SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.2 número1La cuestión democrática en América Latina: algunos temas y problemasPoemas de William Carlos Williams índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Estudos Avançados

versão impressa ISSN 0103-4014versão On-line ISSN 1806-9592

Estud. av. v.2 n.1 São Paulo jan/mar. 1988

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141988000100005 

APRESENTAÇÃO

 

Tradução, uma nova produção

 

 

Alfredo Bosi

 

 

Há os que acreditam ser a poesia intraduzível. É o juízo de um dos mais inventivos pensadores da Estética neo-hegeliana, Benedetto Croce, para quem não há versões poéticas perfeitas, mas, a rigor, novos atos criadores.

O paradoxo está armado: o segundo texto será uma bela tradução se for um poema original. Essa rara passagem só se torna possível quando o tradutor é também poeta. Caso a exigência não puder ser cumprida, o filósofo aconselha que a versão se contenha nos limites da paráfrase literária, que respeita a equivalência dos signos, mas abstém-se de transpor para outro idioma a teia de sons imanente ao primeiro, e inseparável das conotações e dos ressôos originais.

Mallarmé, passando para o registro de uma prosa semanticamente lisa os poemas musicalmente complexos de Edgar Allan Poe, terá dado prova de cautela ou de respeito inteligente à matriz. De certo atendia às palavras de Baudelaire: "uma tradução de poesias tão conscientes, tão concentradas, pode ser um sonho acariciante, mas não poderá ser mais do que um sonho".

Se for justa a proposição crociana, de um lado teríamos as belas infiéis, obra de tradutores traidores; de outro, as feias fiéis, limite a que chegaria uma filologia escolar. O que dá no impasse.

No entanto, a prática do tradutor empenhado está sempre enfrentando o dilema e tentando desfazê-lo, de cada vez, pela re-criação que seja fiel não só à verdade do poema original como à sua beleza. Este é o sentido do trabalho crítico e artístico de José Paulo Paes, que já verteu com brilho e precisão Aretino, Kaváfís e os neo-helênicos; e agora nos dá o fruto da sua experiência com a linguagem ora direta, ora sutil, de um dos melhores poetas americanos do século XX: William Carlos Williams.

A tarefa que se propôs José Paulo Paes contou com o apoio do Instituto de Estudos Avançados que o teve, por dois meses, como professor-visitante.

A abertura à praxis da criação foi um começo feliz para um centro universitário que, cherchant son bien où il le trouve, só tem a aprender no convívio com os poetas.

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons