SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 issue1Dental caries and sugar consumption in a group of public nursery school childrenIn vitro tensile bond strength between composite resin and amalgam - effects of oxidation conditions author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Revista de Odontologia da Universidade de São Paulo

Print version ISSN 0103-0663

Rev Odontol Univ São Paulo vol.13 n.1 São Paulo Jan./Mar. 1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-06631999000100006 

Odontopediatria

 

Avaliação quantitativa do efeito do jato de bicarbonato de sódio no esmalte de dentes permanentes jovens* 

 

Quantitative analysis of the effect of sodium bicarbonate on the enamel surface of young permanent teeth

 

Sara Nader MARTA**
José Eduardo de Oliveira LIMA***
Bernardo Gonzales VONO****
Salete Moura Bonifácio da SILVA*****

 

 


MARTA, S. N.; LIMA, J. E. O.; VONO, B. G.; SILVA, S. M. B. Avaliação quantitativa do efeito do jato de bicarbonato de sódio no esmalte de dentes permanentes jovens. Rev Odontol Univ São Paulo, v. 13, n. 1, p. 19-24, jan./mar. 1999.

Avaliou-se clinicamente o efeito do jato de bicarbonato de sódio sob pressão, empregado na profilaxia da superfície de esmalte sadio de dentes permanentes jovens. Trabalhou-se com réplicas positivas, o que permitiu a análise antes e após a realização de tal procedimento. Foram feitas sessenta moldagens da superfície vestibular de incisivos centrais superiores, as quais sofreram um preparo para a análise quantitativa da rugosidade das superfícies de esmalte. A análise quantitativa foi efetuada utilizando-se o programa para computador Diracom-3, que mensura as sombras e penumbras das imagens dos espécimes. Estabeleceram-se três grupos experimentais com vinte crianças que nunca haviam sido submetidas à profilaxia com Profident, as quais foram moldadas em três momentos. Antes do procedimento ou controle (Grupo 1); imediatamente após (Grupo 2); e um mês após o tratamento (Grupo 3). A análise quantitativa dos dados mostrou não haver diferença estatisticamente significante entre os grupos analisados.

UNITERMOS: Esmalte dentário; Profilaxia dentária; Bicarbonatos.


 

 

INTRODUÇÃO

Durante muitos anos, a Odontologia se desenvolveu procurando meios de reparar os danos ocorridos na cavidade bucal, em decorrência de cárie e doença periodontal. Com isso, o paradigma cirúrgico-restaurador ganhou grandes proporções, quando muitas técnicas sofisticadas e muitos materiais restauradores foram desenvolvidos, fazendo do cirurgião-dentista um verdadeiro artista plástico, cujo trabalho deveria devolver a estética e a função. Dentro deste contexto, a Odontologia preventiva praticamente inexistia, ficando muitas vezes restrita a orientações como "visite seu dentista a cada seis meses" ou "escove seus dentes após as refeições".

Hoje, com o conhecimento mais avançado da doença cárie, a prevenção sofreu um grande avanço, levando a comunidade odontológica a se voltar cada vez mais para ela. Atualmente, busca-se tratar os sintomas da doença e não seus sinais, como se fazia anteriormente, devolvendo ao paciente uma verdadeira condição de saúde bucal.

No Brasil, como afirma LIMA15 (1992) , com todas as dificuldades encontradas pelo governo no âmbito do saneamento básico, ainda se está longe de conseguir o controle efetivo da incidência da cárie dentária. Esta é uma doença infecto-contagiosa multifatorial, que depende da virulência e do tempo de permanência da placa bacteriana sobre a superfície dentária, bem como dos hábitos alimentares, da resistência e da higiene do hospedeiro. Sendo assim, é incontestável a importância da remoção da placa para o controle da cárie e doença periodontal.

A correta higiene bucal é um recurso que os pacientes têm para o autocontrole da placa, enquanto os profissionais de Odontologia têm ao seu alcance métodos profiláticos mais eficazes. Até 1980, estes se limitavam à utilização de taças de borracha e/ou escovas com abrasivos em motor de baixa rotação, fitas dentais e abrasivos e extratores ultra-sônicos e manuais. O aparecimento de um novo sistema para profilaxia, no início dos anos 80, que utiliza um spray formado por pó de bicarbonato de sódio-água-ar, suscitou junto aos pesquisadores questionamentos com relação aos métodos tradicionais existentes, tais como a taça de borracha e os pós abrasivos. A necessidade de se conhecerem os diversos efeitos desta técnica de profilaxia sobre os elementos dentais1,10,11,24,27, materiais restauradores2,3,4,5,7,12,17,19,21,22,23 e efetividade na ação de limpeza13,16,26 levou a comunidade científica ao desenvolvimento de muitos estudos.

Estudos comparativos com os métodos tradicionais para profilaxia vêm sendo realizados. REEL et al.21 (1989) e WILLMANN et al.27 (1980) preconizam o uso da técnica do jato de bicarbonato para profilaxia Prophy-jet, apontando vantagens sobre os métodos convencionais. Justificam que estes últimos atuam mais em superfície pela ação da taça de borracha, enquanto o novo sistema é mais eficaz em profundidade, sendo, por isso, recomendado como pré-tratamento dos dentes que receberão selantes de fóssulas e fissuras9,25.

Esse aspecto é muito importante e de interesse para a Odontopediatria, uma vez que a melhor capacidade de limpeza do jato de bicarbonato de sódio em áreas de fossas e fissuras9,20 favorece a melhor penetração do material usado no selamento oclusal2, além da sua maior retenção2,3, visto que a eliminação de materiais orgânicos nessas áreas é de fundamental importância para o sucesso do selamento oclusal25. Essa mesma eficiência de limpeza se verifica nas interfaces entre dente e restauração20, contribuindo para um menor risco de ocorrência de cáries secundárias no futuro.

As citações da literatura a respeito da utilização do jato de bicarbonato de sódio-ar-água como instrumento para profilaxia estão associadas à obtenção de melhores resultados na remoção da placa bacteriana, na retenção de selantes, bem como aos seus efeitos sobre vários materiais restauradores. Ainda é necessário que se conheça, com maior precisão, o significado clínico real deste instrumento, quando utilizado a longo prazo. Para que se esclareçam definitivamente essas dúvidas, muitos trabalhos experimentais ainda terão que ser realizados. O objetivo do presente trabalho foi avaliar o efeito do jato de bicarbonato de sódio sobre o esmalte de dentes permanentes humanos.

 

MATERIAL E MÉTODO

Participaram deste estudo vinte pacientes de uma clínica particular, na faixa etária de 8 a 10 anos de idade, com incisivos centrais permanentes totalmente irrompidos, hígidos, presentes há pelo menos um ano na cavidade bucal e que não tinham história clínica de restrição ao uso de sódio na dieta, nem de doenças respiratórias ou renais graves.

O aparelho utilizado para a profilaxia foi o Profident (DABI-ATLANTE), que é composto de um reservatório que armazena o pó de bicarbonato de sódio bem purificado e com grânulos extremamente finos, do qual sai uma mangueira que leva este pó até a peça de mão, onde se encontra com um jato de água e, sob efeito do ar comprimido (70 libras), libera um spray sobre a superfície dental a ser limpa.

Os vinte pacientes selecionados formaram 3 grupos (G1, G2 e G3), que refletiram as situações experimentais antes, imediatamente após e um mês após o tratamento, respectivamente, de acordo com uma rotina de trabalho, cuja descrição segue abaixo:

G1: Grupo controle, formado por crianças que nunca haviam sido submetidas à profilaxia com jato de bicarbonato de sódio. Foi realizada a limpeza da superfície dentária com cotonete embebido em água oxigenada 10 V, para remoção grosseira da placa, seguida da moldagem parcial do arco, envolvendo só os incisivos centrais superiores, com silicone leve e pesado (Extrudy Putty-Kerr). A partir desses moldes, foram obtidos modelos de resina epóxica (Orto Bond - Vermon-Benshoff), os quais foram recortados e colados com esmalte para unha, sobre bases metálicas cilíndricas, com 1 cm de diâmetro por 1 cm de altura, de tal modo que o longo eixo da face vestibular do dente em estudo ficasse paralelo à base metálica. Os modelos foram numerados de 1 a 20 e, depois de montados, foram levados à câmara de vácuo do aparelho metalizador (Jess-Jeol) onde foram metalizadas com íons de ouro, com 20 mm de espessura.

G2: Após a moldagem para obtenção dos corpos-de-prova do G1, foi realizada uma profilaxia com Profident, sendo que o fluxo incidiu sobre o esmalte da superfície vestibular dos incisivos centrais, com movimentos de pincelamento, durante 5 segundos, com ângulo de incidência que variou de 45° a 60° em relação ao longo eixo do dente, e oblíquo em direção ao sulco gengival, a uma distância de no máximo 5 mm, conforme orientações do fabricante, evitando-se, assim, que o cone de aspersão atingisse áreas indesejáveis como a gengiva marginal livre. Após a lavagem, os incisivos centrais permanentes superiores dessas crianças foram moldados, os modelos correspondentes foram obtidos e metalizados, como já descrito para o G1, formando o Grupo 2 (G2), numerados de 21 a 40, correspondendo à situação experimental de imediatamente após o tratamento.

G3: Após um mês, procedeu-se a uma nova limpeza desses dentes com água oxigenada, seguida de nova moldagem, obtendo-se os modelos metalizados que formaram o Grupo 3 (G3), numerados de 41 a 60, correspondendo à situação experimental de um mês após o tratamento.

Desta forma, cada modelo do G1 possuía um modelo correspondente nos grupos G2 e G3, tratando-se do mesmo dente em situações experimentais diferentes.

A análise quantitativa da rugosidade das superfícies dos corpos-de-prova foi realizada no Laboratório de Informática Dedicado à Odontologia (LIDO), do Departamento de Estomatologia da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo.

Para o processamento das imagens, utilizou-se uma placa denominada IRIS-16I, desenvolvida na Escola Politécnica. O software utilizado para o processamento da imagem foi o Diracom-3II.

Os espécimes foram examinados em um microscópio óptico, com um aumento de 25 vezes, iluminados por uma fonte de luz direta , de um aparelho fotopolimerizador (Fibralux - DABI-ATLANTE), que foi adaptada a uma ocular oca. Isto permitiu manter-se constante o ângulo de incidência do feixe de luz sobre cada superfície analisada. Uma câmera JVCIII foi acoplada ao microscópio para transferência das imagens para o microcomputadorIV, as quais foram visualizadas em um monitorV.

Foram utilizadas várias funções operatórias do programa, específicas para determinadas atitudes. A função "manipulação da imagem" foi usada para inicializar a placa gráfica. O congelamento da imagem foi obtido através da função "aquisição da imagem", e, finalmente, a quantificação das proporções de sombra e penumbra existentes em cada superfície analisada foi feita através da função "separação em cores". Este programa permite o estudo da rugosidade superficial através do reconhecimento de áreas iluminadas e sombreadas resultantes da incidência do feixe de luz sobre uma área irregular. A quantificação dessas áreas é traduzida numericamente, atribuindo-se valores absolutos menores para as superfícies mais lisas (Figura 1).

 

a06f1.gif (37322 bytes)

FIGURA 1 - Fotografia das imagens obtidas. A e C - imagens selecionadas para quantificação de sombra e penumbra; B e D - imagens tratadas.

 

Podem-se observar nas Figuras 1 A e C as imagens vistas através da câmera e que aparecem no monitor depois do congelamento. As imagens B e D são as mesmas imagens submetidas à função "separação em cores".

A análise estatística dos dados foi realizada com o auxílio do software computacional Microstat, no Departamento de Engenharia de Produção da Faculdade de Engenharia e Tecnologia da UNESP/Bauru. Ele permitiu que se realizassem testes de hipóteses sem fixar, a priori, os níveis de rejeição da hipótese de nulidade — geralmente assinalada com um (*) ou dois (**) asterisco (s) para 5% ou 1% de significância, respectivamente.

Como o objetivo da inferência era verificar a existência ou não de diferença entre os grupos, dois a dois entre G1 , G2 e G3 , adotou-se como hipótese nula H0: "mi - mj = 0". Pela natureza experimental, ao serem comparados os grupos 1, 2 e 3, seus dados foram considerados emparelhados de desvio padrão populacional desconhecido, seguindo-se metodologia proposta por COSTA NETO6 (1977).

 

RESULTADOS

Os resultados das medidas de rugosidade superficial dos grupos G1, G2 e G3, quantificados pela proporção de sombra e penumbra existente nas superfícies analisadas, foram submetidos à análise estatística através do teste t de Student, após verificar se a hipótese de que a população é normal pode ser aceita, num nível de confiança superior a 95%.

Os dados experimentais obtidos foram utilizados para inferência populacional dos grupos. A Tabela 1 mostra os principais parâmetros do teste t de Student utilizados para comparar as rugosidades de esmalte nos diversos grupos. Os valores de "t" apresentados referem-se aos valores críticos de rejeição da igualdade no nível de significância representado pela probabilidade "P".

 

TABELA 1 - Teste de hipótese para as diferenças entre as médias

a06t1.gif (9194 bytes)

 

DISCUSSÃO

A remoção de depósitos de placa sobre as superfícies dentárias é reconhecida como um importante meio para a manutenção da saúde bucal. Essa remoção tem sido efetuada de várias maneiras: utilizando-se abrasivos em taça de borracha, escovas, discos, fita e fio dental e raspagens ultra-sônicas e manuais9,13,25,26,27. Todos esses métodos utilizam o princípio da adaptação de cristais abrasivos, fibras sintéticas ou uma ponta metálica à superfície a ser limpa.

No mercado odontológico existem aparelhos que utilizam o jato de bicarbonato de sódio-ar-água sob pressão para a mesma finalidade, porém dispensam a adaptação de abrasivos ou de pontas metálicas à estrutura dentária. Questiona-se se estes procedimentos podem trazer prejuízos, como o desgaste do dente, sobretudo do esmalte.

Pesquisa in vitro de WILLMANN et al.27 (1980) indicou que o uso do jato de água-ar-bicarbonato de sódio sob pressão para profilaxia era capaz de provocar desgastes do esmalte dos dentes. GALLOWAY; PASHLEY8 (1987) obtiveram resultados contrários, em estudo, também in vitro, demonstrando que esse tipo de profilaxia não causou nenhum efeito ao esmalte sadio, mesmo quando aplicado por períodos longos de 60 segundos.

Após a erupção, a exposição do esmalte ao ambiente bucal faz com que este tecido sofra alterações em sua microestrutura e composição química de superfície, devido a traumas químicos (mudanças intermitentes de pH) e mecânicos (mastigação e uso de pastas abrasivas na higienização)18. Vista sob este ângulo, a prática da profilaxia profissional se enquadra como um trauma mecânico à estrutura dentária.

O controle dos efeitos em esmalte do desgaste e da limpeza in vivo, através da visualização da mesma superfície antes e após o tratamento, foi utilizado nesta pesquisa por meio do uso da réplica da superfície tratada e não tratada. Procedimento experimental análogo também foi utilizado por KONTTURI-NÄRHI et al.14 (1990) quando estudaram o efeito de abrasão e a capacidade de limpeza do jato de bicarbonato de sódio, durante uma profilaxia de rotina, à luz da microscopia eletrônica de varredura, para análise morfológica.

Nos grupos G1, G2 e G3, o procedimento de moldagem, antes, imediatamente após e 1 mês após o tratamento com o Profident, permitiu avaliar o efeito da profilaxia sobre a superfície do mesmo dente, estabelecendo-se que cada dente fosse o seu próprio controle.

De acordo com a Tabela 1, a qual resume os principais parâmetros do teste t de Student para as comparações entre as médias dos diversos grupos de estudo, não houve diferença estatisticamente significante entre eles. Isto sugere que não houve evidência de alteração nos níveis de rugosidade entre os dentes tratados e não tratados. A comparação entre os grupos sugeriu que a aplicação do jato de bicarbonato de sódio sob pressão não alterou a superfície do esmalte imediatamente após receber a primeira profilaxia (P < 0,4402), um mês após (P < 0,3562) ou durante o intervalo de um mês, entre a primeira profilaxia e o exame final (P < 0,3030).

Por se tratar de um procedimento relativamente recente, a introdução desse tipo de profilaxia tem suscitado estudos abrangendo vários aspectos. A grande dificuldade, no entanto, em se concluir com elevado grau de confiança a respeito do real efeito dessa profilaxia sobre os tecidos duros de um dente jovem é grande. É preciso reforçar que, em muitos casos, o paciente é submetido, durante muitos anos de sua vida, e com periodicidade mensal, a esse procedimento. Há também inúmeros outros fatores que contribuem para a abrasão dentária e fogem do controle do profissional, tais como aqueles relativos a hábitos dietéticos, hábitos de higiene bucal e materiais e dispositivos usados.

Os resultados deste estudo sugeriram que a metodologia é aplicável a esse tipo de situação clínica, abrindo um leque de oportunidades para novos trabalhos de pesquisa, longitudinais, levando-se em consideração a possibilidade de um aprimoramento nesta metodologia, pouco utilizada para esta finalidade.

A preocupação de alguns profissionais com relação aos riscos do uso de aparelhos como o Profident em dentes jovens será minimizada com os resultados favoráveis desta pesquisa e de tantas outras já realizadas e, certamente, dada a sua capacidade de limpeza9,14,20,26, aliada ao menor tempo gasto26, sua aceitação será ampliada.

Não há dúvidas de que o spray de bicarbonato de sódio-água-ar sob pressão é uma técnica de profilaxia eficiente na remoção da placa bacteriana e manchas do esmalte, pois praticamente não causa desconforto ao paciente e é de fácil e rápido manuseio pelo profissional.

Os resultados deste trabalho, contudo, corroborados por outros da literatura já discutidos, não evidenciaram danos graves à estrutura do esmalte, mesmo quando utilizado como rotina, embasados no estudo de GERBO et al.10 (1993), que afirmam que 30 segundos de aplicação do jato de bicarbonato na superfície de esmalte, em pacientes com controle periódico trimestral, equivale a um período de tratamento de 15 anos, considerando que cada área da superfície de esmalte é exposta por 0,5 segundo em cada jateamento. Há que se considerar, contudo, a necessidade de aprimoramento e padronização nas técnicas de estudo para firmar em definitivo tais evidências.

 

CONCLUSÕES

Os resultados obtidos neste trabalho, de acordo com a metodologia empregada, permitiram concluir que:

1.  não houve alteração quantitativa marcante na rugosidade do esmalte obtida imediatamente após a profilaxia (G2), quando comparada à do grupo controle, antes dela (G1);

2.  não houve alteração quantitativa significativa na rugosidade do esmalte obtida após um mês da profilaxia (G3) quando comparada à do grupo controle antes dela (G1) ou àquela obtida imediatamente após a profilaxia (G2).

 

 


MARTA, S. N.; LIMA, J. E. O.; VONO, B. G.; SILVA, S. M. B. Quantitative analysis of the effect of sodium bicarbonate on the enamel surface of young permanent teeth. Rev Odontol Univ São Paulo, v. 13, n. 1, p. 19-24, jan./mar. 1999.

The effect of sodium bicarbonate under pressure used in the prophylaxis of the healthful enamel surface of young permanent teeth was clinically evaluated. Positive reproductions were used, which permitted the analysis before and after the realization of such procedure. The moldings of the vestibular surface of central superior incisives made totalized sixty, which went trough a preparation for the quantitative rugosity analysis of the enamel surfaces. The computer program DIRACOM - 3, that measures the shades and half - shadows of the sample images was used for quantitative analysis for which the scanning electron microscopy was employed. Three experimental groups with twenty children each, who had never been submitted to that technique of prophylaxis were established and molds taken in three moments: Group 1 - before the procedure or control ; Group 2 - immediately after and Group 3 - one month after the treatment ( subgroup 2c ). The quantitative analysis of the data showed that there was not a statistically significant difference between the analyzed groups.

UNITERMS: Dental enamel; Dental prophylaxis.


 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BOYDE, A. Airpolishing effects on enamel, dentine, cement and bone. Brit Dent J, v. 156, n. 21, p. 287-291, Apr. 1984.        [ Links ]

2. BROCKLEHURST, P. R.; JOSHI, R. I.; NORTHEAST, S. E. The effect of air polishing occlusal surfaces on the penetration of fissures by a sealant. Int J Paed Dent, v. 2, n. 3, p. 157-162, Dec. 1992.        [ Links ]

3. BROCKMANN, S. L.; SCOTT, R. L.; EICK, J. D. The effect of an air polishing device on tensile bond strength of a dental sealant. Quintessence Int, v. 20, n. 3, p. 211-217, Mar. 1989.         [ Links ]

4. BROCKMANN, S. L.; SCOTT, R. L.; EICK, J. D. A. scanning electron microscopic study of the effect of air polishing on the enamel-sealant surface. Quintessence Int, v. 21, n. 3, p. 201-206, Mar. 1990.        [ Links ]

5. COOLEY, R. L.; LUBOW, R. M.; PATRISSI. G. A. The effect of an air-powder abrasive instrument on composite resin. J Amer Dent Assoc, v. 122, n. 3, p. 362-364, Mar. 1986.        [ Links ]

6. COSTA NETO, P. L. O. Estatística. São Paulo: Edgard Beüher, 1977.        [ Links ]

7. ELIADES, G. C.; TZOUTZAS, J. G.; VOUGIOUKLAKIS, G. J. Surface alterations on dental restorative materials subjected to an air-powder abrasive instrument. J Prosthet Dent, v. 65, n. 1, p. 27-33, Jan. 1991.        [ Links ]

8. GALLOWAY, S. E; PASHLEY, D. H. Rate of removal of root structure by the use of the Prophy-jet device. J Periodontol., v. 58, n. 7, p. 464-469, July 1987.        [ Links ]

9. GARCIA-GODOY, F.; MEDLOCK, J. W. An SEM study of the effects of air-polishing on fissure surfaces. Quintessence Int, v. 19, n. 7, p. 465-467, July 1988.        [ Links ]

10. GERBO, L. R.; LACEFIELD, W. R.; BARNES, C. M.; RUSSEL, C. M. Enamel roughness after air-powder polishing. Am J Dent, v. 6, n. 2, p. 96-98, Apr. 1993.        [ Links ]

11. GONÇALVES, R. J.; MAZZONETO, S. F. Estudo comparativo entre os efeitos das técnicas de profilaxia com o Profident e a taça de borracha sobre o acúmulo de placa bacteriana. Rev Paul Odontol, v. 9, n. 3, p. 34-39, maio/jun. 1987.         [ Links ]

12. GUTMANN, M. S. E.; MARKER, V. A.; GUTMANN, J. L. Restoration surface roughness after air-powder polishing. Am J Dent, v. 6, n. 2, p. 99-102, Apr. 1993.        [ Links ]

13. HOSOYA, Y.; JOHNSTON, J. W. Evaluation of various cleaning and polishing methods on primary enamel. J Pedod, v. 13, n. 3, p. 253-269, Spring 1989.        [ Links ]

14. KONTTURI-NÄRHI, V.; MARKKANEN, S.; MARKKANEN, H. Effects of airpolishing on dental plaque removal and hard tissues as evaluated by scanning electron microscopy. J Periodontol, v. 61, n. 6, p. 334-338, June 1990.        [ Links ]

15. LIMA, J. E. O. Um plano de prevenção para consultório odontopediátrico. Rev Gaúcha Odontol, v. 40, n. 6, p. 395-399, nov./dez. 1992.        [ Links ]

16. LIMA, S. N. M.; VERRI, R. A. Efeitos da aplicação de bicarbonato de sódio sob pressão no tratamento básico periodontal e na remoção da placa bacteriana. Rev Paul Odontol, v. 6, n. 1, p. 2-10, jan./fev. 1984.        [ Links ]

17. MACHADO, M. A. A. M. Avaliação da rugosidade superficial de dois tipos de cimento de ionômero de vidro após aplicação de flúor e profilaxia profissional. Bauru, 1993. 96 p. Tese ( Doutorado) - Faculdade de Odontologia, Universidade de São Paulo.        [ Links ]

18. MJÖR, I. A.; FEJERSKOV, O. Esmalte dentário. In:_______. Embriologia e histologia oral humana. São Paulo : Médica Panamericana, 1990. p. 50-89.        [ Links ]

19. NUTI SOBRINHO, A.; LIMA, S. N. M.; WATANABE, I. Estudo da ação do profident sobre os materiais restauradores através da microscopia eletrônica de varredura, Parte II: resina acrílica termopolimerizável e resinas compostas. Rev Paul Odontol, v. 7, n. 2, p. 18-34, mar./abr. 1985.

20. NUTI SOBRINHO, A.; LIMA, S. N. M.; WATANABE, I. Estudo da ação do profident sobre a placa bacteriana dental através da microscopia eletrônica de varredura. Rev Paul Odontol, v. 7, n. 2, p. 34-59, mar./abr. 1985.        [ Links ]

21. REEL, D. C.; ABRAMS, H.; GARDNER, S. G.; MITCHELL, R. J. Effect of a hydraulic jet prophylaxis system on composites. J Prosthet Dent, v. 61, n. 4, p. 441-445, Apr. 1989.        [ Links ]

22. SAAD, J. R. C. Estudo da rugosidade superficial de resina composta, submetida à ação do jato de bicarbonato de sódio: efeitos de pressão de vazão de água, material e tempo de aplicação. Araraquara, 1989. 90 p. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Odontologia, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho".        [ Links ]

23. SAAD, J. R. C. Estudo da rugosidade superficial da resina composta, submetida à ação do jato de bicarbonato de sódio: efeito de material e tempo de aplicação. Rev Bras Odontol, v. 49, n. 6, p. 21-24, nov./dez. 1992.

24. SAAD, J. R. C.; ANDRADE, M. F.; FONTANA, U. F.; PORTO, S. T. N.; MANDARINO, F. Avaliação geral da utilização clínica do jato de bicarbonato de sódio. Odont Mod v. 19, n. 2, p. 14-16, mar./abr. 1992.        [ Links ]

25. STRAND, G. V.; RAADAL, M. The efficiency of cleaning fissures with an air-polishing instrument. Acta Odontol Scand, v. 46, n. 2, p. 113-117, Apr. 1988.         [ Links ]

26. WEAKS, L. M.; LESCHER, N. B.; BARNES, C. M.; HOLROYD, S. V. Clinical evaluation of the Prophy-jet as an instrument for routine removal of tooth stain and plaque. J Periodontol, v. 55, n. 8, p. 486-488, Aug. 1984.         [ Links ]

27. WILLMANN, D. E.; NORLING, B. K.; JOHNSON, W. N. A new prophylaxis instrument: effect on enamel alterations. J Am Dent Assoc, v. 101, n. 6, p. 923-925, Dec. 1980.

 

Recebido para publicação em 02/12/97
Reformulado em 06/08/98
Aceito para publicação em 04/11/98

 

 

* Parte da Dissertação de Mestrado.

** Professora Assistente da Universidade do Sagrado Coração de Bauru - SP.

***, ***** Professores Doutores e **** Professor Titular da Faculdade de Odontologia de Bauru - USP.

I Iris 16 - Comercializada pela Micro Imagem - São Paulo.

II DIRACOM-3 - Desenvolvido no Laboratório de Informática Dedicado à Odontologia (LIDO) da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo.

III Camêra FOTOVIX - Film Video Processor - TF. 60 WV - Japan

IV Personal Computer - 386 - ASA.

V Monitor Sony Trinitron - Trinitron Color Video Monitor - Modelo ; TVM - 1344Q - Tókio - Japan.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License