SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue4Aterial titanium clip and stitch ligation in dogs: experimental study in a pump machineQuantitative analysis of physiological waves of small intestine after ordered and partial plication of ileum in rats author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Cirurgica Brasileira

On-line version ISSN 1678-2674

Acta Cir. Bras. vol.16 no.4 São Paulo Oct./Nov./Dec. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-86502001000400007 

7 - ARTIGO ORIGINAL

EFEITOS DA TELA DE POLIPROPILENO NO TESTÍCULO, EPIDÍDIMO E DUCTO DEFERENTE DE CÃES1

 

Alberto Goldenberg2
Jacques Matone3
Wagner Marcondes4
Gustavo Focchi5

 

 

Goldenberg A, Matone J, Marcondes W, Focchi G. Efeitos da tela de polipropileno no testículo, epidídimo e ducto deferente de cães. Acta Cir Bras [serial online] 2001 Out-Dez;16(4). Disponível em: URL: http://www.scielo.br/acb.

RESUMO: Objetivo: Investigar os efeitos da tela sintética sobre o testículo, epidídimo e ducto deferente de cães. Métodos: Foram utilizados 10 cães, machos, adultos, pesando entre 9 e 12 kg. Os animais, após realizada anestesia, foram submetidos à laparoscopia com formação de pneumoperitônio por incisão em linha mediana. Era então fixada tela de polipropileno, de dimensões 2,5X3,5 cm² na região inguinal esquerda do cão em contato direto com o funículo espermático, com o uso de grampos metálicos, sem dissecar a região. O lado direito, sem colocação de tela, serviu de controle. O procedimento tinha duração de 15 minutos. Após observação pós-operatória de 30 dias, os animais eram novamente anestesiados e reoperados sendo o testículo e ducto deferente retirados e enviados para análise histológica. Análise estatística foi realizada com os dados obtidos desta análise. Resultados: No lado esquerdo, as secções histológicas de testículo revelaram focalmente, diminuição da espermatogênese e processo degenerativo em 20% dos animais. No epidídimo, observou-se inflamação crônica e dilatação dos túbulos seminíferos em 70%. No ducto deferente foi observado processo inflamatório crônico em 60% dos cães. Não foram verificadas alterações histológicas no lado contralateral. Conclusão: A tela de polipropileno em contato com o funículo espermático de cães provoca alterações histológicas com discreta redução da espermatogênese.

DESCRITORES: Hernioplastia. Laparoscopia. Infertilidade.

 

 

INTRODUÇÃO

A cada ano, cerca de 650.000 correções de hérnias inguinais são realizadas nos Estados Unidos. Estes procedimentos apresentam índices de recidiva entre 7,6 e 15,3% (1).

Evidências morfológicas e bioquímicas de homens adultos portadores de hérnia inguinal estão associadas à distúrbios metabólicos do colágeno no tecido fibroconectivo da região inguinal, estando as fibras de colágeno com diâmetro reduzido. A utilização deste tecido enfraquecido para correção do defeito herniário é imprópria, enquanto que reforço empregando tela sintética propicia uma técnica sem tensão, sendo a abordagem mais efetiva (2).

A tela pode ser utilizada tanto em operações por via convencional quanto por via laparoscópica (3). O uso da tela sintética pode provocar complicações, como infecção (4,5,6). Há relatos de pacientes com infertilidade que tem em comum correção de hérnia inguinal com uso de tela sintética (7,8). Os efeitos da tela sobre o funículo espermático e testículo são pouco conhecidos. Há necessidade de estudos desses efeitos, já que não foram encontrados na literatura trabalhos com este objetivo.

 

OBJETIVO

Investigar os efeitos da tela sintética sobre o testículo, epidídimo e ducto deferente de cães.

 

MÉTODOS

Amostra

Foram utilizados 10 cães, machos, adultos, aparentemente hígidos, pesando entre 9 e 12 kg, sem raça definida, alojados no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, provenientes da Prefeitura Municipal de São Paulo.

O trabalho foi aprovado pela Comissão de Ética em procedimentos experimentais do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. O manuseio dos animais esteve de acordo com os princípios éticos propostos pelo Colégio Brasileiro de Experimentação Animal.

 

Procedimentos

Os animais foram submetidos à anestesia com acetato de acepromazina 0,2% (0,2mg\kg) por via intramuscular e com tiopental sódico na dose de 12,5mg/kg peso, por via endovenosa. Os animais anestesiados eram entubados e mantidos sob respiração espontânea.

 

Ato operatório

Após raspagem dos pêlos, eram submetidos à incisão mediana de 1,5 cm acima da cicatriz umbilical onde era inserida agulha de Veress para produção do pneumoperitônio com CO2 à pressão de 10 mmHg. Por essa incisão passou-se um trocarte de 10 mm para colocação da ótica. Foram introduzidos dois outros trocarteres, um de 12 mm em flanco direito e um de 5 mm em flanco esquerdo (Fig. 1).

 

 

Era fixada tela de polipropileno, de dimensões 2,5X3,5 cm² na região inguinal esquerda do cão em contato direto com o funículo espermático, com o uso de grampos metálicos, sem dissecar a região e portanto sem manipulação. O lado direito, sem colocação de tela, serviu de controle. O tempo de cada operação foi de 15 minutos. A cavidade abdominal era desinsuflada e depois de retirados os trocarteres, a parede abdominal foi suturada por planos com fio monofilamentar 3-0. A analgesia foi realizada com Buscopan (uma gota via oral por kg de peso), segundo orientação veterinária. Os cães foram mantidos em observação por 30 dias, com livre acesso à ração padrão e água. Realizou-se observação diária, com controle da alimentação e evacuação do animal, bem como avaliação das cicatrizes teciduais. Em seguida, os animais foram novamente anestesiados e submetidos à reoperação para retirada do funículo espermático (por via laparoscópica) e testículo (via escrotal) do lado esquerdo e do lado direito (controle).

Após o procedimento, a anestesia era aprofundada com Thionembutal e em seguida os animais eram submetidos à eutanásia com injeção de uma ampola de cloreto de potássio endovenoso.

 

Estudo histológico

As peças foram enviadas para o Departamento de Patologia da UNIFESP-EPM.

Eram fixadas em líquido de Bouin. Foram obtidos cortes do testículo, do epidídimo e do ducto deferente, incluídos em parafina. A partir dos blocos obtidos, realizaram-se cortes de 5 m m de espessura, cujas lâminas foram coradas pela técnica da hematoxilina e eosina.

 

Análise estatística

O estudo estatístico foi realizado mediante teste do Qui-quadrado corrigido pelo índice de Yates, adotando-se grau de liberdade = 1. Em todos os testes, era fixado em 0,05 ou 5% o nível para rejeição da hipótese de nulidade.

 

RESULTADOS

Aspectos macroscópicos

Na reoperação, não se evidenciou qualquer alteração em relação ao tamanho dos testículos. Foram encontradas aderências no local de fixação da tela em 7 cães (Fig. 2), sendo que no lado contra-lateral, não havia aderências.

 

 

Essas aderências foram facilmente descoladas. A tela ficou fixa à parede abdominal em todos os animais. Não houve dificuldade de isolamento e retirada do ducto deferente, tanto do lado esquerdo (tela) como do outro lado (sem tela).

 

Aspectos microscópicos

No lado esquerdo, onde foi colocada a tela, as secções histológicas de testículo mostraram focalmente, diminuição da espermatogênese (Tabela 1) e processo degenerativo em 20% dos animais (p<0,25). As alterações testiculares encontradas consistiam principalmente de redução no desenvolvimento das células germinativas, associada com discreta proliferação de fibroblastos e formação de infiltrado inflamatório. Em 2 animais, as espermatogônias ocupavam posição mais central, apresentando lentificação na transformação em espermatozóides. Havia presença de espermátide multinucleada (Fig. 3), característica de processos degenerativos, como a criptorquidia e infertilidade.

 

 

 

Em relação ao epidídimo, além da dilatação dos túbulos seminíferos, havia a presença de edema intersticial denotando processo inflamatório.

Observou-se inflamação crônica e dilatação dos túbulos seminíferos em 70% (p<0,05) (Tabela 2).

 

 

No ducto deferente, notou-se processo inflamatório granulomatoso tipo corpo estranho, no local em contato com a tela (Fig. 4).

 

 

Foi observado processo inflamatório crônico em 60% dos cães (p<0,05) (Tabela 3).

 

 

Não foram verificadas alterações histológicas no lado contralateral, sem a fixação de tela. Em nenhuma peça notou-se sinais de isquemia.

 

DISCUSSÃO

Na operação para correção de hérnia inguinal por via laparoscópica, com uso de tela sintética como reforço, o funículo espermático fica bem próximo à prótese. Os efeitos que este corpo estranho poderia causar sobre os elementos do funículo espermático não são bem conhecidos. Não encontramos na literatura trabalhos que analisem estes efeitos. Estudos clínicos prospectivos com este propósito são muito difíceis de serem realizados, tendo o procedimento experimental sido escolhido para este trabalho.

O cão possui uma região inguinal bem semelhante à do homem, propiciando um adequado modelo experimental. A técnica anestésica mostrou-se eficiente para o procedimento. A operação proposta foi realizada adequadamente, não tendo ocorrido qualquer dificuldade técnica bem como não houve complicações ou mortalidade.

É relatado na literatura que o índice de complicações pós-operatórias da hernioplastia laparoscópica é de 10 a 17% (4,9,10,11), dentre elas hematoma, seroma, neuralgia e infecção da tela. Os organismos mais comumente relacionados à este tipo de infecção são o Staphylococcus aureus e bactérias entéricas (12,13,14).

A hernioplastia laparoscópica tem sido cada vez mais indicada para casos específicos de hérnia inguinal, como situações de hérnias bilaterais e Nyhus III e IV (9,15). O uso da prótese como reforço vem sendo cada vez mais utilizada e mais estudada. A correção de hérnia inguinal com uso de tela sintética tem sido relacionada com infertilidade (8,9). Este estudo visou investigar se o contato da tela com o funículo espermático pode ser causa de infertilidade para o cão, por meio de estudo histológico da espermatogênese do animal.

As alterações na espermatogênese encontradas, além de não serem estatisticamente significativas, não são importantes o suficiente para ser causa de esterilidade. No entanto, as discretas alterações notadas apontam para uma reação tecidual capaz de comprometer a linhagem de espermatozóides.

A inflamação presente no epidídimo pode se alastrar por continuidade direta, pelos canais tubulares ou pelos linfáticos até os testículos, desencadeando reação inflamatória semelhante nestes.

No presente estudo, os resultados encontrados apontam para o fato de que a tela sintética, fixada na região inguinal de cães, não é totalmente inócua. Embora não presentes em todos os animais, as alterações notadas alertam para o uso cauteloso da prótese.

Há necessidade de outros estudos para termos evidências de que a tela sintética, com seu uso crescente, não apresenta importantes efeitos colaterais. A associação de infertilidade com a utilização da tela é ainda, motivo de questionamento e investigação.

 

CONCLUSÃO

A tela de polipropileno em contato com o funículo espermático provoca discreta redução da espermatogênese, em cães.

 

AGRADECIMENTO

Dr. Paulo Valente, veterinário, pela inestimável colaboração no tratamento dos animais.

 

REFERÊNCIAS

1. Brandon WJM. Inguinal hernia: the unpredictable result. Br J Surg 1946;34:13-88         [ Links ]

2. Lichtenstein IL, Shulman AG, Amid PK. The tension free hernioplasty. Am J Surg 1989;157:188-93.         [ Links ]

3. Nyhus L M, Klem M S, Rogers F B. Inguinal hernia. Curr Probl Surg 1991;6:401-50.         [ Links ]

4. Philips E H, Arregui M, Carroll B J, et al. Incidence of complications following laparoscopic hernioplasty. Surg Endosc 1995;9:16-21.         [ Links ]

5. Avtan L, Avci C, Bulut T, Fourtanier G. Mesh infections after laparoscopic inguinal hernia repair. Surg Laparosc Endosc 1997;7:192-5.         [ Links ]

6. Arnaud JP, Eloy R, Adloff M and Grenler JF. Critical evaluation of prosthetic materials in repair of abdominal wall hernias. Am J Surg 1977;133:338-45.         [ Links ]

7. Yavetz H, Harash B, Yogev L, Hoimmonai Z T, Paz G. Fertility of men following inguinal hernia repair. Andrologia 1991;23:443-6.         [ Links ]

8. Wantz G E. Testicular atrophy as a risk of inguinal hernioplasty. Surg Gynecol Obstet 1982;154:570-1.         [ Links ]

9. Memon MA, Rice D and Donohue JH. Laparoscopic herniorraphy. J Am Coll Surg 1997;184:325-33.         [ Links ]

10. Arregui M. Complications of laparoscopic repair of groin hernias: an analysis of mechanism of occurrence and prevention. Endosc Lap Min Inv Surg 1994;1:159-78.         [ Links ]

11. Amid PK, Shulman AG, Lichtenstein IL, Hakakha M. Biomaterials and hernia surgery: rationale for using them. Rev Esp Enferm Dig 1995;87:582-6.         [ Links ]

12. Gilbert AI, Felton LL. Infection in inguinal hernia repair considering biomaterials and antibiotics. Surg Gynecol Obstet 1993;177:126-30.         [ Links ]

13. Berliner SD. Clinical experience with an inlay expanded polytetrafluorethylene soft tissue patch as an adjunct in inguinal hernia repair. Surg Gynecol Obstet 1993;176:323-6.         [ Links ]

14. Bauer JJ, Salky BA, Gelernt IM, Kreel I. Repair of large abdominal wall defects with PTFE-e. Ann Surg 1887;206:765-9.         [ Links ]

15. Misra MC, Bal S, Dewan N and Srivastava A. Laparoscopic hernia repair – what are the results ? Ann Acad Med Singapore 1996;25:737-41.         [ Links ]

 

 

Goldenberg A, Matone J, Marcondes W, Focchi G. Effects of the polypropilene mesh in the testicle, epididimus and ductus deferens of dogs. Acta Cir Bras [serial online] 2001 Oct-Dec;16(4). Available from: URL: http://www.scielo.br/acb.

ABSTRACT: The aim of this study was to investigate the effects of the synthetic mesh on the ductus deferens and testicle of dogs. Ten adult male dogs were anesthetized and a 2,5X3,5 cm² polypropilene mesh was fixed in the inguinal region in direct contact with the ductus deferens, using metallic staples without dissection of the region and therefore, without manipulation. The right side, with no mesh was the control. . The operative time was 15 minutes. The animals were observed for 30 days and after that, they were again anesthetized and underwent new operation when the ductus deferens and the testicle were removed and sent to histological analysis. The histological sections of the testicle showed a focal reduction of the spermatogenesis in 20 % and a degenerative process in 20 % of the animals. In the epididimus, chronic inflammation and seminiferous tubules dilatation were observed in 70 %. A chronic inflammatory process was found in 60 % of the vas deferens. The polypropilene mesh in direct contact with the spermatic funiculus in dogs causes histological alterations with minimal reduction on spermatogenesis.

KEY WORDS: Hernioplasty. Laparoscopy. Infertility.

 

 

Conflito de interesses: nenhum
Fontes de financiamento: Fapesp

Endereço para correspondência:
Prof. Dr. Alberto Goldenberg
Rua Barão de Santa Eulália, 300/131
São Paulo – SP
05685-040

Data do recebimento: 25/07/2001
Data da revisão: 21/08/2001
Data da aprovação: 14/09/2001

 

 

 

1. Trabalho realizado no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia e Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM).
2. Professor Adjunto da Disciplina de Gastroenterologia Cirúrgica do Departamento de Cirurgia da UNIFESP-EPM
3. Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).
4. Pós Graduando do Curso de Pós-graduação em Gastroenterologia Cirúrgica da UNIFESP-EPM.
5. Médico Residente do Departamento de Patologia da UNIFESP-EPM.