SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número1Uma janela indiscreta sobre o tráfico de drogas em CopacabanaNos Labirintos da Política de Cotas para Negros no Ensino Superior índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Physis: Revista de Saúde Coletiva

versão impressa ISSN 0103-7331versão On-line ISSN 1809-4481

Physis v.15 n.1 Rio de Janeiro jan./jun. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312005000100011 

RESENHAS E CRÍTICAS BIBLIOGRÁFICAS

 

Desvios na estrada

 

 

Claudia da Silva Pereira

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Endereço eletrônico: caupereira@uol.com.br

 

 

GOLDENBERG, Mirian.
De Perto Ninguém é Normal
Rio de Janeiro: Record, 2005.

De perto ninguém é normal marca os dez anos de estrada de Mirian Goldenberg como professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro e reúne o supra-sumo das idéias da antropóloga, que vem-se dedicando a um campo de pesquisa que ela mesma denomina como "gênero e desvio".

Seus estudos falam diretamente à nossa subjetividade, às nossas diversas identidades, àquilo que está presente no cotidiano, entre quatro paredes e nas ruas. Somados a conclusões recentes da autora, seus trabalhos estão presentes nesse livro, por vezes provocativo e, na maioria do tempo, esclarecedor sobre as diversas faces — convencionais e desviantes — da sociedade em que vivemos. E é logo de início que o leitor se vê diante de uma constatação nem sempre confortável: desviantes somos todos, eu, você, ela e ele, mas poucos de nós temos coragem para levar a cabo impulsos que podem desestabilizar-nos na vida social. Normal, enfim, ninguém é de verdade.

A sós, em nossas fantasias ou nus diante do espelho, tudo pode acontecer. A própria autora olha, com coragem, para seu reflexo do outro lado, que revela, para além da antropóloga, uma mulher preocupada com sua aparência. Assim, no capítulo que abre o livro, "A conversão do pesquisador", Goldenberg escreve sobre a difícil arte de pesquisar, que começa pelo contágio que, na maioria das vezes, acontece entre antropólogo e objeto de estudo. No seu caso, que publicou livros como A Outra (1991) e Toda mulher é meio Leila Diniz (1995), a experiência de escolher temas considerados pouco convencionais pela Academia rendeu (e continua rendendo) momentos de conflito e autoconhecimento.

Essas escolhas, mesmo à sua revelia, aderiram-lhe um rótulo de desviante. É o objeto contagiando o antropólogo aos olhos do Outro. Ao mesmo tempo, acontece de o pesquisador tornar-se, ao longo do trabalho de campo, um nativo como aqueles que servem à sua observação. Aqui, é o objeto contagiando o antropólogo aos olhos da sedução. Sedução que levou Goldenberg, através de seus estudos sobre corporalidade, a tornar-se uma consumidora entusiasmada de cosméticos contra o envelhecimento, os mesmos que, convictamente acredita, servem a um estabelecido padrão de beleza feminino que aprisiona e domina. Ossos do ofício.

A partir de uma pesquisa que vem realizando desde 1998, entrevistas com 1.279 homens e mulheres de camadas médias do Rio de Janeiro fazem a autora atribuir ao corpo o papel de sujeito social no mercado afetivo-sexual, o que o torna, conseqüentemente, alvo de um culto cada vez maior de mulheres de todos os segmentos da sociedade brasileira. O que chamou sua atenção é a recorrência, no discurso de seus entrevistados, de uma categoria um tanto quanto subjetiva — "o corpo", fato que traz à tona uma série de reflexões que nos ajudam a compreender as representações de gênero na contemporaneidade.

No segundo capítulo do livro, "O corpo cativo: sedução e escravidão feminina", Goldenberg demonstra que tanto homens quanto mulheres valorizam o corpo como um agente que favorece a atração física e sexual, juntamente com a inteligência, o olhar e a beleza. Porém, para as mulheres, a busca por um padrão de beleza instaurado pelo sucesso das magras e esguias top models está se tornando uma obsessão, impedindo-as de se realizarem afetiva e sexualmente. Os homens, ao contrário, declaram preferir um padrão de beleza nas mulheres que se aproxima mais das "gostosas". O resultado é, segundo as conclusões da pesquisa, "um divórcio" entre os discursos masculino e feminino. Para eles, as mulheres estão fake demais. Apesar de a oferta de mulheres disponíveis ser grande no mercado afetivo-sexual, a exagerada preocupação com o corpo as tem feito se afastar daquilo que, para os homens, faz a diferença: o charme, a inteligência, a boa conversa, por exemplo. Para elas, os poucos exemplares masculinos disponíveis estão exigentes demais, daí o alto grau de insatisfação com seus corpos naturais, feitos de gordurinhas, estrias e celulites que vêm com o tempo.

Se, por um lado, a distância é grande entre as percepções sobre o corpo entre homens e mulheres, no quesito sexo ela parece diminuir. Entre os mais jovens entrevistados pela antropóloga, a idade da iniciação sexual concentrou-se em torno da faixa de 16 anos, tanto para eles quanto para elas. Mas a aproximação pára por aí. A virgindade ainda é mais comum entre as jovens, assim como um menor número de parceiros, comparativamente aos homens. Em "A dominação masculina na juventude", Goldenberg aponta para a vigência de valores tradicionais em meio a uma vontade moderna da sociedade. Assim, o que se encontra é uma identidade masculina construída sobre um discurso que valoriza a variedade de parceiras e a maior freqüência das relações sexuais, enquanto que, entre as mulheres, perde-se a virgindade mais cedo, mas espera-se delas um número restrito de parceiros. É, segundo a autora, uma "dupla moral" que as coloca mais livres para decidir sobre a sua primeira experiência e que, ao mesmo tempo, as mantém presas à afetividade que vincula sexo e amor. Um comportamento sexual diferente desse padrão é considerado desviante, segundo as conclusões da antropóloga.

Os jovens entrevistados que participaram da pesquisa de Goldenberg também foram convidados a eleger características que são objeto de inveja e de desejo entre seus pares e no sexo oposto. Os resultados confirmam um padrão de identidade tradicional entre os gêneros que coloca em evidência a preocupação com o corpo, mas com pontos de vista diferentes que denotam uma vantagem masculina. Entre os homens, por exemplo, tamanho ainda é documento e o grau de exigência com sua própria aparência física é menor se comparado com o das jovens. Ainda entre eles, há mais coisas a serem desejadas do que invejadas nas mulheres. Para as entrevistadas, pelo contrário, ser loura e magra faz a diferença. E suas invejas com relação ao sexo oposto recaem sobre aquilo que faz parte de sua natureza: eles "não menstruam", "não sentem cólicas", "não têm seios" e "fazem xixi em pé" são algumas das "vantagens" masculinas, segundo elas. A autora conclui que, apesar dos avanços conquistados pelas mulheres na sociedade, os valores tradicionais reafirmam uma dominação masculina que acaba por aprisionar, também, os homens num ideal de virilidade relacionado a um determinado modelo de corpo e virilidade.

Em outro capítulo, "Compromissos não-obrigatórios nas camadas médias urbanas", descobre-se que a fronteira entre tradição e modernidade é mais uma vez derrubada, agora dentro de casa. Homens e mulheres, cada um na sua medida, objetivam relacionamentos que respeitem a individualidade e a privacidade de cada um, mas sem abrir mão dos sentimentos que a autora chama de "simbióticos": a cumplicidade, o companheirismo, a dedicação, a complementaridade entre os cônjuges, os projetos compartilhados. As novas conjugalidades, tomadas por alguns entrevistados como desviantes devido ao não-compromisso formal, estão presentes na contemporaneidade, momento em que não cabem mais os valores tradicionais do casamento e da família. Por outro lado, esses mesmos arranjos conjugais são interpenetrados pelo ideal do amor romântico, que acaba por entrar em conflito com o desejo comum de liberdade, possibilitado, principalmente, pela independência financeira feminina.

No embate entre essas duas forças, a fidelidade é um desafio: como ser, ao mesmo tempo, cúmplice e dono de sua própria privacidade? Como ser companheiro sem abrir mão da liberdade reivindicada? Para os homens, ser infiel é algo inerente à sua condição, já que eles traem para, de uma certa forma, fazer valer sua virilidade. Para as mulheres, que hoje também traem (embora em menor grau), a infidelidade é uma resposta às faltas do cônjuge. Neste sentido, é consenso que a culpa da traição é sempre deles.

O lugar dos gêneros nas relações a dois e a crise do casamento e da família brasileira também são temas centrais em "Laços de Família: novas conjugalidades na novela das oito", onde Goldenberg analisa a trama televisiva, que bateu recordes de audiência em 2000, à luz da Antropologia. O olhar observador da autora percebeu que, por trás da grande polêmica causada pela novela, entre processos judiciais, censuras, críticas de religiosos e fofocas, o que se retratou foram os novos arranjos conjugais presentes na sociedade brasileira, reforçando os laços de sangue — através dos filhos — como regeneradores da ordem. Mais ainda, os destinos dos personagens, a princípio condenados por suas vidas consideradas desviantes uma garota de programa, uma adolescente virgem, mães solteiras, entre outros — foram traçados, no final da trama, por linhas bastante conservadoras: a garota de programa reabilitou-se, a adolescente casou-se virgem com o homem que amava, as mães solteiras também se casaram, os vilões morreram... A partir das reflexões da autora sobre a novela "Laços de Família", chega-se a um modelo tradicional de papéis sociais em que homens apaixonados e viris, e mulheres dedicadas a seus filhos e maridos encontram a felicidade nos laços das novas conjugalidades que estão longe de ser ficção na sociedade brasileira.

Os dois últimos capítulos de De perto ninguém é normal percorrem trajetórias políticas para, comparativamente, demonstrar, também na militância, de que forma são construídas as identidades de figuras proeminentes consideradas desviantes. Em "Mulheres e Militantes", Maria Prestes, Clara Charf e a anônima "Maricota da Silva" representam uma geração de mulheres "invisíveis" que construíram seus nomes na história da esquerda no Brasil através dos homens que as precederam — maridos, pais e irmãos. Olga Benário e Iara Iavelberg, que também estariam condenadas à obscuridade, ganharam reconhecimento por seus feitos e hoje ocupam lugar de destaque, mas sempre associadas a seus companheiros, respectivamente, Luis Carlos Prestes e Carlos Lamarca. Iná Meireles, primeira mulher a ter alcançado o cargo de presidente da CUT e que tem seu lugar em anos mais recentes e feministas dessa história, surge no estudo de Goldenberg com uma trajetória que demonstra a conquista — dura e árdua — das mulheres que já conseguem sair da sombra de figuras masculinas para, respeitando sua individualidade e independência, mostrar a que vieram neste "mundo dos homens".

Partindo de reportagens, biografias e longas entrevistas, a autora revela que a geração feminina dos anos 30, no cenário clandestino da militância, ocupava funções consideradas menores, garantindo a segurança e o dia-a-dia de seus maridos. Aqui, os papéis tradicionais femininos, como limpar, cozinhar, proteger e secretariar, ofuscavam seus ideais, que não eram calados por falta de competência, mas por falta de voz dentro de um ambiente machista. No capítulo que fecha o livro, "Bandido ou Herói?", o guerrilheiro baiano Carlos Marighella, morto em 1969 pela polícia, tem sua trajetória analisada pela antropóloga através de matérias jornalísticas da época, que ajudaram a construir sua imagem paradoxal de "bandido" e de "herói". Transportada para os dias atuais, a trajetória desse homem, a um só tempo acusado de "terrorista" e valorizado como "guerrilheiro", assemelha-se, segundo a autora, ao de traficantes e governantes. O discurso presente na mídia, através de adjetivos como "bandido", "terrorista", "assassino", "marginal", "frio", "cruel", "déspota", entre outros, constrói a imagem mítica de personagens que os aproximam de símbolos de poder, riqueza, inteligência e sucesso. Por vezes, a singularidade de suas vidas transforma-se numa trajetória muito mais bandida ou heróica do que efetivamente é.

Os desvios na estrada da antropóloga, pesquisadora e professora Mirian Goldenberg levam-nos a diversas direções. De perto ninguém é normal é a esquina em que esses caminhos, aparentemente distantes, encontram-se; em que tradição e modernidade convivem; em que subjetividade e objetividade dialogam. O livro é, enfim, o quebra-molas da viagem que nos faz frear e acordar para temas que, por serem tão presentes em nossas vidas, muitas vezes se perdem na paisagem.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons