SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 issue3Editorial número especial pesquisa em psicanálise author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Psicologia: Reflexão e Crítica

Print version ISSN 0102-7972

Psicol. Reflex. Crit. vol.12 n.3 Porto Alegre  1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79721999000300001 

Editorial

 

 

Pela quarta vez em sua história, Psicologia: Reflexão e Crítica entrega à comunidade científica um Número Especial temático. Os dois primeiros foram publicados em 1992 e em 1996, como números correntes. O primeiro foi editado pelo LEC (Laboratório de Estudos Cognitivos/Psicologia/UFRGS) e o segundo pelo CEP-RUA (Centro de Estudos Psicológicos sobre Meninos e Meninas de Rua/Psicologia/UFRGS). Esses dois Números têm sido sistematicamente referidos em artigos, teses, dissertações e projetos na área. O terceiro Número Especial foi publicado em 1998, desta vez como um número extra - 11(3), além dos dois números correntes anuais. Foi editado pelo Grupo PET-Psicologia/CAPES, sob a tutoria da Profa. Denise Ruschel Bandeira, com a temática Iniciação Científica. Esse Número apresentou à comunidade científica uma série de pesquisas empíricas e ensaios, com autoria principal de estudantes de Graduação em Psicologia, orientados por pesquisadores de várias universidades brasileiras. Foi uma atividade de excelência do Grupo PET-Psicologia, que certamente foi valorizada pela comunidade científica e, espera-se, também pela CAPES.

O quarto Número Especial temático, ora apresentado, reúne artigos sobre Pesquisa em Psicanálise. A Profa. Dra. Anna Carolina Lo Bianco (UFRJ) propôs à Comissão Editorial de organização de um Número com estudos apresentados, originalmente, no VII Simpósio de Pesquisa e Intercâmbio Científico da ANPEPP (Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia), ocorrido em Gramado, em 1998.

A edição de um número especial temático por uma revista generalista sempre gera questionamentos por parte da Comissão Editorial, que sem dúvida, refletem questionamentos da comunidade em geral: - Por que uma revista científica de Psicologia que tem uma proposta generalista (bem sucedida) deveria aceitar uma proposta específica de uma área? E por que um número temático sobre Pesquisa em Psicanálise, que há revistas específicas de Psicanálise de âmbito nacional e de boa qualidade?

Há muitas razões para produzir Números Especiais. Alguns dos principais periódicos internacionais ocasionalmente lançam números ou seções especiais, visando a concentrar no mesmo fascículo diversos artigos sobre uma mesma temática. A experiência tem mostrado que esta prática impulsiona a pesquisa na área temática escolhida, motiva pesquisadores e estudantes a examinarem questões teóricas e metodológicas da área. No Brasil, dada a escassez de trabalhos de pesquisa de alta qualidade publicados na mesma fonte, supre também uma necessidade importante de professores e estudantes. No caso específico da Psicanálise, observa-se que a Psicologia brasileira tem aberto, Programas de Pós-Graduação ou linhas de pesquisa em Psicanálise, inclusive no Programa de origem desta revista, que têm gerado uma produção científica intensa, baseada em pesquisa de boa qualidade. A escolha de uma revista científica generalista, reconhecida nacionalmente e que utiliza um processo editorial rigoroso para qualquer artigo submetido é lógica e reflete o avanço da pesquisa psicanalítica no nosso meio. Os autores, através desta escolha, manifestam um desejo de compartilhar sua produção com a comunidade científica em geral, não apenas com seus colegas psicanalistas, que são os leitores por excelência das revistas especializadas nesta área. Mais ainda, e esta é a nossa perspectiva, ao fazerem esta proposta, os autores estão também sinalizando que o trabalho de investigação que realizam, pode ser submetido aos critérios de julgamento de mérito aplicados a artigos científicos em geral na área da Psicologia. Isto é certamente um avanço. Freqüentemente, a Psicanálise tem sido tratada como uma área especial, imune, acima e além da ciência praticada pelos "não-iniciados". A publicação deste número sinaliza com clareza que os pesquisadores psicanalistas consideram-se cientistas, como seus pares nas outras áreas da Psicologia.

Ao final da edição de mais um Número da Psicologia: Reflexão e Crítica, gostaria de agradecer a Anna Carolina pela experiência enriquecedora proporcionada pelo trabalho em conjunto. Foi um desafio profissional para ambas, mas com certeza, a atitude profissional, a seriedade e a competência de Anna Carolina facilitou este processo. Compartilhamos dúvidas e inquietações durante todo o processo. Compartilhamos agora, com os nossos leitores e assinantes, e com toda a comunidade científica, o lançamento deste Número Especial de Pesquisa em Psicanálise. A figura do Editor Convidado, externo à instituição, é inédita nas revistas brasileiras de Psicologia. Mesmo sendo organizada, financiada e impressa sob a responsabilidade do Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento da UFRGS, Psicologia: Reflexão e Crítica é um veículo de divulgação da produção científica nacional em Psicologia. Mais de uma centena de pesquisadores de todo o país (e também do exterior) participam todos os anos do processo editorial, como consultores ou como conselheiros. Um Editor Convidado externo ao programa é uma decorrência inevitável da busca por uma qualidade cada vez maior. Embora o processo editorial deste número tenha sido operacionalizado pela editora convidada, a atual editora discutiu, compartilhou e concordou com todas as decisões. A editora convidada fez, certamente, o trabalho mais árduo, mas a responsabilidade final pelo Número Especial é da editora titular.

Parabenizo, ainda, aos autores deste Número Especial, pela qualidade de seus textos e pelo empenho em adequá-los às exigências desta revista. Agradeço pela paciência e dedicação que tiveram, especialmente, na fase final de editoração. Agradeço aos Consultores ad hoc e aos Conselheiros no processo editorial por seu competente trabalho. A lista de Conselheiros Editoriais deste Número Especial encontra-se no verso da folha de rosto e a de Consultores ad hoc será publicada no segundo número do ano 2000, como é de praxe em nossa revista, juntamente com os demais pesquisadores consultados no período.

Espero que, com o apoio da comunidade científica, seja possível manter o lançamento de um Número Especial a cada ano. Já há uma proposta aceita, e em processo editorial, para o ano 2000. Aguardamos novas submissões para o ano 2001.

 

Cordialmente,

 

Sílvia Helena Koller
Editora

 

 

Critérios para submissão de propostas de números especiais

 

Psicologia: Reflexão e Crítica seguirá produzindo Números Especiais e estimulando pesquisadores a fazerem propostas. Os critérios de aceitação de uma proposta de Número Especial são simples. A proposta deve partir de um pesquisador produtivo, que aceite as normas da revista e concorde com seu processo editorial, que envolve sempre revisão por pares, independentemente do conceito que o pesquisador tenha na comunidade. O julgamento de mérito é sempre dos trabalhos apresentados, não do currículo ou conceito do autores. Um Número Especial deve conter pelo menos dez artigos, a maior parte dos quais deve ser composta por relatos de pesquisas empíricas originais. Os textos devem ser de autoria de pesquisadores de várias instituições, refletindo o caráter nacional da revista. A Comissão Editorial decidirá sobre o interesse e a viabilidade da edição do Número Especial, podendo convidar o proponente para ser o editor. Porém, o processo editorial será acompanhado pelo editor titular da revista, que terá conhecimento e participará da escolha de Consultores ad hoc e Conselheiros. A responsabilidade final pela aceitação de qualquer artigo será sempre do editor titular. O editor convidado poderá submeter um texto de sua autoria para publicação no Número Especial. Porém, o processo editorial deste texto ficará a cargo do editor responsável pela revista, visando a garantir o anonimato dos pareceristas e transparência do processo. Todo o trabalho gráfico da versão final, bem como a distribuição, venda, permuta e divulgação da revista será realizado como para os números correntes.