SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 issue5Predation of Diaspididae by Coccidophilus citricola larvae at different temperaturesCultivars reaction and efficiency of chemical control of aphids vectors of Barley yellow dwarf virus in wheat author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência Rural

Print version ISSN 0103-8478On-line version ISSN 1678-4596

Cienc. Rural vol.34 no.5 Santa Maria Sept./Oct. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782004000500002 

ARTIGOS CIENTÍFICOS
DEFESA FITOSSANITÁRIA

 

Controle químico da forma galícola da filoxera Daktulosphaira vitifoliae (Fitch, 1856) (Hemiptera: Phylloxeridae) na cultura da videira

 

Chemical control of grape phylloxera Daktulosphaira vitifoliae (Fitch, 1856) leaf form (Hemiptera: Phylloxeridae) on vineyards

 

 

Marcos BottonI; Rudiney RingenbergII; Odimar Zanuzo ZanardiIII

IEngenheiro Agrônomo, DSc, Pesquisador do Centro Nacional de Pesquisa de Uva e Vinho, Rua Livramento 515, CP 130, 95700-000, Bento Gonçalves, RS. Email: marcos@cnpuv.embrapa.br
IIEngenheiro Agrônomo, Doutorando em Entomologia na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz (ESALQ), Universidade de São Paulo (USP)
IIITécnico Agrícola, Bolsista Iniciação Científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS)

 

 


RESUMO

A filoxera Daktulosphaira vitifoliae (Fitch, 1856) (Hemiptera: Phylloxeridae) é considerada a principal praga da videira. O inseto se alimenta da parte aérea e raízes sendo que os maiores prejuízos são observados em raízes de Vitis vinifera cultivada como pé-franco. O dano nas folhas é importante em viveiros, quando o ataque ocorre nos ramos utilizados como porta-enxertos, resistentes à forma radícola. Este trabalho foi realizado com o objetivo de selecionar inseticidas que possam ser empregados como substitutos aos fosforados e piretróides no manejo da forma galícola da filoxera. Os inseticidas imidacloprid, thiamethoxam, acephate, abamectin, deltamethrin e fenitrothion, foram avaliados em condições de campo, sob infestação natural, em plantas matrizes do porta-enxerto Paulsen 1103. Imidacloprid (Provado 200 SC, 40mL 100L-1) e thiamethoxam (Actara 250 WG, 30g 100L-1) reduziram as injúrias causadas pela forma galícola da filoxera nos ponteiros em nível superior a 90%, proporcionando controle superior aos inseticidas deltamethrin (Decis 25 CE, 40mL 100L-1) e fenitrothion (Sumithion 500 CE, 150 mL/100L) considerados referência no controle do inseto. Os inseticidas acephate (Orthene 750 BR, 100g 100L-1) e abamectin (Vertimec 18 CE, 80mL 100L-1) não foram eficientes.

Palavras-chave: controle químico, inseticidas neonicotinóides.


ABSTRACT

Grape phylloxera Daktulosphaira vitifoliae (Fitch, 1856) (Hemiptera: Phylloxeridae) is the main grape pest. Adults and nymphs feeds on leaves and roots but major damage is observed on roots of own rooted Vitis vinifera. Damage on leaves is important in root stock nurseries where chemical control is necessary. This study was conducted to evaluate insecticides to control the leaf form in a Paulsen 1103 nursery in field condictions. Imidacloprid (Provado 200 SC, 40mL 100L-1) and thiamethoxam (Actara 250 WG, 30g 100L-1) reduced foliar damage in more than 90%, providing better control than deltamethrin (Decis 25 CE, 40mL 100L-1) and fenitrothion (Sumithion 500 CE, 150mL 100L-1) current standarts for pest control. Acephate (Orthene 750 BR, 100g 100L-1) and abamectin (Vertimec 18 CE, 80mL 100L-1) were not efficient.

Key words: chemical control, neonicotinoid insecticides.


 

 

INTRODUÇÃO

A filoxera Daktulosphaira vitifoliae (Fitch, 1856) (Hemiptera: Phylloxeridae) é um pulgão (< 1mm de comprimento) que se alimenta da parte aérea e raízes da videira (De CLERK, 1974; HICKEL, 1996; SORIA & DAL CONTE, 2000; GRANETT et al., 2001). Os maiores prejuízos são observados quando o inseto se alimenta nas raízes (forma radícola) de plantas de Vitis vinifera cultivadas como pé-franco (GRANETT et al., 2001). Nestas situações, o ataque do inseto provoca nodosidades resultantes do entumescimento dos tecidos das radicelas nos locais de alimentação, reduzindo a capacidade da planta de absorver nutrientes. Como dano secundário, o local de ataque serve como porta de entrada para fungos de solo causadores de podridões de raízes, podendo culminar com a morte da planta (OMER & GRANETT, 2000). Para reduzir estes prejuízos, cultivares de V. vinifera são obrigatoriamente enxertadas sobre porta-enxertos de origem americana, resistentes à forma radícola da praga (WALKER, 1992).

Considerada a principal praga da viticultura, a filoxera foi responsável pela morte de grande número de vinhedos na França em 1860, obrigando os produtores a replantar os parreirais de V. vinifera, utilizando mudas enxertadas sobre porta enxertos resistentes, onerando de 3 a 8 vezes o custo de implantação (ORDISH, 1987; BOHEHM, 1996). Devido à importância do inseto para a viticultura, países como o Chile mantém rigorosas exigências quarentenárias visando evitar a introdução da praga no país (GONZALEZ, 1983). Em outros países onde a filoxera foi constatada, a legislação regula a dispersão do inseto impedindo o transporte de mudas provenientes de áreas infestadas (BOEHM, 1996).

No Brasil, a filoxera tem sido encontrada em praticamente todas as regiões produtoras do sul do país (HICKEL, 1996; SORIA & DAL CONTE, 2000) sendo registrada desde a introdução das primeiras plantas de videira (GOBBATO, 1940). A convivência com o inseto, sem a repercussão negativa observada em outros países, tem sido atribuída ao cultivo intensivo de videiras de origem americana (Vitis labrusca) como Isabel, Bordo, Concord e Niágara, as quais hospedam a praga nas raízes, porém toleram o ataque (BOTTON et al., 2003). Embora o cultivo de videiras americanas sobre porta-enxertos seja recomendado, a maioria dos produtores tem empregado mudas de pé-franco pela facilidade de propagação (KUHN et al., 1996). Tal prática tem permitido dispersar o inseto junto às mudas, contribuindo para o aumento populacional da praga que culmina com a morte do parreiral.

O emprego de inseticidas para o controle da filoxera nas raízes não tem sido recomendado devido ao custo do tratamento e a necessidade de aplicações anuais, além da elevada toxicidade dos ingredientes ativos utilizados no solo (BUCHANAN & GODDEN, 1989; Loubser et al., 1992). Porém, quando o ataque ocorre nas folhas de plantas matrizes de porta-enxertos ou em novos plantios no campo para posterior enxertia, o controle é recomendado a partir do aparecimento das primeiras galhas (BOTTON et al., 2003). O controle em matrizeiros é necessário para evitar a redução na produção de ramos dos porta-enxertos e em plantios novos no campo, já que o inseto impede o desenvolvimento das plantas tornando-as inadequadas para enxertia no inverno.

O controle químico da forma galícola da filoxera foi realizado principalmente com inseticidas clorados a exemplo do lindane e endossulfan e do fosforado zolone (Yvon & Leclant, 2001). Entretanto, o lindane e o zolone não estão mais disponíveis no mercado brasileiro e o endossulfam apresenta restrições de uso, devido à elevada toxicidade. Por isso, inseticidas fosforados e piretróides têm sido recomendados para o controle da praga mesmo sem haver uma avaliação da pesquisa sobre o efeito dos compostos no controle do pulgão (HICKEL, 1996; BOTTON et al., 2003). Observações de campo indicam que os fosforados apresentam baixa eficiência em situações de elevada infestação e os piretróides, embora apresentem melhor controle, são considerados pouco seletivos aos inimigos naturais, favorecendo o aparecimento de pragas secundárias como é o caso do ácaro branco Polyphagotarsonemus latus (Banks) (Acarina: Tarsonemidae). Nestes casos, há necessidade de aplicações adicionais de acaricidas onerando os custos de produção.

Nesse sentido, é fundamental conhecer o efeito de novos inseticidas para o controle da forma galícola da filoxera visando obter informações que permitam o controle da praga de forma eficiente, principalmente nos matrizeiros de porta-enxertos de videira.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O trabalho foi conduzido a campo no Viveiro de Produção de Mudas da Cooperativa Vinícola Aurora, localizado no município de Bom Princípio, RS (Latitude 29°21’15” Sul, Longitude 51°18’45” Oeste), nos meses de janeiro e fevereiro de 2003, quando as plantas encontravam-se no período de desenvolvimento vegetativo. O experimento foi conduzido no delineamento de blocos casualizados com quatro repetições. Cada unidade experimental foi composta por parcelas de 7m de comprimento x 1m de largura utilizando o porta-enxerto Paulsen 1103 (V. berlandieri x V. rupestris) com seis meses de idade, plantado na densidade de 500.000 plantas/ha-1.

Os inseticidas avaliados foram imidacloprid (Provado 200 SC, 40mL 100L-1), thiamethoxam (Actara 250 WG, 30g 100L-1), acephate (Orthene 750 BR, 100g 100L-1), abamectin (Vertimec 18 CE, 80mL 100L-1), deltamethrin (Decis 25 CE, 40mL 100L-1) e fenitrothion (Sumithion 500 CE, 150mL 100L-1), mantendo-se um tratamento testemunha (sem controle). Os produtos e doses empregadas tiveram como base as recomendações para outras pragas que ocorrem em fruteiras temperadas. As aplicações foram realizadas a intervalos semanais, em 15, 22 e 29 de janeiro de 2003, com auxílio de um pulverizador costal PJH 20, equipado com bicos cônicos JD-12P, na pressão de 30lb pol-2. As plantas foram pulverizadas até o ponto de escorrimento, num volume de calda aproximado de 1550L ha-1. As avaliações foram realizadas 7, 14 e 21 dias após a primeira aplicação (DAA), sempre antes de reaplicar os tratamentos, avaliando-se a presença de galhas em 40 ponteiros novos, escolhidos ao acaso, dentro de cada repetição, sem haver marcação prévia. Para normalizar a variância, a porcentagem de ponteiros com a presença de galhas por parcela foi transformada em arco seno da raiz da %/100, comparando-se as médias pelo teste de Tukey (p<0,05) através do programa GENES (Cruz, 2001). A porcentagem de redução de dano nos ponteiros (%RDP) foi calculada pela fórmula de Abbott (1925).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Na primeira avaliação, realizada aos sete dias após a primeira aplicação (DAA), 82,5% dos ponteiros nas plantas testemunha encontravam-se com presença de galhas causadas pelo inseto (Tabela 1). As plantas tratadas com os inseticidas imidacloprid, thiamethoxam e deltamethrin apresentaram diferença significativa (p<0,05) em relação ao tratamento sem controle (Tabela 1). Nesta avaliação, os inseticidas fenitrotion, acephate e o acaricida-inseticida abamectin não apresentaram redução significativa na incidência de galhas. Com os resultados desta avaliação, verifica-se que quando a população encontra-se em níveis elevados no campo (>80% de ponteiros infestados), somente os inseticidas imidacloprid, thiamethoxam e deltamethrin apresentaram redução significativa (p<0,05) na população da forma galícola da filoxera numa única aplicação, resultando num controle entre 57,6% e 78,8% conforme o inseticida empregado (Tabela 1).

 

 

Na segunda avaliação, aos 14 DAA (plantas com duas aplicações de inseticidas), observaram-se resultados similares a dos 7 DAA, sendo que o imidacloprid, thiamethoxam e deltamethrin proporcionaram redução significativa (p<0,05) nos danos ocasionados pela praga, com controle variando entre 80 e 87,5% (Tabela 1). Os inseticidas fenitrothion e acephate e o acaricida abamectin não apresentaram redução significativa (p<0,05) na incidência de galhas. Na avaliação final, realizada aos 21 DAA (plantas com três aplicações de inseticidas), a redução de infestação nos diferentes tratamentos foi significativamente inferior à testemunha (Tabela 1). Nesta avaliação, foi possível separar, em termos de eficácia, os inseticidas imidacloprid e thiamethoxam que proporcionaram um controle de 94,4% e 96,3% e deltamethrin e fenitrotion, com eficiência de 75,6% e 59,4%, respectivamente. Os produtos acephate e o abamectin proporcionaram um controle de 31,3% e 47,5%, respectivamente (Tabela 1).

O controle químico da forma galícola da filoxera tem sido pouco estudado em outros países visto que, em alguns, ocorre somente a forma radícola como é o caso da California, EUA (GRANNET et al., 2001). Em outros, a presença do inseto é quarentenária como ocorre no Chile (GONZALEZ, 1983) e na Austrália (BOEHM, 1996). Num trabalho de avaliação de inseticidas sobre a forma galícola, os inseticidas neonicotinóides também apresentaram eficácia no controle do inseto (Yvon & Leclant, 2001)

Devido ao elevado potencial biótico da filoxera, é comum os viveiristas fazerem aplicações sistemáticas de inseticidas de amplo espectro (fosforados e piretróides) a intervalos pré-estabelecidos para o controle da praga em matrizeiros de porta-enxertos. Em decorrência destes tratamentos, muitas vezes ocorre desequilíbrio favorecendo o surgimento de pragas secundárias como é o caso do ácaro branco P. latus. Nestas situações, tem-se uma infestação conjunta da filoxera com o ácaro branco, sendo que os produtores têm empregado o acaricida abamectin para o controle do ácaro por ser o único recomendado para uso na cultura da videira (SONEGO et al, 2002). Quando isto ocorre, o abamectin aplicado isoladamente não irá reduzir significativamente a população da filoxera (Tabela 1) devendo ser observado o nível populacional das duas pragas para tomada de decisão.

Com base na avaliação final realizada sete dias após a terceira aplicação, foi possível observar que os inseticidas imidacloprid e thiametoxam são novas alternativas para o controle da forma galícola da filoxera na cultura da videira em substituição aos piretróides e fosforados. O piretróide deltamethrin, mesmo com sucessivas aplicações, não apresenta melhora significativa no controle da praga, proporcionando uma redução final na população do inseto de 75,6% enquanto que o fosforado fenitrothion proporcionou controle final próximo a 60%, superior (p>0,05) às avaliações realizadas aos 7 e 14 DAA (Tabela 1). A partir destas informações, verifica-se que o controle da forma galícola da filoxera também pode ser realizado com os inseticidas neonicotinóides imidacloprid e thiamethoxan, rotacionando grupos químicos, o que minimiza a ocorrência de desequilíbrios e a possibilidade de selecionar populações resistentes.

 

CONCLUSÕES

Os inseticidas imidacloprid (Provado 200 SC, 40mL 100L-1), thiamethoxam (Actara 250 WG, 30g 100L-1) e deltamethrin (Decis 25 CE, 40mL 100L-1) são eficientes no controle da forma galícola da filoxera Daktulosphaira vitifoliae na cultura da videira.

Os inseticidas fenitrothion (Sumithion.500 CE, 150mL 100L-1) e acephate (Orthene 750 BR, 100g 100L-1) e o acaricida abamectin (Vertimec 18 CE, 80mL 100L-1) não controlam com eficiência a forma galícola da filoxera Daktulosphaira vitifoliae na cultura da videira.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABBOTT, W.S. A method of computing the effectiveness of an insecticide. Journal of Economic Entomology, v.18, n.1, p.265-267, 1925.         [ Links ]

BOEHM, W. The phylloxera fight. In: PROTECTING South Australia from the Phylloxera Threat. [S.l.: s.n.], 1996. 90p.         [ Links ]

BOTTON, M.; HICKEL, E.R.; SORIA, S.J. Pragas. In: EDITOR TÉCNICO THOR VINÍCIUS MARTINS FAJARDO; Embrapa Uva e Vinho (Bento Gonçalves, RS). Uva para processamento. Fitossanidade. Brasília : Embrapa Informação tecnológica, 2003. 131p. (Frutas do Brasil, 35).         [ Links ]

BUCHANAN, G.A.; GODDEN, G.D. Insecticide treatments for control of grape phylloxera (Daktulosphaira vitifolii) infesting grapevines in Victoria, Australia. Australian Journal of Experimental Agriculture, v.29, p.267-271, 1989         [ Links ]

CRUZ, C.D. Programa genes: aplicativo computacional em genética e estatística. Viçosa : UFV, 2001. 648p.         [ Links ]

DE CLERK, C.A. Biology of Phylloxera vitifoliae (Fitch) (Homoptera: Phylloxeridae) in South Africa. Phytophylatica, v.6, p.285-291, 1974.         [ Links ]

GOBBATO, C. Manual do vitivinicultor brasileiro. 4.ed. Porto Alegre : Globo, 1940.         [ Links ]

GONZÁLEZ, R.H. Manejo de plagas de la vid. Santiago : Facultad de Ciencias Agrarias, Veterinarias y Forestales, 1983. 115p.         [ Links ]

GRANETT, J.; WALKER, M.A.; KOCSIS, L. Biology and management of grape phylloxera. Annual Review of Entomology, v.46, p.387-412, 2001.         [ Links ]

HICKEL. E.R. Pragas da videira e seu controle no Estado de Santa Catarina. Videira : Epagri, 1996. 52p. (Boletim Técnico, 77).         [ Links ]

KUHN, G.B. et al. O cultivo da videira: informações básicas. 2.ed. Bento Gonçalves : Embrapa-CNPUV, 1996. 60p. (Circular Técnica, 10).         [ Links ]

LOUBSER, J.T. et al. Assessing the control potential of aldicarb against grapevine phylloxera. South African Journal of Enology and Viticulture, v.13, p.84-86, 1992         [ Links ]

OMER, A.D.; GRANETT, J. Relationship between grape phylloxera and fungal infections in grapevine roots. Journal of Plant Diseases and Protection, v.107, n.3, p.285-294, 2000.         [ Links ]

ORDISH, G. The great wine blight. Londres : Sidgwick & Jackson, 1987. 157p.         [ Links ]

SORIA, S.J.; DAL CONTE, A.F. Bioecologia e controle das pragas da videira no Brasil. Entomologia y Vectores, v.7, n.1, p.73-102, 2000.         [ Links ]

SONEGO, O.R. et al. Recomendações para o manejo das doenças fúngicas e das pragas da videira. Bento Gonçalves, RS : Embrapa Uva e Vinho, 2002. (Circular Técnica, 39).         [ Links ]

WALKER, M.A. Future directions of rootstock breeding. In: WOLPERT, J.A.; WALKER, M.A.; WEBER, E. (Ed.). ROOTSTOCK SEMINAR: A WORLDWIDE PERSPECTIVE, 1992, Reno, EUA. Proceedings... Reno, EUA: The Americam Society for Enology and Viticulture, 1992.         [ Links ]

YVON, M.; LECLANT, F. How can one limit the damage caused by galls due to phylloxera (Daktulosphaira vitifoliae Fitch) after banning the use of lindane? Progress Agricole e Viticole, v.118, p.13-22, 2001        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação 24.09.03
Aprovado em 31.03.04

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License