SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 issue36Flávio de Barros, o ilustre cronista anônimo da guerra de CanudosPopulações tradicionais e a Convenção da Diversidade Biológica author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Estudos Avançados

Print version ISSN 0103-4014

Estud. av. vol.13 no.36 São Paulo May/Aug. 1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141999000200007 

DOSSIÊ NORDESTE SECO

 

Referências bibliográficas do Nordeste seco

 

 

Seleção de A. N. Ab'Sáber

 

 

1. Condicionantes climáticos:

AB'SABER, Aziz Nacib (1974). O domínio morfoclimático das caatingas brasileiras. São Paulo, Instituto de Geografia, USP, Geomorfologia, n. 43.

__________ .(1977a). Problemática da desertificação no Brasil intertropical. São Paulo, Instituto de Geografia, USP, Geomorfologia, n. 53.

__________ (1977b). Os domínios morfoclimático da América do Sul - Primeira Aproximação. São Paulo, Instituto de Geografia, USP, Geomorfologia, n. 52.

__________ (1977c). Espaços ocupados pela expansão dos climas secos na América do Sul, por ocasião dos períodos glaciais quaternários. São Paulo, Instituto de Geografia, USP, Paleoclimas, n. 3.

__________ (1977d). Problemas da desertificação e da savanização no Brasil intertropical. IGEOG-USP, Geomorfologia, n. 53.

__________ (1986). Ribeiras, serrotes e grutas das Terras do São Francisco. In: Terras do Rio de São Francisco, p. 98-100. Fotografias reunidas de Maureen Bisilliat. Textos de A.N. Ab'Sáber. BEMGE. Raízes Artes Gráficas Ltda.

ALDAS, L. (1971). Caracterização parcial do regime de chuvas do Brasil. Rio de Janeiro, Tech. note n. 4.

AMARO FILHO, J. e outros (1981). Estimativa de evapotranspiração e probabilidade de chuva para o município de Mossoró, RN. Mossoró, RN, Fundação Guimarães Dutra, Coleção Mossoroense, 175.

ANDRADE, Gilberto Osório de (1970). Os climas do Nordeste. Conselho de Desenvolvimento de Pernambuco.

AOUAD, M. dos S. & CODORI, R.V. (1986). Desertificação na Bahia: levantamento preliminar de áreas vulneráveis. SEMINÁRIO SOBRE DESERTIFICAÇÃO NO NORDESTE, Documento Final, p. 128-147. Brasília, SEMA/SPL.

BEAUREPAIRE ROHAN, Henrique (1860). Considerações acerca dos melhoramentos de que em relação às secas são susceptíveis algumas Províncias do norte do Brasil. Rio de Janeiro.

BOAVENTURA, Ricardo Soares (1986). Erosão acelerada e desertificação. SEMINÁRIO SOBRE DESERTIFICAÇÃO DO NORDESTE, Documento Final, p. 71-78. Brasília, SEMA/SPL.

CARVALHO, Delgado (1922). Dados pluviométricos relativos ao Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro, Publicação n. 47, série IB-IFOCS.

COELHO, Jorge (1989). Potentiel agricole de la region semi-aride du Nordeste Brésilien. Resumé. In: Bernard Bret (coord.). Les Hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted Ed. p. 315.

COST, W.D. (1965). Análise dos fatores que influenciam na hidrogeologia do cristalino. Água Subterrânea, ano I, n. 4, p. 14-47.

DERBY, Orville (1907). O regimen das chuvas nas regiões das secas do Norte do Brasil. Fortaleza, Revista da Academia Cearense, t. XII.

HARGREAVES, Georges H. (1973a). Disponibilidades e deficiências de umidade para a produção agrícola no Ceará, Brasil. Universidade do Estado de Utah, Departamento de Engenharia Agrícola e Irrigação (ago.).

__________ (1973b). Monthly precipitation probabilities for the states of Maranhão, Ceará and Piauí in Northeast Brazil. Logan, UT, Dept. of Agric. & Irrigation Engineering. Utah State University.

__________ (1974a). Climate zoning for agricultural production in Northeast Brazil. Logan, UT, Utah State University.

__________ (1974b). Precipitation dependability and potential for agricultural production in Northeast Brazil. Logan, UT, EMBRAPA/Utah State University.

__________ (1974c). Disponibilidades e deficiências de umidade para a produção agrícola em Pernambuco, Paraíba, Bahia, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Piauí, Minas Gerais, Brasil.

HISARD, Philippe (1989). L'ocean Atlantique tropical et la variabilité du regime des precipitations dans le Sahel et le Nordeste brésilien. In: Bernard Bret (coord.) Les Hommes face aux sécheresses, Paris, IHEAL-EST, p. 63-64.

ICHIKAWA, M. (1973). Streamflow variability and model flow duration in the semi-arid region of the Brazilian Northeast. Tokyo, Geogr. Papers, 17, p. 39-58.

IFOCS (s/d). Dados pluviométricos relativos ao Nordeste do Brasil (1912-1920).

LEPRUN, Jean Claude (1989). Étude comparée des facteurs de l'erosion dans le Nordeste du Brésil et en Afrique de l'Ouest. In: Bernard Bret (coord.). Les hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted, p. 139-154.

MARKHAM, Chadu G. (1967). Climatological aspects of drought in Northeastern Brazil. Berkeley, Universidade da California.

_________(1972). Aspectos climatológicos da seca no Brasil Nordeste. Recife, 1972. Tese (doutorado). Sudene/AT.

MARKHAM, Chadu G. &McLAIN, D.R. (1975). Relation of sea temperature and rain in Ceará. Fresno, Association of Pacific Coast Geographs, June, p. 15-17.

MARQUES, José Geraldo W. (1986). Considerações sobre a desertificação nordestina, notadamente no estado de Alagoas. SEMINÁRIO SOBRE DESERTIFICAÇÃO DO NORDESTE, Documento Final, p. 148-149. Brasília, SEMA/SPL.

MIRANDA, E.E. de & OLIVEIRA, C.A. (1981). Um método simples para estimar as precipitações anuais em localidades sem pluviômetro no trópico semi-árido do Brasil. Petrolina, Embrapa, Centro de Pesquisas Agropecuárias do Trópico Semi-Árido.

MOURA, A.D. & KAGANO, M.T. (1983). Teleconnections between South America and Western Africa as revealed by monthly precipitation analysis. INTERNATIONAL CONFERENCE ON SOUTHERN HEMISPHERE METEOROLOGY, 1. Proceedings. São José dos Campos, SP (1983).

NAMIAS, J. (1972). Influence of Northern hemisphere general circulation on drought in Northeast Brazil. Tellus XXIV, p. 336-343.

NIMER, Edmon (1972). Climatologia da região Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, ano 34, p. 3-51, abr./jun.

__________ (1977). Clima. In: Região Nordeste - Geografia do Brasil, v. II. Rio de Janeiro, FIBGE, p. 47-84.

__________ (1979a). Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro, IBGE.

__________ (1979b). Pluviometria e recursos hídricos dos estados de Pernambuco e Paraíba. Rio de Janeiro, IBGE, Supren.

NOBRE, C.A.; YANASSE, H.H. & YANASSE, C.C.F. (1982). Previsão de secas no Nordeste pelo método das periodicidades, uso e abuso. São José dos Campos, SP, INPE: 2344RPE407.

RAMOS, Rodolpho Paes Leme (1974). Precipitation characteristics in the Northeast Brazil dry region. Fort Collins, Colorado, Department of Atmosphere Science, Colorado State University [paper n. 224].

SEMA - Ministério do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente (1986). Seminário sobre desertificação no Nordeste. Documento Final (diversos autores). Brasília, SEMA/SPL - Coord. de Monitor. Ambiental. Brasília.

SERRA, Adalberto B. (1945). Meteorologia do Nordeste Brasileiro. Rio de Janeiro, Conselho Nacional de Geografia (IBGE).

__________ (1973). Previsão das secas nordestinas. Rio de Janeiro, Boletim Geográfico (CNG), ano 32, n. 232, p. 56-75 e n. 233, p. 78-104.

STRANG, Douglas MacGregor Dore (1979). Utilização dos dados pluvio-métricos de Fortaleza, CE, visando determinar probabilidades de anos secos e chuvosos. São José dos Campos, SP, CTA, Relatório Técnico ECA 03/79.

__________ (1972). Climatological analysis of rainfall normals in Northeastern Brazil. São José dos Campos, SP, Centro Técnico Aeroespacial.

TRICART, Jean (1989). Discussion, [a propósito das diferenças entre o Sahel e o Nordeste Seco]. In: Bernard Bret (coord.). Les hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted, p. 323-324.

VASCONCELOS SOBRINHO, José de (1976). O processo de desertificação do Nordeste. Brasília, Senado Federal. Brasília.

__________ (1982a). Desertificação do Nordeste brasileiro. MRC/Univ. Fed. Rural de Pernambuco. Estação Ecológica de Tapacura. São Paulo, Padilla Inds. Grafs. Ed.

__________ (1982b). Processos de desertificação no Nordeste. Recife, MA/Sudene.

__________ (1985). Desertificação do Nordeste Brasileiro. São Paulo, Padilla Indústrias Gráficas.

XAVIER, T. de M.S.B. (1985). Classificação e monitoração de períodos secos e chuvosos para o estado do Ceará. Fortaleza, Fórum de Debates FJ.R.P.C.

XAVIER, T. de M.B.S. & XAVIER, A.F.S. (1984). Dry and wet periods characterisation over drought polygon (polígono das secas) in Northeast Brazil. SYMPOSIUM ON METEOROLOGICAL ASPECTS OF TROPICAL DROUGHTS, 2. Fortaleza, WMO.

WEBB, Kempton E. (1956). The climate of Northeast Brazil according to the Thorntwait Climatic Classification. CONGRESS INTERNATIONAL DE GEOGRAPHIE, 18. Proceeding v. 2, p. 609-612. Rio de Janeiro, Com. Nac. de Geografia (1956).

 

2. Hidrologia. Barramentos fluviais:

AB'SÁBER, Aziz Nacib (1958). Significado geomorfológico da rede hidrográfica do Nordeste oriental brasileiro. Notícia Geomorfológica, n. 2, p. 35-40. [Trabalho originalmente publicado em 1956].

__________ (1986). O Rio São Francisco: Um rio que cruza os sertões. In: Terras do Rio de São Francisco, p. 8-17. Fotografias reunidas de Maureen Bisilliat. Textos de A.N. Ab'Sáber. BEMGE. Raízes Artes Gráficas Ltda.

ADERSTRON, D.J. & ASSAD, José Carlos (1964). Observações hidrológicas no Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro, DNPM, Boletim da Divisão de Geologia e Mineralogía, n. 120.

ALENCAR LIMA, Tristão Franklin (1986). Estudos sobre um projeto de canal do rio São Francisco ao Jaguaribe [Inéditos].

ALVES de SOUSA, José Alves (1995). A energia de Paula Afonso e o Nordeste. Recife, Graf. Edit, do Recife.

AVELAR, Maria Angélica Braga de (1976). O DNOCS e a irrigação do Nordeste. Brasília, MINTER. DNOCS.

BEZERRA de NELO, Janúncio (1994). A transposição do São Francisco. A história real. Campus de Caicó, Universidade Federal do Rio Grande do Norte [mimeo, inédito].

BRITO NEVES, Benjamim B. de (1971). Aspectos hidrogeológicos dos depósitos correlativos do Nordeste. CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, Anais. São Paulo, 1971, v. 2, p. 35-43.

CARVALHO, J. (1994). Projeto de transposição de águas do rio São Francisco. Fortaleza, Economia do Nordeste, v. 25, n. 3, p. 305-330.

CENTRO de PLANEJAMENTO DA BAHIA (1979). Bacias hidrográficas do estado da Bahia. Salvador, C.PB. Recursos Naturais, n. 1.

__________ (1982). Irrigação na Bahia: levantamento dos projetos C.B.E. Salvador, Recursos naturais, n. 6.

CONSELHO NACIONAL de GEOGRAFIA (1952). Estudo da zona de Influência da Cachoeira de Paulo Afonso. Rio de Janeiro, Serv. Gráfico do IBGE.

CRANDALL, Roderick (1910). Geografia, geologia, suprimento d'água, transporte e açudagem nos estados orientais do Nordeste do Brasil: Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba. Rio de Janeiro, IFOCS.

DUQUE, José Guimarães (1973). Solo e água no polígono das secas. Fortaleza, Ed. M.V.O.P.

FERREIRA da PONTE, Pompeu (1884). Ensaio sobre a irrigação agrícola na Província do Ceará.

GEYH, M.H. & KREYSING, K. (1973). Sobre a idade das águas subterrâneas no polígono das secas do Nordeste brasileiro. São Paulo, Revista Brasileira de GeoCiências, v. 3, n. 1, p. 53-59, mar. 1973.

GOMES, Pimentel (1960). Água no Nordeste. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, v. 22, n. 3, p. 23-60.

ICHIKAWA M. & YAMAMOTO, S. (1972). On the occurence of water and the characteristic types of land use in semi-arid region of Brazilian Northeast. Tokio, Science Reports of the Tokyo University.

ISTO É (1986). Chuva de Prata: governo põe 4,3 bilhões de dólares em irrigação. São Paulo, IstoÉ, p. 16, 14 maio 1986.

JAGUARIBE, Domingos (1894). Contribuição para a canalização do Rio São Francisco ao Jaguaribe. Bruxelas, Gustavo Fischlin (ed.).

LIMA, M.J.; SALES, M.F. & MONTEIRO, M.L. (1987). Açudagem no Nordeste e o processo de fixação do homem no meio rural. Relatório de Pesquisa. Recife, Universidade Federal Rural de Pernambuco.

MATSUI, F. (1978). Origem e dinâmica da salinidade de água do Nordeste brasileiro. Piracicaba, SP, 1978. Tese (doutoramento) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo.

NASCIMENTO, P.A.B. (s/d). Inventário hidrogeológico do Nordeste. Recife, Sudene, Hidrografia, n. 35.

OTTONI Neto, Theophilo Benedicto (1978). A perenização dos rios Jaguaribe, Piranhas e Paraíba do Norte: estudo preliminar de pré-viabilidade. Salvador, IV CONGRESSO E I AMOSTRAS NACIONAIS DE IRRIGAÇÃO E DRENAGENS.

__________ (1981). A perenização hídrica das bacias carentes do Nordeste: uma solução hidroenergética. Fortaleza, DNOCS.

REBOUÇAS, A. da C.; BRAGA, B. &TUNDISI, J.G. (orgs. e coords. cients.) (1999). Águas doces no Brasil. Capital ecológico. Uso e conservação. São Paulo, IEA-USP, ABC Escrituras Ed.

REBOUÇAS, A. da C. & MARINHO, M.E. (1972). Hidrologia das secas: Nordeste do Brasil. Recife, Sudene.

SIGAUD, Lígia (1986). Efeitos sociais de grandes projetos hidrelétricos: as barragens de Sobradinho e Machadinho. Rio de Janeiro, PPGAS/Museu Nacional, Comunicação n. 9.

SIQUEIRA (1967). Contribuição da Geologia à pesquisa de água subterrânea no Cristalino. Recife, Água Subterrânea, v. 2, n. 9, p. 1-29.

SOUZA, Marcos José Nogueira de (1975). Geomorfologia do Vale do Choró, CE. São Paulo, Instituto de Geografia, USP, Série Teses e Monografias, n. 16.

STEFFAN, Elvia Roque (1977). Hidrografia. In: Geografia do Brasil-Nordeste. Rio de janeiro, FIBGE, p. 111-133.

SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE (1985). A problemática e a política de terra e água do Nordeste. Recife, Sudene, série Projeto Nordeste, 7.

TALTASSE, P. & STRETTA, E. (1959). Os problemas hidrogeológicos do Polígono das Secas. São Paulo, Boletim da Sociedade Brasileira de Geologia, v. 8, n. l, p. 43-50.

__________ (1959). Os problemas hidrogeológicos do polígono das secas. Campinas, SP, Notícia Geomorfológica, ano 2, n. 4, ago.

TAVARES J.; FIGUEIREDO, N. & DÁLIA FILHO, L. (1964). Relatório sobre água subterrânea do Nordeste. Brasília, Ministério das Minas e Energia, Bol. n. 120.

TUNDISI, J.G.; TUNDISI, T.M. & ROCHA, O. (1999). Ecossistemas de água interiores. In: Rebouças, A.C.; Braga, B. & Tundisi, J.G. (orgs. e coords, cients.), Águas Doces no Brasil. São Paulo, IEA-USP/ABC Escrituras Ed., p. 153-194.

 

3. Águas subterrâneas:

CRUZ, W.B. & MELO, F.A.F. de. (1968,). Estudo geoquímico preliminar das águas subterrâneas do Nordeste do Brasil. Recife, Sudene, HG 19.

__________ (1967). Alguns aspectos da circulação e salinização de água subterrânea em rochas cristalinas do Nordeste do Brasil. Fortaleza, Sudene, série Recursos Naturais, n. 9.

SMALL, Horatiol (1914). Geologia e suprimento d'agua subterrânea no Piauí e parte do Ceará. IOCS, n. 32, série I, junho.

__________ (1914). Geologia e suprimento d'água subterrânea no Ceará e parte do Ceará. IOCS, n. 32, série I, junho.

TAVARES, J.; FIGUEIREDO, N. & DÁLIA Filho, L. (1964). Relatório sobre Água Subterrânea do Nordeste. Brasília, Boletim do Ministério das Minas e Energia, n. 120.

 

4. O sertanejo, as secas - no tempo e no espaço:

AGUIAR, Pinto de (1983). Nordeste o drama das secas. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

ALMEIDA, Sílvio Gomes de (1975). Le risque de famine dans le Nord'Est du Brésil. Paris, Institute National de la Recherche Agronomique, jun. [mimeo].

ALVES, Joaquim (1982). História das secas (séculos XVII a XIX). Mossoró, RN, ESAM, Col. Mossoroense, v. CCXXV [homenagem ao Primeiro Centenário da Abolição Mossoroense - 30/9/1983 a 30/9/1993].

ANDRADE, Lopes (1948). Sociologia das secas. Rio de Janeiro, Ed. A Noite.

ANDRADE, Manuel Correia de (1989). L'intervention de l'Etat et la sécheresse dans le Nordeste du Brésil. In: Bernard Bret (coord.). Les Hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted Ed., p. 391-398.

BANCO DO NORDESTE DO BRASIL (1959). Efeitos da seca sobre a economia agropecuária do Nordeste em 1958. Fortaleza, CE, Etebe.

BARROSO, Gustavo (1953). O drama da seca no sertão nordestino. São Paulo, A.G.B., Boletim Paulista de Geografia, ano II, n. 13, p. 31-45.

BEZERRA DE MELO, Janúncio (1994). A seca e alternativas de desenvolvimento para o sertão. Caicó, RN, Universidade Federal do Rio Grande do Norte [trabalho inédito do núcleo de Caicó].

BEZERRA DOS SANTOS, Lindalvo (1952). Considerações sobre alguns problemas do Nordeste. Rio de janeiro, A.G.B., Boletim Carioca de Geografia, ano V, n. 3/4, p. 13-24.

BRET, Bernard (coord.) (1989). Les hommes face aux sécheresses. Nordeste brésilien-Sahel africain. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted Ed.

CADIER, E. & MOLINIER, M. (1984-85). Les sécheresses du Nordeste brésilien. Cahiers ORSTOM, ser. hidrologie, n. 4.

CAPANEMA, G. Such (1901). Apontamentos sobre as secas do Ceará. Sociedade Nac. de Agricul. [plaquete de artigos publicados no Jornal do Commercio, e republicado em Revista da Academia Cearense, t. IX, 1904].

CARREIRA, Liberato de Castro (1879). A seca do Ceará.

CARVALHO, Otamar et al. (1975). Plano integrado par o combate preventivo aos efeitos das secas no Nordeste. Brasília, MINTER.

CASTRO, Josué de (1947). Geografia da fome. Rio de Janeiro, Casa do Estudante do Brasil.

CAVALCANTI, Clovis (1989). Dimensión sócio-economique de la sécheresse de 1979-80 dans le Nordeste du Brésil. In: Bernard Bret (coord.). Les hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL &: EST Samuel Tasted Ed.

CAVALCANTI, Clovis & PESSOA, D. (1970). Caráter e efeitos da seca nordestina de 1970. Recife, PE, Sudene/Sirac.

CNBB (1982). Considerações sobre o homem e a seca no Nordeste. Conselho Nacional Brasileiro de Bispos.

COHEN, Marianne & DUQUE, Ghislaine (1989). Sécheresse et modeles de devéloppement rural. Le cas du Projeto Sertanejo (Paraíba-Nordeste du Brésil). In: Bernard Bret (coord.). Les hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted, p. 385-389.

DROULERS, Martine (1989a). Lê Sertão de la Paraíba a Pepreuve de la sécheresse. In: Bernard Bret (coord.). Les hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted, p. 265-268.

__________ (1989b). Les réponses paysannes au probleme de la sécheresse dans le sertão nordestin. In: Bernard Bret (coord.). Les hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted, p. 299-307.

DUQUE, José Guimarães (1953). Solo e água no polígono das secas. DNOCS/MVOP, publ. n. 154. Fortaleza, CE, Tip. Minerva.

__________ (1980). O Nordeste e as lavouras xerófilas.

FAUSTO NETO, Ana Maria Quiroga (1985). As frentes de emergência e o movimento dos saques: atenuação e expressão do conflito no meio rural paraibano. In: Movimentos sociais, para além da dicotomia rural-urbano. João Pessoa, PB.

FUNDAÇÃO BAIANA PARA ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS (1984). Convivência do homem com a seca e a irrigação no Nordeste. Salvador, BA, Fundação Baiana para Estudos Econômicos e Sociais.

FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO (1983). A seca nordestina de 1979-80. Recife, PE, Fundação Joaquim Nabuco.

GUERRA, Philippe (1909). Açudes e irrigação. Vida sertaneja. In: Philippe Guerra & Theophilo Guerra. Seccas contra a secca. Rio Grande do Norte, reeditada na Coleção Mossoroense, v. XXIX [fac-simile].

__________ (1980). Nordeste semi-árido. Velhos problemas sempre atuais. Mossoró, RN, ESAM - Fundação Guimarães Duque, Coleção Mossoroense, v. CXXXV.

__________ (1981). A civilização da seca. Fortaleza, CE, DNOCS, p. 186-188.

__________ (1985). A seca de 1915. Crônica documentada. In: Roado e roado: 11º livro das Secas.

GUERRA, Philippe & GUERRA, Theophilo (1909). Secas contra a seca. Secas e Inverno. Açudagem, irrigação. Vida, costumes, sertanejos. Rio de Janeiro.

HALL, A. (1978). Drought and irrigation in North-East Brazil. Cambridge University Press.

INSTITUT DES HAUTES ÉTUDES DE L'AMERIQUE LATINE (1986). Comparaison des sécheresses dans le Nordeste brésilien et le sahel africain. Colóquio International. Paris, Université de Paris III [Vide Bernard Bret (coord.). Les hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted.

LASSANCE CUNHA, Ernesto Antônio (1900). Estudos sobre a seca do Ceará. Porto Alegre, Correio do Povo [ref. à seca de 1877-1879].

LEAL, M.S. (1987). O arrendamento no açude Cedro e a política de açudes do DNOCS. Fortaleza, 1987. Dissertação (mestrado em Sociologia do Desenvolvimento). Universidade Federal do Ceará.

LISBOA, Miguel Arrojado Ribeiro (1959). O problema das secas. Boletim do Ministério da Viação e Obras Públicas, v. 20.

MACEDO, Marco de (1847). Observações sobre a seca do Ceará e os meios de aumentar o volume d'água nas correntes do Cariri [inédito].

MATITETER, A. (1988). Irrigação e/ou reforma agrária no Nordeste. Recife, Fundação Joaquim Nabuco, Cadernos de Estudos Sociais, v. 4, n. 2, p. 219-234, jul./dez.

MOLINIER, M.; CADDIER, E. & GUSMÃO, A. (1989). Le sécheresses du Nordeste brésilien. In: Bernard Bret (coord.). Les hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted, p. 85-92.

MOLION, Luiz Carlos Baldicero (1985). Secas: o eterno retorno. SBPC, Ciência Hoje, v. 3, n. 18, p. 26-32.

PESSOA, Dirceu (s/d.). Drought in Northeast Brazil: impact and government response. Fundação Joaquim Nabuco [mimeo.].

POMPEU SOBRINHO, Thomaz (1935). O florestamento do Nordeste e a luta contra as secas. Boletim do IFOCS, v. 3, n. 2.

__________ (1982a). História das secas (século XX), 2ª ed. Homenagem ao Primeiro Centenário da Abolição Mossoroense - 1883-1983. Mossoró, RN, Coleção Mossoroense, v. CCXXVI.

__________ (1982b). A solução compósita do problema das secas. In: História das secas (século XX), 2ª ed. Homenagem ao Primeiro Centenário da Abolição Mossoroense - 1883-1983. Mossoró, RN, Coleção Mossoroense, v. CCXXVI, p. 105-154.

ROSADO MALA, Vingt-un (org.) (1981). Memorial da seca. Diversos autores. Mossoró, RN, Fundação Guimarães Duque, Coleção Mossoroense, v. CLXIII.

SANTOS, José Américo (1983). As secas do Norte do Brasil. Rio de Janeiro, Tip. de Machado & Cia.

SERRA, Adalberto B. (1956). As secas do Nordeste. Rio de Janeiro, Serviço de Meteorologia do Ministério da Agricultura.

SOUSA BRASIL, Tomaz Pompeu de (1877). Memória sobre o clima e secas do Ceará.

SUDENE (1986). Programa de irrigação do Nordeste: 1986-1990. Recife, PE, Comissão Interministerial.

THEOPHILO, Rodolpho (1883). História da seca do Ceará (1877-1880). Fortaleza, CE, Typ. do Libertador.

__________ (1898). Secas do Ceará (Segunda metade do século XIX).

 

5. Serras úmidas. Brejos e baixios:

AB'SÁBER, Azis Nacib (1953). O planalto da Borborema na Paraíba. Fotografias e comentários. São Paulo, Boletim Paulista de Geografia, n. 13, p. 54-73.

ALMEIDA, Horácio (s/d.). Brejo de Areia. Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Cultura, Serviço de Documentação.

ALVES, Joaquim (1949). Ilhas de umidade. Fortaleza, CE, Anais do Instituto do Nordeste, p. 31-46.

ANDRADE, G.O. & LINS, R.C. O brejo da serra das Varas. Recife, PE, Boletim do Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, p. 5-22.

__________ (1964). Introdução ao estudo dos 'brejos pernambucanos'. Recife, PE, Universidade do Recife, Arquivos do Instituto de Ciências da Terra, n. 3/4, p. 17-28.

ANDRADE LIMA, Dárdano (1966). Esboço fitoecológico de alguns brejos de Pernambuco. Recife, PE, Boletim Técnico do Instituto de Pesquisas Agronômicas de Pernambuco.

__________ (1982). Present-day forest refuges in Northeastern Brasil. In: G.T. Prance (ed.), Biological diversification in the Tropics, New York, Columbia University Press, p. 245-251.

ANDRADE, Manuel Correia de (1964). O Cariri cearense. O quadro agrário e a vida urbana. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, ano XXXVI, n. 4, p. 549-592.

ANDRADE, M.C. & LACERDA DE MELO, M. Um brejo em Pernambuco. Região de Camocim de São Felix. Rio de Janeiro, Boletim Carioca de Geografia, v. 13, n. 3/4, p. 5-45.

BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. (1962). Estudo econômico da serra do Guaramiranga. Fortaleza, BNB-ETENE.

CHAGAS, F.G. & FIGUEIREDO, M.A. (1987). O ambiente e a vegetação da Chapada do Araripe. REUNIÃO NORDESTINA DE BOTÂNICA, 11, Resumos. Fortaleza, Universidade Federal do Ceará, set. 1987.

DUARTE, Aluísio Capdville (1963). Irecê: uma área agrícola 'insulada' no sertão baiano. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, ano 25, n. 4, p. 453-474.

GOMES, Maria Angélica Figueiredo (1978). O maciço de Baturité: um enfoque ecológico. In: AGB, Universidade Federal do Ceará, Guia de Excursão. Fortaleza, III ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, jul. 1978.

GRABOIS, J. & SILVA, M.J. da (1990). O brejo de Natuba: estudo da organização de um espaço periférico. Recife, Universidade Federal de Pernambuco [inédito].

LACERDA DE MELO, Mário (1958). Aspectos da geografia agrária do brejo paraibano. São Paulo, Anais da AGB, v. 6, t. 2, p. 77-98.

PETRONE, Pasquale (1961). Aspectos da geografia agrária da zona rural de Garanhuns. São Paulo, Anais da AGB, v. 9, t. 2.

 

6. Regionalização. Atlas. Nomenclatura:

ANDRADE, Francisco Alves de (1979). Zoneamento agrário do Nordeste. Relatório preliminar: um comentário à margem. Fortaleza, Revista do Instituto do Ceará, n. 99, p. 9-51, jan./dez.

BORGES DE BARROS, Francisco (1923). Dicionário histórico e geográfico da Bahia. Salvador, Imprensa Oficial.

CENTRO DE ESTATÍSTICAS E INFORMAÇÕES DA BAHIA (1987). Qualidade Ambiental na Bahia: recôncavo e regiões limites, diversos autores. Salvador, Centro de Estatísticas e Informações da Bahia.

CENTRO DE PLANEJAMENTO DA BAHIA (1976-1978). Atlas climatológico do estado da Bahia. Acompanha um documento síntese. Salvador, Centro de Planejamento da Bahia.

__________ (1980). Mapa hidrogeológico do estado da Bahia. Escala 1:1.000.000. Salvador, Centro de Planejamento da Bahia.

CHESF (1985). Estudos de florestamento no semi-árido nordestino, 5 v. + Atlas. Companhia Hidrelétrica do São Francisco/Geonard-Maia Melo.

CORRÊA, M. Pio (1931). Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas, v. II. Rio de Janeiro, Ministério da Agricultura [v. III -1952].

DNPM - Projeto RadamBrasil (1971). Levantamento de recursos naturais, v. 21, 23 e 24. Folhas: SA24, Fortaleza; SB24/25, Jaguaribe-Natal; SD24, Salvador. Rio de Janeiro, MME/DNPM.

__________ (1973). Levantamento de recursos naturais, v. 1. Parte das folhas: SC23, Rio São Francisco; SC24, Aracaju. Rio de Janeiro, PIS-Sudene.

__________ (1982). Levantamento de Recursos Naturais, v. 29. Folha SD23, Brasília. Rio de Janeiro, MME/DNPM.

__________ (1983). Levantamento de Recursos Naturais, v. 30. Folha SC24/25, Aracaju/Recife. Rio de janeiro, MME/DNPM.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (1956). Enciclopédia dos municípios brasileiros.

__________ (1960). Atlas do Brasil ao milionésimo. Rio de Janeiro, IBGE.

__________ (1968). Subsídios à regionalização. Rio de Janeiro, IBGE/CNG.

__________ (1973). Atlas do Ceará. Rio de Janeiro, IBGE/SUDEC.

__________ (1988). Mapa de vegetação do Brasil. Escala 1:5.000.000. Decreto de Planejamento e Coordenação da Presidência da República. Rio de Janeiro, FIBGE/MA/IBDF.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA/SUDEC (1973). Atlas do Ceará. Rio de Janeiro, IBGE/SUDEC [textos complementares de diversos autores].

JACOMINE, P.K.T. et al. (1971-1977). Levantamentos exploratórios. Solos: Rio Grande do Norte, 1971; Paraíba, 1972; Pernambuco, 1972-1973; Ceará, 1973. Recife, Convênio MA/DNPEA/Sudene e CONTAP/USAID/ETA.

MENDES, Cândido (1868). Atlas do Império do Brasil. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional [inclui uma extraordinária regionalização do Ceará, em 15 comarcas sertanejas].

MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo (1977). Atlas climatológico da Bahia. CEPLAC [4 v.].

MUSEU NACIONAL (1993). Atlas das terras indígenas do Nordeste. Rio de Janeiro, Museu Nacional.

SOUZA, Bernardino José de (1939). Diccionario da terra e da gente do Brasil. Rio de Janeiro, Companhi Editora Nacional.

SUDENE (1972). Municípios do Nordeste em relação às zonas geoeconômicas e ao polígono das secas. Recife, Sudene.

__________ (1974). Atlas dos recursos naturais do Nordeste brasileiro. M.I., Brasil. Recife, Sudene, Departamento de Recursos Naturais.

TEJO, Aurélio de Limeira (1937). Brejos e carrascaes do Nordeste. Documentário. São Paulo, Edições Cultura Brasileira.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (1965). Atlas geográfico da Paraíba. João Pessoa, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras.

VASCONCELOS GALVÃO, Sebastião (1921). Diccionario chorographico, histórico e estatístico de Pernambuco. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional.

VEIRANO,M Lília Camargo (1960). Cidades, o sertão. In: Enciclopédia dos municípios brasileiros: grande região Nordeste, v. 5. Rio de Janeiro, Conselho Nacional de Geógrafos.

 

7. Sertões e Agrestes:

AB'SÁBER, Aziz Nacib (1956). Depressões periféricas e depressões semi-áridas no Nordeste do Brasil. São Paulo, Boletim Paulista de Geografia, n. 22.

AB'SÁBER, Aziz Nacib (1990). FLORAN: Nordeste seco. In: Estudos Avançados, revista do IEA-USP, v. 4, n. 9, p. 149-174, São Paulo.

ABREU, Silvio Froes (1929). O Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro, 1929. Tese (concurso). Papelaria Melo.

ADERNE, Sylvio (1959). Evolução das rodovias no Polígono das Secas. Rio de Janeiro, Boletim do DNOCS, n. 6.

ALMEIDA, A.W. B. & ESTERCI, A. (1977). Trabalho e subordinação no sertão cearense. Projeto "Emprego e Mudança Socio-Econômica do Nordeste", Convênio FINEP/IPEA/IBGE/UFRJ, Museu Nacional [Inédito].

ALVES DE SOUZA, Antônio José (1955). Paulo Afonso. Col. Mauá. Rio de Janeiro, Serv. Du Min. Des Portes et Travaux Publics.

ANDRADE, J.A. & PÉBAYLE, R. (1989). L'impact de la sécheresse dans le sertão de Sergipe (Brésil). Le sécheresses du Nordeste Brésilien. In: Bernard Bret (coord.). Les hommes face aux sécheresses. Paris, IHEAL & EST Samuel Tasted, p. 237-250.

ANDRADE, F. Alves (1960). Agropecuária e desenvolvimento do Nordeste. Fortaleza, Imprensa Universitária.

ANDRADE, Manuel Correia de (1954). Itinerário de Águas Belas. Recife, Universidade de Recife, FFR, Universidade de Pernambuco, Boletim da Secção E: Geografía e História, n. 8.

__________ (1961). A Pecuária no Agreste Pernambucano. Recife.

__________ (1964). O cariri cearense: o quadro agrário e a vida urbana. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, ano XXVI, p. 549-592.

__________ (1967). Condições naturais e sistemas de exploração da terra no estado de Pernambuco. São Paulo, Boletim Paulista de Geografia, n. 44, p. 63-84.

__________ (1975). A Pecuária nas Gerais do Norte de Minas. Recife, UFR/PIMES.

__________ (1982). Áreas de domínio da pecuária extensiva e simi-extensiva na Bahia e Norte de Minas. Recife, Sudene, Coordenadoria de Planejamento Regional.

__________ (1983). Tradição e mudança: a organização do espaço rural e urbano na área de irrigação do submédio São Francisco. Rio de Janeiro, Zahar.

ARAÚJO, Gilvan Cordeiro de (1983). Avaliação do plano de defesa civil do Nordeste. 1979-1983. Brasília, IPEA/IPLAN.

ARAÚJO, José Amaury de Aragão (coord.) (1982). Barragens no Nordeste do Brasil. Fortaleza, DNCOCS.

AZEVEDO, Fernando Antônio (1982). As ligas camponesas. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

AZEVEDO, Gilberto Correia (1972). Pecuarização do Agreste pernambucano. Recife, CEPA.

BARREIRA, César (1977). Parceria na cultura de algodão: sertões de Quixera-mabim. Brasília, 1977. Dissertação (mestrado). Universidade de Brasília.

BARROS, Haidine da Silva (1964). O Cariri cearense. Revista Brasileira de Geografia, ano 26, n. 4.

BNB - Ceará (1968a). Cidade de Campina Grande PB. Consumo de produtos industriais. Fortaleza, Banco do Nordeste do Brasil.

__________ (1968b). Cidade de Caruaru PE. Consumo de Produtos Industriais. Fortaleza, Banco do Nordeste do Brasil.

BNB-ETENE (1969). Recursos e necessidades do Nordeste. Recife, Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste.

BORGES, Manfredo Cássio de Aguiar (1981). Subsídios aos estudos de transposição de vazões dos rios Tocantins e São Francisco para o Nordeste. Fortaleza, DNOCS. Boletim Técnico, v. 30, n. 2, p. 122-144, jul./dez. 1982.

BURSZYN, Marcel (1994). O poder dos donos: planejamento e clientilismo no Nordeste. Petrópolis, Vozes/CNPq.

CADIER, E.; FREITAS, B.J. & LEPRUN, J.C. (1983). Bacia experimental de Sumé (PB). Instalações e primeiros resultados. Recife, Sudene, Série Hidrologia, n. 16.

CALLIER-BOISVERT, Colete (1973). Apontamentos para um estudo de economia agrária num município da zona Agreste de Pernambuco: Agrestina. Recife, Cienc. & Tropic. ano I, n. 1, p. 143-172.

CARDOSO, Maria Francisca Thereza (1964). Campina Grande. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, ano XXV, n. 4, p. 415-451.

CARDOSO. Maria F. Thereza C. (1963). Campina Grande e sua função como capital urbana. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, ano XXV, n. 4, p. 415-451.

CARNEIRO, Humberto (1964). A irrigação do sertão pernambucano: sua influência na economia regional. São Paulo, Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros, v. 13, p. 177-198.

CARVALHO, Anna Dias da Silva (1958). Feira de Santana e o comércio do gado. São Paulo, Boletim Paulista de Geografia, n. 28.

CARVALHO, José Otamar (1988). A economia política do Nordeste: secas, irrigação e desenvolvimento. Brasília, Campus/ABID.

CASCUDO, Luiz da Câmara (1975). Viajando o sertão. Natal, Fundação José Augusto.

CENTRO DE PLANEJAMENTO E ESTUDOS - Bahia (1981). A compatibilização dos usos do solo e a qualidade ambiental na Região Central da Bahia. Salvador, Secretaria do Planejamento, Ciência e Tecnologia.

CLEOPHAS, João (1953). A seca no Nordeste. Rio de Janeiro, Serviço de Informação Agrícola.

CUNHA, Euclydes (1902). Os sertões. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

DANTAS, Cristovam (1980). A lavoura seca no Rio Grande do Norte, 2. ed. Mossoró, RN, Coleção Mossoroense, v. CXII.

DAOU, Ana Maria Lima (1988). Políticas de Estado e a organização social camponesa: a Barragem de Sobradinho. Rio de Janeiro, 1988. Dissertação (mestrado) PPGAS, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

DE LA RÜE, E. Aubert (1957). Brésil aride: la vie dans la caatinga .Paris. DELLA CAVA, R. (1977). O milagre em Juazeiro. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

DNOCS - Brasil (1958). Municípios e áreas do Polígono das Secas. Rio de Janeiro, Boletim do DNOCS, v. 2, n. 18, p. 119-126, nov. 1958.

DOMINGUES, A.J. P. & KELLER, E.S. (1956). Bahia.. XVII Congresso Internacional de Geografia. Rio de Janeiro, 1956, Livro Guia n. 6.

DOMINGUES, Alfredo José Porto (1952). Contribuição à geomorfologia da área da folha Paulo Afonso. Revista Brasileira de Geografia, ano XIV, n. 1, p. 27-56.

DOMINGUES, Rita de Cássia Alcântara (1989). Petrolina: crescimento urbano e intervenção do Estado. Recife, 1989. Dissertação (mestrado). Departamento de Ciências Geográficas, Universidade Federal de Pernambuco.

DROULERS, M. (s/d). Le rôle de l'Etat dans l'amenagement du Sertão de la Paraíba. (inédito).

DUARTE, Aluizio Capdeville (1963). Irecê: uma área agrícola insulada no sertão baiano. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, out./dez. 1963.

DUQUE, G. (1984). Casa Nova: interventions du pouvoir et strategies paysanes. Paris, 1983. Thèse (doctorat de 3éme cycle en Sociologie). École des Hautes Études en Sciences Sociales.

EGLER, Walter Albert (1957). O sertão da Paraíba: notas de uma excursão geográfica entre Campina Grande e Teixeira. Rio de Janeiro, Boletim Geográfico, ano 15, n. 140, p. 588-602.

FARIA, O. L. (1980). Sertões do Seridó. Brasília, Senado Federal Centro Gráfico.

FENELON, Paul (1958). A planície semi-árida de Patos e seus inselbergs. Campinas, SP, Notícia Geomorfológica, ano I, n. 2, ago. 1958.

FERREIRA, Manoel (1875). A província da Bahia. Rio de Janeiro, Typ. Nacional.

FIGUEIREDO GOMES, Maria Angélica (1980). Os Cariris Velhos: condicionantes climáticos. Vegetalia (escritos e documentos). São José do Rio Preto, SP, Ibilce/Unesp.

__________ (1981a). Padrões de caatingas nos Carirís Velhos, Paraíba. Fortaleza, CNPq.

__________ (1981b). A região de Inhamuns - CE, no domínio das caatingas. Mossoró, RN, Fundação Guimarães Duque, Coleção Mossoroense, n. 411.

FIGUEIREDO Filho, José de (1958). Engenhos de rapadura do Cariri. Rio de Janeiro, Serviço de Informações Agrícolas.

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (1974). Moçoró: um centro regional do Oeste Potiguar. Rio de Janeiro, FIBGE.

__________ (1971a). Picos e sua região. Rio de Janeiro, FIBGE.

__________ (1971b). Crato-Juazeiro do Norte e sua área de influência. Rio de Janeiro, FIBGE.

__________ (1972). Divisão do Brasil em regiões funcionais urbanas. Rio de Janeiro, FIBGE.

GALVÃO, Walnice Nogueira (1974). No calor da hora. A guerra de Canudos nos jornais da 4ª Expedição. São Paulo, Ática.

GIL SOARES, P. & LOBO, L. (1984). Nordestinos, o Brasil em busca de soluções. Rio de Janeiro, Rede Globo. Editora Rio Gráfica [Refer. a Divs. Sertões]

GOMES. José Bezerra (1975). Sinopse do município de Currais Novos. Natal, Manimbu.

GUERRA, Paulo de Brito (1975). A exploração das áreas de montante em açudes públicos do DNOCS. Fortaleza, Divisão de Documentação.

__________ (1978). Irrigação em quatro doses. Mossoró, RN, ESAM, Coordenadoria de Estudos Brasileiros, Col. Mossoroense, n. 97.

__________ (1981). A civilização da seca: o Nordeste é uma história mal contada. Fortaleza, DNOCS.

HAMELIN, Louis Edmond( 1959). O sertão do Nordeste brasileiro. Campinas, SP, Notícias Geomorfológica, v. 2, n. 4, ago. 1959.

HORCADES, Alvim Martins (1899). Descrição de uma viagem a Canudos. Bahia, Livraria Tourinho.

HUBER, J. (1908). Plantas do Ceará. Fortaleza, Tip. Minerva, Revista do Instituto do Ceará, t. XXII.

IBGE (1970). Divisão do Brasil em Micros regiões Homogêneas 1968. Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

__________ (1971). A região de Baturité: subsídios ao planejamento da área nordestina. Rio de Janeiro, Instit. Brasileiro de Geografia e Estatística.

__________ (1972). Região de Santana de Ipanema - Batalha. Subsídios ao planejamento da área nordestina. Rio de Janeiro.

__________ (1972). Região de Itabaiana - Subsídios ao planejamento da área nordestina. Rio de Janeiro.

IGNACIO FILHO, Joaquim (1916). Valle do Ipanema: sua irrigação. Mossoró, RN, Martins.

__________ (1936). Secas e inundações. Rio Grande do Norte. (Dis. 13 jul. 1936). Rio de Janeiro, Typ. Jornal do Commercio.

LACERDA de MELO, Mário (1956). Nord-Est. XVIII CONGRES INTERN. DE GÉOGRAPHIE, Livre & Guide n. 7. Union Geogr. International, Rio de Janeiro, Comitê Nat. Du Bresil.

LAMARTINE, J. (1910). As secas do Rio Grande do Norte. Medidas contra seus efeitos, meio e população. Mossoró, RN, O Mossoroense, 30 set. 1910.

LIMA, Herman (1975). Tigipió. Rio de Janeiro, José Olympio.

LINS, R.C. & ANDRADE, G.O de (1960). Os rios da Carnaúba, 1 - O rio Mossoró (apodi). Recife, Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais.

LINS, Rachel Caldas (1960). Função do serviço rodoviário em aglomerados sertanejos de Pernambuco. São Paulo, Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros, v. 12, p. 88-114.

LOEFGREN, Alberto (1923). Notas Botânicas (Ceará), 2ª ed. Rio de Janeiro, M.V.O.P./IFOCS, Imprensa Inglesa.

MACEDO SOARES, Henrique Duque-Estrada de (1902). A guerra de Canudos. Rio de Janeiro, Tip. Altina.

MACEDO, José Norberto (1952). As fazendas do gado do Vale do São Francisco. Rio de Janeiro, Serviço de Informações Agrícolas.

MACEDO, Nertan (1965). O Clã dos Inhamuns. Fortaleza, Edit. Comedia Cearense.

__________ (1966). O bacamarte dos Mourões. Fortaleza, Edit. Instituto do Ceará [1ª ed. em 1961].

MAFRA, R.C. (1981). Agricultura de sequeiro no trópico semi-árido. Recife.

MAIO, Celeste Rodrigues (1962). Caracteres fisiográficos do estado do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro, Boletim Geográfico, ano XX, n. 170, p. 514-526.

MATOS, Vera Lúcia A. (ed.) (1986). Os barranqueiros do São Francisco. Januária, BA.

MENDES, Benedito Vasconcelos (1987). Plantas e animais para o Nordeste. Rio de Janeiro, Globo Rural.

MONIZ, Edmundo (1978). A Guerra social de Canudos. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira [contém importante bibliografia].

MONTEIRO, Eymard L.E. (1945). Caicó, subsídios para a história completa do município. Recife, Escola Sales.

MONTEIRO, Salvador & KAZ, Leonel (1994-95). Caatinga. Sertão. Sertanejos. Rio de Janeiro, Edições Alumbramento-Livroarte Ed. [diversos autores]

MORAES, Francisco Carlos de (1902). Apontamentos sobre as freguesias de Arneiroz e de Saboeiro. Fortaleza, Revista do Instituto do Ceará, ano 16, n. 1/2, p. 72-82.

MOTA, Mauro (1958). Paisagens das secas. Recife, Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais/MEC.

NIVALDO, José (1957). Aspectos econômico-sociais e alimentares do Agreste de Pernambuco. Recife, Boletim do Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, n. 6, p. 105-121.

O'MEARA, P. (1918). A irrigação do vale do Jaguaribe. Revista do Instituto do Ceará, t. XXXII. 1918.

__________ (1894). A irrigação do vale do Jaguaribe. [Relatório Publicado posteriormente]. Fortaleza, Revista do Instituto do Ceará, t. 32, 1918. Fortaleza.

PAIVA, Melquiades Pinto (1974). Algumas considerações sobre a fauna da região semi-árida do Nordeste brasileiro. Fortaleza, Coleção Mossorense, série B, p. 404.

PETRONE, Pasquale (1955a). Contribuição ao estudo da região do Cariri no Ceará. São Paulo, Boletim Paulista de Geografia, n. 19, p. 3-29.

__________ (1955b). Grato, capital do Cariri. São Paulo, Boletim Paulista de Geografia, n. 20, p. 31-55.

__________ (1961). A várzea do Açu. São Paulo, Associação dos Geógrafos Brasileiros.

PROST, Gerard (1968). O Cariri semi-árido transformado pelo agave. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, ano 30, n. 2, p. 21-55. Rio de Janeiro.

RIBEIRO, Teófanes Chaves (1951). O município de Arcoverde. Arcoverde, PE, Ed. Prima.

RODRIGUES da SILVA, P.B. e outros (1973). Aptidão agrícola dos solos do estado do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro, Interpretação do Levantamento Exploratório de reconhecimento de solos. [Convenção interinstitucional].

SALES, Teresa (1982). Agreste, agrestes: transformações recentes na agricultura nordestina. Rio de Janeiro, Cebrap/Paz e Terra.

SETTE, Hilton (1956). Pesqueira: aspectos de sua geografia urbana e de suas inter-relações regionais. Recife.

SILVA, José da (1978). O Baixo Jaguaribe: uma região em processo de mudança. Guias de Excursões, III ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, julho de 1978). Fortaleza, Universidade Federal do Ceará.

SILVA, Marina M. da & LIMA, Diva M. da (1982). Sertão Norte. Área, do sistema gado-algodão. Recife, Sudene, Coordenadoria de Planejamento Regional, Série Estudos Regionais, 6.

SILVA, Marlene Maria da (coord.) (1985). O Norte Cearense. Recife, Sudene, Divisão de Política Espacial, Série Estudos Regionais, 12.

STRAUCH, Ney (1952). Contribuição ao estudo das feiras de gado. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia., ano XIV, n. 4, p. 101-110.

STRAUCH, Ney (1953). Contribuição ao estudo das feiras de gado: feira de Santana e Arcoverde. Anais da Associação de Geógrafos Brasileiros, v. 4, t.1, p. 105-117.

SUDENE (1964). Um estudo da Bacia do Rio Piranhas. Recife, Boletim de Recursos Naturais, p. 27-136.

SUDENE-MINTER (1981). Frentes de serviço: estudo sócio-econômico da população atingida pela seca de 1976. Recife, Sudene.

TÁVORA FILHO, Almin (1969). Informe econômico sobre a agropecuária do vale do Pacotí. Fortaleza, Banco do Nordeste do Brasil.

TRICART, Jean (1964). As zonas morfoclimáticas do Nordeste brasileiro. Rio de Janeiro, Boleltim Geográfico (CNG), n. 179.

TRINDADE, José Augusto (1940). Os postos agrícolas da Inspetoria das Secas. Boletim do IFOCS, v. 13, n. 2.

VALVERDE, O. & MESQUITA, M.G.C. (1961). Geografia Agrária do Baixo Açu. Rio de Janeiros, Rev. Bras, de Geografia, ano XXIII, n.3, p. 455-494.

VALVERDE, O. & SCHEINVAR, L. (1962). Rio de Janeiro, Economia do Nordeste Potiguar. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, ano 24, n. 1, p. 3-42.

VANZOLINI, P.E. (1980). Répteis das caatingas. Rio de Janeiro, Academia Brasileira de Ciências.

VASCONCELOS, Amarílio de & FOGLARE, Henrique (1881). O prolongamento da Estrada de Ferro de Baturité ao Cariri e os Açudes na Província do Ceará. [Relatório].

WILLIAMS, Horatio E. (1925). Notas geológicas e econômicas sobre o vale do São Francisco. Rio de Janeiro, Boletim da S.G.M., n. 12.

YAMAMOTO, S. & HIRAOKA, M. (1977). Three farm types in the Patos Basin of the Inland Paraiba State, Brazilian Northeast. Geographic Review of Japan, v. 50, n. 9, p. 511-529.

 

8. História das Secas:

ALVES, Joaquim (1953). História das secas. Fortaleza.

ANDRADE, Lopes de (s/d). Introdução à Sociologia das Secas. Rio de Janeiro, Editora "A Noite".

ARARIPE, Tristão de Alencar (1877). Providências relativas às secas do Ceará.

ARROJADO LISBOA, Miguel (1959). O problema das secas. Recife, Boletim do MVOP, v.20.

BARBEIRO, César (1977). Parceria na cultura do algodão: sertão de Quixara-mobim. Brasília, 1977. Tese (mestrado). Universidade de Brasília.

BARROS, F.J. da Costa (1959). O imaginado canal São Francisco - Jaguaribe. Rio de Janeiro, Boletim do DNOCS, v. 4, n. 19, p. 1-4, maio 1959.

BOUCHARDET, Johnny (1938). Secas e irrigação: solução científica e radical do problema nordestino brasileiro. Rio Branco, MG, Papelaria Império.

CALLADO, Antonio (1960). Os industriais das secas e os "galileus" de Pernambuco. Aspectos da luta pela reforma agrária no Brasil. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

CAMPOS, Eduarde (1983). A viuvez do verde. Fortaleza, Impresa Oficial. CAPANEMA, Guilherme S. (1877). As secas do Ceará.

__________ (1904). Apontamentos sobre as Secas do Ceará. Fortaleza, Revista da Academia Cearense, t. IX.

CARNEIRO, Bernardo Piquet (1911). Em defesa dos flagelados do Norte.

CARVALHO, M. Pacheco de (1982). O chamado "Polígono das Secas" seus problemas e soluções gerais. Rio de Janeiro, Boletim do DNOCS, v. 9, n. 21, p. 354-370, maio 1960.

CASTRO, J.; PECHNICK, E. & PARAHIM, O. (1947). Os alimentos bárbaros dos sertões do Nordeste. Rio de Janeiro, Arquivos Brasileiros de Nutrição, v. 3, n. 2, p. 5-29, fev. 1947.

CAVALCANTI, Maria Nelly (1985). A fome não tem partido. João Pessoa, Texto Universidade Federal da Paraíba, NDIHR, n. 10, set. 1985.

CONDEPE (1987). Formulação de política urbana Micro-regional do Sertão do São Francisco, Recife, v. 1.

DOMINGOS, Neto, M. & BORGES, G. A (1983). Seca seculorum: flagelo e mito na economia rural piauiense. Terezina, Fundação CEPRO.

DROULERS, M. (s/d). Le rôle de l'Etat dans l'aménagement du Sertão de la Paraíba, [Inédito].

EGLER, Walter Albert (1951). Contribuição ao estudo da caatinga pernambucana. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, ano XIII, n. 4.

EMBRAPA/CPATSA (1981). Pequena irrigação para o trópico semi-árido: vazantes e cápsulas porosas. Petrolina, CPATSA/Embrapa, Boletim de Pesquisa, n. 3.

FEIO, Mariano (1954). Perspectivas da açudagem no Nordeste seco. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Geografia, ano 15, n. 2, p. 213-228.

FERRAZ, J. de Sampaio (1948). Causas prováveis das secas no Nordeste Brasileiro. Boletim Geográfico (CNG), n. 63, p. 210-228. Rio de Janeiro.

FERRAZ, Luiz Wilson (1986). Roteiro de velhos cantadores e poetas populares do Sertão. Recife, FIAM/CEHM.

FIGUEIRÔA, Manuel (1938). The drought region of Northeastern Brazil. Geographical Review, p. 363-378.

__________ (1947). Des mensch Durregebiete der Nordostens Brasilien. Geogr. Zeitschirift, v. 43, p. 433-445.

__________ (1977). O problema agrário no Nordeste do Brasil. São Paulo/Recife, Hucitec/Sudene.

GUERRA, Felipe (1951). Secas no Nordeste. Resumo histórico de 1559 a 1952. Natal, Centro de Imprensa.

JANCSÓ, Istvan (1976). O Nordeste e os programas de intervenção social. Salvador, Cadernos do Centro de Estudos de Ação Social, n. 44, p. 6-23, jul./ ago. 1976. Salvador.

JUREMA, Otacilio (1957). A seca do nordeste. Rio de Janeiro, MEC.

LAGES Filho, José (1934). À margem das secas do Nordeste. Maceió, 1934. Tese (concurso) Ed. Casa Ramalho.

LEITE, Pedro Sisnando (1981). Produção cooperativa nos projetos de irrigação do Nordeste. Situação e perspectivas. Fortaleza, Banco do Nordeste do Brasil, Revista Econômica do Nordeste, v. 12, n. 2, p. 395-425.

LIRA, A. Tavares (1919). As secas do Nordeste. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional.

__________ (1921). História do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro, Typ. Lauzinger.

LISBOA, Miguel Arrojado (1913). O problema das secas.

LUCENA, Solon de (1923). A Parahyba e seus problemas. João Pessoa, Imprensa Oficial.

MACEDO, Antônio Marco (1871). Observações sobre as secas do Ceará.

MACEDO, M. A. de (1878). Observações sobre as seccas do Ceará. Os meios de augmentar o volume das águas nas correntes do Cariry. Rio de Janeiro, Typ. Nacional.

MARKHAN, C.G. & MELAIN, D.R. (1977). Causas das secas no Nordeste do Brasil. Nature, n. 265, p. 320-323.

MARTINS, Oswaldo Evandro (1982). O fenômeno social da seca. In: Anais, SEMINÁRIO SOBRE O HOMEM E A SECA NO NORDESTE, 1982.

MEDEIROS, Viriato (1877). Ponderações sobre a memória do Dr. André Rebouças: a seca nas províncias do Norte.

MELLO, Frederico Pernambucano de (1985). Guerreiros do sol: o banditismo no Nordeste do Brasil. Recife, Ed. Massangana.

NIMER, Edmond (1980). Subsídio ao plano de ação mundial, para combater a desertificação. Programa das Nações Unidas para combater a desertificação. Revista Brasileira de Geografia, ano 42, n. 3, p. 612-637.

PAIVA, Manuel de Oliveira (1973). Dona Guidinha do Poço, 2ª ed. Rio de Janeiro, Ed. Três.

PANDOLFI, Maria Lia Corrêa de Araújo (1983). O programa de emergência na seca de 1979-80. In: A seca nordestina de 1979-80. Recife, Fundação Joaquim Nabuco.

PATARRA. Ivo (1983). Fome no Nordeste brasileiro. Rio de Janeiro, Marco Zero.

PESSOA, D.M. & CAVALCANTI, C. (1970). Caráter e efeitos da seca nordestina de 1970, Recife, Sudene.

PESSOA, Dirceu Murilo (1981a). Espace rural et pauvroté au Nord-Est du Brésil. Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales.

__________ (1981b). Da pobreza rural no Nordeste do Brasil. Brasília, Sober, Revista de Economia Rural, v. 19, n. 2, p. 337-390, jul./set.l981.

__________ (1984). Transposição do rio de são Francisco: a dimensão sócio-econômica. Recife, DNOS/FUNDAI.

PESSOA, Dirceu Murilo (1985). Transposição das águas do São Francisco: alcance e limites de uma proposta. Cadernos de Estudos Sociais, v. 1, n. 1, p. 37-52, jan./jun. 1985.

PINTO, Francisco Humberto de Queiroz e outros (s/d). Água irrigável e irrigada por imóvel e por cultura na região do Promovale: baixo e médio Jaguaribe. Ceará.

POMPEU de SOUZA, Thomas (1953). Histórias das secas. In: História do Ceará, v. II, Fortaleza, Instituto do Ceará, monografia 23.

POMPEU Sobrinho, Thomaz (1935). O florestamento do Nordeste e a luta contra as secas. Boletim do IFOCS, v. 3, n. 2.

PONTES, J.O & CARNEIRO, J.A.D. (1979). Causas e efeitos do programa de irrigação no Nordeste semi-árido. Fortaleza, Revista Econômica do Nordeste, v. 10, n. 2, p. 605-638, abr./jun. 1979.

RAMOS, Graciliano (1982). Vidas secas.

REBOUÇAS, André (1877). A seca nas províncias do Norte.

SAMAGORINSKY, Joseph e outros (1980). Workshop on drought forecasting for Northeast Brazil. Painel report, CNPq/INPE, fev. 1980.

SANTOS, José Américo dos (1977). As secas do Norte do Brasil. Rio de Janeiro, Tipografia de Machado & Cia.

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DE PERNAMBUCO (1982). Projeto Asa Branca. Recife.

SILVA, Leonardo Dantas (1987). Cancioneiro pernambucano. Recife, Secretaria de Educação e Cultura.

SILVA, Lúcia dos Santos (coord.) (1982). Projeto Asa Branca: avaliação e sugestões. Recife, CONDEPE.

SOUSA BRASIL, Tomaz Pompeu de (1877). Memória sobre o clima e as secas do Ceará.

SOUZA BRASIL Sobrinho, Thomas Pompeu (1958). História das secas. Fortaleza, Instituto do Ceará, Monografia 23, A. Batista Fontenele.

SOUZA, Eloy de (1938). O calvário das secas. Natal, Imprensa Oficial.

SOUZA, I. de & MEDEIROS FILHO, João (1982). Os degredados filhos da seca. Quem ganha com a seca. Rio de Janeiro, Vozes.

STERNBERG, Hilgard O'Reilly (1951). Aspectos da seca de 1951 no Ceará. Revista Brasileira de Geografía, v. XIII, n. 3.

STERNBERG, Hilgard O'Reilly (1967). Progrés techniques et décentralization industrielle dans la paysage rural semi-aride du Nordeste. Paris, CNRS.

SUDENE-DRN (1981). As secas do Nordeste. Recife, Minter, Sudene. SUDENE-MINTER(1976). Projeto Sertanejo. Recife, Minter/Sudene.

TEÓFILO, Rodolfo (1922a). A seca de 1919. Rio de Janeiro, Ed. Imprensa Inglesa.

__________ (1922b). História da seca do Ceará 1877-1880. Rio de Janeiro, Ed. Imprensa Inglesa

__________ (1979). A fome, 3ª ed. Rio de Janeiro, J. Olympio.

__________ (1983). História da seca do Ceará (1877 e 1880). Typ. Do Libertador. Fortaleza.

TIGRE, Carlos Bastos (1949). Barragens subterrâneas e submersas como meio rápido e econômico de armazenamento d'água. Fortaleza, Anais do Instituto do Nordeste. Fortaleza, Instituto do Ceará, p. 13-29.

VAGELER, Paul (1953). Contribuição para o problema da seca. Rio de Janeiro, IBGE, Revista Brasileira de Geografia, ano XV, n. 1.

VARGAS, N.A.D. (1987a). Beiradeiros do Baixo Açu. Rio de Janeiro, Funarte. __________ (1987b). História que o povo conta. Rio de Janeiro, Funarte.

VASCONCELOS Sobrinho, João (1982). Processos de desertificação no Nordeste do Brasil: sua gênese e sua contenção. Recife, Sudene.

VASCONCELOS, Antônio Enock de (1983). Programa especial de apoio ao desenvolvimento da região semi-árida do Nordeste (Projeto Sertanejo). Avaliação e Sugestões. Fortaleza, Banco do Nordeste do Brasil.

VIEIRA, Luiz Augusto da Silva (1934). Contribuição para o estudo dos sistemas de irrigação no Nordeste. Fortaleza, Boletim do IFOCS, MVOP, v. 1, n. 3, p. 97-106, mar, 1934.

VILLAS-BÔAS, Naylon B. (1937). As obras contra as secas no Império e no primeiro período republicano. Fortaleza, Boletim do IFOCS, MVOP, v. 7, n. 2, p. 92-97, abr./jun. 1937.

XAVIER, T. de M.B.S. (1985). Classificação e monitoração de períodos secos e chuvosos para o estado do Ceará. Fortaleza, Fórum de Debates de FJRPC.

XAVIER, T. de M.B.S. & XAVIER, A F.S. (1989). Caracterisation et moniteurisation des périodes seches et pluvieuses au Nordeste du Brésil. In: Bernard Bret (coord.) Les Hommes face aux sécheresses, Paris, IHEAL-EST, p. 93-99.

 

9. Bibliografia das bibliografias:

AB'SÁBER, Aziz Nacib (1979). Nordeste seco: uma bibliografia seletiva. São Paulo, Instituto de Geografia, USP, Biblio-Geo, n. 3.

CALDAS NETA, U. & ROLIM, I.E.F.R. (1990). Os 650 títulos da bibliografia da seca na Coleção Mossoroense. Mossoró, RN, Coleção Mosssoroense, série "C", v. DLXXV.

FREISE, Frederick W. (1929-1930). Beitrag zur einer Bibliographie des "Secas" Literatur. Ibero-Amerikanische Archiv., v. 3, p. 99-105.

FUNDAÇÃO JOSÉ AUGUSTO (1992). Otto Guerra: bibliografia. Uma visão do semi-árido. 55 anos de produção [Pesquisas de R. Medeiros, C.A.P. Galvão e T.Q. Aranha].

MEDEIROS, R; GALVÃO, C.A.P. & ARANHA, T. de Q. (1992).Otto Guerra. Bibliografia e uma visão do semi-árido. RN/Brasília, Fundação José Augusto/Senado Federal.

MENEZES, Rui Simões (1959). Contribuição à bibliografia das secas no Brasil. Boletim do DNOCS, v. 19, n. 3, fev. 1959.

ROSADO MAIA, Jerónimo Vingt-Un (1980-94). Livro das secas. Seleção e Organização, 16 v. Mossoró, RN, ESAM/CNPq [Maior coleção de trabalhos sobre o Nordeste seco, até hoje reeditados].

 

10. Literatura:

ALMEIDA, José Américo (1935). O Boqueirão. AMADO, Jorge (1946). Seara vermelha.

CASCUDO, Luiz da Câmara (1975). Dicionário do folklore brasileiro. Rio de Janeiro, Ed. Ouro.

CONDEPE (1981). As comunidades indígenas de Pernambuco. Recife. DANTAS, Paulo (1960). Capitão Jagunço.

DANTAS, Francisco J. C. (1990). Coivara da memória. São Paulo, Cia. das Letras.

__________ (1992). Os desvalidos. São Paulo, Cia. das Letras.

GUEIROS, Optato (1953). Lampião. Recife. JULIÃO, Francisco (1960). Irmão Joazeiro.

LINS do REGO, José (1935). O moleque Ricardo.

__________ (1953). Cangaceiros.

__________ (1943). Fogo morto.

OLÍMPIO, Domingos (1903). Luzia Homem.

QUEIROZ, Rachel (1930). O quinze. Rio de Janeiro, José Olympio.

RAMOS, Graciliano (1938). Vidas secas.

__________ (1945). Infância.

 

11. Outros:

BRAGA, Renato (1953). Plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. Fortaleza (Reproduzido na Col. Mossoroense, em 3º ed., v. XLII, Mossoró, 1976).

FERNANDES, A. & BEZERRA, P. (1990). Estudo fitogeográfico do Brasil. Ed. Stylos Comunicações. Fortaleza, Ceará.

FERNANDES, Afrânio (1994-95). A caatinga e sua flora / The flora of the Caatinga. In : Caatinga. Sertão-Sertanejos. S. Monteiro & L. Kaz, coords. Eds. Alumbramento?livroarte Ed., Rio de Janeiro.

QUELLE, Otto & POMPEU SOBRINHO, Thomaz (1933). Contribuição para a bibliografia da literatura das secas. Revista do Instituto do Ceará, n. 47, p. 26-236, Fortaleza.

 

 

Nos trabalhos mais gerais e panorâmicos, ou muito especializados, sobre o Nordeste existem referências bibliográficas com alto nível de interesse para compor a bibliografia total do Nordeste seco: um acervo representativo da documentação do fim do século e do milênio. Referimo-nos em especial às bibliografias existentes nos trabalhos de Manuel Correia de Andrade, Mario Lacerda de Melo, Vasconcelos Sobrinho, Dárdano Andrade Lima, Gilberto Ozório de Andrade, J. Otamar de Carvalho, Kempton Webb, Aziz Ab'Sáber, Renato Braga, Paulo Emílio Vanzolini, entre outros. E, em nível de instituições, a Sudene, o Banco do Nordeste, a Coleção Mossoerense (Esam), o IBGE, o Instituto Joaquim Nabuco, o Condepe, o Museu Nacional e a CHESF (A.N. Ab'Sáber).