SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue2Species and prevalence of ticks infestations on stray dogs in Porto Alegre city, RS, BrazilThe efficiency of fembendazole in the control of nematodes in pacu Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1987) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência Rural

Print version ISSN 0103-8478

Cienc. Rural vol.27 no.2 Santa Maria Apr./June 1997

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84781997000200020 

IDENTIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA DE NEMATÓDEOS DO PACU Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887), DA ESTAÇÃO DE PISCICULTURA DO CEPTA, PIRASSUNUNGA, SP, BRASIL1

 

THE IDENTIFICATION AND PREVALENCE OF THE NEMATODES OF THE "PACU" Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887), ON THE CEPT FISH STATION, PIRASSUNUNGA, SP, BRAZIL

 

Jorge Erick Garcia Parra2 Deodoro Atlante Brandão3 Paulo Sérgio Ceccarelli4

 

 

RESUMO

O trabalho foi realizado no Laboratório de Ictiopatologia do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria e no CEPTA, Município de Pirassununga, SP. Foram necropsiados 90 pacus que estavam em viveiros de criação da Estação de Piscicultura do CEPTA, com a finalidade de identificar os nematódeos presentes no tubo intestinal e observar a prevalência destes nos peixes. Foram coletados em três épocas do ano: verão, outono e primavera. Os nematódeos foram identificados como sendo todos pertencentes a mesma espécie Rondonia rondoni. Dos 90 pacus necropsiados, 64 encontravam-se infestados, obtendo uma prevalência de 71%. Dos peixes parasitados foi observado uma intensidade média de 3304 nematódeos. Com relação à época de colela foi observada diferença significativa (P < 0,05) quanto à prevalência entre os meses quentes (janeiro/outubro-novembro), comparado com o mês de maio, com menor temperatura da água. Com relação ao peso do hospedeiro, ocorreu um aumento da revalência até chegar a 100% a partir de pacus de 7 87 g. Em relação ao comprimento total do hospedeiro, existe diferença significativa (P < 0,05) de peixes menores de 20cm e maiores de 35cm, com relação a peixes entre 20 e 30cm.

Palavras-chave: parasitas, peso e infestação por nematódeos, prevalência de nematódeos Rondonia rondoni.

 

SUMMARY

This study was done at lhe Agricultura! Centre for Training and Research in the municipality of Pirassununga, São Paulo. Ninety pacus from nursuries of the CEPTA fish station were sacrificed to identify the nematodes present m the intestinal tract and determine the prevalence of these nematodes in the fish. Samples were coilected during three seasons ofthe year (summer, autumn andspring). AU the parasites coilected were identifiedas eingpart ofthe same species Ronodonia rondoni. From a total of90fishes, 64 were infected representing a prevalence of 71%. The infected fishes had an average intensity of 3304 nematodes/fish. A significant difference (P < 0.05) relative to the prevalence was observed during the hotter months (January, October/November) as compared to the month off viay when the v/ater temperature was very low. In relation to the hostes weight the prevalence increased with weight until it reached 100% infishs with more than 787 g. With respect to the total lenght ofthe host there was a significant difference (P < 0.05) between fishes with less than 20cm and with more than 35cm and those with body length between 20 and 30cm.

Key words: Rondonia rondoni infection, parasites, prevalence of nematodes.

 

 

INTRODUÇÃO

Com a expansão da piscicultura nacional e, conseqüentemente, com a intensificação da produção nos diferentes sistemas de criação, principalmente de larvas e alevinos, tem sido observado um aumento significativo de problemas devido a parasites. Estes problemas vêm provocando mortalidades em todas as fases de criação (HERNANDEZ, 1989). Um dos parasites que tem sido encontrado em abundância no pacu podendo influir no peixe são os nematódeos.

O filo Nematoda abrange os nematódeos, parasites não segmentados, de corpo cilíndrico, cutícula resistente e estruturas bucais com arranjo trirradial (STORER et al., 1991). O corpo tem um desenvolvimento de cutícula, do sistema muscular e do sistema digestivo (POST, 1987).

A parasitose nos peixes, por nematódeos, pode manifestar morbidade e até mortalidade, quando as condições do meio ambiente permitem a proliferação do parasita (KINKELIN et al., 1985). TATCHER (1991) afirma que os danos causados pelo nematódeo para o peixe variam grandemente dependendo das espécies presentes, o órgão invadido e o número de parasites envolvidos.

A enfermidade causada por nematódeos é chamada de nematodioses, que nos peixes é muito rara. O peixe pode possuir uma ou mais espécies de nematódeos infestando vários órgãos e tecidos do corpo e apresentar-se relativamente normal (POST, 1987). Os sinais clínicos da nematodiosis são: anemia, redução da vitalidade quando são muito numerosos no tecido digestivo, interferindo na digestibilidade do alimento dos peixes (POST, 1987).

Têm sido encontradas várias espécies de nematódeos para diferentes tipos de peixes nativos. KONH et al. (1985) descreveram o nematódeo Rondonia rondani em viveiros do CEPTA, para o pacu Piaractus mesopotamicus, mas o trabalho não menciona prevalência, intensidade de infecção e correlação entre peso e tamanho do hospedeiro. CECCARELLI & OLIVEIRA (1986), observaram em um levantamento, nematódeos em todos os pacus necropsiados e em grande quantidade, mas também não fizeram as correlações já mencionadas anteriormente.

Tendo em vista o número de nematódeos encontrados nos levantamentos realizados por pesquisadores do CEPTA no meio natural e em piscigranjas, este trabalho tem como objetivo identificar os nematódeos presentes no pacu criados nos viveiros do CEPTA e estudar a prevalência, intensidade média e possíveis correlações entre peso e tamanho do hospedeiro.

 

MATERIAIS E MÉTODOS

O trabalho foi realizado no Laboratório de Ictiopatologia do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria e no Centro de Pesquisa e Treinamento em Aquicultura (CEPTA), no período de janeiro a novembro de 1995. Foram utilizados 90 pacus coletados em três épocas do ano: verão, outono e primavera, que correspondem aos meses de coleta: janeiro, maio e outubro - novembro. Foram realizadas medições biométricas nos peixes. Os nematódeos foram obtidos mediante as técnicas clássicas de coleta, sendo fixados seguindo a técnica de AMATO (1985), e clarificados com fenol. Os desenhos foram feitos com auxílio de câmara clara, microscópio, retroprojetor de lâmina; as medições foram executadas com o uso de micrômetro ocular e paquímetro, identificando as partes externas e os órgãos internos do nematódeo.

Foi utilizado o delineamento inteiramente casualizado, e a unidade experimental foi o peixe. Os parâmetros estimados foram: peso, comprimento total, época do ano e prevalência. Os dados obtidos foram analisados utilizando o pacote estaístico SÃS. Foram feitas análise de variância, correlação e teste X2 ao nível de signifícância de 5%.

 

RESULTADOS

Foi encontrada uma única espécie de nematódeo identificada primeiramente por TRAVASSOS (1920) como tipo Rondonia rondoni, Travassos et al.., 1928 (Figura l). Nematódeo de cor branca, corpo füsiforme, com extremidade anterior truncada e a posterior subulada (ponta), retilínea nas fêmeas e curvada ventralmente nos machos.

 

 

Como pode-se observar na Tabela l as medidas de Rondonia rondoni descritas por TRAVASSOS et al.. (1928) e as encontradas neste experimento, existe uma concordância quanto às medidas dos mesmos.

 

 

A única medida observada que não tem concordância é o gubemáculo nos machos, no qual TRAVASSOS et al.. (1928) descrevem um tamanho muito superior ao observado neste trabalho.

Comparando as medições do gubemáculo dos nematódeos analisados neste experimento com as medições feitas por COSTA (1963), Baylis apud COSTA (1963) e MORAVEC et al.. (1992), existe uma concordância com as medições dos mesmos, eles colocam os seguintes tamanhos: 0,05 a 0,07; 0,04 a 0,07 e 0,060 a 0,069, respectivamente.

Nos peixes analisados nesta pesquisa foi encontrada uma única espécie de nematódeo, mas existem trabalhos que reportam o nematódeo Spectatus spectatus infestando o pacu P. mesopotamicus, espécie encontrada em pequeno número e associada a R. rondoni (HAMMAN, 1982; KOHN et al., 1985; CECCARELLI & OLIVEIRA, 1986)

Dos 90 exemplares de pacu P. mesopotamicus necropsiados, 64 encontravam-se parasitados, obtendo uma prevalência de 71%. Dos peixes parasitados foi observada uma intensidade média de 3304 nematódeos, sendo que o peixe com maior número de nematódeos registrado tinha 15.382.

Com relação à época de coleta, foi observado existir diferença significativa (P < 0,05) quanto à prevalência na primavera (meses outubro-novembro) e verão (mês de janeiro), com temperaturas médias da água de 26°C e 30°C, respectivamente, quando comparado com a época do outono (mês de maio), onde a temperatura média da água foi de 20°C (Tabela 2).

 

 

Quanto ao tamanho do hospedeiro, encontrou-se uma alta prevalência nos peixes de tamanho entre 40 e 50 cm, atingindo 100%. Peixes menores de 20 cm e maiores de 35 cm, as médias foram semelhantes e apresentaram diferença significativa (P < 0,05) em relação aos peixes entre 20 e 30 cm de comprimento total (Tabela 3).

 

 

Em relação ao peso do hospedeiro ocorreu um aumento da prevalência até chegar 100% a partir de pacus de 787g. Para estes intervalos de peso, as médias foram semelhantes, apresentando diferença signifícativa (P < 0,05) em relação aos outros intervalos (Tabela 4).

 

 

Altas intensidades de R. rondoni em P. mesopotamicus são reportadas por KOHN et al. (1985), onde recuperaram milhares de nematódeos no intestino do pacu (P. mesopotamicus) .CECCARELLI & OLIVEIRA (1986) colocam que o R. rondoni encontra-se em grande quantidade chegando a obstruir ontestino. HAMANN (1982) encontrou uma prevalência de 90% do material analisado no rio Paraná médio, na Argentina.

Altas intensidadede R. rondoni têm sido reportadas para outras espécies de peixes, MOVA- REC et al. (1992) encontraram para Pterodoras granulosus "armado" quantidades de um até 1000 sendo média de 177 nematódeos por peixe.

HAMANN & LOMBARDERO (1982), reportaram R. rondoni, com prevalência de 96%, para P. granulosus. TRAVASSOS et al. (1928) reportaram R. ron- doni em Myletes torquatus, Doras granulosus e Mileus sp, e descrevem que o material é encontrado no hospedeiro em grandes quantidades, enchendo inteiramente os intestinos, e são eliminados junto com as fezes constituindo 50% destas.

Segundo TATCHER (1991), milhares de Rondonia rondoni estão presentes no trato intestinal de peixes da amazônia, especialmente catfísh e pacus, mas parecem não causar alteração histológica. A relação destes nematódeos com seus hospedeiros provavelmente seja na forma de comensalismo. Estes se fixam ao lumen do intestino, mas se mantém em posição, nadando ativamente.

Trata-se portanto de um parasito que, pela sua elevada intensidade média, poderá trazer problemas de obstrução intestinal ao hospedeiro. Seria recomendável pesquisas visando a utilização de anti helmínticos para controlá-lo.

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMATO, J. Manual de técnicas para preparação de coleções zoológicas. Platelmintos (Temnocefálidos, Trematódeos, Cestoides,Cestodatários) e Acantocéfalos. Sociedade Brasileira de Zoologia, 1985, 11 p.         [ Links ]

CECCARELLI, P.S., OLIVEIRA, C.A. Ocorrência de helmintos, parasitos de Colossoma mitrei Ber. 1985 em ambiente natural. IV SIMBRAQ, Associação Brasileira de Aquicultura, Ribeirão Preto, p. 203-205, 1986.         [ Links ]

COSTA, S.C.G., Rondonia rondani Travassos, 1920 (Nematodo, Atractidae), Instituto Osvaldo Cruz, Rio de Janeiro, p. 75-88, 1963.         [ Links ]

HAMANN, M.I. Parasitos del pacu (Colossoma nútrei) del rio Paraná médio. Republica Argentina (Pisces, Serrasalmidae). Historia Natural, n. 2, p. 153-160, 1982.         [ Links ]

HAMANN, M.I, LOMBARDERO, O.J. Lãs helmintoses de los peces dei rio Paraná superior. Veterinaria Corrientes, v. 2, p. 161-172, 1982.         [ Links ]

HERNANDEZ, A. Cultivo de Colossoma. Bogotá: Guadalupe, 1989. 475 p.         [ Links ]

KINKELIN, p. de., MICHEL, CH., GHITTINO, P. Tratado de las enfermedades de los peces. Zaragoza;: Acribia, 1985. 353 p.         [ Links ]

KOHN, A., FERNANDES, B. M. M., MACEDO, B. et al. Helmintos parasites of freswater fishes from Pirassununga, SP, Brazil. Mem Instituto Oswaido Cruz, Rio de Janeiro, v. 80, n. 3, p. 327-336, 1985.         [ Links ]

MORAVEC, F., KOHN, A., FERNANDEZ, B.M. Nematode parasites of fishes of the Paraná river, Brazil. part. l. Trichuroi- dea, Oxyroidea and Cosmocercoidea. Folia Parasitológica , Ceské Budejovica, Czeschoslovakia and Rio de Janeiro, v. 39, p. 327-353, 1992.         [ Links ]

POST, G. Textbook of fish healt. Revised and expanded, TFH publications, 1987. p. 288.         [ Links ]

STORER, T.I., USINGER, R.L., STEBBINS, R.C. Zoologia geral. São Paulo: Mãe Grau Hill, 1991. 816 p.         [ Links ]

TATCHER, V.E. Amazon fish parasits. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazónia, INPA-DBA, Manaus, Amazonas, Brazil, 1991,571 p.         [ Links ]

TRAVASSOS, L., ARTIGAS, P., PEREIRA, C. Fauna helmintológica dos peixes de água doce do Brasil. Instituto Osvvaldo Cruz e Arch. Instituto Biologia São Paulo, p. 5-68, 1928.         [ Links ]

 

 

1 Parte da Dissertação de Mestrado apresentada pelo primeiro autor ao Curso de Pós-graduação em Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

2 Zootecnista, Mestre em Zootecnia.

3 Biólogo, PhD, Professor Titular do Departamento de Zootecnia da UFSM, 97119-900 - Santa Maria, RS. Autor para correspondência.

4 Mestre, Pesquisador do Centro de Pesquisa e Treinamento em Aquacultura (CEPTA), Pirassununga, São Paulo.

 

Recebido para publicação 24.07.96 Aprovado em 11.12.96