SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 issue8Chemical, physical and physical-chemical characterization of physalis cultivated in greenhouseWashing the auditory canal to determine the infection by Psoroptes cuniculi in goats author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Ciência Rural

Print version ISSN 0103-8478

Cienc. Rural vol.44 no.8 Santa Maria  2014

https://doi.org/10.1590/0103-8478cr20131344 

Microbiologia

Padronização de um modelo de infecção por Clostridium difficile em hamsters sírios Mesocricetus auratus

Standardization of a model of Clostridium difficile infection in syrian hamsters Mesocricetus auratus

Rodrigo Otávio Silveira Silva I   * 

Roberto Maurício Carvalho Guedes I  

Michelle de Paula Gabardo I  

Carlos Augusto Oliveira Junior I  

Felipe Masiero Salvarani I  

Prhiscylla Sadanã Pires I  

Guilherme Guerra Alves I  

Francisco Carlos Faria Lobato I  

IEscola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Avenida Antônio Carlos, 6627, 31270-901, Belo Horizonte, MG, Brasil. E-mail: rodrigo.otaviosilva@gmail.com.


RESUMO

O objetivo do presente trabalho foi padronizar um modelo de infecção por Clostridium difficile (ICD) em hamsters sírios (Mesocricetus auratus). Para seleção dos isolados capazes de causar letalidade, cinco animais por grupo receberam uma dose de clindamicina (30mg kg-1) por gavagem. Após 48 horas, administraram-se 107 unidades formadoras de colônia (UFC), por animal, de quatro diferentes isolados toxigênicos de C. difficile. Selecinou-se um dos isolados capazes de causar diarreia e letalidade e administrou-se 4x102; 4x104; 4x106; 4x108UFC por animal, novamente com cinco hamsters por grupo. Em todas as diluições testadas, foi possível observar a ocorrência de diarreia e morte. A maior concentração testada (4x108UFC por animal) causou óbito de 100% dos hamsters do grupo. Todos os animais que vieram a óbito apresentaram tiflite hemorrágica, foram positivos para as toxinas A/B e foi possível isolar C. difficile do conteúdo intestinal, confirmando a reprodução experimental da doença. A dose letal para 50% da população foi estabelecida em 6,3x104UFC por animal. O modelo de indução de ICD em hamsters descritos no presente estudo passa a ser uma ferramenta valiosa para estudos relativos à patogenia, tratamento e controle dessa doença.

Palavras-Chave: Clostridium difficile; diarreia nosocomial; modelo animal; infecção hospitalar

ABSTRACT

The aim of this study was to standardize a model of Clostridium difficile infection (CDI) in Syrian hamsters (Mesocricetus auratus). In order to evaluate strains capable of causing lethality, five hamsters per group received clindamycin (30mg kg-1) by gavage. After 48 hours, 107 colony forming units (CFU) of spores' solution of four strains were administered per animal. One strain capable of causing diarrhea and death was selected and administered at the following concentrations: 4x102; 4x104; 4x106; 4x108 CFU per animal. All dilutions tested were able to cause diarrhea and death. The highest concentration showed 100% of mortality. Post mortem evaluation revealed hemorrhagic typhlitis in all death animals. In addition, all intestinal contents were positive for A/B toxins, and toxigenic C. difficile strains were isolated, confirming the induction of infection by this microorganism. The dose lethal to 50% of the population was calculated: 6.3x104 CFU per animal. The standardized model of CDI in hamster is now available for studies on pathogenesis, treatment and control of this disease.

Key words: Clostridium difficile; nosocomial diarrhea; animal model; hospital infection

INTRODUÇÃO

Considerando um patógeno emergente, Clostridium difficile é responsável pela maioria dos casos de diarreia nosocomial e colite pseudomembranosa em seres humanos (BALASSIANO et al., 2011). Em animais, a infecção por C. difficile (ICD) foi recentemente confirmada no Brasil em potros, cães e descrita em uma jaguatirica criada em cativeiro (SILVA et al., 2013a; SILVA et al., 2013b; SILVA et al., 2013c). Em suínos, estudos recentes sugerem uma grande disseminação da doença em granjas brasileiras com elevado número de matrizes (LIPPKE et al., 2011; SILVA et al., 2011), dado semelhante ao relatado nos últimos anos em países da Europa e nos Estados Unidos, onde a ICD é considerada a principal causa não controlada de diarreia em leitões (SONGER, 2010).

Apesar da crescente importância de C. difficile como enteropatógeno para animais domésticos e humanos, não existem produtos imunoprofiláticos para a doença. Em animais, somado aos prejuízos causados pelo agente, especialmente na suinocultura e equinocultura, pesquisas sugerem ainda que a infecção por C. difficile seja uma possível zoonose (ARROYO et al., 2005; JHUNG et al., 2008). Caso essa hipótese seja confirmada, a prevenção da doença e até mesmo da colonização por C. difficile no trato gastro intestinal de animais domésticos passará a ser uma prioridade (SILVA et al., 2013d).

Para o desenvolvimento e avaliação de métodos de controle e tratamento da infecção por C. difficile, faz-se necessário a utilização de modelos animais de indução da doença. A principal espécie utilizada para tal são os hamsters sírios (Mesocricetus auratus), devido a sua alta sensibilidade a ICD, fazendo com que seja possível realizar a indução com diversas classes de antimicrobianos e sem a necessidade de obtenção de animais livres de patógenos. Porém, a maioria dos trabalhos sobre modelos animais de ICD são pouco descritivos e deixam em aberto pontos essenciais para reprodução do protocolo de indução, tais como estirpe utilizada, dose de antimicrobiano e forma de administração (BEST et al., 2012). Além disso, a maioria dos estudos relata o uso de amostras de C. difficile não disponíveis no Brasil, dificultando a reprodução em nosso meio (HOWERTON et al., 2013; NAGARO et al., 2013). Dessa forma, o objetivo do presente trabalho foi padronizar um protocolo de infecção por C. difficile em hamsters sírios, disponibilizando-o para futuros estudos sobre patogenia, tratamento e métodos de controle da ICD no Brasil.

MATERIAL E MÉTODOS

Animais utilizados

Foram utilizados cinco fêmeas de hamsters sírios (Mesocricetus auratus), com quatro a oito semanas de idade, por grupo experimental. Água, maravalha, ração e gaiolas foram esterilizadas por autoclavação (121°C por 20 minutos). Os animais foram acondicionados em estantes ventiladas, equipadas com filtros absolutos (Alesco Co., Inglaterra) para minimizar a contaminação do ambiente e entre os grupos experimentais.

Estirpes avaliadas

Quatro estirpes toxigênicas (A+B+) de C. difficile, pertencentes à bacterioteca do Laboratório de Anaeróbios da Escola de Veterinária da UFMG, foram pré-selecionadas para avaliação quanto à toxigenicidade in vivo, sendo elas: ATCC 9689, gentilmente cedida pela Fundação Oswaldo Cruz; EQ5, estirpe isolada de um potro com ICD (PREIS et al., 2012); Z14, estirpe isolada de um cão aparentemente saudável; I4, estirpe isolada de um suíno com ICD.

Produção dos esporos das estirpes de C. difficile

Os esporos de C. difficile foram produzidos de acordo com YANG et al. (2009). As estirpes de C. difficile foram inoculadas em erlenmeyer contendo 250mL de BHI (Difco Laboratories, EUA), seguindo de incubação a 37°C por 72 horas em ambiente de anaerobiose. Após esse período, as culturas foram mantidas por cinco dias em temperatura ambiente para induzir a esporulação. O conteúdo foi centrifugado a 10.000 x g por 20 minutos e ressuspendido com 10mL de salina esterilizada 0,85% por duas vezes. Posteriormente, a suspensão foi submetida ao aquecimento de 80°C por 30 minutos, e repetição do protocolo de centrifugação. As soluções foram aliquotadas em microtubos esterilizados, contendo 300µl, e armazenadas a -20°C até a utilização.

Uma semana após a produção, as soluções de esporos foram avaliadas por meio de coloração de Gram, coloração de esporos (Wirtz-Conklin) e teste respiratório em ágar sangue, constituído de ágar Muller-Hinton (Difco Laboratories, EUA) suplementado com 5% de sangue ovino. Para determinação da concentração de unidades formadoras de colônia por mL, diluições seriadas na base 10 (variando de 10-3 a 10-8) foram inoculadas em ágar sangue. Após incubadas por 48 horas em ambiente de anaerobiose produzido por mistura gasosa (10% H2, 10% CO2, 80% N2), placas com 30 a 300 colônias foram contadas e calculou-se a média de UFC/mL.

Para determinação da viabilidade da solução de esporos armazenada à -20°C, uma alíquota da solução da estirpe ATCC9689 foi descongelada mensalmente, durante um período total de seis meses, e submetida à contagem de UFC/mL, como descrito anteriormente. As contagens obtidas ao longo do período de avaliação foram comparadas pelo teste do qui-quadrado e pelo teste de Fisher, em um nível de significância de 95% (P<0,05) (STATA, College Station, Texas, EUA).

Avaliação da toxigenicidade in vivo das estirpes de C. difficile

O objetivo desta etapa foi avaliar quais estirpes eram capazes de infectar os hamsters e, consequentemente, causar diarreia e óbito desses. A avaliação de toxigenicidade in vivo foi realizada segundo SAMBOL et al. (2002). Dois dias após uma dose de clindamicina (30mg kg-1), administrou-se 100µL de solução de esporos contendo 107UFC das estirpes toxigênicas em cada animal. As administrações foram realizadas por gavagem. Os grupos, contendo cinco hamsters em cada, foram divididos da seguinte forma: no grupo 1 (G1), os animais receberam esporos da estirpe ATCC9689; no grupo 2 (G2), foram administrados esporos da estirpe EQ5; no grupo 3 (G3), os animais receberam esporos da estirpe Z14; no grupo 4 (G4), administrou-se a estirpe I4; no grupo 5 (C1), os animais receberam apenas a dose de clindamicina e, 48 horas depois, uma dose de 100µL de salina esterilizada 0,85%; no grupo 6 (C2), os animais receberam apenas esporos da estirpe toxigênica ATCC9689, sem a administração prévia de clindamicina.

Os animais foram observados diariamente por 30 dias quanto à ocorrência de diarreia (presença de fezes amolecidas na gaiola, cauda e focinho com sujidades indicativas) e morte. Após o término do experimento ou quando ocorria o óbito, os animais eram necropsiados e fragmentos do ceco eram coletados e fixados em formalina tamponada a 10%. Posteriormente, foi feito o processamento pela técnica de desidratação, diafanização, inclusão, secção de 5 micras e coração pela hematoxilina e eosina (LUNA, 1968) e avaliação histológica, realizada em microscópio de luz clara. Coletou-se ainda o conteúdo intestinal para detecção das toxinas A/B pelo teste de citotoxicidade celular (CTA) e isolamento de C. difficile, como descrito por SILVA et al. (2013d).

Determinação da dose mínima mortal (DMM) e da dose letal para 50% (DL50)

Dentre as estirpes capazes de causar infecção e letalidade, selecionou-se uma para avaliação da DMM e cálculo da DL50. Foram formados cinco grupos contendo cinco hamsters em cada. Administrou-se uma solução de esporos contendo 4x102 (grupo A1), 4x104 (grupo A2), 4x106 (grupo A3) e 4x108 (grupo A4) UFC por animal. No quinto grupo (grupo controle), houve administração de apenas 100µL de salina esterilizada 0,85%. Utilizou-se mesmo esquema de indução e acompanhamento descrito para a avaliação da toxigenicidade in vivo. O total de óbitos ocorridos em cada grupo ao final do período de avaliação foi comparado pelo teste teste de Fisher, em um nível de significância de 95% (P<0,05) (STATA, College Station, Texas, EUA).

RESULTADOS

Na produção das soluções de esporos, a contagem de unidades formadoras de colônia variou de 2,0x108 a 4,0x109UFC mL-1 entre as estirpes trabalhadas. A contagem inicial da estirpe ATCC9689 foi de 2,2x109UFC mL-1, sendo que a média das sete contagens foi de 2,1x109UFC mL-1 e o desvio padrão de ±1,2x108UFC mL-1, não havendo alteração significativa da contagem bacteriana ao longo do tempo testado.

Na avaliação da toxigenicidade in vivo das estirpes de C. difficile, todas as amostras testadas foram consideradas toxigênicas, uma vez que foram capazes de causar diarreia e morte dos animais (Tabela 1). No exame post mortem, a mucosa e a serosa do ceco dos animais que vieram a óbito encontravam-se extensamente hemorrágicas e com conteúdo líquido de aspecto sanguinolento (Figura 1: B1). Na avaliação histopatológica, foi possível observar uma extensa destruição da mucosa intestinal com infiltrado inflamatório difusamente distribuído na mucosa e intensa quantidade de células eritrocíticas, caracterizando uma tiflite necro-hemorrágica (Figura 1: B2).

Tabela 1 - Ocorrência de diarreia, morte, lesões intestinais e resultado de isolamento e detecção das toxinas A/B por CTA nos grupos inoculados (G1 a G4) e nos grupos controle (C1 e C2) com diferentes estirpes toxigênicas de Clostridium difficile

Grupo (Estirpe) ------------------Ocorrência (%)----------------- Lesões1 Isolamento2 Toxinas A/B
Diarreia Morte
G1 (ATCC) 4/5 (80) 5/5 (100) Sim Positivo Positivo
G2 (EQ5) 3/5 (60) 4/5 (80) Sim Positivo Positivo
G3 (Z14) 4/5 (80) 4/5 (80) Sim Positivo Positivo
G4 (I4) 3/5 (60) 4/5 (80) Sim Positivo Positivo
C1 (Nenhuma) 0/5 (0) 0/5 (0) Não Negativo Negativo
C2 (ATCC) 0/5 (0) 0/5 (0) Não Negativo Negativo

1Presença de lesões macroscópicas e microscópicas nos animais que vieram a óbito.

2Isolamento de estirpes de C. difficile toxigênicas.

Figura 1 (A1) Cavidade abdominal de um hamster do grupo C1. Ceco sem alterações macroscópicas visíveis; (B1) Cavidade abdominal de um hamster do grupo G1. Alças cecais tumefeitas com serosa intensamente e difusamente congesta, apresentando líquido serosanguinolento no lúmen, sugestivo de tiflite hemorrágica; (A2) Micrografia do ceco de um animal do grupo controle (C1), mostrando as vilosidades com aspecto normal (aumento de 10X). (B2) Micrografia do ceco de um animal do grupo G1. Nota-se a extensa destruição da mucosa intestinal, infiltrado inflamatório difusamente distribuído na mucosa e intensa quantidade de células eritrocíticas, caracterizando uma tiflite necro-hemorrágica (aumento de 10X) 

A partir do conteúdo intestinal, coletado durante a necropsia dos hamsters que vieram expontaneamente a óbito, foi possível detectar as toxinas A/B e isolar C. difficile de todos os animais avaliados (Tabela 1). Já nos grupos controle (C1 e C2), nenhum animal desenvolveu diarreia ou veio a óbito durante o período de observação. Tais hamsters foram eutanasiados 30 dias pós-desafio e nenhuma alteração post mortem significativa foi observada (Figura 1: A1 e A2). O conteúdo do ceco encontrava-se com consistência pastosa a sólida e não foi possível detectar as toxinas A/B ou isolar C. difficile de nenhum animal dos grupos controle (Tabela 1).

Selecionou-se a estirpe ATCC9689 para prosseguimento do trabalho. A figura 2 mostra o tempo de sobrevivência nos 30 dias de observação dos animais inoculados com diferentes concentrações da estirpe ATCC9689 durante a determinação da DMM e DL50. Comparando com o grupo controle, foi possível perceber uma diferença significativa na ocorrência de morte nos grupos A2, A3 (P=0,038) e no grupo A4 (P=0,001). Todos os hamsters que vieram a óbito possuiam lesões hemorrágicas no ceco e foram positivos para as toxinas A/B de C. difficile, confirmando novamente a indução da doença.

Figura 2 Sobrevivência de hamsters durante o período de observação de 30 dias dos grupos de animais inoculados com diferentes concentrações de esporos da estirpe ATCC9689 (A1 a A4) de Clostridium difficile e do grupo controle 

DISCUSSÃO

O protocolo de produção de esporos permitiu a obtenção de uma suspensão rica de esporos livres (sem a presença do corpo celular), com alto grau de pureza e sem contaminação no teste respiratório. Resultados semelhantes de pureza e concentração foram relatados por YANG et al. (2009) para obtenção de esporos de Clostridium sporogenes e Clostridium hungatei, sugerindo que esse protocolo, apesar de simples, é suficiente para a obtenção de uma solução de esporos de alta concentração e de elevada pureza.

Enquanto alguns trabalhos com modelos de ICD em hamsters não especificam a forma bacteriana administrada (ANTON et al., 2004), outros autores relatam o uso de apenas células vegetativas (MCVAY & ROLFE, 2000; KOKKOTOU et al., 2008), apenas esporos (SAMBOL et al., 2002; NAGARO et al., 2013) ou proporções estimadas de ambos (OCHSNER et al., 2009). No presente estudo, optou-se por trabalhar com soluções de esporos livres que, devido à alta resistência típica dessa forma bacteriana, sofrem menos alterações na concentração de UFC após armazenamento. Como o esperado, as contagens seguintes à inicial apresentaram resultados semelhantes em todos os sete tempos avaliados, totalizando seis meses de armazenagem sem alteração significativa da contagem. Tal resultado demonstra a resistência dos esporos de C. difficile armazenados a -20°C e confirma a possibilidade de armazenamento da solução nessas condições, facilitando o protocolo de indução, devido à não necessidade de contínua produção e dosagem da estirpe a ser utilizada.

Na avaliação da toxigenicidade in vivo das estirpes de C. difficile, as lesões observadas foram similares às comumente relatadas em infecções por C. difficile em hamsters e outros roedores de laboratório (SAMBOL et al., 2002; BEST et al., 2012; HOWERTON et al., 2013; NAGARO et al., 2013). Tais alterações foram ainda encontradas em todos os animais que vieram a óbito durante o experimento, incluindo aqueles que não apresentaram diarreia previamente. Além das lesões características, o isolamento e detecção das toxinas A/B nesses animais confirmam a indução da doença (Tabela 1).

Nos grupos controle (C1 e C2), não foram observados indícios de colonização ou infecção por C. difficile (Tabela 1). Tais resultados confirmam que não houve infecção cruzada no grupo C1, uma vez que tais animais receberam antimicrobiano e estariam susceptíveis à colonização por C. difficile. No grupo C2, a ausência de infecção demonstra que não houve colonização pela estirpe ATCC9689, provavelmente, devido ao "efeito barreira" da microbiota íntegra (BÅVERUD, 2002).

Três animais, dos grupos G1, G2 e G4, vieram a óbito antes que o quadro clínico de diarreia pudesse ser observado. A infecção por C. difficile em hamsters é comumente fulminante, culminando com um quadro hiperagudo da doença, que é caracterizado por extensa necrose intestinal e toxemia, podendo ocorrer óbito dos animais antes mesmo da visualização do quadro clínico de diarreia (CHEN et al., 2008; BEST et al., 2012; HOWERTON et al., 2013).

Nos três animais que sobreviveram, dos grupos G2, G3 e G4, não foram observadas alterações post mortem significativas e não foi possível detectar as toxinas A/B. Além disso, C. difficile não foi isolado do conteúdo intestinal, semelhante aos animais dos dois grupos controle. Acredita-se que a falha de indução possa ter ocorrido pela administração de uma dose insuficiente de esporos de C. difficile ou a microbiota não tenha sido suficientemente agredida pela dose de antibiótico administrada, permanecendo o efeito barreira (BÅVERUD, 2002).

Como todas as estirpes trabalhadas foram capazes de induzir a diarreia, optou-se por prosseguir o trabalho com a estirpe ATCC9689, por tratar-se de uma estirpe de referência certificada, internacionalmente reconhecida e fornecida gratuitamente pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil), as universidades e orgãos de pesquisa brasileiros. Na figura 2, percebe-se que os óbitos iniciaram 24 horas após a administração dos esporos, mas concentraram-se principalmente entre 72 e 96 horas pós-desafio, resultado semelhante ao relatado em trabalhos anteriores com hamsters (SAMBOL et al., 2002; NAGARO et al., 2013). Além da utilização de diferentes estirpes de C. difficile, o grande número de diferentes protolocos de administração em modelos de ICD dificulta comparações. Em geral, as doses variam de 107 a 104 UFC por animal, porém a via de administração (gavagem, via oral), o tempo após antibioticoterapia que a estirpe é administrada e até mesmo a forma bacteriana utilizada (esporos, células vegetativas) variam, impedindo conclusões. Por outro lado, independente da forma e estirpe utilizada, a grande maioria dos trabalhos utilizam doses que causam entre 60 e 100% de letalidade (SAMBOL et al., 2002; CHEN et al., 2008; BEST et al., 2012; HOWERTON et al., 2013; NAGARO et al., 2013). Considerando a diferença estatística apresentada entre os grupos desafiados, quando comparados com o grupo controle, seria possível utilizar qualquer dose entre 4x104 e 4x108UFC da estirpe ATCC9689, por animal, para estudos de avaliação de métodos de proteção ou de tratamento. Alguns trabalhos de indução de infecções para outros micro-organismos utilizam também a DL50. No presente estudo, a DL50 calculada segundo REED & MUENCH (1938) foi de 6,3x104UFC por animal.

O protocolo padronizado no presente estudo permitiu a utilização de hamsters sírios (Mesocricetus auratus) como modelo de indução da infecção por C. difficile, disponibilizando-o como uma ferramenta valiosa para estudos relativos à patogenia, tratamento e controle dessa doença no Brasil.

AGRADECIMENTOS

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação de Amparo à Pesquisa do estado de Minas Gerais (FAPEMIG), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT). FCFL e RMCG possuem bolsa de produtividade em pesquisa do CNPq.

REFERÊNCIAS

ANTON, P.M. et al. Rifalazil treats and prevents relapse of Clostridium difficile-associated diarrhea in hamsters. Antimicrobial Agents and Chemotherapy, v.48, n.10, p.3975-3979, 2004. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15388461>. Accessed: May 04, 2013. doi: 10.1128/AAC.48.10.3975-3979.2004. [ Links ]

ARROYO, L.G. et al. PCR ribotyping of Clostridium difficile isolates originating from human and animal sources. Journal of Medical Microbiology, v.54, p.163-6, 2005. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15673511>. Accessed: May 04, 2013. doi: 10.1099/jmm.0.45805-0. [ Links ]

BALASSIANO, I.T. et al. Detection of cross-infection associated to a Brazilian PCR-ribotype of Clostridium difficile in a university hospital in Rio de Janeiro, Brazil. Antonie Van Leeuwenhoek, v.99, n.2, p.249-255, 2011. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20623188>, Accessed: May 04, 2013. doi: 10.1007/s10482-010-9483-8. [ Links ]

BÅVERUD, V. Clostridium difficile infections in animals with special reference to the horse: a review. Veterinary Quarterly, v.24, n.4, p.203-219, 2002. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12540137>. Accessed: May 04, 2013. [ Links ]

BEST, E.L. et al. Models for the study of Clostridium difficile infection. Gut Microbes, v.2, p.145-167, 2012. doi: 10.4161/gmic.19526. [ Links ]

CHEN, X. et al. A mouse model of Clostridium difficile-associated disease. Gastroenterology, v.135, p.1984-1992, 2008. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18848941>. Accessed: May 04, 2013. [ Links ]

HOWERTON, A. et al. A new strategy for the prevention of Clostridium difficile infection. Journal of Infectious Diseases, v.207, p.1498-504, 2013. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23420906>. Accessed: Dec. 04, 2013. doi: 10.1093/infdis/jit068. [ Links ]

JHUNG, M.A. et al. Toxinotype V Clostridium difficile in humans and food animals. Emerging Infectious Diseases, v.14, n.7, p.1039-1045, 2008. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18598622>. Accessed: May 04, 2013. [ Links ]

KOKKOTOU, E. et al. Comparative efficacies of rifaximin and vancomycin for treatment of Clostridium difficile-associated diarrhea and prevention of disease recurrence in hamsters. Antimicrobrial Agents Chemotherapy, v.52, n.3, p.1121-1126, 2008. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18598622>. Accessed: May 04, 2013. Doi: 10.1128/AAC.01143-07. [ Links ]

LIPPKE, R.T. et al. Matched case-control study evaluating the frequency of the main agents associated with neonatal diarrhea in piglets. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.31, n.6, p.505-510, 2011. doi: 10.1590/S0100-736X2011000600008. [ Links ]

LUNA, L.G. Routine staining procedures. In: LUNA, L.G. (Ed). Manual of histologic staining methods of the armed forces institute of pathology. New York: McGraw- Hill Book, 1968. p.32-29. [ Links ]

MCVAY, C.S.; ROLFE, R.D. In vitro and in vivo activities of nitazoxanide against Clostridium difficile. Antimicrobial Agents and Chemotherapy, v.44, p.2254-2258, 2000. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC90054>. Accessed: May 04, 2013. [ Links ]

NAGARO, K.J. et al. Nontoxigenic Clostridium difficile protects hamsters against challenge with historic and epidemic strains of toxigenic BI/NAP1/027 C. difficile. Antimicrobial Agents and Chemotherapy, v.57, p.5266-5270, 2013. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23939887>. Accessed: Dec. 01, 2013. doi: 10.1128/AAC.00580-13. [ Links ]

OCHSNER, U.A. et al. Inhibitory effect of REP3123 on toxin and spore formation in Clostridium difficile, and in vivo efficacy in a hamster gastrointestinal infection model. Journal of Antimicrobial and Chemotherapy, v.63, p.964-971, 2009. doi:10.1093/jac/dkp042. [ Links ]

PREIS, I.S. et al. Enteritis associated with Clostridium difficile and opportunistic candidiasis in a foal. Brazilian Journal of Veterinary Pathology, v.5, n.1, p.7-11, 2012. [ Links ]

REED, L.J; MUENCH, H.A. Simple method of determining fifty percent endpoints. American Journal of Hygiene, v.27, p.494-497, 1938. [ Links ]

SAMBOL, S.P. et al. Colonization for the prevention of Clostridium difficile disease in hamsters. Journal of Infection Diseases, v.186, n.12, p.1781-1789, 2002. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12447764>. Accessed: May 04, 2013. [ Links ]

SILVA, R.O.S. et al. Detection of toxins A/B and isolation of Clostridium difficile and Clostridium perfringens from dogs in Brazil. Brazilian Journal of Microbiology, v.44, n.1, p.131-137, 2013a. doi:10.1590/S1517-83822013005000008. [ Links ]

SILVA, R.O.S. et al. Clostridium difficile-associated diarrhea in an ocelot (Leopardus pardalis). Anaerobe, v.20, p.82-84, 2013b. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23467074>. Accessed: May 04, 2013. doi: 10.1016/j.Anaerobe.2013.02.007. [ Links ]

SILVA, R.O.S. et al. Detection of A/B toxin and isolation of Clostridium difficile and Clostridium perfringens from foals. Equine Veterinary Journal, v.45, p.671-675, 2013c. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23452044>. Accessed: May 04, 2013. doi: 10.1111/evj.12046. [ Links ]

SILVA, R.O.S. et al. Clostridium difficile infection: main features and occurrence in domestic species in Brazil. Ciência Rural, v.43, n.1, p.73-80, 2013d. doi:10.1590/S0103-84782012005000137. [ Links ]

SILVA, R.O.S. et al. Detection of toxins A/B and isolation of Clostridium difficile from piglets in Brazil. Ciência Rural, v.41 n.8, p.1130-1135, 2011. doi:10.1590/S0103-84782011005000100. [ Links ]

SONGER, J.G. Clostridia as agents of zoonotic disease. Veterinary Microbiology, v.140, p.399-404, 2010. doi: 10.1016/j.vetmic.2009.07.003. [ Links ]

YANG, W. et al. Production and characterization of pure Clostridium spore suspensions. Journal of Applied Microbiolology, v.106, p-27-33, 2009. Avaliable from: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19120612>. Accessed: May 04, 2013. doi:10.1111/j.1365-2672.2008.03931.x. [ Links ]

APROVAÇÃO NO COMITÊ DE ETICA Protocolo número 142/2012, CEUA-UFMG.

Received: October 10, 2013; Accepted: January 24, 2014

*Autor de correspondência.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited