SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 issue1One layer end to side choledochusduodenal anastomosis with evertion of the choledochus wall in swinesCopaiba oil effect in rats aminotrasnferases submitted to hepatic ischemic and reperfusion with and without preconditioning author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Cirurgica Brasileira

Print version ISSN 0102-8650On-line version ISSN 1678-2674

Acta Cir. Bras. vol.20 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2005

https://doi.org/10.1590/S0102-86502005000100012 

ARTIGO ORIGINAL

 

Enxerto autólogo de peritônio-fáscia-músculo, no canal inguinal de ratos1

 

Peritoneal-fascia-muscle autologous graft in the inguinal canal of rats

 

 

Francisco Bizzi LopesI, Alcino Lázaro da SilvaII

ICirurgião Geral - Hospital Nossa Sra das Dores, São Domingos do Prata, MG
IIProfessor Titular da Cirurgia do Aparelho Digestivo da UFMG

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Estudar um fragmento de tecido autólogo, constituído por peritônio-fáscia-músculo, implantado no nível da parede do canal inguinal e no funículo espermático de ratos a fim de verificar o comportamento histológico da pega e da integração tecidual.
MÉTODOS: Trinta e seis ratos foram distribuídos em quatro grupos. Os ratos do grupo A, B, C e D foram submetidos a laparotomia mediana para obtenção dos espécimes a serem implantados. No grupo A, foi implantado tecido composto por peritônio e fáscia transversal na parede do canal inguinal. No B, o tecido implantado era acrescido de parte do músculo reto do abdome e implantado na parede do canal inguinal. No C, o tecido enxertado era semelhante ao do grupo A, agora enxertado no funículo espermático. No D, o tecido enxertado era semelhante ao grupo B, agora enxertado no funículo espermático.
RESULTADOS: Após 21 dias de implante estes tecidos apresentavam histologicamente as seguintes alterações: os grupos A e C, tecido fibroadiposo com vasos dilatados, focos de fibrose e infiltrado linfoplasmocitário e os grupos B e D, tecido fibroadiposo com vasos dilatados, musculatura esquelética e focos de fibrose. A fibrose mostrou-se mais intensa nos grupos B e D. No grupo B, sempre encontramos o músculo esquelético, enquanto no grupo D este tecido estava presente em seis animais, quase que totalmente substituído por tecido fibroso em dois e ausente em um.
CONCLUSÃO: Todos os tecidos implantados sobreviveram e incorporaram-se no local, podendo ser útil na correção de defeitos do canal inguinal, nas situações em que o tecido autólogo estiver indicado.

Descritores: Hérnia inguinal. Transplante autólogo. Canal inguinal. Ratos, Sprague-Dawley.


ABSTRACT

PURPOSE: To study the fragment of the autologous tissue, built by a peritoneum-fascia-muscle, implanted on the level of the wall of inguinal canal and the spermatic cord of rats aiming to verify the histological behavior of the survive and the tissue incorporation.
METHODS: Thirty-six rats were distributed into four groups. The rats of the group A, B, C and D were submitted to the median laparotomy to obtain the species to be implanted. On the group A, was implanted a tissue compounded by peritoneum and transversal fascia on the wall of the inguinal canal. On the B, the tissue implanted was added a part of rectum muscle of the abdomen and implanted on the wall of the inguinal canal. On the C, the tissue grafted was similar to the group A, now grafted into the spermatic cord. On the D, the tissue was similar to the group B, now grafted into the spermatic cord.
RESULTS: After 21 days of implant, these tissues presented the following histological alteration: the group A and C, fibroadipous tissue with dilated vessel, Focus of fibrosis' and limphoplasmocitary infiltrated and the groups B and D, fibroadipous tissue with dilated vessels, skeletal muscle and focus of fibrosis. The fibrosis displayed on the groups B and D was more intensive. On the group B, we almost always find the skeletal muscle, while on the group D this tissue was presented in six animals, almost replaced by fibrosis in two and not present in one.
CONCLUSION: All the implanted grafts displayed survive and local incorporation, what could be useful on the correction of defects on the inguinal canal, on situations when the autologous tissue was indicated.

Key words: Hernia, inguinal. Transplantation, Autologous. Inguinal canal. Rats, Sprague-Dawley.


 

 

Introdução

A correção dos defeitos herniários inguinais primários evoluíram de maneira significativa no século 20 com os trabalhos de Bassini, McVay, Shoudice e outros1. Quando há recidiva e em grandes defeitos da parede posterior do canal inguinal, a síntese com os tecidos locais nem sempre será exeqüível sem a indesejável tensão na linha de sutura, predispondo, como conseqüência, a recidiva da hérnia2. Buscando solucionar esta dificuldade foram introduzidas as incisões de relaxamento e as próteses. Inúmeros materiais foram pesquisados e utilizados, e atualmente, as de maior aceitação e melhores resultados são as próteses sintéticas3. Há, porém, situações em que o material sintético não teria o seu uso recomendado como nas feridas contaminadas, infectadas4 ou a difícil disponibilidade da tela.

O tecido autólogo constituído pelo saco herniário é estudado em nosso meio, desde os anos 70, na correção da hérnia incisional e como reforço na região inguinal após corrigir o defeito herniário pela técnica operatória convencional5,6. Estudamos o tecido peritônio-fáscia-músculo implantado na parede do canal inguinal e no funículo espermático de ratos, situações que simulam a correção da hérnia inguinal. O objetivo, pois, é verificar a integração e o comportamento desses enxertos colocados no canal inguinal.

 

Métodos

Utilizaram-se 36 ratos Sprague-Dawley (Holtzman), com peso variável entre 180 e 220g, que ficaram sob a guarda do Laboratório Experimental do Curso de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina da UFMG. Realizou-se o projeto piloto, previamente ao estudo experimental propriamente dito, com nove ratos, objetivando habituar-nos com a anatomia regional, técnica anestésica, técnica cirúrgica e, sobretudo, obter destreza tática e técnica.

Os animais foram anestesiados com 10mg/kg de cloridrato de cetamina e 0,1mg/kg de cloridrato de 2-(2,6 xilidino)-5,6 dihidro-4H-1,3 tiazina por via intramuscular, na região glútea7.

Todos os animais foram submetidos a laparotomia mediana numa extensão não inferior a 2cm. Para os animais do grupo A e C foram retirados tecidos constituídos por fáscia e peritônio (Figura 1). Para os dos grupos B e D os tecidos retirados eram constituídos por peritônio associado a fáscia transversal e parte do músculo reto do abdome (Figura 2). Nos animais dos grupos A e B os tecidos eram implantados na parede do canal inguinal (Figura 3). Nos dos grupos C e D no nível do funículo espermático (Figura 4).

 

 

 

 

 

 

 

 

Os espécimes foram colhidos após 21 dias de implante, formolizados e preparados para estudo histológico (H.E.).

 

Resultados

Achados microscópicos:

Os animais do grupo A evoluíram com focos de fibrose, tecido fibroadiposo com vasos ectasiados e em dois animais, infiltrado inflamatório linfoplasmocitário (Figura 5).

 

 

Os animais do grupo B evoluíram também com fibrose, mais acentuada que no grupo A, tecido fibroadiposo com vasos ectasiados, remanescente de musculatura esquelética implantada e infiltrado linfoplasmocitário (Figura 6).

 

 

Os animais do grupo C evoluíram com fibrose, tecido fibroadiposo com vasos ectasiados e infiltrado linfoplasmocitário. Em dois animais havia a presença de necrose adiposa (Figura 7).

 

 

Os animais do grupo D evoluíram com musculatura estriada esquelética parcialmente substituída por fibrose em seis animais, quase que totalmente substituída em dois e ausente em um. Aconteceu necrose adiposa em três animais, e infiltrado linfoplasmocitário em sete (Figura 8).

 

 

Discussão

O uso de próteses na correção das hérnias inguinais, tanto primárias quanto recidivadas tem suplantado amplamente o reparo anatômico, considerando-se as inúmeras publicações recentes, embora com pouca freqüência, já aparecem na literatura complicações relacionadas ao uso destes implantes. Vale lembrar que o reparo anatômico na hérnia primária alcança tão elevados índices de cura quanto o reparo por próteses, em mãos bem treinadas, devendo ser aquele priorizado conforme nos lembra Wantz8. O uso das telas para o reparo de hérnias não parece alterar a incidência de infecção superficial da ferida operatória e a infecção profunda tem sido raramente relatada. Com o uso mais freqüente destes materiais, entretanto, tais complicações poderão tornar-se mais freqüentes9,10 conforme divulgado em dois casos de perfuração tardia do sigmóide11. Há situações nas quais o uso da tela não seria recomendado como nas feridas infectadas e contaminadas4 ou devido à sua difícil disponibilidade.

Há no nosso meio, uma linha de trabalho em que se prioriza o reparo anatômico convencional, associado ao reforço do reparo com o saco herniário autólogo. Estudos realizados mostram que este tecido contém fibras musculares lisas, elásticas e reticulares; tecidos conjuntivos de reparação; colágeno e mesotélio12. Este tecido é usado com bons resultados na correção de hérnias incisionais justificando o seu uso em hérnias inguinais.

O tecido autólogo constituído por fáscia tão amplamente utilizado até metade do séc. 20 na correção da hérnia recidivada, ainda é, algumas vezes, lembrado para este propósito. É usado também em operações urológicas, ginecológicas, plásticas e vasculares. Considerando o experimento proposto, encontramos na literatura o emprego do tecido composto por peritônio-fáscia fixado em álcool, na correção de defeitos da parede da bexiga, usada como arcabouço, com excelentes resultados em doze coelhos de 13 operados13. Usado também como enxerto pediculado na correção de defeitos criados na parede do duodeno, em cães, que após quatro meses de implante o tecido mostrava-se completamente revestido por neomucosa duodenal muito semelhante à original e aos seis meses estava totalmente curado14. Na reconstrução da veia porta o peritônio foi experimentado em sete porcos que sobreviveram à cirurgia e tiveram a completa endotelização no 14º dia15.

Na nossa experimentação, o tecido composto por peritônio-fáscia-músculo implantado no canal inguinal de ratos sobreviveu e incorporou-se aos demais. Nos grupos A e C o tecido evoluiu com fibrose. No grupo B a fibrose foi mais intensa, pois o tecido muscular foi substituído parcialmente em todos animais. No grupo D foi parcialmente substituída em 6 animais, quase que totalmente em dois e ausente em um. A substituição tecidual por fibrose significou deposição de colágeno. A presença de necrose gordurosa e infiltrados lifoplasmocitários representam passos do processo de regeneração.

Não fizemos o tratamento estatístico, pois os resultados foram semelhantes com relação à pega e evolução tecidual.

 

Conclusão

O tecido autólogo implantado no canal sobreviveu e incorporou-se ao local. O tecido muscular presente nos grupos B e D foi substituído parcialmente por tecido fibroso em quase todos os animais. A presença de fibrose nos espécimes representa a deposição de colágeno nestes tecidos, fato desejável na correção herniária.

 

Referências

1. Rutkow IM. História seletiva da herniorrafia inguinofemoral no século 20. In: Rutkow IM, ed. Cirurgia para hérnia. Rio de Janeiro: Intervivos Ed. Ltda; 1993. p 415-32.        [ Links ]

2. Rutkow IM, Robbins AW. The mesh plug technique for recurrent groin herniorrhaphy: a nine-year experience of 407 repairs. Surgery. 1998;124(5):844-7.        [ Links ]

3. Falci F. Análise crítica das próteses na região inguinal. In: Lázaro da Silva, A. Hérnias da parede abdominal. Belo Horizonte: Atheneu; 1997. p 141-51.        [ Links ]

4. Franklin MEJr, Gonzalez JJJr, Michelson RP, Glass JL Chock D A. Preliminary experience with a new bioactive prosthetic for repair of hernias in infected fields. Bloomington. 2002;6(4):171-4.        [ Links ]

5. Lázaro da Silva, A. O uso do saco herniário no reforço da hernioplastia inguinal. Rev Col. Bras Cir. 1995;3:153-4.        [ Links ]

6. Shafey OA, Azzam ZA. Hernioplasty using hernial sac in repair of hernia. Am Surg. 1976;42(4):268-72.        [ Links ]

7. Massone F. Técnicas anestésicas em animais de laboratório. In: Anestesiologia Veterinária - Farmacologia e Técnicas. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1999. p.97-102.        [ Links ]

8. Wantz GE. The technique of giant prosthetic reinforcement of the visceral sac performed through an anterior groin incision. Surg. Gynecol. Obstet. 1993;176(5):497-500.        [ Links ]

9. Ascenção AMS. Estudo morfológico e imunohistoquímico da influência das telas cirúrgicas de polipropileno e poliéster sobre a fertilidade: proposta de uma nova técnica para a hernioplastia inguinal.[Tese Professor Titular]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2002.        [ Links ]

10. Mann DV, Prout J, Bavranek E, Gould S, Darzi A. Late-onset deep prosthetic infection following mesh repair of inguinal hernia. Am J Surg. 1998;176(1):12-4.        [ Links ]

11. Hamy A, Paineau J, Savigny J, Vasse N, Visset J. Sigmoid perfuration, an exceptional late complication of peritoneal prosthesis for treatment of inguinal hernia. Int Surg. 1997;82(3):307-8.        [ Links ]

12. Barbosa CA. Histologia do saco herniário das hérnias inguinais indiretas, diretas, recidivadas e encarceradas em adultos e crianças: identificação de fibras musculares lisas [Tese-Doutorado]. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais; 2000.        [ Links ]

13. Hutschenreiter G, Rumpelt HJ, Klippel KF, Hohenfellner R. The free peritoneal transplant as a substitute for the urinary bladder wall. Invest Urol. 1978;15(5):375-9.        [ Links ]

14. Dadoukis JD, Papavramidis ST, Karkavelas GN, Aidonopoulos AP, Aletras H A. Pedicle grafts of perioneum and transversalis muscle for the repair of large defects in the duodenal wall. Eur J Surg. 1993;159(1):31-3.        [ Links ]

15. Yoshika M, Onda M, Tajiri T, Mineta S, Hirakata A, Takubo K. Reconstruction of the portal vein using a peritoneal patch-graft. Am J Surg. 2001;181:247-50.        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
Francisco Bizzi Lopes
Rua Getúlio Vargas, 173
35995-000 São Domingos do Prata - MG
fbizzi@bol.com.br

Recebimento: 04/10/2004
Revisão: 09/11/2004
Aprovação: 07/12/2004
Conflito de interesse: nenhum
Fonte de financiamento: nenhuma

 

 

Como citar este artigo: Lopes FB, Silva AL. Enxerto autólogo de peritônio-fáscia-músculo, no canal inguinal de ratos. Acta Cir Bras. [serial online] 2005 Jan-Fev;20(1). Disponível em URL: http://www.scielo.br/acb.
* Figuras coloridas disponíveis em www.scielo.br/acb
1. Trabalho realizado no Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License