Nehlsen-Cannarella SL, Concepcion W, Jolley WB. Baboon-to-human cardiac xerotransplantion in a neonate. JAMA. 1985;254(23):3321-9.         [ Links ]

4. Croti UA, Braile DM, Moscardini AC, Kozak ACLFBM. Transplante cardíaco em criança com miocárdio não compactado. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2010;25(2):261-3.         [ Links ]

5. Jatene MB, Miana LA, Pessoa AJ, Riso A, Azeka E, Tanamati C, et al. Transplante cardíaco pediátrico em vigência de choque cardiogênico refratário: análise crítica da viabilidade, aplicabilidade e resultados. Arq Bras Cardiol. 2008;90(5):360-4.         [ Links ]

6. Corno AF, Laks H, Stevenson LW, Clark S, Drinkwater DC. Heart transplantation in a Jehovah's Witness. J Heart Transplant. 1986;5(2):175-7.         [ Links ]

7. Santos AA, Silva JP, Fonseca L, Baumgratz JF, Lianza AC, Lima DLC, et al. Transplante cardíaco sem uso de hemotransfusão em criança com hipoplasia de coração esquerdo. Arq Bras Cardiol. 2009;93(3 supl 1):29. Disponível em: http://www.arquivosonline.com.br/2009/9303/pdf/Resumo_Comunicacoes_64CBC.pdf Acesso em: 6/4/2012.         [ Links ]

8. Barbero-Marcial M, Azeka E, Camargo PR, Riso A, Jatene M, Soares J, et al. Transplante cardíaco neonatal e infantil. Arq Bras Cardiol. 1996;67(3):165-70.         [ Links ]

9. Mahle WT. Cardiac retransplantation in children. Pediatr Transplant. 2008;12(3):274-80.         [ Links ]

10. Souza HJB, Moitinho RF. Estratégias para redução do uso de hemoderivados em cirurgia cardiovascular. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2008;23(1):53-9.         [ Links ]

11. Mackenzie CF, Shander A. What to do if no blood is available but the patient is bleeding? South Afric J Anaesth Analg. 2008;14(1):39-43.         [ Links ]

12. Santos AA, Silva JP, Fonseca L, Baumgratz JF, Freire R, Castro RM, et al. Protocolo de gerenciamento e conservação do sangue em cirurgias cardíacas graves e complexas. Arq Bras Cardiol. 2011;97(3 Supl.1):59. Disponível em: http://www.arquivosonline.com.br/2011/9703/pdf/TL-66-CBC.pdf Acesso em 6/4/2012.         [ Links ]

13. Lacroix J, Hébert PC, Hutchison JS, Hume HA, Tucci M, Ducruet T; TRIPICU Investigators; Canadian Critical Care Trials Group; Pediatric Acute Lung Injury and Sepsis Investigators Network, et al. Transfusion strategies for patients in pediatric intensive care units. N Eng J Med. 2007;356(16):1609-19.         [ Links ]

14. Aguiar IFVP, Krebs VLJ, Gualandros SFM, Silveira PAA, Vaz FAC. Efeitos da eritropoetina recombinante humana em recémnascidos pré-termo com doenças infecciosas. Rev Assoc Med Bras. 2007;53(1):90-4.         [ Links ]

15. Copeland JG, Griepp RB, Bieber CP, Billingham M, Schroeder JS, Hunt S, et al. Successful retransplantation of the human heart. J Thorac Cardiovasc Surg. 1977;73(2):242-7.         [ Links ]

16. Richmond ME, Addonizio LJ, Hsu DT, Mital SR, Mosca RS, Quaegebeur JM, et al. Cardiac retransplantation in high risk pediatric patients. Pediatr Transplant. 2007;11(6):615-23.         [ Links ]

17. Cooley DA, Crawford ES, Howell JF, Beall AC Jr. Open heart surgery in Jehovah's Witnesses. Am J Cardiol. 1964;13:779-81.         [ Links ]

18. Ott DA, Cooley DA. Cardiovascular surgery in Jehovah's Witnesses. Report of 542 operations without blood transfusion. JAMA. 1977;238(12):1256-8.         [ Links ]

19. Benson KT. The Jehovah's Witness patient: considerations for the anesthesiologist. Anesth Analg. 1989;69(5):647-56.         [ Links ]

20. Banbury MK, Brizzio ME, Rajeswaran J, Lytle BW, Blackstone EH. Transfusion increases the risk of postoperative infection after cardiovascular surgery. J Am Coll Surg. 2006;202(1):131-8.         [ Links ]

21. Ergoren MC, Habib RH, Zacharias A, Schwann TA, Riordan CJ, Durham SJ. Effect of blood transfusion on long-term survival after cardiac operation. Ann Thorac Surg. 2002;74(4):1180-6.         [ Links ]

22. Marik PE, Corwin HL. Efficacy of red blood cell transfusion in the critically ill: a systematic review of the literature. Crit Care Med. 2008;36(9):2667-74.         [ Links ]

23. Sojka BN, Sojka P. The blood donation experience: self-reported motives and obstacles for donating blood. Vox Sang. 2008;94(1):56-63.         [ Links ]

24. Novaretti MCZ. Importância dos carreadores de oxigênio livre de células. Rev Bras Hematol Hemoter. 2007;29(4):394-405.         [ Links ]

25. Hajjar LA, Vincent JL, Galas FR, Nakamura RE, Silva CM, Santos MH, et al. Transfusion requirements after cardiac surgery: the TRACS randomized controlled trial. JAMA. 2010;304(14):1559-67.         [ Links ]

26. Gomez D, Olshove V, Weinstein S, Davis JT. Blood conservation during pediatric cardiac surgery. Transfus Altern Transfus Med. 2002;4(1):27-33.         [ Links ]

27. Jonh T, Rodeman R, Colvin R. Blood conservation in a congenital cardiac surgery program. AORN J. 2008;87(6):1180-6.         [ Links ]

28. Komai H, Naito Y, Okamura Y, Fugiwara K, Suzuki H, Uemura S. Preliminary study of autologous blood predonation in pediatric open-heart surgery impact of advance infusion of recombinant human erytrhopoietin. Pediatr Cardiol. 2005;26(1):50-5.         [ Links ]

29. Shannon KM, Keith JF 3rd, Mentzer WC, Ehrenkranz RA, Brown MS, Widness JA, et al. Recombinant human erythropoietin stimulates erythropoiesis and reduces erythrocyte transfusions in very low birth weight preterm infants. Pediatrics. 1995;95(1):1-8.         [ Links ]

30. Maier RF, Obladen M, Scigalla P, Linderkamp O, Duc G, Hieronime G, et al. The effect of epoetin beta (recombinant human erythropoietin) on the need for transfusion in verylow-birth-weight infants. European Multicentre Erythropoietin Study Group. N Engl J Med. 1994;330(17)1173-8.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Antonio Alceu dos Santos
Rua Maestro Cardim, 769 - Bela Vista
São Paulo, SP, Brasil - CEP: 01323-001
E-mail: antonioalceu@cardiol.br

Artigo recebido em 22 de janeiro de 2012
Artigo aprovado em 23 de abril de 2012

 

 

Trabalho realizado no Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

 

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons