SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.8 número22O Instituto de Química em 1994Resumo das linhas de pesquisas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Estudos Avançados

versão impressa ISSN 0103-4014versão On-line ISSN 1806-9592

Estud. av. v.8 n.22 São Paulo set./dez. 1994

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141994000300079 

EXATAS E NATURAIS

 

Instituto de Biociências

 

 

Erasmo Garcia Mendes

 

 

Antes da criação da seção de História Natural na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, o ensino de biologia e geologia levando à graduação nessas matérias não se achava sistematizado em nível superior no Brasil. Não obstante, notáveis biólogos e geólogos surgiram no pais, oriundos de faculdades profissionalizantes (medicina, agronomia, engenharia etc.), nas quais elementos de biologia e geologia eram ministrados complementarmente às disciplinas formativas. Egressos de tais faculdades não raro deixaram de se profissionalizar e, nelas próprias ou em institutos oficiais — ou não — de pesquisa, tornaram-se eminentes especialistas. Não foram raros também os que, sem qualquer formação universitária, autodidaticamente, trabalhando nessas instituições, tornaram-se pesquisadores, granjeando grande reputação. Nada impede que esses modos de formar o biólogo ou geólogo continuem funcionando, mas parece claro que os estudos de biologia e geologia em institutos universitários especializados passaram a constituir a via rápida e efetiva da consecução de objetivos.

No decreto de criação da Universidade de São Paulo, na parte concernente à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, constaram do Título II, Capítulo II disciplinas biológicas e geológicas como formadoras da seção de Ciências Naturais, que sob essa denominação começou a funcionar em 1935. Essa seção, por impropriedade do nome, acabou convertendo-se em História Natural e, como tal, continuou até 1957. Compunha-se dos seguintes departamentos: Mineralogia e Petrografia, Geologia e Paleontologia, Biologia Geral, Zoologia, Botânica e fisiologia Geral e Animal. Nesse ano, a seção foi desmembrada em Ciências Biológicas e Ciências Geológicas, permanecendo no âmbito da Faculdade de Filosofia até a Reforma Universitária em 1970.

Com essa reforma, a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras cedeu várias de suas seções para a constituição de novas unidades de ensino, transformando-se em Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Desse modo surgiu o atual Instituto de BioCiências, oriundo da seção de Ciências Biológicas da velha Faculdade de Filosofia. Dos departamentos da antiga seção, três mantiveram o mesmo nome: o de Biologia Geral, o de Zoologia e o de Botânica; o Departamento de fisiologia Gerai e Animal passou a denominar-se simplesmente fisiologia Geral e foi criado um novo departamento, o de Ecologia Geral.

A Reforma ocasionou também modificações na estrutura curricular de disciplinas. Assim, o Departamento de Biologia cedeu ao Departamento de Histologia do Instituto de Ciências Biomédicas as disciplinas Histologia e Embriologia, conservando as de citologia, Genética e Evolução; a Bioquímica passou a ser ensinada no Instituto de Química, e a Estatística, a Matemática e a Física (disciplinas complementares) nos Institutos também criados pela Reforma para esses fins. O vínculo residual com as ciências geológicas da antiga seção de mesmo nome, na Faculdade de Filosofia, hoje o Instituto de Geociências, ficou constituído pelas disciplinas Geologia Geral e Paleontologia, indispensáveis à formação do biólogo.

Até a reforma, os departamentos eram chefiados por professores catedráticos. No caso das biociências, os primeiros catedráticos foram André Dreyfus (Biologia Geral), Félix Rawítscher (Botânica), Ernesto Marcus (Zoologia) e Paulo Sawaya (Fisiologia Geral e Animal). Inicialmente, os departamentos da seção de História Natural da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras estiveram instalados em dependências da Faculdade de Medicina, na avenida Dr. Arnaldo. Em 1938 eles foram transferidos para o prédio situado na esquina da alameda Glete com a rua Guaianases (antiga residência do industrial Jorge Street). A partir de 1955, foram aos poucos sendo mudados para prédios próprios na Cidade Universitária. Atualmente, os Departamentos de Biologia e Botânica ocupam o Edifício André Dreyfus, que tem, em frente, outro prédio destinado a aulas. Os Departamentos de Zoologia e fisiologia Geral, bem como o Departamento de Ecologia Geral, estão alocados no Edifício Ernesto Marcus, que abriga também a Biblioteca do Instituto de Biociências. Essa biblioteca será transferida em breve para um novo prédio, em fins de construção entre os Edifícios André Dreyfus e Ernesto Marcus. Esse novo prédio abrigará também salas de aulas teóricas e práticas de todos os departamentos. Todo esse conjunto arquitetônico está situado na parte alta da Cidade Universitária, nas vizinhanças da Reserva Florestal e do Viveiro de Plantas. Outro prédio foi também construído para alojar um restaurante para servidores e alunos, na parte superior e, na inferior, o Centro Acadêmico do Instituto. O Departamento de Botânica, no espaço livre, atrás do Edifício André Dreyfus, mantém um grande jardim para fins de ensino e pesquisa. O Departamento de Ecologia possui um apiário, ao redor de um pequeno prédio, destinado à investigação. No hall do andar térreo do Edifício Ernesto Marcus há um pequeno museu de Zoologia, franqueado ao público. O Departamento de fisiologia Geral construiu seu biotério em espaço livre na vizinhança imediata deste último edifício. O Departamento de Biologia mantém, isolado em um prédio nas imediações do Edifício André Dreyfus, um laboratório para o estudo dos efeitos das radiações em processos biológicos.

A seguir, estão discriminadas as principais linhas de pesquisa atuais do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo.

 

 

Erasmo Garcia Mendes é professor emérito da USP e integra a Mesa Editorial da revista Estudos Avançados.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons