SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 issue5Viral replication and shedding during acute infection and after dexamethasone induced reativation of latency in calves inoculated with bovine herpesvirus type 1 (BHV-1) and 5 (BHV-5)Cryptosporidium parvum oocyst excretion in healthy dogs from the cities of Lavras and Viçosa, Minas Gerais State, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência Rural

Print version ISSN 0103-8478On-line version ISSN 1678-4596

Cienc. Rural vol.34 no.5 Santa Maria Sept./Oct. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782004000500048 

NOTA
PRODUÇÃO ANIMAL

 

Características físico-químicas de amostras de mel de Melipona asilvai (Hymenoptera: Apidae)1

 

Physico-chemical characteristics of samples of stingless bee Melipona asilvai (Hymenoptera: Apidae) honey

 

 

Bruno de Almeida SouzaI; Carlos Alfredo Lopes de CarvalhoII, 2; Geni da Silva SodréIII; Luis Carlos MarchiniIV

IEngenheiro Agrônomo, Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), UFBA
IIEngenheiro Agrônomo, Doutor, Professor Adjunto, Departamento de Fitotecnia, Escola de Agronomia, UFBA, CP 118, 44380-000, Cruz das Almas, BA
IIIEngenheiro Agrônomo, Doutorando, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo (ESALQ/USP), 13418-900, Piracicaba, SP
IVEngenheiro Agrônomo, PhD, Professor, Departamento de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola, ESALQ/USP

 

 


RESUMO

Análises de amostras de mel da abelha Melipona asilvai provenientes dos municípios de Itaberaba e Tucano, região semi-árida do Estado da Bahia, foram realizadas com o objetivo de contribuir para o conhecimento das características físico-químicas desse produto. A maioria dos parâmetros físico-químicos apresentou valores adequados para o consumo humano, o que possibilita a exploração desse produto pelas comunidades rurais da região semi-árida da Bahia. Contudo, o teor de umidade elevado é um aspecto que merece uma maior atenção por parte do produtor, que deverá ter cuidado com a higiene na manipulação do mel durante a coleta e no processo de armazenamento.

Palavras-chave: abelha sem ferrão, Meliponina, Meliponicultura.


ABSTRACT

Honey samples of the Melipona asilvai stingless bee collected in the Itaberaba and Tucano counties, semi-arid region of the State of Bahia, Brazil, were analyzed with the objective of contributing for the knowledge of the characteristics physical-chemical of that product. Most of the physical-chemical parameters showed values adequated for the human consumption, faciliting the exploration of that product by rural communities of the semi-arid area of Bahia. However, the high humidity values is an aspect that deserves a greater attention by the part of producers, who should have concern with hygiene cares when manipulating the honey during the collection and the storage processes.

Key words: stingless bees, Meliponina, Meliponiculture.


 

 

O mel das abelhas sem ferrão é um produto que tem apresentado uma demanda crescente de mercado, obtendo preços mais elevados que o das abelhas do gênero Apis em diferentes regiões do Brasil. Entretanto, ainda existem poucos estudos sobre as características físico-químicas, que possibilitem definir padrões de qualidade para a sua comercialização (KERR et al., 1996).

Estudos iniciais sobre a composição físico-química do mel são conhecidos para as espécies das subtribos Trigonina (Tetragonisca angustula, Plebeia droryana e Cephalotrigona capitata) e Meliponina (Melipona quadrifasciata e M. scutellarisi) (MARCHINI et al., 1998; RODRIGUES et al., 1998; ALMEIDA, 2002). No semi-árido do Estado da Bahia, M. asilvai é uma das espécies de meliponíneos comumente encontrada nas comunidades rurais, sendo criadas em cortiços para a exploração de mel. Apesar da importância dessa espécie, faltam estudos sobre a caracterização do mel, subsidiando ações que definam parâmetros de qualidade e estratégias de comercialização.

Este trabalho teve como objetivo determinar as características físico-químicas de amostras de mel de M. asilvai provenientes da região semi-árida do Estado da Bahia, contribuindo para o conhecimento das características do mel e fornecendo subsídios para a sua exploração racional.

Onze amostras de mel de M. asilvai foram obtidas de colônias provenientes dos municípios de Tucano (10º58’S / 38º47’W, altitude 200 metros) e Itaberaba (12º32’S / 40º18’W, altitude 280 metros), região semi-árida do Estado da Bahia, nos meses de abril e maio de 2002.

A análise da umidade foi realizada nos meliponários e as dos demais parâmetros foram determinadas no Laboratório de Insetos Úteis da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz - USP, Piracicaba-SP. Os parâmetros analisados foram: Umidade (%), Hidroximetilfurfural (HMF) (mg.kg-1), Cor, Açúcares totais (%), Açúcares redutores (%), Sacarose (%), Viscosidade (mPa.s), Condutividade elétrica (mS), pH, Acidez (meq.kg-1) e Índice de formol (mL.kg-1). As determinações foram baseadas nas metodologias utilizadas por SODRÉ (2000).

Os valores obtidos para os parâmetros analisados nas amostras de mel de M. asilvai (Tabela 1) foram variados, sendo que alguns parâmetros apresentaram valores semelhantes aos encontrados nos méis de A. mellifera e de outras espécies de meliponíneos. A alta variabilidade nos parâmetros físico-químicos entre os méis de diferentes espécies de meliponíneos deixa claro que a definição de padrões para o mel dessas abelhas deve ser por espécie.

 

 

A legislação brasileira (BRASIL, 2000) define os padrões para o mel de abelhas melíferas, estabelecendo os requisitos mínimos de qualidade que o mel destinado ao consumo humano deve possuir. Baseando-se nesses padrões, observa-se que, para a maioria dos parâmetros determinados a partir das amostras de mel de M. asilvai, os valores médios apresentados na Tabela 1 encontram-se dentro da faixa estabelecida nesta legislação, exceto para a umidade e o pH. Segundo a legislação brasileira, a umidade máxima do mel deve ser de 20% e o pH deve variar entre 3,3 e 4,6.

As amostras de mel de M. asilvai apresentaram valores adequados para o consumo humano, o que possibilita a exploração desse produto pelas comunidades rurais da região semi-árida da Bahia. O baixo valor de pH e a elevada acidez encontrada no mel de M. asilvai são fatores potenciais para a promoção de uma maior vida útil do produto, uma vez que são condições desfavoráveis ao desenvolvimento microbiano. Contudo, o teor de umidade elevado merece maior cuidado na manipulação do mel durante a coleta e no processo de armazenamento, evitando a sua contaminação por microrganismos que causam a depreciação do produto.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, D. de. Espécies de abelhas (Hymenoptera, Apoidea) e tipificação dos méis por elas produzidos em área de cerrado do município de Pirassununga, Estado de São Paulo. 2002. 103f. Dissertação (Mestrado em Entomologia) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo.         [ Links ]

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa 11, de 20 de outubro de 2000, Regulamento técnico de identidade e qualidade do mel. Capturado em 11 jul. 2003. Online. Disponível na Internet http://www.agricultura.gov.br/sda/dipoa/anexo_ intrnorm11. htm.         [ Links ]

KERR, W.E.; CARVALHO, G.A.; NASCIMENTO, V.A. Abelha uruçu: biologia, manejo e conservação. Belo Horizonte : Acangaú, 1996. 144p.         [ Links ]

MARCHINI, L.C. et al. Características físico-químicas de amostras de méis da abelha uruçu (Melipona scutellaris). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA, 12., 1998, Salvador, BA. Anais... Salvador, BA : CBA, 1998. p.203.         [ Links ]

RODRIGUES, A.C.L.; MARCHINI, L.C.; CARVALHO, C.A. L. de. Análises de mel de Apis mellifera L., 1758 e Tetragonisca angustula (Latreille, 1811) coletado em Piracicaba-SP. Rev de Agricultura, Piracicaba, v.73, n.3, p.255-262, 1998.         [ Links ]

SODRÉ, G. da S. Características físico-químicas e análises polínicas de amostras de méis de Apis mellifera L. 1758 (Hymenoptera: Apidae) da região litoral norte do Estado da Bahia. 2000. 83f. Dissertação (Mestrado em Entomologia) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação 22.10.03
Aprovado em 03.03.04

 

 

1 Parte da dissertação de mestrado do primeiro autor apresentada ao Programa de Pós-graduação em Ciências Agrárias da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Cruz das Almas, BA.
2 Autor para correspondência.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License