SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número75A influência das economias emergentes em assuntos internacionaisU-topias (urbanas) do pensamento sociológico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Estudos Avançados

versão impressa ISSN 0103-4014

Estud. av. vol.26 no.75 São Paulo maio/ago. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142012000200012 

SOCIOLOGIA E ESPERANÇA

 

A crise da esperança na crise da sociologia

 

 

José de Souza Martins

Professor emérito (2008) e professor titular aposentado do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Foi professor titular da Cátedra Simón Bolivar da Universidade de Cambridge, Inglaterra (1993/1994), e membro de Trini-ty Hall. Foi professor visitante da Universidade da Flórida (Estados Unidos) e da Universidade de Lisboa.  @ – jose38@uol.com.br.

 

 

Neste dossiê estão reunidos os trabalhos apresentados no Seminário Internacional sobre Sociologia e Esperança, realizado no Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (FFLCH-USP), em outubro de 2011, com patrocínio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da Universidade de São Paulo e do Programa de Pós-graduação em Sociologia da Faculdade de Filosofia da USP. O apoio do Instituto de Estudos Avançados da USP, que acolhe nas páginas de sua prestigiosa revista o dossiê com os trabalhos apresentados, foi decisivo para pôr à disposição do público, em tempo recorde, a riqueza de ideias daquele seminário.

O seminário reuniu pesquisadores da USP, da Universidade de Cambridge e da Universidade de Lisboa. Foi cogitado, ao longo de vários anos, em conversas com Graham Howes, Peter Burke e Maria Lúcia Pallares-Burke, em Cambridge, e Fraya Frehse, na USP. Seminário interdisciplinar justamente porque foi na interdisciplinaridade que a sociologia historicamente definiu temas e problemas de investigação, e foi nela que se enriqueceu teoricamente. Foi nela, aqui no Brasil, que a sociologia desvendou bloqueios históricos ao desenvolvimento social do país e desvendou a alternativa do historicamente possível.

Basta lembrar que dos grandes nomes fundadores da sociologia na USP, vários se formaram na perspectiva do que para a sociologia são as chamadas disciplinas auxiliares. Claude Lévi-Strauss, fundador da cadeira de Sociologia e um dos fundadores da moderna antropologia, era filósofo de formação. Seu sucessor, Roger Bastide, fez uma sociologia com fortes conexões com a antropologia e a psicanálise. Seu primeiro curso na USP foi, justamente, sobre sociologia e psicanálise. Florestan Fernandes, sucessor de ambos, fez mestrado e doutorado com pesquisas sobre temas antropológicos, sem contar que sua tese de cátedra sobre o negro é sociologia de extenso e consistente diálogo com a história. A bela sociologia de Antonio Candido apoia-se no diálogo com a antropologia, a história e a literatura.

As gerações seguintes foram formadas na orientação dessas convergências até a inflexão que começa com a crise política do golpe de Estado de 1964 e a crise de gerações que chega ao cume com a revolta estudantil de 1968. Desde então, a sociologia vem se fechando sobre si mesma, no geral preferindo temas que a reduzem ao atual e ao agora. A própria formação dos estudantes de Ciências Sociais está hoje restringida ao fragmentário e a uma precoce ultraespecialização. Ao mesmo tempo, o que para a sociologia sempre foram as disciplinas auxiliares apossa-se, com competência, dos temas próprios da sociologia, como vem ocorrendo com a antropologia, a geografia, a história, a psicologia. A sociologia corre o risco de se tornar uma ciência residual do banal. 

Em boa parte, o vazio criado pelas duas crises mencionadas, a política e a generacional, foi sendo ocupado pela imitação e pela cópia, dando lugar a uma sociologia que nos faz sucursal de Paris, de Nova York ou de Londres. Como se a sociedade brasileira não se defrontasse com gravíssimos problemas nem tivesse mais as referências estruturais do original, aquilo que lhe é próprio e que pede pesquisa e teoria fundadas na diferença do singular. O caminho que deu à antropologia a amplitude e a consistência universais de suas teorias, que a sociologia aos poucos vai perdendo no equívoco de aplicar aqui interpretações e formulações referidas a uma sociedade que não somos. Estamos abrindo mão da riqueza de nossas referências sociais e sua importância para o desenvolvimento das teorias sociológicas.

Foi esse cenário que motivou a realização do Seminário da USP e motivou a escolha do seu tema de referência, a Esperança, concepção-chave das diferentes orientações teóricas da sociologia. Portanto, concepção rica de possibilidades para mapear em diferentes âmbitos a crise da sociologia. 

A sociologia nasceu inconformada com o atual e se mantém demarcada por diferentes concepções de esperança. No âmbito do positivismo e da premissa do progresso, assumiu e desenvolveu diferentes formulações teóricas de dinâmica e de mudança social no marco da ordem. Não raro, interessou-se pela possibilidade de induzir mudanças sociais para superar e suprimir estados de anomia e alcançar situações de equilíbrio e coerência no vínculo entre a consciência social e as relações sociais. No âmbito da dialética e da premissa da superação das contradições sociais, assumiu e desenvolveu diferentes formulações teóricas da transformação social radical no marco do historicamente possível. Também se concentrou nos fatores da ordem, ao propor o desvendamento sociológico dos mecanismos da alienação social, questão que no positivismo apareceria paralelamente, ainda que distintamente, sob a concepção de anomia. E mesmo na perspectiva compreensiva elegeu o primado do racional para compreender as formas residuais de ação e de poder, as insuficiências em face do objetivamente possível.

A sociologia tem tido suas crises de interpretação nas crises de cada sociedade a cujo estudo se dedica. O debate sobre o conhecimento sociológico, a diversidade de suas orientações teóricas, os antagonismos que opõem umas às outras, é um debate sobre perspectivas, modos de ver que expressam modos de ser. Mas que expressam, também, aquilo que supostamente a sociedade poderia ser e não é. É nesse marco de referência que a sociologia é, em largo sentido, uma ciência da esperança, que se perde na opção crescente da sociologia do atual, a sociologia das sociedades em que já não há lugar para a criação histórica e a transformação social.

Neste dossiê não foi incluída, a pedido da autora, a belíssima conferência de Maria Lúcia Pallares-Burke, "Reflexões sobre a desesperança e o fracasso", porque se trata de capítulo inédito do livro sobre o sociólogo alemão Rudiger Bilden, que ela está publicando pela Editora da Unesp. Bilden era amigo de Gilberto Freyre, em cujas ideias o autor pernambucano se inspirou para escrever Casa grande & senzala.

 

 

Recebido em 28.5.2012 e aceito em 31.5.2012.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons