SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 issue1The women wish the power? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Psicologia Clínica

Print version ISSN 0103-5665

Psicol. clin. vol.23 no.1 Rio de Janeiro  2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-56652011000100001 

EDITORIAL

 

 

A presente edição da revista Psicologia Clínica se inicia com a publicação de alguns dos artigos apresentados no evento Afinal, o que querem as mulheres?, levado a cabo numa parceria entre o Departamento de Psicologia da PUC-Rio e a Globo Universidade, em outubro de 2010. Assim, quatro artigos contemplam, à luz de suas orientações temáticas, a questão proposta naquele Seminário. No primeiro deles, "As mulheres desejam o poder?", Joel Birman (UERJ) tece considerações acerca das relações entre a mulher e o poder, no Ocidente, num viés psicanalítico, a partir de um comentário inicial sobre a última eleição no Brasil.

Em seguida, em seu trabalho "Afinal, o que querem as mulheres?", Livia Barbosa (ESPM-SP) questiona tanto o ritmo das mudanças em direção à igualdade entre gêneros (ainda por demais lento), quanto a própria indagação em si. Considerando a autonomia dos quereres, "nascidos de dinâmicas internas ao gênero ao qual pertencemos e condicionados pela sociedade e pelas mudanças que nela ocorrem, talvez a indagação mais adequada seja – Afinal o que nós, homens e mulheres, queremos hoje?".

O terceiro artigo desta seção é de Mirian Goldenberg (IFICS-UFRJ), "Afinal, o que quer a mulher brasileira?", no qual a autora se propõe discutir o papel do corpo como uma importante forma de capital (físico, simbólico e social) na cultura brasileira. Para M. Goldenberg, no Brasil o corpo é um capital, talvez o mais desejado por indivíduos das camadas médias urbanas e das camadas mais baixas, que avaliam a possibilidade de seu uso como um veículo fundamental para a ascensão social e também no mercado de casamento e no mercado erótico.

Encerra a seção temática o artigo "Mulheres empreendedoras: o desafio da escolha do empreendedorismo e o exercício do poder", levado a cabo pela Prof. Eva G. Jonathan (PUC-Rio), que se propõe a fazer uma reflexão sobre a relação das mulheres com o poder, com base em uma síntese das observações feitas em diferentes pesquisas sobre o empreendedorismo feminino. São analisadas as motivações das mulheres para empreender, as consequências dessa opção, bem como as dificuldades enfrentadas e as estratégias utilizadas por elas para lidar com diferentes demandas vinculadas à multiplicidade dos papéis femininos.

A seção livre é aberta com o artigo "Pânico, personalidade fóbica, desamparo e masoquismo: articulações psicanalíticas", de Eloisa Serpa Zanetti (UFSCar) e Rodrigo Sanches Peres (UFU). Nele é apresentada uma leitura psicanalítica do pânico fundamentada em três operadores conceituais propostos por autores nacionais: personalidade fóbica, desamparo e masoquismo. À luz desse material, são discutidos aspectos psicopatológicos centrais dessa modalidade de sofrimento psíquico, salientando a sua natureza multifacetada.

Em seguida, no artigo "Relacionamento conjugal na construção da relação de coparentalidade: implicações clínicas na abordagem da psicologia positiva", Laíssa Eschiletti Prati e Sílvia Helena Koller (UFRGS) abordam a transição do sistema conjugal para a coparentalidade e suas implicações clínicas segundo a Psicologia Positiva — a coparentalidade estendendo-se além do âmbito biológico e englobando funções de cada membro do casal. É enfatizada a transição de papéis, considerada como um processo de crise situacional pelo ajustamento às novas condições, que pode trazer repercussões no relacionamento conjugal. O acompanhamento terapêutico é sugerido como fator auxiliar para uma melhor vivência nesta fase de reorganização.

O terceiro artigo desta seção versa sobre a posição de Freud quanto ao lugar dos afetos do analista na clínica psicanalítica. A partir do exame dos escritos técnicos, Ana Bárbara de Toledo Andrade (UFRJ) e Regina Herzog (UFRJ) salientam a distinção entre a atuação a partir da contratransferência e a sua elaboração – dois destinos possíveis para o afeto do analista. É apresentada também uma análise hermenêutica do termo alemão bewältigen, empregado por Freud para se referir à atividade do analista diante da contratransferência. Com base nessas considerações, as autoras defendem a hipótese de que o texto freudiano daria margem a uma perspectiva positiva quanto à afetividade do analista na experiência psicanalítica.

Em seguida, Giana Bitencourt Frizzo (UFRGS), Luiz Carlos Prado (INFAPA), Juan Luiz Linares (Univ. Autónoma de Barcelona) e Cesar Augusto Piccinini (UFRGS) assinam o artigo intitulado "Aspectos relacionais da depressão: o conceito de 'honorável fachada' em dois casos clínicos", no qual procuram investigar os aspectos relacionais da depressão a partir do conceito de "honorável fachada". Através do estudo de duas famílias com mães com diagnóstico de depressão pós-parto, atendidas em Psicoterapia Breve, os autores identificam evidências empíricas do conceito da "honorável fachada" a partir dos eixos parentalidade e conjugalidade. As evidências encontradas são então avaliadas, examinando-se as vantagens e limitações do uso do conceito de "honorável fachada" em diferentes transtornos depressivos.

Sob a ótica psicanalítica, Alexandre Dutra Gomes da Cruz (PUC-BETIM) e Ilka Franco Ferrari (PUC-MINAS), no artigo "A psicanálise aplicada ao sintoma: uma resposta ética aos impasses enfrentados pelos psicanalistas na atualidade", analisam o impacto de fatores contemporâneos, como o avanço do discurso capitalista e da crescente especialização do conhecimento, no meio clínico, levando a uma fragmentação das grandes categorias diagnósticas. O resultado disso, segundo os autores, é a predominância de instituições cada vez mais especializadas e segregativas, o que poderia ser minimizado por uma psicanálise aplicada que viabilizasse a sua inserção em instituições de saúde sem dissolvê-la no variado campo das psicoterapias. Considerada a partir da teoria lacaniana, a formação do analista e o sintoma são pensados como eixos articuladores das dimensões epistemológica, ética e política da psicanálise aplicada.

"Laços mal-atados como efeito de funcionamento falso-self em tempos de desconfiança": sob este curioso título, Sandra Aparecida Serra Zanetti (USP) e Isabel Cristina Gomes (USP) se apoiam na conceituação de Winnicott para debruçarem-se sobre a contemporaneidade e suas formas de estruturação da subjetividade, atravessadas por condições socioculturais e econômicas que têm promovido laços intersubjetivos frágeis, cujo funcionamento psíquico pode ter uma organização de base falso-self. O artigo também lança mão da contribuição de autores contemporâneos (Bauman, Figueiredo e Giddens) para analisar as condições desorganizadoras do funcionamento psíquico que promovem o isolamento, a desconfiança no ambiente, ou ainda laços mal-atados e funcionamentos de base falso-self.

Dois artigos encerram esta seção. No primeiro deles, "Participação de famílias no Grupo Multifamiliar de Adolescentes Ofensores Sexuais: vergonha e confiança", de Liana Fortunato Costa (UnB), a espinhosa questão relacionada a adolescentes ofensores sexuais é abordada a partir de uma pesquisa qualitativa com a participação de sete famílias em um Grupo Multifamiliar (GM). A autora observou a ocorrência de mudanças nas relações familiares, apesar da dificuldade e do sofrimento em discutirem sobre esta temática. Para ela, a intervenção em grupo ajudou a contemplar a dimensão do sofrimento de todos ao favorecer a aproximação afetiva e amenizar o contexto de punição ao adolescente, a vergonha e o isolamento da família e do adolescente em relação à comunidade e à família extensa.

Em seguida, Marina de Andrade Vahle (USP), no artigo "Matrizes clínicas e ética em Freud", procura distinguir as diferentes matrizes clínicas que Freud encontrava em sua prática. Matrizes estas que direcionaram olhares distintos sobre a cultura e fizeram-no privilegiar alguns elementos éticos em detrimento de outros. Assim, por exemplo, a histeria teria sido responsável por fazer Freud levantar a questão do conflito entre sexualidade e moral na civilização; a neurose obsessiva possibilitaria a entrada dos temas da agressividade e do ódio como entraves contra os quais a cultura se esforça por lutar, assim como a presença no psiquismo da consciência moral e do sentimento de culpa, entre outras.

A presente edição conta ainda com uma seção especial, na qual a antropóloga Mirian Goldenberg (UFRJ) entrevista Claude Fischler (Sociólogo, Diretor de Pesquisas do Centre National de La Recherche Scientifiques – CNRS), que opina com rara sensibilidade e inteligência sobre questões diversas relacionadas à contemporaneidade, tais como a alimentação humana, a obesidade, as relações do homem com seu corpo, papéis de gênero e sexualidade.

Como de hábito, encerramos a revista com informações sobre dissertações e teses defendidas na PUC-Rio ao longo do semestre passado, além de notas sobre os autores e também sobre o conselho editorial.

 

Monah Winograd e Bernardo Jablonski

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License