SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.1 issue1IEA-USP: proposta de trabalho author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Estudos Avançados

Print version ISSN 0103-4014

Estud. av. vol.1 no.1 São Paulo Oct./Dec. 1987

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141987000100008 

HISTÓRICO

 

O mais jovem Instituto da USP

 

 

Em fevereiro de 1986, no início de sua gestão, o reitor José Goldemberg começou a definir junto à comunidade acadêmica da USP as condições necessárias para a implantação do Instituto de Estudos Avançados. Para tanto, foram convidados os integrantes do primeiro Grupo de Estudos encarregado de refletir sobre o que poderia ser esta nova Unidade acadêmica. Os professores convidados foram Alberto Carvalho da Silva, Alberto Luiz da Rocha Barros, Roberto Leal Lobo e Silva Filho e Carlos Guilherme Mota.

No decorrer do primeiro semestre de 1986, o Grupo desenvolveu consultas à comunidade, análises de propostas anteriores e realizou levantamentos históricos sobre outros institutos similares existentes internacionalmente. Com a saída do prof. Roberto Lobo, que assumiu a Vice-Reitoria da USP, o Grupo passou a contar com o nome do prof. Gerhard Malnic e, em 23 de julho, através de portaria, ocorreu a nomeação formal dos integrantes, sob a coordenação do prof. Carlos Guilherme Mota. Em agosto, sintetizando os trabalhos empreendidos pelo Grupo de Estudos, foi apresentado à comunidade acadêmica um documento de trabalho, que se constitui no norteador da filosofia geral que preside o Instituto de Estudos Avançados da USP.

Após várias atividades iniciais, que foram definindo os mecanismos de funcionamento do Instituto, o IEA foi oficialmente criado em 29 de outubro de 1986, através da Resolução np 3.269. Seu Conselho Diretor é atualmente composto dos seguintes professores: Carlos Guilherme Mota (diretor), Gerhard Malnic (vice-diretor), Alfredo Bosi, Herch Moyses Nussenzveig, José Galizia Tundisi e Paul Israel Singer.

Estatutariamente, competem ao Instituto de Estudos Avançados da USP as seguintes atribuições:

I — Realizar trabalhos de pesquisa e atividades pertinentes a questões fundamentais do pensamento científico e da cultura em geral, privilegiando a interdisciplinaridade, visando ao aprimoramento e à atualização da docência e da pesquisa.

II — Promover conferências, colóquios, programas, seminários e atividades análogas, buscando colaborar com as unidades e demais órgãos da Universidade, visando incentivar a integração entre pesquisadores e docentes da USP e de outras universidades, outros centros de cultura e intelectuais do País e do Exterior.

III — Estimular pesquisas e atividades que intensifiquem contatos dos pesquisadores, docentes e alunos da USP com as correntes intelectuais mais significativas de nosso tempo, do País e do Exterior.

IV — Incentivar estudos sobre políticas de desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da cultura em geral, bem como sobre o uso social do conhecimento, tendo em conta a melhor articulação entre a Universidade e a sociedade.

V — Oferecer estágios, por período determinado, a docentes e pesquisadores da USP e outros intelectuais do Brasil e do Exterior, para a realização de atividades que resultem em obra original.

VI — Favorecer novas idéias, resultantes do convívio, do confronto e da interação entre as diversas áreas de trabalho intelectual.

§ 1º — O IEA procurará abranger todas as disciplinas do conhecimento, inclusive as que não constem dos atuais currículos da USP.

§ 2ª — O IEA buscará obter o equilíbrio entre especialistas das Ciências e das Humanidades em geral.

Transcrevemos a seguir dois dos muitos artigos e matérias publicados na imprensa nacional e internacional, onde são apresentados uma visão geral e um balanço do primeiro ano de existência do Instituto de Estudos Avançados da USP.

 

AMID POLITICAL TURMOIL, BRAZIL'S UNIVERSITIES REFLECT NEW SPIRIT OF INQUIRY AND INNOVATION (*)

by Daniela Hart
São Paulo, Brazil

As a fragile young democracy struggles to find its way m Brazil after 20 years of military dictatorship, the country's universities are beginning to reflect a new spirit of inquiry and innovation.

Signs of change and turmoil are everywhere. Just this month, in the face of a staggering foreign debt and massive poverty, the government devalued the currency by nearly 8.5 per cent, as part of a sweeping new austerity program.

At the same time, however, a new constitution is in the works, and many of the limitations that military rule used to impose on cultural life are gone. Previously censored books are reappearing in libraries and bookstores, and once again it is acceptable to discuss all kinds of ideas.

In a general climate of political uncertainty, officials also are considering farreaching university reforms, including giving individual departments the right to choose their curricula. Although it is too soon to know how much change is likely, the system is clearly in flux.

One indication is a newly created Institute of Advanced Studies at the University of São Paulo.

 

First in South America

With 50,000 students and 4,500 faculty members, the university is Brazil's largest and most important center of higher education. The institute, for its part, is the first of its kind in South America. Its aims are to encourage interdisciplinary echanges and high-level discussions of broad issues, to counter the effects of a bureaucracy that has weighed the university down in recent times, and to end the isolation of academic departments.

The institute also will help students and scholars stay in touch with leading thinkers throughout the world and give participants a place to do research and reflect on issues outside specific curricula.

For the University of São Paulo, those are important developments. Under the military dictatorship, the university lost all of its autonomy. Rigid curricula were set up by the Ministry of Education and Culture, and each university department had to follow a fixed program. Few courses were determined by the academic staff, no interdisciplinary courses were taught, and all academic plans had to be ratified by military censors.

More generally, when the military controlled Brazil between 1964 and 1984, there was no free speech. Many people, including students and faculty members, were imprisoned, tortured, killed, or exiled for expressing ideas unpalatable to the government.

 

Massive Investments Made

The military also made massive investments in the country's infra-structure, helping to modernize the country and producing enormous economic growth. But the growth was financed largely by foreign loans, leaving Brazil with a debt it cannot handle today. Personal wealth, meanwhile, is unevenly distributed, with two-thirds of the people living below the poverty line.

Inevitably, higher education is feeling the effects of that legacy. All public universities in Brazil are short of funds — a circumstance that prompted a strike by faculty members at all 47 federal universities in the country over the past two months.

Last week, just after a new salary agreement had ended that strike, faculty members at the University of São Paulo, a state institution, called an indefinite walkout of their own over related issues, particularly salaries.

At the Institute of Advanced Studies, which received an initial government grant of $43,100 for 1987, officials say they need additional support from private sources to operate effectively.

Money aside, the institute is expected to help the university recapture an essential part of its character that was lost under military rule. When the university was founded in 1934; pulling together existing faculties in such fields as medicine and law, a new faculty of philosophy, sciences, and letters was established to provide an interdisciplinary core.

 

Humanities Were Gutted

During the dictatorship, that core was lost. The university stressed engineering and business administration, and the humanities were gutted.

Now São Paulo hopes to "regain the real meaning of a university", says Carlos Guilherme Mota, a historian who heads the new Institute of Advanced Studies. "We want to regain interdisciplinary contact and discussion, and the more universal approach to issues."

José Goldemberg, rector of the University of São Paulo, says he supports the institute's approach because "in the real world, problems do not come split up into subjects. Real-world problems are multidisciplinary".

The idea for the institute originated in 1979, Mr. Mota notes, after an amnesty declared by the military government raised the possibility that many professors would be returning from exile without any assurance that they could get their old jobs back.

With the military still controlling the University of São Paulo, their former colleagues thought an interdisciplinary institute would enable them to work around strict hiring criteria for classroom teachers and still get back into academic life.

 

Booked-up Conference Agenda

But many returning professors were soon reinstated in regular university departments, and the institute idea, facing a hostile political climate, failed to get off the ground.

"It is only now that it is possible to set up such an institute in Brazil", says Edgard Luiz de Barros, the institute's academic secretary. "Up until q year ago. we still had military police at the university, controlling our movements One could not organize a controversial or far-reaching public conference."

The initial plan was enthusiastically approved by an academic congress at the university in 1984, and the institute began operations last August on a trial basis. Today it is functioning regularly with interdisciplinary research and a booked up-agenda of conferences and small seminars. It also has a program for visiting professors, scientists, writers, and artists, who are invited for a month to a year to work on approved research projects.

Long-term study groups at the institute will tackle such issues as ''What are the specific characteristics of scientific thought in the Third World?"; "Where is capitalism going?"; and "The new democratic society".

 

Promoting Science and Culture

In addition, the institute, which offers no degrees of its own, is expected to make policy recommendations for the nation and promote science and culture.

"Here we can look at issues that give no immediate results and are therefore not usually part of any course curriculum", says Alberto Luiz da Rocha Barros, a physicist who helped set up the institute. "It is important to have highly skilled specialists, but a basic intellectual grounding is vital for autonomous thinking. Otherwise people only learn to be good copiers Here the emphasis will be on creative thought"

 

IEA: UMA PROPOSTA EM BUSCA DA MODERNIDADE(**)

José A Iberto Sheik Pereira

Trabalho do IEA resulta em linhas de reflexão
não previstas no currículo da USP

Antiga aspiração do corpo acadêmico — um centro de reflexão multidisciplinar —, o Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP encerrou seu primeiro ano de atividades com um saldo positivo. Inaugurado em 25 de agosto de 1986 com a conferência "Existe um pensamento brasileiro?", do jurista Raymundo Faoro, o IEA, segundo a avaliação do seu diretor, prof. Carlos Guilherme Mota, "ultrapassou a expectativa inicial ao permitir o surgimento de novas linhas de reflexão não previstas no currículo da Universidade".

A busca da interdisciplinaridade tinha dois propósitos baseados em experiência como a do Institute for Advanced Study, de Princeton, onde o reitor José Goldemberg se inspirou para sugerir a criação do IEA. Um dos propósitos era romper o isolamento da vida cotidiana de algumas escolas. O outro era diminuir barreiras que, por vezes, são criadas pelos títulos. Extrapolada a proposta inicial, o Instituto prepara-se, ao entrar em seu segundo ano, para tentar evitar que teses afins se dividam.

Para tanto, já criou três áreas de concentração biologia molecular, ciências ambientais e, dentro das humanidades, a história das mentalidades no Brasil e na América Latina.

Tomando como exemplo a área de biologia molecular, área considerada carente no Brasil, o prof. Gerhar Malnic, vice-diretor do Instituto, explica que os trabalhos serão desenvolvidos em duas fases. Numa primeira, reunidos pesquisadores das diversas unidades de interesse da questão, é feito um diagnóstico para verificar o que está faltando e onde estão as deficiências para o avanço da matéria.

A segunda fase é para decidir o que fazer. Aí entra o IEA como agente catalisador, para elaborar a política científica da área — que servirá inclusive de diretriz para o reitor — e patrocinar o desenvolvimento de novas pesquisas através da organização de cursos e simpósios que serão ministrados por especialistas convidados. O prof. Malnic ressalta que o patrocínio de novas pesquisas não significa seu financiamento, mas a promoção da interação entre os interessados. Isto porque o IEA não tem como propósito repetir atividades de instituições ou órgãos já existentes na USP.

 

Novas áreas

Apesar de inspirado em institutos congêneres existentes no Exterior, como o de Princeton ou o IEA do México, o IEA não pretende criar departamentos com o estabelecimento de áreas de concentração. Para isso, não há uma demarcação rígida de cada área, buscando-se facilitar a interdisciplinaridade que estará sempre servindo como fonte de fermentação para o desenvolvimento de áreas novas Como exemplo, o secretário acadêmico do Instituto, prof. Edgard Luiz de Barros, cita o evento "O Mundo da Música Eletrônica", onde um dos maiores especialistas no assunto, Hans Ulrich Humpert, da Escola Superior de Música de Colônia, na Alemanha, falou de suas experiências. A partir daí, um núcleo de música eletrônica poderá surgir na USP. O que o secretário acadêmico do IEA faz questão de ressaltar é que este núcleo, necessariamente, terá que se originar na unidade afim. No caso, a ECA, que tem sua escola de música.

Entusiasmado com a participação da nova sociedade civil nos eventos do Instituto, o prof. Mota lembra que uma das razões dessa procura é o caráter de abertura da entidade. "O público presente às conferências do mês nem sempre é composto por acadêmicos'', ressalta. Para ele, isso se deve à não-exigência de titulação para participação dos interessados nos programas da instituição.

"Numa universidade que não é muito econômica nos títulos e a preocupação interdisciplinar é apenas ideológica — e ainda regida pelo corporativismo dos departamentos —, ao não dar nem receber títulos, o IEA está mais preocupado em recolocar aquilo que deve ser essencial à vida universitária a reflexão em busca da contemporaneidade perdida", afirma Guilherme Mota ao ressaltar que, "com a abertura do IEA a todos, o propósito é permitir que o Instituto continue oferecendo respostas à sociedade, de onde também retira indagações". Para isso, já está em formação uma quarta área de concentração, a de economia e política, que terá seu início programado para julho do próximo ano com o evento "Ressocialização da economia". O acontecimento vai se realizar em conjunto com o Woodrow Wilson Center, de Washington, uma das muitas instituições internacionais que firmaram acordo com o IEA.

 

 

(*) Texto publicado no jornal especializado. The Chronicle of Higher Education, v. XXXIII, n° 35. may 13, 1987.
(**) Texto publicado no Jornal da USP, Ano III, nº 18, 1º a 7 de outubro de 1987.