SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue1Left gastric vein as an alternative of portal revascularization in liver transplantExangue. Embolia. Valvas Cardíacas author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Cirurgica Brasileira

Print version ISSN 0102-8650On-line version ISSN 1678-2674

Acta Cir. Bras. vol.17 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2002

https://doi.org/10.1590/S0102-86502002000100011 

11 – PONTO DE VISTA

CIRURGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS. MODISMO OU NECESSIDADE?

 

Alberto Schanaider1

 

 

Schanaider A. Cirurgia baseada em evidências: modismo ou necessidade. Acta Cir Bras [serial online] 2002 Jan-Fev;17(1). Disponível em: URL: http://www.scielo.br/acb.

 

 

INTRODUÇÃO

O tema faz parte do amplo espectro conceitual da Medicina Baseada em Evidências (MBE). Evidência significa certeza manifesta. A Cirurgia Baseada em Evidência poderia ser definida como uma matéria (ou conteúdo disciplinar) que visa buscar a melhor evidência, proveniente de pesquisas aplicadas e relacionadas à atenção a saúde, no paciente cirúrgico, em prol de uma prática mais eficiente e cujos resultados sejam os melhores possíveis, beneficiando a comunidade atendida.

Este assunto, nos últimos anos, tem sido extensamente explorado e, ao criar uma superexposição, por vezes adquire uma conotação de modismo. Cirurgiões consagrados e com longos anos de prática estranham o uso da evidência em cirurgia como algo novo. Indiscutivelmente, a evidência como substrato da construção do saber é uma prática secular. Newton, Copérnico, Galileu, Vesálio, Ambroise Paré, Pasteur, Francis Bacon e tantos outros consubstanciam esta assertiva. A epistemologia do conhecimento, alicerçada no estudo crítico dos princípios, hipóteses e resultados das ciências já constituídas, há muito determinava os fundamentos lógicos e o alcance objetivo das evidências. Entretanto, mediante o uso de amostras confiáveis e reprodutíveis, com validade externa, em estudos de coorte, aleatórios, duplo-cegos e controlados, paulatinamente, a evidência foi adquirindo uma maior relevância no cenário científico, a par do empirismo pouco consistente. Este é o cerne da questão.

 

MBE E A PRÁTICA CLINICO-CIRÚRGICA

A polêmica sobre o tema é previsível, porquanto a medicina e ou cirurgia baseada em evidências também podem servir para a elaboração de sofismas, em um discurso favorável a contenção dos custos, sob a égide do Managed Care. Sabemos que a medicina, nos moldes atuais, não subsistirá se dela não obtivermos a máxima eficiência, dentro do menor custo, desde que não nos afastemos do atendimento recomendável e adequado a cada situação, ambas premissas que devem ser respeitadas e acatadas, acima de qualquer outra consideração. É preciso considerar que a população brasileira está envelhecendo e portanto, a fase de lucro exorbitante e que outrora enriqueceu e deu prosperidade a poucos, agora transforma-se em despesas (balanço negativo) concretas, pois muitos conveniados pactuaram seus contratos há mais de duas ou três décadas. O Estado, da mesma forma, está preocupado com a demanda, que onera, sobremaneira, os cofres públicos, já que cerca de 4/5 de nossa população não dispõem de recursos próprios para este fim e exigem o cumprimento do preceito constitucional (saúde é um dever do Estado). Ora, as ações no âmbito da saúde, em um cenário neoliberal, tem como um dos seus sustentáculos o apoio obtido com a venda da imagem de um atendimento amplo e irrestrito. De fato, há o apego aos números, a quantidade, infelizmente, em detrimento da qualidade. Assim, no modelo de gestão neoliberal da saúde, a Medicina Baseada em Evidência sustenta alguns erros entremeados da adoção de medidas corretas. A adoção da postura firme, aplicada aos genéricos no combate a SIDA, exemplifica uma medida meritória. Já ações voltadas a triagem de paciente diabéticos se afiguram como, no mínimo, paradoxais. Estes tipo de conduta (exames de rastreamento em grandes populações) tem baixo valor preditivo positivo. No Rio de janeiro, estima-se que campanhas deste gênero, para a detecção da diabetes, identifiquem a doença em cerca de 7% da população estudada. Alguns grandes inconvenientes sobressaem. O estigma do diagnóstico desencadeará um aumento do estresse para a família e para o paciente. Este precisará efetuar novos exames para confirmar o diagnóstico e irá esperar meses para que seja agendada uma consulta, nos postos de saúde ou hospitais sobrecarregados com a demanda. Não teria sido mais adequado convocar a população exposta aos fatores de risco (obesidade, história familiar, etc) e não todo o cidadão acima de 40 anos? Nossos postos de saúde estão estruturados (equipes, laboratórios) para atender tamanho contigente da população? Quantos pacientes com diabetes serão, efetivamente acompanhados a longo prazo e irão aderir as medidas de prevenção? Qual o custo desta empreitada considerando os milhares de kits laboratoriais necessários para a avaliação sangüínea? Sejamos objetivos. Há múltiplos interesses envolvidos nesta questão. Sem a evidência epidemiológica de dados confiáveis acerca do diabetes, sem a devida análise crítica quanto a validade e aplicabilidade clínica dos testes laboratoriais, na ausência de respostas sobre a estratégia frente ao diagnostico da doença, torna-se prematura e inconsistente a geração de ações tão amplas e caras. De fato, quando a medicina é conduzida pelo manto da economia distorções consideráveis podem sobrevir.

Muito se discute acerca da vantagem para um paciente, do uso de uma determinada terapêutica cirúrgica. Importa a sobrevida, que irá refletir quão hábil o cirurgião foi, porém a qualidade de vida adquire uma conotação secundária. O cirurgião preocupa-se com a imagem de exímio profissional capaz de solucionar, tecnicamente, grandes problemas com procedimentos complexos. Geralmente o desfecho é relegado a um segundo plano, ou é desconsiderado.

Outro aspecto relevante diz respeito a validação social. Os ricos, em face da possibilidade de custear melhores serviços, terão melhores resultados/benefícios. O tratamento domiciliar de uma síndrome de intestino curto diminui os custos da assistência médica já que não há dispêndio de hotelaria hospitalar, mas eleva o custo na comunidade. Traz benefícios de ordem psico-social, mas poucos podem manter esta infra-estrutura .

Existe um trabalho, muito interessante, de O’Brien e colaboradores, no qual faz-se uma análise das relações efetividade/custo, no que tange as possibilidades de desfecho de uma doença, em um grupo tratado e que foi comparado a um grupo controle, ou mesmo avaliando-se, comparativamente, dois fármacos.

 

 

Depreende-se que se o tratamento estiver vinculado a um menor custo e for mais efetivo do que não fazer nada, a adoção desta conduta deverá ser aceita pois tem uma indicação fortemente dominante. Erradicar o Helicobacter pylori no tratamento da úlcera duodenal é mais eficiente do que suprimi-lo com o uso de antagonista de receptor de prótons, porquanto resulta em menor custo e pouca recorrência de doença ulcerosa após o período de um ano. Ressaltamos que a prioridade da escolha deve ter como fulcro o beneficio ao paciente. O custo pode ter um impacto relevante, mas jamais deverá servir de justificativa para que seja negado o tratamento necessário e adequado. Se não houver recursos é preciso busca-los. Transformar a medicina em um balcão de negociações do quantum que se pode pagar, ou do valor disponível para se obter um ano a mais de sobrevida é antiético e ultrapassa os limites dos princípios que norteiam o exercício da medicina.

Precisamos ainda, considerar que há uma fragilidade muito grande na nossa formação médica. Quantos de nós, cirurgiões, sabemos trabalhar com indicadores de acurácia, sensibilidade, especificidade. Qual a acurácia da ultra-sonografia no diagnóstico da apendicite aguda? Há substrato científico para solicitarmos coagulograma, como rotina pré-operatória, em todos os paciente? A colangioressonân-cia magnética apresenta maior sensibilidade e especificidade para avaliação de afecções obstrutivas do trato biliar do que a colangiopancreatografia endoscópica retrógrada? Qual o "padrão ouro" de exame na investigação de uma hemorragia digestiva oriunda do intestino delgado? A melhor opção para o tratamento da obstrução coronariana é a angioplastia, o uso de stent, ou a cirurgia? As respostas a estas e outras perquirições, na maioria das vezes, sobrevêm de repetições de conceitos incutidos por preceptores pouco informados e que por sua vez ouviram falar sobre o assunto. Há muito encontra-se arraigado, no imaginário popular, a necessidade de exames múltiplos para detecção precoce de câncer de mama, próstata, estômago, para osteoporose, entre outros. Em geral, há uma intensa procura por métodos propedêuticos, a exemplo de estudos por imagem ou mesmo marcadores genéticos. Alguns médicos contribuem para este comportamento, pois entendem que quanto mais exame solicitarem maior o benefício ao paciente, pois, supostamente, aumentariam a probabilidade de um diagnóstico precoce. Subliminarmente não percebem que a propaganda da indústria farmacêutica incentiva esta prática. Ignoram que existe uma porcentagem de erros e desvios nos resultados e sequer interpretam a distribuição destes (curva de Gauss). Outras vezes, o ato é intencional pois vai ao encontro da obsessão do paciente. É preciso saber se estas posturas são consubstanciadas por resultados de estudos adequados, bem conduzidos fruto da busca eficiente da informação científica, do espirito crítico e da capacidade de interpretação dos dados (estudo bem desenhado, com significado amplo, validade e significância estatística).. Na maioria das vezes não o são.

 

MBE E O ENSINO

Neste contexto, portanto, é essencial considerar o perfil do médico. Na estrutura curricular atual da grande maioria das nossas Faculdades, e que já ultrapassaram a casa da centena, e na pós-graduação lato sensu (Residência Médica, especialização), os alunos conhecem muito bem a fisiopatologia das doenças, aprendem a realizar uma anamnese e exame físicos de modo eficiente, são capazes de solicitar exames complementares sintonizados com a tecnologia de ponta disponível. Diagnosticam a maior parte das afecções e tratam-nas com fármacos de última geração. Sabem indicar a cirurgia correta. Contudo, esta medicina gera altos custos e tem uma eficiência questionável. Neste modelo, formam-se, predominantemente, assistencialistas, pesquisadores eventuais e educadores esporádicos. Este médico destina pouca atenção aos aspectos bioéticos da relação médico-paciente e domina muito pouco epidemiologia, metodologia científica, bioestatística, saúde ocupacional/comunitária. Faz-se mister que o médico/cirurgião do terceiro milênio esteja apto para dominar a prática assistencialista, assim como possa atuar na prevenção e também na organização do sistema de saúde. Cumpre ainda o papel de pesquisador e educador. Deve avaliar permanentemente a qualidade de suas intervenções e de seus resultados. Deve estudar a eficácia do sistema e conhecer os indicadores de saúde da população que atende. Trata-se de um profissional que compara e avalia, de modo constante, a probabilidade de êxito e o custo/benefício entre diversos tratamentos. Resolve problemas de complexidade crescente, em cenários diversos de trabalho, de forma autônoma e flexível, absorvendo situações novas. É capaz de desenvolver competências aplicando os conhecimentos, habilidades e atitudes em benefício da população e ou do paciente. Reveste-se de uma postura que integre os elementos éticos e do pensamento crítico, requeridos para confrontar a realidade e fazer propostas de melhora do atendimento de saúde. A construção deste profissional é longa e demanda investimentos. O aluno precisa ter acesso ao uso da informática (programas Medline, Lilacs, Bireme, etc) e às bibliotecas cujos acervos estejam atualizados. Nestes locais, irá buscar as melhores evidências. É claro que o contato com centros de excelência e a convivência com experts compõem a instrumentalização da prática da cirurgia baseada em evidências. Há uma tendência para considerar o professor com anos de experiência cirúrgica, como anacrônico, defasado cientificamente e propenso ao empirismo (achismo). Nada mais impróprio do que este raciocínio. Enfatiza-se que a opinião do médico experiente não deve ser relegada a um plano secundário, mas valorizada como mais um subsídio a mais no universo das evidências. Qual de nós não optaria por ser operado pelo cirurgião que seja referência no âmbito de uma determinada cirurgia (pois já efetuou centenas delas) e com excelentes resultados. Ou preferiríamos o cirurgião que detém todo o conhecimento epidemiológico de uma doença, opera de acordo com a tendência mundial, mas seus resultados são insatisfatórios? A Cirurgia Baseada Evidências não dimensiona a habilidade, a conduta e a técnica do cirurgião. Dela se extraem números, dados e probabilidades.

Formar recursos humanos qualificados e preparados para o exercício pleno da cirurgia baseada em evidências é tarefa árdua e que não pode prescindir de infra-estrutura adequada para a construção do saber. O treinamento em serviço e a prática diária não podem prescindir das atividades e da convivência em um hospital escola, com centro cirúrgico e emergência. Também não pode ser negligenciada a atuação dos tutores ou professores e que precisam de cursos de reciclagem e capacitação para se preparar em face deste novo paradigma.

 

CONCLUSÕES

A adoção da Cirurgia Baseada em Evidências congrega o potencial de melhorar a qualificação profissional mediante o desenvolvimento de competências. Contribuí para fomentar a pesquisa e otimizar os uso de métodos diagnósticos e a objetividade do tratamento. Com isto, melhores perspectivas prognosticas e de expectativa de vida surgirão. Os custos no atendimento do paciente serão reduzidos e a melhora da qualidade de vida advirá como uma conseqüência natural deste processo. Exercer a cirurgia com arte, consciente e " com ciência", mais do que uma tendência, representa uma compromisso peremptório.

 

REFERÊNCIAS

  1. Black N. Evidence-based surgery: a passing fad? World J Surg 1999; 23:789-93.
  2.         [ Links ]

  3. Eisenberg JM. Clinical economics: a guide to the economic analysis of clinical practices. JSMS 1989;262:879-86.
  4.         [ Links ]

  5. Feinstein AR. Clinical edemiology: the architecture of clinical research. W.B. Saunders Co; 1985.
  6.         [ Links ]

  7. Gomes MM. Fundamentos para a pesquisa e melhores decisões clínicas: cadernos didáticos da UFRJ Sub-Reitoria de Ensino de Graduação e Corpo Discente/SR-1; 1994.
  8.         [ Links ]

  9. Gomes MM. Medicina baseada em evidências. In: Gomes MM. Medicina baseada em evidências: princípios e práticas. Rio de Janeiro: Editora Reichmann & Affonso; 2001. p 1-13.
  10.         [ Links ]

  11. Hulley S, Cummings S. Design clinical research: an epidemiologic approach. Baltimore: Williams & Wilkins; 1988.
  12.         [ Links ]

  13. O’Brien BJ, Heyland D, Richardson S, Levine M, Drummond MF. Users’ gides to the medical literature. JAMA 1997;277:1802-6.
  14.         [ Links ]

  15. Sauerland S, Lefering R, Neugebauer EA. The pros and cons of evidence-based surgery. Langenbecks Arch Surg 1999; 384:423-31
  16.         [ Links ]

  17. Schanaider A; Ribeiro VB; Valloadares AF; Jamel N. Reestructuración del progama de bases científicas da cirugía para alumnos de la Facultad de Medicina de la Universidad Federal de Rio de Janeiro. CD-ROM del Primer Congreso Internacional de Investigación en Educación Médica. México; 2000.
  18.         [ Links ]

  19. Udvarhelyi IS, Colditz GA, Rai A, Epstein MA. Cost-efectiveness and cost-benefit analysis in the medical literature: are cost-benefit analysis in the medical literature: are the methods being used correctly? Ann Intern Med 1992; 116:238-44.
  20.         [ Links ]

  21. Urschel JD, Goldsmith CH, Tandan VR, Miller JD. Users' guide to evidence-based surgery: how to use an article evaluating surgical interventions: evidence-based surgery working group. Can J Surg 2001;44:95-100.
  22.         [ Links ]

     

     

Endereço para correspondência:
Alberto Schanaider
R. Eurico Cruz, 33/603
Rio de Janeiro – RJ
22461-200

Data do recebimento: 14/09/2001
Data da revisão: 21/10/2001
Data da aprovação: 03/11/2001

 

 

 

1. Professor Adjunto do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro e do HUCFF. Coordenador de Graduação do Centro de Ciências da Saúde da UFRJ.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License