SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número3Educação escolar e o multiculturalismo intercultural: crítica a partir de Simone de BeauvoirFormação de professores para a diversidade: enfrentando o desafio índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Pro-Posições

versão impressa ISSN 0103-7307

Pro-Posições vol.22 no.3 Campinas set./dez. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73072011000300014 

DIVERSO E PROSA

 

Orbis Pictus

 

 

Carlos Eduardo Albuquerque Miranda

Professor do Departamento de Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte (Delart) e membro do Laboratório de Estudos Audiovisuais (Olho) - FE - Unicamp. ceamiranda@gmail.com

 

 

Apresentação

Jean Amós Comenius

Jean Amós Comenius, professor e intelectual do século XVII, foi uma personagem acadêmica importante na Europa setentrional e reformista. Recebido entusiasticamente na Inglaterra, colaborou com a criação da Real Sociedade de Londres para o Avanço das Ciências Naturais e promoveu na Suécia a primeira reforma nacional da educação de um país europeu.

No Brasil, Comenius é estudado pelas áreas de História e Filosofia da Educação, Didática e Metodologia de Ensino e, mais recentemente, Novas Tecnologias na Educação. Suas obras, no entanto, são quase desconhecidas pelos educadores brasileiros, com exceção da Didática Magna (Opera Didactia Omnia), publicada em meados do século passado.

"Orbis Pictus", concebido em Sárospatak, na Hungria, em 1657 e publicado em 1658, em Nuremberg, é considerado o primeiro livro didático ilustrado e a primeira cartilha do mundo cristão ocidental. Foi utilizado na Europa reformista durante mais de dois séculos após sua publicação. Ainda hoje há um debate intenso a respeito de seus alicerces teórico-metodológicos. Porém, o que podemos afirmar é que "Orbis Pictus" desmitifica que o uso da imagem na educação escolar e na produção do conhecimento seja algo pensado apenas na moderna sociedade industrial. O estudo desta obra aponta para a necessidade de pensarmos que imagem, aprendizagem e conhecimento componham uma articulação histórica e que tenham história material.

Para que o leitor possa pensar a importância de "Orbis Pictus" para a educação contemporânea, é interessante conhecer um pouco da história deste livro. A necessidade de Comenius de escrever um livro ilustrado nasceu de sua experiência como professor. Para lecionar latim, língua materna em diversos países, Comenius escreveu um primeiro livro chamado Janua ("porta" ou "entrada", em latim), que foi um fracasso com alunos surpreendentemente iletrados. O autor morávio elaborou, então, outro livro, que, ao mesmo tempo, introduzisse a língua materna, o latim, e as coisas do mundo. Para isso, a obra foi estruturada para mostrar a figuração das principais coisas do mundo - com imagens em xilogravura -; a nomenclatura de cada coisa, com os nomes dos assuntos de cada unidade em latim e na língua materna; e suas particularidades, com um texto que acompanha cada unidade. Vemos isso nos extratos "Escrita", "A Escola" e "O Gabinete", que estão aqui publicados. Os leitores poderão observar o design de um livro que nomeia, mostra e escreve sobre cada assunto que se queira ensinar. Assunto e aquisição da linguagem não estão separados. As imagens não são meras ilustrações do texto escrito: são apresentações figurativas do assunto comentado.

Os extratos publicados fazem parte de um módulo do livro que contém nove unidades didáticas, pela ordem: "A Arte da Escrita", "Papel (Papiros)", "Imprensa (ou Tipógrafo)", "Biblioteca (ou Livreiro)", "Editora (ou Encadernador)", "O Livro", "A Escola" e, por último, "O Gabinete". Escola, estudo e linguagem compõem um mesmo módulo do livro, que é seguido de outro módulo que aborda as virtudes. "Orbis Pictus" possui 150 unidades didáticas que vão da natureza à religião, passando pelo homem, por seu corpo e por suas atividades produtivas e societárias. A aprendizagem da linguagem - imagem e escrita - e a aprendizagem do conhecimento, os assuntos de cada unidade didática, articulam-se na construção de uma visão de mundo.

O alfabeto sonoro - verbal ou onomatopaico -, que inicia a obra, aponta para a desnaturalização da linguagem no contexto educativo. Nos séculos XVI e XVII havia inúmeras formas de apresentação gráfica do alfabeto. Comenius fez uma escolha, ação que parece não pertencer mais ao professor. Assim também, a composição do livro em imagens e textos foi uma escolha do professor morávio, pois, nos séculos XVI e XVII, inúmeros livros ilustrados de anatomia humana, de plantas e animais, iconografia e emblematas já circulavam pela Europa. O design de "Orbis Pictus" não é completamente original, porém foi uma escolha dentre as possibilidades técnicas já disponíveis, naquela época, na confecção de livros.

Comenius é uma grande inspiração para a escola e para a didática da sociedade burguesa em seus valores de universalização da educação, de utilitarismo do conhecimento e de disciplinadora das diversas classes e grupos sociais. Sem dúvida, as grandes metáforas que inspiraram Comenius são a concepção mecânica de natureza e a organização da oficina dos artesãos. Porém, mais que isso, Comenius talvez tenha sido o primeiro educador a colocar em livro uma iconologia didática em prol da educação escolar. Procedimento que até então fora apenas utilizado para a educação dos fiéis católicos em afrescos pintados em igrejas e em livros de intelectuais que tinham como mecenas nobres e reis. A idealização de uma educação pela imagem para diversos grupos e classes sociais é, de fato, um empreendimento da sociedade burguesa. Em sua origem encontramos Comenius e "Orbis Pictus".

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Escola. XCVIII. Schola.

A Escola, 1. é uma Oficina onde Espíritos Jovens são formados para a excelência e são divididos em Grupos.O Mestre, 2.senta-se em uma Cadeira de Braços, 3.os Alunos, 4.em Bancos, 5.ele ensina, eles aprendem.Algumas coisas são escritas perante eles com Giz em um Quadro, 6.Alguns sentam-se a uma Mesa, e escrevem, 7. ele corrige suas Falhas, 8.Alguns ficam em pé e recitam itens decorados, 9.Alguns conversam, 10. e se comportam de forma insolente e negligente;esses são castigados com uma Férula (báculo), 11. e uma Vareta, 12. Schola, 1.est Officina, in quâ Novelli Animi formantur ad virtutem, & distinguitur in Classes.PrÆceptor, 2.sedet in Cathedra, 3.Discipuli, 4.in Subselliis, 5.ille docet, hi discunt.QuÆdam prÆscribuntur illis Cretâ in Tabella, 6Quidam sedent ad Mensam, & scribunt, 7.ipse corrigit Mendas, 8.Quidam stant, & recitant mandata memoriÆ, 9.Quidam confabulantur, 10. ac gerunt se petulantes, & negligentes;hi castigantur Ferulâ (baculo), 11.& Virgâ, 12.

O Gabinete XCIX Museum

 

 

 

1. Traduzido de SYRACUSE, N.Y.: C.W. Bardeen, Publisher, 1887.
2. Tradução do inglês de Karin Quast. N.T. Em alguns itens, não realizamos uma tradução literal, de forma a poder aproximar os vocábulos da língua portuguesa.