SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
Sulphurization process of older mined area reduces its intensity author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência Rural

Print version ISSN 0103-8478

Cienc. Rural vol.40 no.5 Santa Maria May 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782010011500002 

Genes do cluster egc de S. aureus são prevalentes em carne de frango

 

 

Pesquisa realizada na Universidade Federal de Pelotas demonstrou que a bactéria Staphylococcus aureus, quando isolada de carne de frango, apresenta alta prevalência de genes do cluster egc, responsáveis pela codificação de proteínas tóxicas (enterotoxinas estafilocócicas). A pesquisa foi publicada na revista Ciência Rural, número 40, maio de 2010.

A pesquisa analisou 41 amostras de cepas de S. aureus de diferentes origens coletadas entre 2004 e 2008, na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul. Foram 14 cepas isoladas de carne de frango, 14 de leite cru, oito de embutidos cárneos e cinco de queijo. Utilizando a técnica de PCR, os pesquisadores amplificaram sequências específicas do material genético destas amostras, tornando-as mais abundantes para que pudessem ser detectadas através de eletroforese.

Os resultados sugerem que os genes do cluster egc podem ser importantes para a contaminação e/ou sobrevivência da bactéria S. aureus na carne de frango, o que pode ser alvo de estudos futuros. Bactéria relacionada a casos e surtos de intoxicação alimentar por produzir enterotoxinas, S. aureus contamina a carne de frango devido ao processamento e manipulação deste alimento.

Agrupados em uma mesma região do genoma de S. aureus, os genes do cluster egc codificam a produção de cinco enterotoxinas: EEG, EEI, EElM, EElN e EElO. Os genes desta família já foram detectados em amostras clínicas, mas ainda é reduzido o número de trabalhos que as analisa em S. aureus isolados de alimentos, o que aumenta a relevância do estudo.

A inovação desta pesquisa, segundo alerta o pesquisador Wladimir Padilha da Silva, está em se referir a novas enterotoxinas, ainda pouco estudadas em pesquisas envolvendo a bactéria S. aureus, em especial, em amostras de alimentos. Os estudos sobre a bactéria costumam abordar as enterotoxinas clássicas. “Além disso, neste estudo, demonstrou-se que há uma íntima relação deste cluster com Staphylococcus aureus presentes em frangos, ao contrário do que se observou em cepas isoladas de outros alimentos”, relata o pesquisador.

 

 

Contato:
Wladimir Padilha da Silva
Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel
e-mail: silvawp@ufpel.edu.br
Telefone: (53) 32757378 Fax: (53) 32759031

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License