SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número3Aplicação de brassinoesteróide em plantas de ipê (Tabebuia alba) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal

versão impressa ISSN 0103-3131

Rev. Bras. Fisiol. Veg. v.12 n.3 Lavras  2000

https://doi.org/10.1590/S0103-31312000000300001 

Carta ao Editor

 

ESTAÇÃO ESPACIAL INTERNACIONAL: UMA NOVA INSTRUMENTAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS VEGETAIS

 

 

Confesso que muito aprecio o gênero ficção científica com suas alucinantes tecnologias de deslocamento espaço-temporal, processamento de informações e sensoriamento. O que nem sempre fica aparente nas películas é o imenso suporte à vida, aquilo que tem aparecido na literatura como CELLS, Controled Ecological Life Support System, que replica todos os recursos de sobrevivência que dispomos em abundância na superfície da Terra, como o controle de temperatura e pressão, a produção de oxigênio e eliminação de CO2, reciclagem do lixo e a produção de alimento e água. Além de tudo isto ainda é absolutamente necessário proteger a vida da radiação deletéria. Devemos admitir, a natureza nos tem sido muito benevolente!

Por entender tratar-se de uma ação estratégica, a presidência da república decidiu que o Brasil deve participar da construção e exploração da Estação Espacial Internacional (ISS). Este projeto de $40bi é financiado por 16 países divididos em partners e participants. Os parceiros (Estados Unidos, Russia, Canadá, Japão e países da European Space Agency), por meio de suas respectivas agências espaciais, desfrutam do mesmo status da NASA, embora atuem sob sua liderança. Os participants são países que passaram a integrar o programa ao compartilhar os direitos e obrigações de um dos parceiros, como é o caso do Brasil que assumiu algumas obrigações que cabiam aos Estados Unidos.

A ISS tem 3 objetivos primordiais: 1- tornar-se uma base avançada para a exploração humana do espaço e para o desenvolvimento tecnológico; 2- tornar-se um laboratório de pesquisas privilegiado, de características únicas; e 3- ser uma plataforma comercial para pesquisas e desenvolvimento espaciais. Os experimentos e as pesquisas na estação deverão estar concentrados em áreas e sub-áreas pré-definidas, das quais destaco: Ciências da vida (Biomedicina, Biologia gravitacional e ecologia, Sistemas avançados de suporte à vida), Ciências da Terra (Qualidade da atmosfera, Meteorologia, Mudanças climáticas, Vegetação e uso do solo, Recursos minerais e alimentares, Qualidade da água doce e dos oceanos), Desenvolvimento de produtos espaciais (Agricultura, Biotecnologia, Processamento de Materiais e Combustão). Os direitos brasileiros de utilização da ISS não estão estabelecidos com referência a qualquer experimento em particular, mas apenas na forma de alocação de massa, volume e tempo.

Esta última sentença é a senha que nos abre as portas da estação, uma instrumentação sem par na Terra. Quando em operação, a partir de 2004, nossos cientistas poderão realizar experimentos em ambiente de microgravidade para o estudo de fenômenos e o desenvolvimento de produtos que aumentem nossas liberdades instrumentais. Sobre o custo da participação brasileira (mais de R$ 120mi em peças) gostaria de citar Amartya Sen, um economista paquistanês Master do Trinity College em Cambridge: "A pobreza deve ser vista como privação de capacidades básicas em vez de meramente como baixo nível de renda, que é o critério tradicional de identificação da pobreza". A decisão estratégica de participar do projeto imediatamente aumenta nossas capacidades básicas e sua transformação em liberdades instrumentais depende completamente da participação da comunidade científica nacional. Voltando a citar Amartya Sen, que identificou as liberdades instrumentais: liberdades políticas, facilidades econômicas, oportunidades sociais, garantias de transparência e segurança protetora. (Desenvolvimento como Liberdade, Ed. Companhia das Letras).

Sobre isto os professores e pesquisadores congregados em torno da fisiologia vegetal tem muito a colaborar. A Embrapa Instrumentação está realizando um estudo de viabilidade para construção de um Equipamento para Pesquisa Agrícola em Ambiente de Microgravidade. Em um país onde o agronegócio movimenta em torno de 30% do PIB e é detentor da maior floresta tropical do planeta, não se necessita de mais argumentação para defender o caminho que parece natural: a participação da comunidade científica no Programa Espacial Brasileiro, para o desenvolvimento de produtos agroflorestais com alto valor agregado.

 

Dr. José Dalton Cruz Pessoa

Embrapa Instrumentação Agropecuária

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons