SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 issue3The effects of Nierembergia veitchii (Hook) Solanaceae extracts in rat fertility and fetal skeleton morphologyThe use of levomepromazine to blokade the arrhythmia induced by the epinephrine in dogs anesthetized with Sevoflurane author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Ciência Rural

Print version ISSN 0103-8478On-line version ISSN 1678-4596

Cienc. Rural vol.30 no.3 Santa Maria May/June 2000

https://doi.org/10.1590/S0103-84782000000300007 

CLÍNICA E CIRURGIA / CLINIC AND SURGERY

 

Biometria ultra-sonográfica bidimensional em tempo real do globo ocular de cães

 

Two-dimensional real-time ultrasonic biometry of ocular globe of dogs

 

Gentil Ferreira Gonçalves1 Ney Luis Pippi2 Alceu Gaspar Raiser3 Alexandre Mazzanti4 Simone Tostes de Oliveira5 Jairo Pereira Neves6 Alessandro de Moraes Leotte7 Christian Wilke Hintz7

 

 

RESUMO

Para realizar a biometria ultra-sonográfica em tempo real, foram utilizados 60 globos oculares de 30 cães oftalmologicamente sadios, com o objetivo de se obter medidas das distâncias no interior do globo ocular. Essas foram tomadas de imagens de cortes sagitais obtidas com os animais posicionados em decúbito esternal, contidos manualmente, e com a aplicação de colírio anestésico. Empregou-se transdutor setorial mecânico de 7,5 MHz sem almofada de recuo. As médias das medidas obtidas foram; para D1- distância entre a córnea e a cápsula anterior da lente 3,9 ± 0,7mm, D2- espessura da lente 6,1 ± 1,2mm, D3 diâmetro da lente 10.5 ± 1,0mm, D4- profundidade da câmara vítrea 9,1 ± 0,4mm e D5 distância córnea/retina 18,8 ± 0,9mm. Foi observada diferença significativa entre os olhos direito e esquerdo somente em D1.

Palavras-chave: oftalmologia, ultra-sonografia, cães.

 

SUMMARY

Sixty ocular globes of 30 health dogs were utilized to perform a real-time ultrasonic biometry, with the objective of getting distance measurement of intra-ocular structures. The measurements were taken from cross-sectional sagital image with the dogs in esternal recumbence, and manual containment, with the use of topical ocular anesthetic vehicle applied in the cornea. A 7.5 MHz transducer of a mechanical sector scanner without flotation pad was used. The measure averages were 3.9 ± 0.7mm (D1) distance between the midcornea to anterior capsule; 6.1 ± 1.2mm (D2) lens thickness; 10.5 ± 1.0mm (D3) lens diameter; 9.1 ± 0.4mm (D4) vitreous chamber depth; and 18.8 ± 0.9mm (D5) midcornea to retinal distance. Significant difference was observed among the right and left eyes only in D1.

Key words: ophthalmology, ultrassonography, dogs.

 

 

INTRODUÇÃO

A técnica de ultra-sonografia consiste no uso de altas freqüências de som para se observar estruturas no interior do corpo. O som é propagado através de um cristal cerâmico chamado piezoelétrico. Ondas sonoras, com freqüências que variam de 2 a 10 milhões de ciclos por segundo, são usadas no ultra-som diagnóstico (CARTEE, et al., 1993). A imagem é formada por ecos que são decodificados através de um aparelho computadorizado. Esses ecos são refletidos por objetos sólidos e interfaces entre tecidos, os quais possuem impedâncias acústicas diferentes (MILLER & CARTEE, 1985).

O olho é um órgão ideal para o exame ultra-sonográfico, porque é de fácil acesso e contém várias superfícies reflexivas ou interfaces (MORGAN, 1989). A ultra-sonografia tem sido utilizada em oftalmologia humana desde os anos 50. A técnica vem sendo usada em Medicina Veterinária em muitos casos. Normalmente, os olhos são visualmente acessíveis ao oftalmologista, no entanto, naqueles com opacidade no segmento anterior, o ultra-som pode delinear alterações que, de outra forma, não seriam vistas (DZIEZYC, et al.,1987).

Para o exame ultra-sonográfico do globo ocular, são necessárias altas freqüências para se delinear adequadamente os tecidos. Transdutores de 7,5 e 10 MHz são referidos para o exame geral e da porção retro bulbar com ou sem almofada de recuo (MILLER & CARTEE, 1985; DZIEZYC, et al., 1987; COTTRILL, et al., 1989; MORGAN, 1989; COLEMAN, et al., 1992; EKESTEN & TORRANG, 1995; GRAHN, et al., 1995; WILLIAMS & WILKIE, 1996; CARVALHO, 1997; SOARES, et al.,1998; GILGER, et al., 1998). São citados, ainda, os transdutores de freqüências mais altas, como 50 e 100 MHz, que são utilizados para visualização acurada da córnea, segmento anterior, ângulo irido-corneal e íris. Esses produzem imagens compatíveis com biomicroscópio, sendo esta técnica chamada de biomicroscopia ultra-sonográfica (COLEMAN, et al., 1992; BARTHOLOMEW, et al., 1997).

Existem dois tipos de procedimentos ultra-sonográficos utilizados em oftalmologia: o modo-A unidimensional e o modo-B bidimensional em tempo real. Recentemente, imagens tridimensionais vêm sendo utilizadas em exames ultra-sonográficos, o que pode permitir ao cirurgião um planejamento mais preciso do procedimento operatório, especialmente em pacientes com traumas complexos, descolamento de retina, membranas proliferativas e drenagens de hemorragias supracoroidais (COLEMAN, et al., 1992). O modo-B em tempo real é, atualmente o mais utilizado em oftalmologia, por proporcionar uma imagem que permite a delimitação anatômica acurada do olho (SCHIFFER et al., 1982).

Valores de referência às várias distâncias oculares em cães foram propostos por SCHIFFER, et al. (1982), além de uma técnica específica para a utilização da ultra-sonografia unidimensional. O modo bidimensional foi utilizado em olhos de cães normais, em uma tentativa de obter-se padrões para diagnóstico, os mais acurados possíveis, por COTTRILL, et al. (1989), que utilizaram cadáveres de cães mesocefálicos e dolicocefálicos e um equipamento ultra-sonográfico com um transdutor de 7,5 MHz com almofada de recuo. Compararam as medidas obtidas ultra-sonograficamente com outras obtidas por paquimetria dos mesmos cadáveres, observando diferenças significativas entre os dois tipos de medida e entre os tipos de crânio, não sendo significativas as diferenças entre os sexos.

O objetivo deste experimento foi fornecer medidas ultra-sonográficas de cães sem raça definida, sadios, para posterior comparação com medidas efetuadas em animais portadores de patologias oculares que possam alterá-las, como o glaucoma ou tumores intra-oculares, possibilitando mais um recurso no exame oftalmológico.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foram examinados 60 globos oculares de 30 cães, sem raça definida, sendo 20 fêmeas e 10 machos, com pesos variando entre 5 e 12 quilogramas e idades entre 1 e 14 anos. As idades foram estimadas através do desgaste da arcada dentária dos animais, provenientes do Biotério Central da Universidade Federal de Santa Maria. Após exames clínico e oftálmico completos, somente os animais isentos de qualquer patologia sistêmica ou ocular foram incluídos no estudo.

Os animais foram posicionados em decúbito esternal e foi instilada uma gota de colírio anestésicoa, à base de cloridrato de proximetacaína, em cada olho. Para efeito de padronização, convencionou-se examinar primeiro o olho direito e, em seguida, o esquerdo. Uma camada de gel hidrossolúvelb para ultra-sonografia foi colocada sobre a córnea que recebia a aplicação direta do transdutor.

As imagens foram obtidas através de um aparelho ultra-sonográficoc calibrado a uma velocidade de som de 1540m/s, com 256 escalas de cinza, e um transdutor setorial mecânicod de 7,5MHz. Para impressão das imagens, utilizou-se processador automáticoe em papel termo-sensívelf.

A imagem utilizada para a tomada das medidas foi em um corte sagital (vertical) do globo ocular, com o transdutor posicionado no centro da córnea. Para as medidas, foi utilizado o cursor eletrônico do próprio aparelho. As medidas realizadas foram: D1 – distância entre o ponto central da imagem da córnea e a da cápsula anterior da lente; D2 – espessura da lente, que corresponde à distância entre a imagem da cápsula anterior da lente e a da cápsula posterior da lente; D3 – diâmetro da lente, distância entre as imagens dos pólos da lente; D4 – câmara vítrea, distância entre imagem da cápsula posterior da lente à retina; D5 – distância entre a imagem da córnea e a da retina. As medidas foram tomadas três vezes consecutivas e pelo mesmo examinador numa tentativa de se minorar o erro experimental. Os dados foram anotados em ficha individual contendo a descrição do paciente e anexada uma foto ultra-sonográfica do globo ocular. Os dados foram agrupados de acordo com o olho e analisados segundo a correlação múltipla entre as médias para, finalmente, aplicar-se o teste estatístico de Tukey , com nível de significância de 5%.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O procedimento adotado para a realização dos exames foi satisfatório, pois permitiu fácil exame de todos os animais sem provocar qualquer efeito adverso nos olhos examinados, comprovando os achados de SOARES et al. (1998).

As médias das medidas obtidas estão apresentadas na tabela 1. Foi observada diferença significativa entre os olhos direito e esquerdo somente para D1, que corresponde à distância entre a córnea e a cápsula anterior da lente. Essa diferença provavelmente se deve ao uso do transdutor de 7,5 MHz sem almofada de recuo, o que provoca uma condensação da imagem na sua porção junto ao mesmo. Essa área compreende a córnea e câmaras anterior e posterior, fato não observado por COTTRILL et al. (1989), provavelmente devido ao uso da almofada de recuo, que evita essa área de condensação.

 

 

Existe diferença entre as medidas obtidas neste experimento e as correspondentes obtidas por COTTRILL et al. (1989), que foram D1- 3,6 ± 0,7, D2- 7,6 ± 0,5, D4- 8,8 ± 0,7 e D5- 19,9 ± 1,2, utilizando o modo B em cadáveres. Essa diferença, provavelmente, deve-se ao fato de que eles utilizaram cadáveres recentes, enquanto, neste experimento, foram utilizados animais vivos. As alterações pós-morte afetam a qualidade das imagens ultra-sonográficas. A diminuição do tono muscular e do volume de fluidos podem causar alteração nas dimensões do globo ocular, o que justificaria a diferença.

A qualidade da imagem obtida com o aparelho calibrado a uma velocidade de som de 1540 m/s, com 256 escalas de cinza, foi adequada para a obtenção das imagens, com uma resolução que permitiu a visualização, em corte sagital (vertical), das estruturas que serviram como referências para as medidas no interior do globo ocular (Figura 1). Esta velocidade de som foi adotada por COTTRILL et al. (1989) e utilizada com sucesso por SOARES et al. (1998). Apesar de COLEMAN et al. (1992) afirmarem que a velocidade de som apropriada para as câmaras é 1532m/s e para a lente 1690m/s , a velocidade utilizada foi satisfatória.

 

 

A espessura da lente (D2) é referida como variando de 6,8 a 7,6mm (PRINCE et al., 1960; MARTIN & ANDERSON, 1981; COTTRILL et al., 1989), enquanto, neste experimento, obteve-se uma média de 6,1 ± 0,12mm, porém uma comparação estatística entre essas medidas se torna inviável, pois a avaliação das médias estaria distante das medidas reais, assim não é possível avaliar se essa diferença é significativa. O mesmo se dá com a medida da profundidade do globo ocular (D5) que é referida variando de 17,8 a 22,8mm (PRINCE et al., 1960; MARTIN & ANDERSON, 1981; COTTRILL et al., 1989) e, neste experimento, obteve 18,8 ± 0,9mm, um valor que está dentro da variação citada. Esses valores são mais coincidentes, provavelmente, devido a não condensação das imagens dessas áreas, provocada pela proximidade com o transdutor observada em D1.

A medida da profundidade da câmara vítrea é referida por COTTRILL et al. (1989), como variando de 9,0 a 10,0 mm com uma média de 9,6 ± 1,6mm. Neste experimento, obteve-se um valor médio de 9,1 ± 0,5mm, dentro da variação encontrada anteriormente. A profundidade da câmara vítrea se torna importante nos casos em que o animal possui uma opacidade anterior no olho e se pretende avaliar a integridade anatômica da retina, sendo recomendada a verificação ultra-sonográfica de áreas de descolamento, ou mesmo nos casos de ruptura do globo ocular. A ultra-sonografia também é útil nos traumas severos em que, normalmente, a córnea se encontra opacificada por edema ou existe sangue nas câmaras anteriores impedindo a oftalmoscopia.

As medidas das médias de D1 a D5 apresentaram diferenças significativas entre os animais. Essas diferenças podem ser atribuídas, provavelmente, aos diferentes formatos de crânio apresentados pelos cães sem raça definida, o que pode ser confirmado pela afirmação de PRINCE et al. (1960), que um cão com a cabeça extensa pode ter um olho extenso. LARSEN (1979) concluiu que existe uma correlação entre a extensão da cabeça e a dos olhos. COTTRILL et al. (1989) observaram globos oculares mais extensos em cães dolicocefálicos comparados aos mesocefálicos, e não encontraram diferenças entre os olhos de animais de sexos opostos. Neste experimento, apesar de terem sido examinados cães de ambos os sexos, as diferenças significativas não podem ser atribuídas a isso. As diferenças significativas encontradas entre os animais, para as medidas referentes à lente, tanto a espessura quanto o diâmetro (D2 e D3) podem ainda ser explicadas pelo mecanismo de acomodação da lente, que tem a capacidade de mudar o seu contorno, de acordo com o ponto focal no momento do exame.

A análise de correlação múltipla não demonstrou correlação significativa entre as variações das médias das medidas, o que demonstra que as variações são independentes entre si.

 

CONCLUSÃO

As imagens obtidas com o ultra-som bidimensional em tempo real em cães vivos, com o transdutor setorial mecânico de 7,5 MHz sem almofada de recuo, não permite medidas fidedignas das estruturas anteriores do globo ocular (3,9 ± 0,7mm); são confiáveis as medidas da lente (espessura, 6,1 ± 1,2mm e diâmetro, 10,5 ± 1,0mm) e extensão do globo ocular (18,8 ± 0,9mm) assim como da câmara vítrea (9,1 ± 0,4mm). Para efeito de diagnóstico, as medidas entre os olhos direito e esquerdo devem ser tomadas e comparadas, não devendo diferir entre si.

 

FONTES DE AQUISIÇÃO

a – Anestalcon 0,5% - Alcon Lab. do Brasil. São Paulo.

b –Carbogel – Alumex do Brasil Ind. e Com Ltda. São Paulo

c –Scanner 200 – Pie Medical Equipment B. V. – Mastricht. Holanda.

d –Scan sector mechanical 7,5 MHz - Pie Medical Equipment B. 

e. – Mastricht. Holanda.

f –Video copy processor – model P66E – Mitsubishi Eletric Corporation – Japan.

g –Thermal paper HD – Type K65 HM - Mitsubishi Eletric Corporation – Japan.

 

BIBLIOGRAFIA

BARTHOLOMEW, L.R., PANG, D.X., SAM, D.A., et al. Ultrasound biomicroscopy of globes from young adult pigs. Am J Vet Res, Schaumburg, v.58, n.9, p.942-948, 1997.        [ Links ]

CARTEE, R.E., HUDSON, J.A., FINN-BODNER, S. Ultrasonography. Vet Clin North Am: Small An Pract., Philadelphia, v.23, n.2, p.345-377, 1993.        [ Links ]

CARVALHO, F.C. Visualização de estruturas em ultra-sonografia ocular. Clin Vet, São Paulo, v.2, n.9, p.25-26, 1997.        [ Links ]

COLEMAN, J., WOODS, S., RONDEAU, M.J., et al. Ophthalmic ultrasonography. Radiol Clin North Am, Philadelphia, v.30, n.5, p.1105-1114, 1992.        [ Links ]

COTTRILL, N.B., BANKS, W.J., PECHMAN, R.D. Ultrasonographic and biometric evaluation of the eye and orbit of dogs. Am J Vet Res, Schaumburg, v.50, n.6, p.898-903, 1989.         [ Links ]

DZIEZYC, J., HAGER, D.A., MILLICHAMP, M.J. Two-dimensinal real-time ocular ultrasonography in the diagnosis of ocular lesions in dogs. J Am Anim Hosp Assoc, Denver, v.23, n.5, p.501-508, 1987.        [ Links ]

EKESTEN, B., TORRANG, I. Age-related changes in ocular distances in normal eyes of samoyeds. Am J Vet Res, Schaumburg, v.56, n.1, p.127-133, 1995.        [ Links ]

GILGER, B.C., DAVIDSON, M.G., HOWARD, P.B. Keratometry, ultrasonic biometry, and prediction of intraocular lens power in the feline eye. Am J Vet Res, Schaumburg, v.59, n.2, p.131-134, 1998.        [ Links ]

GRAHN, B.H., SZENTIMREY, D., PHARR, J.W., et al. Ocular and orbital porcupin in the dog: a review and cases series. Can Vet J, Ottawa, v.36, n.8, p.488-493, 1995.        [ Links ]

LARSEN, J.S. Axial lenght of the emmetropic eye and its relation to the head size. Acta Ophthalmol Copenh, Copenhag, v.57, p.76-83, 1979.        [ Links ]

MARTIN, C.L., ANDERSON, B.G. Ocular anatomy. In: GELATT, K.N. Textbook of veterinary ophthalmology. Philadelphia : Lea & Febiger, 1981. p.12-121.        [ Links ]

MILLER, W.W., CARTEE, R.E. B-scan ultrasonography for the detection of space-occupying ocular masses. J Am Vet Med Assoc, Schaumburg, v.187, n.1, p.66-68, 1985.        [ Links ]

MORGAN, R.V. Ultrasonography of retrobulbar diseases of the dog and cat. J Am Anim Hosp Assoc, Denver, v.25, n.4, p.393-399, 1989.        [ Links ]

PRINCE, J.H., DIESEM, C.D., EGLITIS, J., et al. Anatomy and histology of the eye and orbit in domestic animals. Oxford: Blackwell, 1960. p.65-98.        [ Links ]

SCHIFFER, S.P., RANTANEN, N.W., LEARY, G.A., et al. Biometric study of the canine eye using A-mode ultrasonography. Am J Vet Res, Schaumburg, v.43, n.5, p.826-830, 1982.        [ Links ]

SOARES, A.M.B., LAUS, J.L., SIQUEIRA, Y.H., et al. Ultra-sonografia bidimensional em tempo real do bulbo ocular de cães (Canis familiares, , LINNAEUS, 1758) com opacificação de meios transparentes. Emprego do transdutor mecânico setorial de 7,5 MHz com almofada de recuo. Ciência Rural, Santa Maria, v.28, n.4, p.591-599, 1998.         [ Links ]

WILLIAMS, J., WILKIE, D.A. Ultrasonography of the eye. Comp Cont Educ Pract Vet, New Jersey, v.18, n.6, p.667-677, 1996.        [ Links ]

 

 

1Médico Veterinário, Mestre, Professor, Departamento de Clínica de Pequenos Animais, Universidade do Paraná. E-mail: gentilfg@bol.com.br .Autor para correspondência.

2Médico Veterinário, PhD., Professor Adjunto, Departamento de Clínica de Pequenos Animais, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

3Médico Veterinário, Doutor, Professor Titular, Departamento de Clínica de Pequenos Animais/UFSM.

4Médico Veterinário, Aluno do Program de Pós-graduação em Medicina Veterinária, doutorando, Área de Cirurgia, UFSM.

5Médico Veterinário, Aluno do Program de Pós-graduação em Medicina Veterinária, mestrando, Área de Cirurgia, UFSM.

6Médico Veterinário, Doutor, Professor Titular do Departamento de Clínica de Grandes Animais,UFSM.

7Discente do Curso de Medicina Veterinária, UFSM.

Recebido para publicação em 12.07.99. Aprovado em 22.09.99

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License