SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue1Desvios porta-jugular e cava-jugular passivos em cães: Investigação de pressões sangüíneasEndovascular de Fístulas Artériovenosas author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Acta Cirurgica Brasileira

Print version ISSN 0102-8650On-line version ISSN 1678-2674

Acta Cir. Bras. vol. 14 n. 1 São Paulo Jan. 1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-86501999000100008 

DESCRITORES EM CIÊNCIAS DA SAÚDE NAS TESES E DISSERTAÇÕES DE MESTRADO, NA ÁREA DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS1

 

Patrícia Rosas2
Carlos Alberto Guimarães3
Luiz Felippe Júdice4
Carlos Alberto de Castro Ferreira5
Else Benetti Marques Válio6

 

 

Rosas P, Guimarães CA, Júdice LF, Ferreira CAC, Válio EBM. Descritores em ciências da saúde nas teses e dissertações de mestrado, na área de doenças respiratória. Acta Cir Bras [serial inline] 1999 Jan Mar; 14(1). Available from: URL: http://www.scielo.br/acb.htm

RESUMO: O processo de indexação consiste em duas fases: primeira, identificar e representar o conteúdo intelectual de um documento; segunda, traduzir a análise do assunto para uma linguagem específica, utilizando descritores.
Na biblioteca do Instituto de Doenças do Tórax da UFRJ, a indexação de periódicos biomédicos e teses era realizada por meio de um vocabulário controlado – DeCS (Descritores em Ciências da Saúde).
O objetivo desta pesquisa era identificar se os autores das teses de Mestrado em doenças respiratórias estavam usando o DeCS para indexar.
Os descritores de 29 teses de Mestrado de Tisiologia e Pneumologia, de 1990 a 1996, foram estudados. A coleta de dados evidenciou que 29 autores empregaram 101 descritores (3,48 descritores/autor). Quatro (14%) dos autores utilizaram adequadamente os descritores do DeCS.
Em conclusão: catorze por cento dos autores de teses de Mestrado empregaram corretamente os descritores.
DESCRITORES: Resumos e indexação. Vocabulário controlado. Descritores. Dissertações acadêmicas. Doenças respiratórias.

 

 

INTRODUÇÃO

Sabe-se que a contribuição de um pesquisador não se encerra com o fim da pesquisa, mas com a divulgação desta para a comunidade científica.

Para que outros pesquisadores possam recuperar as informações, é necessário que os documentos sejam tratados por meio da indexação.

Para CINTRA2 , a indexação é "a tradução de um documento em termos documentários, isto é, em descritores, cabeçalhos de assunto, termos-chave, que têm por função expressar o conteúdo do documento".

Se o autor do documento atribui corretamente o título, faz um resumo de modo estruturado, com introdução e conclusão bem elaboradas, será fácil para o indexador selecionar as palavras significativas.

De acordo com os princípios do UNISIST, 9 o indexador deve ser um especialista no campo coberto pelos documentos nos quais está trabalhando. Ele deve entender os termos dos textos, bem como os procedimentos do sistema, garantindo assim a qualidade da indexação.

A indexação de uma obra de medicina traz dificuldades por apresentar termos específicos da área. Os indexadores, que não estão familiarizados com o assunto, estão sujeitos a erros, enquanto que aqueles acostumados com a literatura médica se poupam de muitas ciladas.11

Linguagens documentárias constituem uma linguagem-padrão, adotada em uma biblioteca, para descrever o conteúdo dos documentos. 6

As linguagens mais desenvolvidas, como os tesauros, são permanentemente atualizadas, mediante supressão de conceitos em desuso, reagrupamento de descritores raramente utilizados e adição de termos novos.3

O indexador somente pode atribuir, a um texto, os termos que constem da lista – vocabulário controlado – adotada pela instituição na qual trabalha.

O objetivo deste trabalho é verificar se o vocabulário controlado DeCS (Descritores em Ciências da Saúde) vem sendo utilizado pelos autores nas teses e dissertações de Mestrado, na área de doenças respiratórias.

 

MÉTODO

AMOSTRA

O estudo compreendeu a análise dos descritores atribuídos pelos autores das teses e dissertações defendidas, no período de 1990 a 1996, na área de concentração em Tisiologia e Pneumologia, do Curso de Mestrado do Instituto de Doenças do Tórax da UFRJ (IDT-UFRJ).

Dentre as 33 teses e dissertações, analisaram-se 30, porque três não se encontravam no acervo. Excluiu-se uma, pois não tinha descritor. Assim, 29 teses e dissertações consistiram na amostra deste estudo.

PROCEDIMENTOS

Foi elaborado um protocolo com os seguintes itens: (a) número da tese ou dissertação; (b) sobrenome do autor; (c) ano de defesa; (d) descritores atribuídos pelos autores e (e) casela para receber a informação se determinado termo existe ou não no DeCS.

Os descritores, das 29 teses e dissertações foram analisados para verificar se constavam ou não no DeCS.4,5

Para que se considerasse um termo constante no DeCS, um critério foi estabelecido: possibilidade de recuperação on-line. P. ex., o termo "reação em cadeia da polimerase" (tese n. 6) – o correto era REAÇÃO EM CADEIA POR POLIMERASE – podia ser recuperado e por isto foi considerado como presente no DeCS.

 

RESULTADOS

A análise dos 114 descritores, utilizados nas 29 teses e dissertações, está no Quadro I, onde cada descritor (grafado em letras maiúsculas) é avaliado pela letra "s", quando consta no DeCS – ou pela letra "n", quando não existe no DeCS (grafado em letras minúsculas).

 

QUADRO I – Análise dos 114 descritores em 29 teses e dissertações

T/D AUTOR ANO DESCRITORES DeCS

1

SALES

1990

ENSAIO IMUNOENZIMÁTICO

s

TUBERCULOSE PLEURAL

s

Antígeno PPD

n

Diagnóstico da tuberculose pleural

n

2

CAMPOS

1991

Tabagismo

n

Médicos fumantes

n

Inquérito epidemiológico

n

Teses

s

3

MARQUES

1991

Câncer de pulmão

n

Tumor de ápice pulmonar

n

Teses

s

4

MONTESSI

1991

Empiema pós-pneumectomia

n

Drenagem pleural

n

Clagett-Geraci

n

Fístula bronco ou esôfago-pleural (sic)

n

5

ZOUCAS

1991

Complexo primário

n

HISTOPLASMOSE

s

Achados anátomo-patológicos (sic)

n

6

BARROSO

1992

TUBERCULOSE

s

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE

s

M. tuberculosis (sic)

n

BIOLOGIA MOLECULAR

s

7

CAPONE

1992

HISTOPLASMOSE

s

Micologia médica

n

Teses

s

8

CONDE

1992

Doenças da pleura

n

DERRAME PLEURAL

s

Derrame tuberculoso

n

Teses

s

9

FIGUEIREDO

1992

Tuberculose: atualização

n

Tuberculose nas unidades de saúde

n

Dissertação

s

10

GUIMARÃES

1992

Hemoptise maciça

n

TUBERCULOSE PULMONAR

s

CIRURGIA

s

Teses

s

11

JANINI

1992

Histiocitose

n

Histiocitose X pulmonar

n

HISTIOCITOSE X

s

Granuloma eosinófilico (sic) do pulmão

n

12

KRITSKI

1992

TUBERCULOSE

s

HIV

n

AIDS

s

TUBERCULOSE PULMONAR

s

Infecção pelo HIV

n

Tese

s

13

LOBO

1992

Lesão pulmonar

n

Irradiação terapêutica

n

Neoplasia

n

Tese

s

14

LUCAS

1992

Teste de provocação brônquica

n

Hiperresponsividade brônquica

n

Asma

s

HISTAMINA

s

15

NEVES

1992

ADENOSINA DESAMINASE

s

DERRAME PLEURAL

s

TUBERCULOSE

s

Teses

s

16

PASCHOAL

1992

Enolase neurônio-específica

n

Marcadores tumorais

n

Carcinoma de pulmão de pequenas células

n

Teses

s

17

MARSICO

1993

Carcinóide brônquico

n

Tumor endobrônquico

n

Tumor neuroendócrino

n

Teses

s

18

SILVA

1993

Síndrome de angústia respiratória do adulto

n

TUBERCULOSE MILIAR

s

TUBERCULOSE

s

Insuficiência respiratória aguda

n

20

CERVIÑO

1994

Resistência inicial

n

Multirresistência

n

TUBERCULOSE PULMONAR

s

Antimicrobianos

n

21

DAIHA

1994

Pneumonia hospitalar

n

VENTILAÇÃO MECÂNICA

s

Técnicas diagnósticas

n

Bactérias intracelulares

n

22

MIRANDA

1994

TUBERCULOSE PLEURAL

s

Líquido pleural

n

Rendimento laboratorial

n

Tese

s

23

JESUS

1994

TUBERCULOSE PULMONAR

s

Retratamento

n

RECIDIVA

s

Teses

s

24

TEIXEIRA

1994

Fibrose idiopática

n

PULMÃO

s

Alveolite fibrosante

n

Pneumonia intersticial comum

n

25

VIEIRA

1994

TUBERCULOSE

s

AIDS

s

HIV

s

Lavado bronco-alveolar (sic)

n

26

GUIMARÃES

1995

TUBERCULOSE

s

SIDA/AIDS

s

HIV

s

DERRAME PLEURAL

s

27

BOÉCHAT

1996

TUBERCULOSE PULMONAR

s

IMUNOLOGIA

s

LINFÓCITOS T

s

CITOCINAS

s

28

CONDE JR.

1996

TUBERCULOSE DOS GÂNGLIOS LINFÁTICOS (sic)

s

BIOPSIA POR AGULHA

s

HIV

s

SÍNDROME DE IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

s

29

MESQUITA

1996

TUBERCULOSE PULMONAR

s

Diagnóstico bacteriológico

n

Baciloscopia

n

CULTURA

s

30

SALLES

1996

TUBERCULOSE PULMONAR

s

IMUNOLOGIA

s

Macrófagos alveolares

n

FENÓTIPO

s

T/D – tese ou dissertação

 

Após coleta inicial dos dados, verificou-se que 29 autores de teses e dissertações empregaram um total de 114 descritores (3,93 descritores/autor).

Quatro (14%) dos autores utilizaram adequadamente o DeCS, isto é, todos os descritores empregados foram encontrados naquele vocabulário controlado.

 

DISCUSSÃO

Com o objetivo de confrontar os resultados obtidos nesta pesquisa e aqueles eventualmente existentes na literatura, foi realizada uma busca bibliográfica nas bases de dados LILACS e MEDLINE (1994 a 1997), utilizando-se o descritor DESCRITORES.

Foram encontrados três trabalhos, embora nenhum deles com amostra e procedimentos iguais ao deste estudo.

Mesquita Júnior, Cepeda, Bella8 detectaram a falta de uma base de dados que fosse útil para um levantamento bibliográfico na disciplina de homeopatia, visto que só existiam no DeCS três termos referentes à especialidade. Os autores montaram um vocabulário de descritores homeopáticos, que foi incorporado pela BIREME, como uma nova categoria, ao DeCS.

Azevedo, Población, Goldenberg1 estudaram 46 artigos publicados na Acta Cirúrgica Brasileira, no sentido de pesquisar o grau de adequação da indexação dos autores e daquela feitas pela BIREME. Concluíram que: (1) os autores não consultaram o DeCS com a intensidade que era desejável; (2) o DeCS ofereceu terminologia médica adequada para a indexação, entretanto novos descritores mereciam ser incluídos, enquanto outros necessitavam revisão; (3) os indexadores da BIREME se ressentiam da falta de embasamento especializado na área biomédica; (4) havia necessidade de os autores conhecerem melhor o DeCS e de os indexadores da BIREME terem uma assessoria especializada na área biomédica.

Lowe e Barnett7 reviram a estrutura e o uso do MeSH, ressaltando de que maneira este vocabulário podia contornar as dificuldades encontradas em pesquisa na MEDLINE. Concluíram que a crescente importância desta base de dados e a tendência de os próprios usuários realizarem seus levantamentos bibliográficos tornavam crucial que os profissionais da saúde se familiarizassem com o MeSH.

No VI Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Rio de Janeiro, Rosas e Guimarães10 apresentaram pôster sobre a utilização do DeCS por autores de comunicações científicas de um periódico nacional – o Jornal de Pneumologia. Verificaram que nos fascículos, publicados em 1996, não havia menção de descritores em 29% dos artigos e que a metade dos descritores empregados não se encontrava no DeCS.

A amostra desta pesquisa foi constituída pelas teses e dissertações defendidas no Curso de Mestrado em Tisiologia e Pneumologia do IDT-UFRJ, as quais deviam obedecer às normas do FATED - Formato e Apresentação de Teses ou Dissertações de Pós-Graduação. Rio de Janeiro: UFRJ, 1979.

No FATED, as instruções para elaboração da ficha catalográfica, em seu quarto parágrafo, determinavam que no número 1 se escrevesse a palavra-chave que indicasse o assunto principal da tese; de preferência, deviam-se indicar outras três palavras-chave, numerando-as com os algarismos 2, 3 e 4, respectivamente. Havendo apenas três termos, a palavra "Teses" vinha numerada com o algarismo 4. A primeira letra das palavras-chave deve ser escrita em maiúscula.

No DeCS, o termo "teses" – não existia na forma singular – remetia para o descritor DISSERTAÇÕES ACADÊMICAS. Porém, este descritor só devia ser utilizado quando o assunto do trabalho a ser indexado tratasse de teses ou dissertações.

Nesta pesquisa, o termo "dissertação" foi considerado sinônimo de "teses". Assim, treze (45%) dentre os 29 autores utilizaram os termos "teses", "tese" e "dissertação", na elaboração das fichas catalográficas, obedecendo à normalização do FATED. Por este motivo, estes termos foram excluídos de qualquer análise, pois os autores os utilizaram compulsoriamente.

Cabe ressaltar que as fichas catalográficas de todas as teses e dissertações foram elaboradas, exclusivamente, pelos autores e seus orientadores.

Os resultados desta pesquisa, que consistiu na avaliação da indexação das teses e dissertações do Curso de Mestrado em Tisiologia e Pneumologia do IDT-UFRJ, evidenciaram a necessidade da participação de um profissional da área de biblioteconomia na elaboração das fichas catalográficas.

 

CONCLUSÃO

Catorze por cento dos autores, das teses e dissertações do Curso de Mestrado em Tisiologia e Pneumologia do IDT-UFRJ (1990 a 1996), utilizam adequadamente o DeCS (Descritores em Ciências da Saúde).

 

REFERÊNCIAS

1. Azevedo JLMC, Población DA, Goldenberg S. Descritores (unitermos) nos artigos científicos. Acta Cir Bras 1990;2:35-58.        [ Links ]

2. Cintra AMM. Elementos de lingüística para estudos de indexação. Ci Inf 1983;1:5-22.        [ Links ]

3. Cintra AMM, Tálamo MFGM, Lara MLG, Kobashi NY. Para entender as linguagens documentárias. São Paulo: Polis/APB; 1994.        [ Links ]

4. BIREME. DeCS - Descritores em Ciências da Saúde. São Paulo: BIREME/OPAS, 1988.         [ Links ]

5. BIREME. DeCS – Descritores em Ciências da Saúde. 2.ed. São Paulo: BIREME/OPAS, 1992.         [ Links ]

6. Guinchat C, Menou M. Introdução geral às ciências e técnicas da informação e documentação. Brasília: IBICT; 1994.        [ Links ]

7. Lowe HJ, Barnett GO. Understanding and using the Medical Subject Headings (MeSH) vocabulary to perform literature searches. J Am Med Assoc 1994;14:1103-8.         [ Links ]

8. Mesquita Jr. A, Cepeda LMR, Bella S. Indexação bibliográfica computadorizada em homeopatia: uma revolução no estudo e na pesquisa. Rev Homeopatia 1990;3:80-2.        [ Links ]

9. UNISIST. Princípios de indexação. Rev. Escola de Biblioteconomia. Univ Fed Minas Gerais 1981;1:83-94.        [ Links ]

10. Rosas P, Guimarães CA. Descritores em ciências da saúde em periódico nacional. Pulmão-RJ 1997;3 supl.:41.        [ Links ]

11. Thornton JL. Indexação de obras de medicina. In: Knight GN,editor. Treinamento em indexação. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas; 1974. p 141-50.         [ Links ]

 

 

Rosas P, Guimarães CA, Júdice LF, Ferreira CAC, Válio EBM. Subject headings in health sciences regarding Master and PhD degrees thesis on respiratory diseases. Acta Cir Bras [serial online] 1999 Jan Mar; 14(1). Available from: URL: http://www.scielo.br/acb.htm

SUMMARY: The process of indexing consisted of two phases: firstly, to identify and represent the intellectual contents of a document; and secondly, the translation of the subject analysis into a specified languague, with the aid of subject headings.
At the Instituto de Doenças do Tórax da UFRJ medical library, the indexing of biomedical journals and theses was performed through a controlled vocabulary – the DeCS (Subject Headings on Health Sciences).
The purpose of this study was to identify if the authors of Master Degree thesis on respiratory diseases were using the DeCS for indexing.
The subject headings of 29 Master theses from 1990 through 1996 were studied. The data collection showed that 29 authors employed 101 subject headings (3,48 headings/author). Four (14%) of authors utilized adequate subject headings from the DeCS.
In conclusion: fourteen per cent of authors of Master theses on respiratory diseases employed correctly the subject headings.
SUBJECT HEADINGS: Abstracting and indexing. Vocabulary, controlled. Subject Headings. Dissertations, academic. Respiratory tract diseases.

 

 

 

Endereço para correspondência:
Patrícia Rosas
Rua Carlos Seidl, 813
20931-000 – Rio de Janeiro-RJ
Tel/Fax: 580-8336/8532
e-mail: biblidr@iis.com.br

 

 

 

1 – Trabalho do Instituto de Doenças do Tórax da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
2 - Bibliotecária do Instituto de Doenças do Tórax da UFRJ, mestra em biblioteconomia da PUCCAMP.
3 - Professor Adjunto de Medicina da UFRJ.
4 - Professor Titular de Medicina da UFF.
5 - Doutor em Medicina da UFESP.
6 - Professora Doutora do Departamento de Pós-graduação em biblioteconomia da PUCCAMP.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License