SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número6The impressive chemistry, applications and features of ionic liquids: properties, catalysis & catalysts and trends índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Journal of the Brazilian Chemical Society

versão impressa ISSN 0103-5053

J. Braz. Chem. Soc. vol.23 no.6 São Paulo jun. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-50532012000600001 

EDITORIAL

 

O ensino médio de química: o que fazer para melhorá-lo?

 

 

A Sociedade Brasileira de Química, ao completar 35 anos, reafirma-se como uma das principais sociedades científicas do país. A importância da SBQ para o alto padrão alcançado pelo sistema universitário brasileiro, desde a sua criação em 1977, pode ser mensurada pelos vários Reitores, Vice-Reitores e Pró-Reitores de Universidades de todas as regiões do país que pertenceram às Diretorias e Conselhos Consultivos ou que foram Secretários Regionais da SBQ. Muitas dessas lideranças foram forjadas nas memoráveis assembléias gerais das Reuniões Anuais da SBQ.

Ao lançar os periódicos: Química Nova, Journal of the Brazilian Chemical Society (JBCS), Química Nova na Escola e, recentemente, a Revista Virtual de Química (RVq), a SBQ mostrou que é possível manter no Brasil revistas científicas com padrão de qualidade internacional elevado. Não é por outra razão que alguns artigos publicados no JBCS já ultrapassaram a centena e meia de citações nos bancos de dados Web of Science e Scopus.1-5

A SBQ sempre manteve relacionamento de proximidade, mas digno, com os governos brasileiros após as eleições de 1984. Procurou sempre ser representativa deixando de lado o lobby e exercendo a crítica quando necessária.

Com os Eixos Mobilizadores6, sócios da SBQ fizeram propostas ousadas para a pós-graduação e para a formação de recursos humanos qualificados. Graças à iniciativa de reunir os coordenadores de pós-graduação, hoje diversas áreas do conhecimento adotam essa prática, cuja finalidade principal é dar transparência ao processo de avaliação dos programas de PG da CAPES. Hoje a pós-graduação da área de Química pode se orgulhar de ser uma das mais produtivas e qualificadas na grande área de Ciências Exatas e da Terra.

Esses são exemplos que mostram que as sociedades científicas, quando atuam com dignidade e entusiasmo, longe das benesses que poluem a história do Brasil desde a chegada dos portugueses, contribuem para o desenvolvimento científico e tecnológico. Porém, se muito já foi feito pela SBQ, muito mais está por ser feito.

O Brasil, apesar dos avanços que alcançou nos últimos 20 anos, ainda é um país injusto e assimétrico com grande parte da sua população. A injustiça e a assimetria precisam ser equacionadas nos próximos anos e a solução dessa equação chama-se EDUCAÇÃO.

Enquanto os professores do Ensino Médio e Fundamental tiverem os piores salários entre todos os profissionais com nível superior, o desenvolvimento social e a democracia estarão comprometidos. Essa é uma das bandeiras que a Diretoria e o Conselho Consultivo da SBQ devem empunhar, porque todas as conquistas alcançadas até aqui pela química brasileira podem rolar ladeira abaixo, se nada for feito para melhorar a formação dos licenciados em Química.

O aumento de salário não basta; é necessário que os Programas de Pós-Graduação, as grandes Empresas de Química, os Diretores e Chefes de Departamentos de Química façam a sua parte, que não é pequena. Os coordenadores de Pós-graduação, por exemplo, podem começar a adotar uma Escola de Ensino Médio estruturando laboratórios para aulas experimentais de Química.

Isso é pouco? É, mas pode ser apenas o começo de uma grande revolução do Ensino Médio brasileiro.

 

Angelo C. Pinto
Editor JBCS

 

Referências

1. Schuchardt, U.; Sercheli, R.; Vargas, R. M.; J. Braz. Chem. Soc. 1998, 9, 199.         [ Links ]

2. Dupont, J.; J. Braz. Chem. Soc. 2004, 15, 341.         [ Links ]

3. Da Silva, J. F. M.; Garden, S. J.; Pinto, A. C.; J. Braz. Chem. Soc. 2001, 9, 273.         [ Links ]

4. Pinto, A. C.; Guarieiro, L. L. N.; Rezende, M. J. C.; Ribeiro, N. M.; Torres, E. A.; Lopes, W. A.; Pereira, P. A. P.; de Andrade, J. B.; J. Braz. Chem. Soc. 2005, 16, 1313.         [ Links ]

5. Dias, L. C. J. Braz. Chem. Soc. 1997, 8, 289.         [ Links ]

6. De Andrade, J. B.; Cadore, S.; Vieira, P. C.; Zucco, C.; Pinto, A. C.; Quim. Nova 2003, 26, 445.         [ Links ]

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons