SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 número1Reconhecimento da prole por operárias companheiras e não companheiras de ninho em Acromyrmex laticeps nigrosetosus Forel, 1908 (Hymenoptera, Formicidae)Aspectos clínicos e macroscópicos da palatoplastia imediata com implante de cartilagem da pina articular, conservada em glicerina a 98%, após indução experimental de fenda palatina em cães índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência Rural

versão impressa ISSN 0103-8478

Cienc. Rural v.33 n.1 Santa Maria fev. 2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782003000100015 

REVISÃO DE 26 CASOS CLÍNICOS DE DUODENO-JEJUNITE PROXIMAL EM EQÜINOS (1996-2000)

 

A RETROSPECTIVE ANALYSIS OF DUODENITIS-PROXIMAL JEJUNITIS: 26 HORSES (1996-2000)

 

Wilson Roberto Fernandes1Clarisse Simões Coelho2 Melanie Schoelzel Marques2Raquel Yvonne Arantes Baccarin3 Luis Claudio Lopes Correia da Silva4

 

 

RESUMO

Os dados de 26 eqüinos com duodeno-jejunite proximal (DJP), examinados no HOVET-FMVZ-USP entre dezembro de 1996 e novembro de 2000, foram revisados. Durante esse período, foram atendidos 1555 animais, dos quais 205 apresentavam distúrbios gastrintestinais (13,2%). Os casos de DJP representaram 1,7% do total de eqüinos atendidos. A idade, os achados clínico-laboratoriais e a evolução clínica foram comparados entre eqüinos sobreviventes (grupo 1) e eqüinos não sobreviventes (grupo 2). Vinte eqüinos (76,9%) sobreviveram. Todos os animais foram submetidos exclusivamente a tratamento médico. A análise dos resultados foi feita através de comparação entre médias pelo teste t de Student com significância de 5%. Houve diferença significativa entre os dois grupos em relação aos seguintes parâmetros analisados: contagem total de leucócitos no sangue, creatinina sérica e freqüência cardíaca. A principal complicação nos animais recuperados foi laminite (30,8%).

Palavras-chave: enterite anterior, sobrevivência, gastrenterite

 

ABSTRACT

Medical records of 26 horses admitted to the Veterinary Hospital of FMVZ-USP from December 1996 to November 2000 with duodenitis-proximal jejunitis (DPJ) were reviewed. From 1555 horses examined during this period, 205 (13.2%) had shown gastro-intestinal problems and 1.7% of the total had DPJ. Ages, physical parameters, laboratory values and clinical course were compared among surviving horses DPJ (group 1) and horses not surviving DPJ (group 2). Twenty (76.9%) of 26 horses survived. All horses were managed with medical treatment only. The results were analysed through Student test (a=0.05). Significative differences between the two groups were observed for white blood cell counts (WBC), serum creatinine and heart rate. Laminitis was the most common complication and occurred in 30.8% of the cases.

Key words: duodenitis-proximal jejunitis, anterior enteritis

 

 

INTRODUÇÃO

A duodeno-jejunite proximal (DJP), também conhecida como enterite proximal, enterite anterior ou gastroduodenojejunite, é conceituada como uma inflamação catarral no segmento proximal do intestino delgado, duodeno principalmente (HUSKAMP, 1985; LEETH & ROBERTSON, 1989). Alterações anatomopatológicas observadas nesses casos sugerem que a inflamação tem efeitos deletérios na motilidade intestinal e nos mecanismos de transporte de água e eletrólitos, causando hipersecreção, redução da absorção e aumento de permeabilidade. Isso resulta em acúmulo de líquido com distensão do segmento proximal do trato gastrintestinal e distensão gástrica secundária, causando dor e redução da motilidade. A descompressão gástrica alivia o quadro de dor e evita a morte por ruptura do estômago. Com a evolução do processo, há o desenvolvimento de quadro de desidratação com azotemia, acidose metabólica, choque hipovolêmico e complicado por endotoxinas (FREEMAN, 2000). As taxas de sobrevivência relatadas na literatura variam de 25 a 94% (JOHNSTON & MORRIS, 1987; SEAHORN et al., 1992). A etiologia ainda é desconhecida, porém Salmonella e/ou Clostridium são citados como possíveis causas (HENNINGER, 1986; WHITE et al., 1987). Não há evidências de influências sazonal e alimentar, apesar da dieta rica em carboidratos ter sido indicada como causa eventual (HUSKAMP, 1985).

O quadro de dor abdominal é aliviado por descompressão gástrica, obtendo-se refluxo abundante de coloração castanho-alaranjada, odor fétido, pH alcalino, podendo apresentar, em alguns casos, sangue oculto. O animal apresenta depressão, após a descompressão, com sinais de dor intermitente quando o estômago voltar a ficar sobrecarregado. Além disto, os animais apresentam taquicardia, desidratação, tempo de preenchimento capilar aumentado, hipertermia se não tiver sob efeito de alguns fármacos, e distensão de intestino delgado à palpação retal variando de leve a intensa. Os eqüinos com DJP geralmente apresentam quadro de hemoconcentração, como resultado da perda de líquido através do refluxo gástrico e secreções intestinais (SCHUMACHER et al., 1994). O diagnóstico baseia-se na presença desses sinais clínicos, alterações laboratoriais e na eliminação de outras possíveis causas.

O objetivo deste estudo retrospectivo foi avaliar a prevalência de recuperação de eqüinos com DJP atendidos durante um período específico. Foram comparados idade, achados clínico-laboratoriais e evolução clínica de animais sobreviventes e não sobreviventes antes do óbito para identificar possíveis índices prognósticos favoráveis.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Os dados de 26 eqüinos com duodeno-jejunite proximal (DJP), examinados no Hospital Veterinário da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP), entre dezembro de 1996 e novembro de 2000, foram revisados. Durante esse período, foram atendidos 1555 animais, dos quais 205 apresentavam distúrbios gastrintestinais (13,2%), em que os casos de DJP representaram 1,7% do total de eqüinos atendidos e 12,7% dos casos de alterações do sistema digestivo.

O exame físico incluiu freqüência cardíaca, temperatura retal, palpação retal e a mensuração do volume de refluxo removido por sondagem naso-gástrica, durante as primeiras 24 horas após a admissão no hospital. Todos os animais apresentavam boa condição corpórea e condição clínica semelhante no momento da admissão.

O material para avaliação laboratorial foi obtido no momento da admissão e os exames realizados foram hematócrito e contagem total de leucócitos (conforme descrito por BIRGEL, 1982), concentração de proteína plasmática total (método do biureto conforme descrito por STRUFALDI, 1987), uréia (método da urease conforme descrito por TALKE & SCHUBERT, 1965) e creatinina (método cinético descrito por LUTSGARTEN & WENK, 1972) séricas. No líquido peritoneal, obtido da paracentese produtiva em 16 dos 26 animais, foi analisada a concentração de proteína total, a contagem de células nucleadas e a densidade.

O tratamento consistiu de descompressão gástrica, fluidoterapia (solução de ringer com lactato e solução fisiológica calculadas em função das taxas de manutenção e reposição hídrica dos animais), administração de antiinflamatórios não esteróides (fenilbutazona na dose de 4,4mg/kg, intravenosa, duas vezes por dia), fármacos anti-endotóxicos (flunixin meglumine na dose de 0,25mg/kg, intravenosa, duas vezes por dia), estimulantes de motilidade intestinal (metoclopramida na dose de 0,02mg/kg/hora, intramuscular) e antibióticos (penicilina na dose de 20mg/kg, intramuscular, duas vezes por dia). Os fármacos selecionados e duração de administração variaram em função da gravidade da enfermidade e resposta ao tratamento. Durante o período de tratamento, os animais foram mantidos em jejum alimentar e hídrico e receberam alimentação parenteral total (solução de glicose a 5% e aminoácidos). Todos os animais foram submetidos somente ao tratamento médico.

No caso dos animais que foram a óbito ou submetidos à eutanásia, foi realizado exame necroscópico para localização a caracterização das lesões.

A avaliação estatística foi realizada em relação às médias de idade, temperatura retal, freqüência cardíaca, refluxo gástrico nas primeiras 24 horas, hematócrito, contagem total de leucócitos, proteína plasmática total, uréia e creatinina séricas, proteína total e células nucleadas no líquido peritoneal, entre o grupo dos sobreviventes e os não sobreviventes. A análise dos resultados foi feita por meio de comparação entre médias pelo teste t de Student com nível de significância a 5%.

 

RESULTADOS

Vinte dos 26 eqüinos (76,9%) com DJP sobreviveram. No grupo dos não sobreviventes, os animais foram a óbito logo após a internação ou foram submetidos à eutanásia por opção do proprietário após algum tempo de internação sem melhora do quadro ou não apresentaram condições clínicas adequadas para a realização de cirurgia, fato observado com a realização de laparoscopia exploratória em um dos animais, a qual detectou lesões severas e extensas no intestino delgado.

A comparação dos achados clínicos e laboratoriais entre eqüinos sobreviventes (grupo 1) e não sobreviventes (grupo 2) está descrita na tabela 1.

Achados clínicos: em relação à freqüência cardíaca, houve diferença significativa (p<0,05) entre os animais do grupo 1, apresentando valor médio de 67bpm, enquanto os animais do grupo 2 apresentaram valor médio de 96bpm. O refluxo gástrico nas primeiras 24 horas, obtido após a sondagem no momento da admissão, foi avaliado em 21 dos 26 animais e não apresentou diferença significativa entre os grupos estudados, revelando valores médios de 23 litros e 32 litros para os grupos 1 e 2, respectivamente.

Achados laboratoriais: Todos os eqüinos apresentaram quadro de desidratação, variando do moderado a severo, e confirmado pelos valores encontrados de hematócrito e proteína plasmática total. Para o hematócrito e valores médios de proteína plasmática, não foram observadas diferenças significativas entre os grupos estudados. Para contagem total de leucócitos, houve diferença significativa (p<0,05) entre os grupos, com valores médios de 9220/ml nos animais de grupo 1 e de 5000/ml nos animais do grupo 2. Os animais do grupo 1 tiveram valor médio de uréia sérica de 76mg/dl e foi menor do que o observado no grupo 2, cujo valor médio foi de 141mg/dl, porém sem diferença significativa. Para a creatinina sérica, houve diferença significativa (p<0,05) entre os grupos estudados com valores médios de 3,68mg/dl e 7,97mg/dl, respectivamente para os grupos 1 e 2. A avaliação do líquido peritoneal foi realizada em 16 animais. A contagem de células nucleadas foi de 9500/ml nos animais do grupo 1, apresentando-se com valores bem inferiores ao observado nos animais do grupo 2, que foi de 34900/ml, porém sem diferença estatisticamente significativa.

O exame necroscópico dos animais que foram a óbito ou submetidos à eutanásia devido a choque, resposta insuficiente ao tratamento ou complicações, como laminite, revelou espessamento da mucosa e segmentos de coloração enegrecida restritos ao intestino delgado.

 

DISCUSSÃO

A maioria dos eqüinos com DJP atendidos no HOVET-USP apresentou histórico de sinais de dor moderada a severa que, após admissão evoluiu para quadro de depressão, semelhante ao observado por JOHNSTON & MORRIS (1987). Além disso, apresentou refluxo gástrico abundante e redução da motilidade gastrintestinal conforme citado por HENNINGER (1986) e ETTLINGER et al. (1990). Para este estudo, o diagnóstico da DJP baseou-se nos achados clínicos e laboratoriais após exame de cada animal e a resposta ao tratamento médico.

A duodeno-jejunite proximal (DJP) é relatada como sendo uma doença de animais adultos (LEETH & ROBERTSON, 1989). JOHNSTON & MORRIS (1987) citam que é mais freqüente em eqüinos com idade superior a nove anos e pouco comum nos animais com menos de dois anos. No presente estudo, a DJP foi menos comum nos eqüinos com idade inferior a cinco anos e teve maior ocorrência na faixa etária entre cinco e dez anos, concordando com os achados de SEAHORN et al. (1992) e FREEMAN (2000). A média de idade do grupo dos animais que não sobreviveram foi de 4,8 anos, diferentemente do que já foi relatado anteriormente por outros autores (LEETH & ROBERTSON, 1989; SEAHORN et al., 1992), que encontraram valores superiores e praticamente sem diferença para o grupo dos sobreviventes.

ETTLINGER et al. (1990) citaram que o curso da DJP é de aproximadamente uma semana, podendo ser mais curta (24 horas) ou longa (14 dias). Segundo SEAHORN & CORNICK (1991), a recuperação da DJP pode levar de 7 até 14 dias, sendo que quanto mais prolongado o curso da doença, mais reservado será o prognóstico. Esse fato também pode ser observado no presente trabalho onde o tempo médio de internação foi superior para os animais que não sobreviveram, oscilando de dois dias a 15 dias de internação enquanto para o grupo dos sobreviventes o tempo máximo não ultrapassou sete dias.

A pirexia é relatada por vários autores como sendo associada a DJP (HUSKAMP, 1985; WHITE et al., 1987; SCHUMACHER et al., 1994), porém, neste estudo, ela foi pouco observada. Temperaturas corpóreas no momento da admissão superiores a 39,0°C foram observadas em três animais não sobreviventes.

A principal característica da DJP é o refluxo gástrico abundante, geralmente maior que 48 litros nas primeiras 24 horas (FREEMAN, 2000). Esse refluxo, na maioria dos casos, pode continuar por vários dias, mesmo quando a dor deixa de ser evidente e a distensão do intestino delgado não é mais detectável à palpação (WHITE et al., 1987). SEAHORN et al. (1992) relataram que grandes quantidades de fluido gástrico foram removidas de animais não sobreviventes durante o período de hospitalização. Segundo esses autores, o refluxo gástrico durante as primeiras 24 horas pode ser utilizado como variável prognóstico, isto é, se o volume removido for grande pode indicar um quadro mais severo. Neste estudo não foi observada diferença no volume de refluxo obtido dos animais sobreviventes e dos que foram a óbito. Portanto para os animais do presente estudo o refluxo gástrico não pode ser usado para determinar o prognóstico no momento da admissão.

Segundo LEETH & ROBERTSON (1989) e SEAHORN et al. (1992), que compararam os achados entre grupos de animais com DJP sobreviventes e não sobreviventes, a freqüência cardíaca é superior nos animais que foram a óbito, concordando com o encontrado no presente estudo, no qual houve diferença significativa entre os grupos estudados.

Semelhante ao citado por WHITE et al. (1987) e FREEMAN (2000), todos os animais incluídos neste estudo apresentaram hematócrito superior a 42%, chegando a valores máximos de 62% para ambos os grupos, não demonstrando, portanto, diferença entre os animais sobreviventes e não sobreviventes.

Em relação à contagem total de leucócitos, observou-se que os animais não sobreviventes apresentaram uma leucopenia acentuada, com diferença significativa dos valores encontrados para os sobreviventes. Segundo a literatura (LEETH & ROBERTSON, 1989; SCHUMACHER et al., 1994; FREEMAN, 2000), a contagem de leucócitos total nos animais com DJP podem apresentar uma variação desde leucopenia até leucocitose, apesar da endotoxemia geralmente produzir leucopenia por neutropenia e linfopenia. Isso sugere, portanto, que os animais que foram a óbito apresentaram um quadro de endotoxemia mais severo.

Eqüinos com DJP normalmente apresentam azotemia, com 80% deles apresentando aumento nas concentrações de creatinina sérica (COHEN et al., 1994). Essa azotemia geralmente ocorre por causas pré-renais como desidratação, hipotensão e anormalidades eletrolíticas (FREEMAN, 2000). SEANOR et al. (1984) relataram que desidratação persistente de 8-10% pode levar a azotemia pré-renal e, caso não seja corrigida a tempo, resulta em isquemia e doença renal. Os valores elevados de uréia e creatinina encontrados demonstraram que os animais apresentaram azotemia pré-renal já na admissão devido à desidratação, concordando com os relatos da literatura. Esse comprometimento foi maior nos animais que não sobreviveram, para os quais os valores praticamente foram o dobro dos encontrados para os que sobreviveram.

A concentração de proteína no líquido peritoneal foi maior nos animais que foram a óbito, concordando com relatos de SEAHORN et al. (1992). Possíveis mecanismos que justificam esse aumento incluem a peritonite associada à lesão e distensão intestinal, resultando em congestão passiva e aumento da pressão hidrostática capilar dos vasos viscerais peritoneais (MORRIS & JOHNSTON, 1986). Quanto à contagem de células nucleadas do líquido peritoneal houve grande variação, sendo que os animais não sobreviventes apresentaram valor médio bem superior ao encontrado para o grupo de sobreviventes. Este fato foi também relatado por JOHNSTON & MORRIS (1987).

A laminite é citada pela literatura (SCHUMACHER et al., 1994; COHEN et al., 1994; FREEMAN, 2000) como sendo a principal complicação da DJP ocorrendo em 20 a 30% dos casos (WHITE et al., 1987; LEETH & ROBERTSON, 1989). COHEN et al. (1994), que encontraram índice de ocorrência de 28,4%, correlacionaram um aumento na prevalência de laminite com alto peso dos animais (animais com peso superior a 550kg teriam duas vezes mais chances de desenvolver laminite do que animais de menor peso) e com a presença de refluxo sangüinolento. No presente estudo, a principal seqüela foi a laminite (30,8%), seguida de lesões hepáticas (11,5%) e gastrite (7,7%). Não foi possível estabelecer correlação entre a ocorrência de laminite com o peso dos animais e característica do refluxo como citado por COHEN et al. (1994).

Como a causa da DJP continua desconhecida, o seu tratamento é sintomático e praticamente de suporte. A administração intravenosa de fluido é necessária para tratar a desidratação, distúrbios eletrolíticos, azotemia pré-renal e choque. A freqüente remoção do refluxo enterogástrico através de sondagem promove o alívio da dor e previne a ruptura gástrica. O uso de analgésicos deve ser criterioso para não mascarar sinais de dor e hipertermia que indicariam uma possível complicação do quadro e o uso de antibióticos é recomendado nos casos onde há manifestação clínica da bacteremia e, também, por ser a clostridiose uma possível causa determinante da DJP.

Em conseqüência do índice relativamente elevado de recuperação obtido, quando todos os animais receberam exclusivamente o tratamento médico, pode-se considerar que o tratamento de eleição recomendado para tratamento da DJP continua sendo o médico, oferecendo suporte para que o animal se recupere. O procedimento cirúrgico de realização de um desvio intestinal poderia ser adotado como uma alternativa naqueles casos em que, após dias de tratamento médico, o animal não apresente melhora do quadro.

 

CONCLUSÕES

O prognóstico para sobrevivência de eqüinos com duodeno-jejunite proximal depende da intensidade da lesão, duração dos sinais clínicos, grau de comprometimento vascular e resposta do animal ao tratamento médico, avaliados através de exames clínicos e laboratoriais subsequentes. A mortalidade está associada as altas concentrações séricas de uréia e creatinina, e ao aumento na proteína e celularidade do líquido peritoneal, além da leucopenia e taquicardia, que refletem o colapso cárdio-circulatório. Todos os esforços devem ser adotados para diagnosticar a duodeno-jejunite proximal e permitir a adoção de tratamento médico precoce e adequado, objetivando minimizar as complicações, o tempo de hospitalização e os custos para proprietário, maximizando as chances de sobrevivência para o animal.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BIRGEL, E.H. Hematologia clínica veterinária. In: BIRGEL, E.H; BENESI, F.J. Patologia clínica veterinária. São Paulo : Sociedade Paulista de Medicina Veterinária, 1982. p.2-50.        [ Links ]

COHEN, N.D. et al. Prevalence and factors associated with development of laminitis in horses with duodenitis/proximal jejunitis: 33 cases (1985-1991). Journal of American Veterinary Medical Association, v.204, n.2, p.250-254, 1994.        [ Links ]

ETTLINGER, J.J.; FORD, T.; PALMER, J.E. Ulcerative duodenitis with luminal constriction in two horses. Journal of American Veterinary Medical Association, v.196, n.10, p.1628-1630, 1990.        [ Links ]

FREEMAN, D.E. Duodenitis-proximal jejunitis. Equine Veterinary Education, v.12, n.6, p.322-332, 2000.        [ Links ]

HENNINGER, R.W. Proximal enteritis in a quarter horse stallion. Compendium of Continuing Education for the Practing Veterinarian, v.8, n.2, p.S53-S58, 1986.        [ Links ]

HUSKAMP, B. Diagnosis of gastroduodenojejunitis and its surgical treatment by a temporary duodenocaecostomy. Equine Veterinary Journal, v.17, n.4, p.314-316, 1985.        [ Links ]

JOHNSTON, J.K.; MORRIS, D.D. Comparison of duodenitis/proximal jejunitis and small intestinal obstruction in horse: 68 cases (1977-1985). Journal of American Veterinary Medical Association, v.191, n.7, p.849-854, 1987.        [ Links ]

LEETH, B.; ROBERTSON, J. A retrospective comparison of surgical to medical management of proximal enteritis in the horse. In: ANNUAL CONVENTION OF THE AMERICAN ASSOCIATION OF EQUINE PRACTITIONERS, 34., 1988. Proceedings… San Diego : American Association of Equine Practitioners, 1989. 675p . p.69-79.        [ Links ]

LUTSGARTEN, J.A.; WENK, R.E. Simple, rapid, kinetic method for serum creatinine measurement. Clinical Chemistry, v.18, n.11, p.1419-1422, 1972.        [ Links ]

MORRIS, D.D.; JOHNSTON, J.K. Peritoneal fluid constituents in horses with colic due to small intestine disease. In: EQUINE COLIC RESEARCH SYMPOSIUM, 2., 1985. Proceedings… Lawrenceville : Veterinary Learning Systems, 1986. 142p. p.134-142.        [ Links ]

SCHUMACHER, J; COHEN, N.D; DEAHORN, T.L. Duodenitis/Proximal Jejunitis in Horses. Compendium of Continuing Education for the Practing Veterinarian, v.16, n.9, p.1197-1206, 1994.        [ Links ]

SEAHORN, T.L.; CORNICK, J.L. Duodenitis-proximal jejunitis: the diagnosis and treatment of one cause of colic. Veterinary Medicine, v.86, n.1, p.67-68/70-71, 1991.        [ Links ]

SEAHORN, T.L.; CORNICK, J.L.; COHEN, N.D. Prognostic indicators for horses with duodenitis-proximal jejunitis. Journal of Veterinary Internal Medicine, v.6, n.6, p.307-311, 1992.        [ Links ]

SEANOR, J.W.; BYARS, T.D.; BOUTCHER, J.K. Renal disease associated with colic in horses. Modern Veterinary Practice, v.65, n.5, p.A26-A29, 1984.        [ Links ]

STRUFALDI, B. Prática de bioquímica clínica. São Paulo : Faculdades de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, 1987. 399p.        [ Links ]

TALKE, H.; SCHUBERT, G.E. Enzymatische Harnstoffbestimmung in Blut und Serum im optichen Test nach Warburg. Klinische Wochenschrift, v.43, p.174-175, 1965.        [ Links ]

WHITE, N.A. et al. Hemorrhagic fibrinonecrotic duodenitis-proximal jejunitis in horses: 20 cases (1977-1984). Journal of American Veterinary Medical Association, v.190, n.3, p.311-315, 1987.        [ Links ]

 

 

1Médico Veterinário, Professor Associado do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ), Universidade de São Paulo (USP). Avenida Professor Doutor. Orlando Marques de Paiva, 87, 05508-000, São Paulo, SP. E-mail: wilsonrf@usp.br. Autor para correspondência.

2Médico Veterinário, Aluno de Mestrado de Clínica Veterinária da FMVZ-USP

3Médico Veterinário, Professor Doutor do Departamento de Clínica Médica da FMVZ-USP

4Médico Veterinário, Professor Doutor do Departamento de Cirurgia da FMVZ-USP

Recebido para publicação 01.10.01 Aprovado em 27.03.02