SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.2 número2A percepção popular da Assembléia Nacional Constituinte índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Estudos Avançados

versão impressa ISSN 0103-4014versão On-line ISSN 1806-9592

Estud. av. v.2 n.2 São Paulo maio/ago. 1988

https://doi.org/10.1590/S0103-40141988000200011 

DOCUMENTO

 

Grupos de Estudos Interdisciplinares do IEA

 

 

Como já foi feito no número anterior de estudos AVANÇADOS, onde apresentamos a problemática da Biologia Molecular e sua ênfase como área de concentração do IEA, abordamos agora o tema das Ciências Ambientais. Nos próximos números, serão tratadas as outras duas áreas prioritárias de atuação do Instituto de Estudos Avançados: História das Ideologias e Mentalidades, coordenada pelos profs. Alfredo Bosi e Carlos Guilherme Mota; e a área de Economia e Política, coordenada pelo prof. Paul Singer, que promoveu no mês de julho passado o Simpósio Internacional Democratizing Economics: discourse and praxis (Towards a New Economics), em convênio com o Woodrow Wilson International Center for Scholars, de Washington, DC.

 

 

CIÊNCIAS AMBIENTAIS NO IEA

O Grupo de Estudos sobre Ciências Ambientais formou-se no primeiro semestre de 1987, sob a coordenação do prof. José Galízia Tundisi e, em 1988, suas atividades com um tratamento priorizado encontram-se em fase de implantação.

O uso eficiente de recursos naturais renováveis e não-renováveis, e a recuperação de ecossistemas, requerem uma atuação integrada e interdisciplinar que tem sido desenvolvida nos anos recentes na área de Ciências Ambientais. Este abrangente campo de atividade cientifica tem uma ampla interface com o planejamento do desenvolvimento econômico e social, principalmente no que se refere ao gerenciamento de recursos, à previsão e quantificação de impactos ambientais, e à análise e busca de tecnologias adequadas para controle ambiental e resolução de problemas relativos à poluição e degradação ambiental.

A inserção de conceitos ambientais e de teoria ecológica no processo de planejamento demanda uma análise crítica da situação atual do Brasil e da América Latina quanto a políticas de desenvolvimento e o uso de recursos, poluição, crescimento sustentado com gerenciamento ambiental e prognósticos com vários cenários alternativos. A busca de modelos alternativos e de seus possíveis impactos nos sistemas naturais é um ponto importante de atuação na área de Ciências Ambientais. Ela envolve a análise e introdução de ampla conceituação teórica, a qual deve ser incorporada ao processo de planejamento a longo prazo.

A crítica situação em muitas regiões do Brasil, com relação ao ambiente, é, em grande parte, devida à exclusão de princípios ambientais do planejamento regional. Problemas como energia e ambiente, a situação ambiental das grandes metrópoles, a expansão da fronteira agrícola demandam uma profunda análise e a proposição de soluções criativas adequadas à realidade regional.

Um outro aspecto importante é a formação de recursos humanos em Ciências Ambientais.

Tendo em vista esta problemática, o Instituto de Estudos Avançados da USP, na sua área de concentração em Ciências Ambientais, deverá desenvolver atividades em três projetos principais:

1) Análise crítica do processo de desenvolvimento e suas repercussões ambientais; bases ambientais e alternativas para o desenvolvimento regional sustentado. Neste projeto, o primeiro tópico a ser tratado desenvolverá o tema Energia e Ambiente, com a criação de um grupo de trabalho sobre este tema e a realização de um seminário em 1989 (primeiro semestre);

2) Análise do desenvolvimento teórico e a situação atual da ecologia e sua aplicação nos trópicos. Neste projeto, procurar-se-á aprofundar a análise conceituai da ciência ecológica e examinar alternativas e mecanismos para sua efetiva aplicação no conjunto de processos e ecossistemas tropicais. Nesta perspectiva, insere-se a realização de dois seminários, um em 1988 e outro no início de 1989: "Ecologia, Teoria e Práxis" (segunda quinzena de outubro), e "Modelagem Ecológica: teoria e aplicações" (9-13 de janeiro de 1989), este último em conjunto com a Escola de Engenharia de São Carlos (Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada e Centro de Processamento de Dados);

3) Atualmente, existe uma enorme atividade relacionada à análise de impacto ambiental. Bases seguras para uma análise de impacto ambiental provêm da implantação de metodologias adequadas com extensa conceituação teórica e conhecimento científico de processos ecológicos, organização espacial e hierarquias de fatores associadas a aspectos econômicos e sociais. Também a quantificação das análises é fundamental. Portanto, esta terceira atividade deverá ser desenvolvida através da criação de um outro grupo de trabalho: Metodologias de impacto ambiental: uma análise crítica.

Os grupos de trabalho atuarão sob a forma de reuniões, seminários e a realização de simpósios que procurarão sintetizar idéias discutidas e produzir textos e livros.

Especialistas de outros países deverão participar desses grupos de trabalho e dos simpósios, e na produção de bibliografia original. Dentre estas, destaca-se a visita do prof. Ramon Margalef, por três meses, ainda em 1988.

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons