SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número1Serviços de saúde em grandes cidades latinoamericanas: o caso da cidade do México/DFAlguns desafios conceituais e técnico-operacionais para o desenvolvimento do Programa de Saúde da Família como uma proposta transformadora do modelo assistencial índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Physis: Revista de Saúde Coletiva

versão impressa ISSN 0103-7331

Physis v.12 n.1 Rio de Janeiro jan./jun. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312002000100004 

A SAÚDE NAS GRANDES CIDADES

 

O desafio da expansão do Programa de Saúde da Família nas grandes capitais brasileiras

 

The chanenge of expanding the Family Health Program in large Brazilian State capitais

 

 

Francisco Eduardo de Campos1; Raphael Augusto Teixeira de Aguiar2; Veneza Berenice de Oliveira3

 

 


RESUMO

O Programa de Saúde da Família (PSF) foi a estratégia escolhida pelo Ministério da Saúde para promover a substituição do modelo assistencial brasileiro. Quase dez anos após o seu início, constata-se uma heterogeneidade na sua implantação: observa-se a ausência de cobertura em municípios de grande porte, notadamente as capitais brasileiras, e também em municípios muito pequenos, não habilitados nas modalidades de gestão municipal do Sistema Único de Saúde (SUS). A expansão do programa a esses dois espaços encontra restrições específicas e, ao mesmo tempo, situações potencialmente vantajosas. Devido ao grande contingente populacional que se encontra nas capitais brasileiras, a cobertura das mesmas revela-se essencial para a consolidação definitiva do modelo assistencial proposto, mas para tal deverá vencer problemas advindos de suas relações com os atores dos novos espaços, bem como usufruir de vantagens oferecidas, como o emprego do meio acadêmico em processos de capacitação e educação permanente.

Palavras-chave: Programa de Saúde da Família; saúde de família; atenção básica; cobertura; urbanização.


ABSTRACT

The Family Health Program (PSF) was the strategy chosen by the Brazilian Ministry of Health to replace the prevailing Brazilian health care model. Almost ten years after the Program was launched, implementation is highly heterogeneous: lack of coverage in large cities, especiany in the State capitais, but also in very sman municipalities (or counties) that are unprepared for the municipal management modalities required under the Unified Health System (SUS). The Program's expansion into these two areas has encountered specific constraints, but also potentiany advantageous situations. Due to the large population contingent in Brazilian State capitais, coverage there proves essential for the defini tive consolidation of the proposed health care model, but for this to happen the PSF win have to overcome problems arising from its relations with stakeholders in new areas, besides using such available advantages as the academic community for continuing training and education.

Keywords: Family Health Program; Family Health; Basic Health Care; Coverage; Urbanization


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.


Full text available only in PDF format.

 

 

Referências Bibliográficas

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto nº 3.745, de 5 de fevereiro de 2001. Brasília, 2001. lnstitui o Programa de lnteriorização do Trabalho em Saúde.         [ Links ]

BRASIL. Ministério da Saúde. Norma operativa básica, 1996. Brasília, 1996.         [ Links ]

BRASIL. Ministério da Saúde. Programas e Projetos: Saúde da Família. Brasília, 1998        [ Links ]

CAMPOS, EE.; CHERCHIGLIA, M. L.; AGUIAR, R. A. T. Reflexões sobre a saúde de família no Brasil: desafios e oportunidades. Revista Brasileira de Saúde da Família, Brasília, n. 5 , ano 2, p. 70-73, 2002.         [ Links ]CORDElRO, H. Os Desafios do Ensino das Profissões de Saúde Diante das Mudanças do Modelo Assistencia1: contribuição para além dos pólos de capacitação em saúde da família. Divulgação em Saúde para Debate, Rio de Janeiro, n. 21, p. 36-43, dez. 2000.         [ Links ]

DAL POZ, M. R.; VIANA, A. L. D. PSF: um instrumento de reforma do SUS? Disponível em: <http://www.abrasco.org.br/Revista/saudemovimento/ indice.htm>. Acesso em: 27 jun. 2002.         [ Links ]

MACHADO, M. A et al. Perfil dos Médicos e Enfermeiros de Saúde da Família no Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/DAB-MS, 2000. Disponível em: <http://www.ensp.fiocruz.br/psCperfinindex.htm1>. Acesso em: 27 jun. 2002        [ Links ]

MATOS, R. Aglomerações Urbanas, Rede de Cidades e Desconcentração Demográfica no Brasil. ln: ENCONTRO Nacional de Estudos Populacionais da ABEP, 12.,2000. Disponível em: <http://www.abep.org.br/>. Acesso em: 27 jun.2oo2.         [ Links ]

RIBEIRO, E. C. O.; MOlTA, J. L J. Educação Permanente Como Estratégia na reorganização dos Serviços de Saúde. Salvador : Secretaria Executiva da Rede lda-Brasil, [1995?]         [ Links ].

SOUZA, M. F et ai. Gestão da Atenção Básica: redefinindo contexto e possibilidades. Divulgação em Saúde para Debate, Rio de Janeiro, n. 21, p. 7-14, dez. 2000.         [ Links ]

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Ottawa Charter. 1986.         [ Links ]

 

 

NOTAS

1 Professor adjunto do DMPS-FM/UFMG e Coordenador do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva da UFMG (NESCON).

2 Mestrando em Saúde Pública pela UFMG e pesquisador do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva da UFMG (NESCON).

3 Professora assistente do DMPS-FM/UFMG e Vice-coordenadora do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva da UFMG (NESCON).

 

 

Recebido em: 11/06/02
Aprovado em: 17/06/02