SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 issue19Política exterior de D. João VI no Brasil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Estudos Avançados

Print version ISSN 0103-4014On-line version ISSN 1806-9592

Estud. av. vol.7 no.19 São Paulo Sept./Dec. 1993

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141993000300007 

CRIAÇÃO/COR

 

Os experimentos prismáticos de Goethe

 

 

Fred Jordan

 

 


RESUMO

O ensaio pretende estimular a realização de experimentos prismáticos com recursos muito simples e, com isso, facilitar o acesso aos fundamentais estudos de Goethe sobre cor, a "Farbenlehre". O encarte anexo contém fotos de um processo prismático complementar, produzido por Imagens-Modelo em Claro-Escuro neutro. Contém ainda fotos de imagens prismáticas produzidas por Imagens-Modelo em cores.

Palavras-chave: espectro complementar da cor; experimentos prismáticos; estudos sobre cor; Goethe; Farbenlebre.


ABSTRACT

The essay intends to stimulate the carrying out of prismatic experiments with very simple resources and, therewith, ease the access to Goethe's fundamental color studies, the "Farbenlehre". The included folder contains photographs of a complementary prismatic process produced by neutral bright-dark Model-Images. It also contains photographs of prismatic images produced by colored Model-Images.

Keywords: complementary color spectrum; prismatic experiments; color studies; Goethe; Farbenlehre.


 

 

Para o estudioso da cor, os experimentos propostos por Goethe são imprescindíveis. Por isso, o primeiro objetivo deste ensaio e do encarte anexo é induzi-lo a fazer esses experimentos: deixar de lado as teorias e ter uma vivência pessoal do processo prismático. O segundo, recomendar uma bibliografia dos abrangentes e profundos estudos de Goethe sobre cor, a tão desconhecida " Farbenlehre".

Os experimentos com os dois lados complementares do Espectro são a entrada principal não só para os estudos goethianos, mas para todo e qualquer estudo da cor. Não é preciso equipamento especial. É preciso, sim, um máximo de tranqüilidade e um mínimo de intenção. Enfim, é preciso fazer boa fenomenologia...

A título de iniciação, observe — sem prisma — a ilustração acima. Seria uma estrela, ou melhor, a imagem de uma estrela?

Pois esta ilustração pode muito bem representar o famoso experimento de Newton, com o pequeno orifício na veneziana (sem frestas). Todos se lembram desse orifício, por onde entrava a luz no quarto escuro. Poucos têm em mente a participação da veneziana escura que, afinal, definia o orifício claro. Um século após Newton, Goethe demonstra que o Espectro tem a ver com o todo, formado pelo orifício e veneziana. Tem a ver, precisamente, com o limite entre dois valores, Claro e Escuro, pois é nesta área limítrofe que se formam as cores prismáticas.

Olhando a imagem da estrela, agora através do prisma, você percebe que o movimento de refração não projeta a luz, mas, sim, a imagem da luz. Não projeta somente o valor claro, mas também o valor escuro. O prisma projeta a Imagem como um todo. E a imagem formada por um pequeno ponto claro num campo escuro produz o conhecido Espectro que costuma ilustrar os livros.

Goethe, no entanto, demonstra que se trata de apenas um lado, ou seja, de apenas uma das imagens complementares do Espectro. Para conhecer a outra imagem, você tem de inverter o Claro-Escuro! Deixe a luz plena entrar no quarto. Na vidraça transparente afixe um pequeno cartão opaco. Em vez de um ponto claro em campo escuro, você tem agora um ponto escuro em campo claro... e pode observar aquele lado do Espectro que não costuma ilustrar os livros.

Nesta oportunidade, veja (sempre pelo prisma) o que acontece, se você tirar o cartão da janela, preenchendo todo o campo de visão com "claridade" indiferenciada.

Para muitas pessoas parece ser penoso, se não impossível, aceitar o Escuro como força atuante, e não apenas como decréscimo ou ausência de luz. Contudo, elas aceitam, por exemplo, o frio, como presença atuante, e não como "ausência de calor"...

Geralmente se diz que sem luz não há Cor. Melhor seria dizer: sem Imagem não há Cor. Luz e Imagem são duas coisas diferentes. A Luz, enquanto energia invisível, existe independente da Imagem. A Imagem é que depende da presença da Luz e da Matéria. É fundamental lembrar que, para nós, o mundo não existe visualmente a partir somente da Luz, mas, sim, a partir da interação entre Luz e Matéria em todas as suas temperaturas, densidades, transparências. Essa interação é que forma o Claro-Escuro, ou seja, a imagem visual do nosso mundo.

E o Claro-Escuro, por sua vez, quando observado através de matéria semitransparente, revela as cores prismáticas. Goethe chama a matéria mediadora, entre observador e Imagem — o prisma, por exemplo — de Meio turvo," das triibe Mittel".

 

 

Mas não adianta só ler essas coisas. Tudo isso tem de ser experimentado, vivenciado freqüentemente, procurando-se, aos poucos, internalizar Conhecimento, Percepção, Sensibilidade.

A propósito, você pode sempre assistir à Fantasia Cromática em Dois Movimentos, simplesmente olhando o céu: o Espaço interestelar é o Escuro; o Sol representa o Claro. A Atmosfera é a Matéria semitransparente, ou seja, o Prisma. Um dos Movimentos aparece ao fim da noite, no lado oposto ao sol nascente. A turvação atmosférica entre o observador e o espaço escuro é levemente iluminada, atuando como Claro à frente do Escuro. Inicialmente essa turvação torna-se Violeta, clareando para Azul.

O Movimento complementar aparece à tarde. A turvação atmosférica entre o observador e o Sol atua como Escuro à frente do Claro, tornando-se amarelada. Ao pôr-do-sol, o Amarelo se intensifica até o Vermelho.

Claro sobre Escuro, Escuro sobre Claro — você vai reencontrar esses dois movimentos geradores do fenômeno prismático nas ilustrações do encarte anexo. Lembram-me o final do Fausto II: "Alles Vergangliche ist nur ein Gleichnis." Fenômenos são parábolas.

 

Bibliografia recomendada

BJERKE, André. - Nene Beiträge zu Goethes Farbenlehre: L Teil, Goethe contra Newton. — Stuttgart: Freies Geistesleben, 1961.        [ Links ]

DER FARBENKREIS: Beiträge zu einer goetheanistischen Farbenlehre. - Stuttgart: Freies Geistesleben. - (Publicação anual, desde 1981, do Goethe-Farbenstudio am Goetheanum, Dornach, Suíça. Colab. Proskauer, Ott, Rebholz.)        [ Links ]

GOETHE, Johann Wolfgang von, (1749-1832). - Farbenlehre. -Einleit. und Kommentare Rudolf Steiner; Hrsg. Gerhard Ott, Heinrich O. Proskauer. — Stuttgart: Freies Geistesleben, 1984. — (Contém os estudos sobre cor, completos, em 5 volumes, baseados na Ed. Kürschner, 1883-1897. Veja trad, inglesa e francesa).        [ Links ]

__________. Theory of Colours. - Transl. and notes Charles Lock Eastlake, publ. by John Murray, 1840; introd. Deane B. Judd, 1970. - Cambridge: M.I.T., 1970.        [ Links ]

__________. Traite des Couleurs. - Introd. et notes Rudolf Steiner; textes choisis et presentes Paul-Henri Bideau; trad. Henriette Bideau. — 3e éd. revue. — Paris: Triades, 1986.        [ Links ]

HEBING, Julius, (1891-1973). - Welt, Farbe und Mensch: Studien und Übungen zur Farbenlehre und Einführung in das Malen. - Beitrag Fritz Weitmann; Hrsg. Hildegard Berthold-Andrae. - Stuttgart: Freies Geistesleben, 1983.        [ Links ]

LAND, Edwin H. - Experiments in Color Vision. - New York: Scientific American, May 1959. - (Land inventou o processo Polaroid).        [ Links ]

LÜTKEHAÜS, Ludger (Organ.) - Arthur Schopenhauer: Der Briefwechsel mit Goethe und andere Dokumente zur Farbenlehre. -Zurich: Haffmans, 1992.        [ Links ]

MATIHAEI, Rupprecht. - Goethes Farbenlehre ausgewählt und erläutert. - Ravensburg: Otto Maier, 1987. - (Seleção de aprox. metade do texto original, comentada).        [ Links ]

NEWTON, Isaac, (1643-1727). - Opticks: or a treatise of the reflections, refractions, inflections and colours of Light. — Forword Albert Einstein; introd. Edmund Whittaker; preface Bernard Cohen. - New York: Dover, 1952. - (Baseada na 4ª ed. Innys, Londres, 1730).        [ Links ]

PROSKAUER, Heinrich O. - Zum Studium von Goethes Farbenlehre. - Basel: Zbinden, 1968.        [ Links ]

RUNGE, Philip Otto, (1777-1810). - Die Farbenkugel und andere Schriften zur Farbenlehre. - Stuttgart: Freies Geistesleben, 1963. - (O pintor Runge correspondeu-se com Goethe. Pósfacio de J. Hebing).        [ Links ]

STEINER, Rudolf, (1861-1925). - Das Wesen der Farben: 3 Varträge, Dornach 1921, 9 Vorträge als Ergänzangen 1914-1924. - Dornach: Rudolf-Steiner Verlag, 1980. — (Steiner editou a obra científica de Goethe para a Ed. Kürschner, e parte dela para a Sophien-Ausgabe. Veja trad, francesa).        [ Links ]

__________. Nature des couleurs: 12 conférences 1914-1924. — Trad. Henriette Bideau. — Geneve: Ed. Anthroposophiques Remandes, 1978.        [ Links ]

 

 

 

Fred Jordán é designer gráfico e consultor para comunicação visual.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License