SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.52 issue3Rooting of kiwi stem cuttings (Actinidia chinensis Planch. cv Abbott) treated with auxins and boronQuality of plums (Prunus salicina, Lindl) 'Reubennel' after cold storage author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Scientia Agricola

On-line version ISSN 1678-992X

Sci. agric. (Piracicaba, Braz.) vol.52 no.3 Piracicaba Sept./Dec. 1995

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90161995000300011 

ARTIGOS

 

Estimativa da porosidade drenável de um solo de várzea a partir da tensão da água no solo

 

Assessment of drainable porosity of a holm soil from soil-water tension

 

 

J.E. QueirozI; D.E. CrucianiII; P.L.LibardiIII, IV

IDepto. de Eng. Florestal-UFPB/Campus VII, C.P. 64, CEP: 58.700-970, Patos, PB
IIDepto. de Engenharia Rural-ESALQ/USP, C.P. 9, CEP: 13418-900 - Piracicaba, SP
IIIDepto. de Física e Meteorologia-ESALQ/USP, C.P. 9, CEP: 13418-900 - Piracicaba, SP
IVBolsista do CNPq

 

 


RESUMO

Um modo alternativo para estimativa da porosidade drenável em função da tensão da água no solo a partir da equação de VAN GENUCHTEN para a curva de retenção, é apresentado e testado para dados obtidos de um solo de várzea ( Gleissolo Eutrófico, textura argilosa). Curvas de retenção de água foram elaboradas com amostras de solo com estrutura indeformada. Na análise dos resultados verificou-se que o maior componente de erro foi devido a causas aleatórias, representando cerca de 12 vezes o erro sistemático. Os índices estatísticos utilizados para verificar o grau de ajuste dos dados experimentais à relação funcional apresentada entre porosidade drenável e tensão de água no solo, mostraram que esta relação pode ser utilizada para estimativa da porosidade drenável, a partir do conhecimento dos parâmetros empíricos da equação de VAN GENUCHTEN.

Descritores: Porosidade drenável; Curva de retenção; Parâmetros empíricos


SUMMARY

An alternative way to assess the drainable porosity as a function of soil-water tension, from the soil-water retention curve (Van Genuchten's model), is presented for data of a clayey holm gley soil of the county of Piracicaba, SP, Brazil. Soil-water retention curves were determined using undisturbed soil samples. The analysis of the results has shown that the data variability was mainly due to random causes. Statistical indexes used to verify the degree of fitting of the experimental data to the proposed model, have shown that the model can be used to estimate the drainable porosity from the empirical parameters of the Van Genuchten model.

Key words: Drainable porostity; Retention curve; Empirical parameters.


 

 

INTRODUÇÃO

A porosidade drenável constitui um parâmetro de grande importância no dimensionamento de sistemas de drenagem, como também em estudos de modelos matemáticos para predição da altura do lençol freático no espaço entre linhas de drenos paralelos.

Vários autores (PIZARRO, 1978; BELTRAN, 1986; MILLAR, 1988; entre outros) consideram a porosidade drenável como um parâmetro constante e equivalente à macroporosidade do solo, podendo ser determinado pela diferença entre os conteúdos de água no solo na saturação e na capacidade de campo. OLIVEIRA (1968) cita vários autores (PEELE, 1949; UHLAND, 1949; VAN DOREN, 1949; GROHMANN, 1960) que utilizaram como valor limite de separação entre a macro e micro porosidade uma tensão de 60 centímetros de coluna d'água (c.c.a.) ou 6 kPa, a qual corresponde aos poros de diâmetro da ordem de 0.05cm.

Considerar a porosidade drenável como uma constante significa assumir uma condição drenagem capaz de levar o solo do ponto de saturação até a "capacidade de campo", onde seria cessado o processo de drenagem interna (equilíbrio estático). Esta condição pode não ser a mais adequada do ponto de vista de dimensionamento de sistemas de drenagem agrícola, onde o critério de drenagem é estabelecido em termos da dinâmica do lençol freático, conforme as exigências das culturas a serem exploradas. Para determinadas situações pode ser mais conveniente a utilização de uma tensão menor, com a qual se determina a respectiva porosidade livre de água, a qual corresponde à porosidade drenável para a tensão considerada.

A porosidade drenável como uma função da tensão de água ou posição da capa freática tem sido reconhecida por vários pesquisadores (LUTHIN & WORSTELL, 1957; TAYLOR, 1959; DUKE, 1972; SKAGGS, 1976; BHATTACHARYA, 1979; CRUCIANI, 1983; PENDEY et al., 1992; GUPTA, 1994), porém continua sendo ignorada em muitas pesquisas de drenagem.

Estre trabalho tem como objetivo apresentar e testar um modo altenativo para estimar a porosidade drenável de um solo em função da tensão de água no solo, a partir dos parâmetros obtidos da equação de VAN GENUCHTEN (1980).

 

MATERIAL E MÉTODOS

Numa área experimental de 15 x 90 m, localizada no campo experimental de drenagem da ESALQ/USP, foram coletadas aleatoriamente 8 amostras de solo com estrutura indeformada, nas profundidades de 30 e 50cm, totalizando 16 amostras. O solo apresenta textura argilosa, sendo classiñcado como G2 Gleissolo Eutrófíco (VIDAL-TORRADO & SPAROVEK, 1993).

A extração das amostras foi feita com anéis volumétricos de bordas cortantes de 3cm de altura e 4.7 cm de diâmetro, aproximadamente (BLAKE, 1986; KLUTE, 1986). No dia anterior à coleta das amostras ocorreu uma chuva que proporcionou o umedecimento do solo, facilitando a introdução manual dos anéis.

No Laboratório de Solos do Departamento de Engenharia Rural da ESALQ/USP, as amostras foram devidamente preparadas e saturadas por um período de aproximadamente 10 dias. Após o processo de saturação, as amostras foram pesadas, sendo posteriormente colocadas em uma mesa de tensão onde foram submetidas às sucções de 1, 2, 4 e 6 kPa (LEAMER & SHAW, 1941; OLIVEIRA, 1968). Para completar a curva de retenção de água, foram utilizadas câmaras de pressão de Richards, onde as amostras foram submetidas às pressões de 10, 40, 80, 600 e 1500 kPa (RICHARDS, 1954).

Para converter a umidade à base de massa (U) em umidade à base de volume (q), utilizou-se a seguinte relação:

onde r é a densidade do solo e ra a densidade da água no solo considerada igual a 1 g.cm3.

Para verificar a variabilidade dos dados, para cada tensão, determinou-se o valor médio de umidade, o coeficiente de variação e o desvio-padrão. Aplicou-se o teste "t" para igualdade de duas médias através da equação (2) (FONSECA & MARTINS, 1993):

onde,

- umidade média para cada tensão e profundidade Z1 = 30cm;

- umidade média para cada tensão e profundidade Z2 = 60cm;

d - diferença admitida entre as médias e ;

N1 - número de amostras para determinação de ;

N2 - número de amostras para determinação de ;

Sc- desvio-padrão comum às amostras obtidas em Z1 e Z2.

O valor de Sc é dado pela seguinte expressão:

onde,

-variância dos valores de umidade com média ;

- variância dos valores de umidade com média

A equação de VAN GENUCHTEN (1980), expressa conforme a equação (4), permite estimar a umidade do solo para qualquer tensão hi.

onde,

qi- umidade à base de volume (cm3/cm3) correspondente ao i-ésimo valor absoluto de hi (cm);

qs - umidade de saturação (cm3/cm3); qr - umidade residual (cm3/cm3);

hi - valor absoluto de tensão de umidade em cm de água (c.c.a.);

m, n - parâmetros adimensionais da equação;

a - parâmetro com dimensão igual ao inverso da tensão (cm-1).

O parâmetro a tem sido referido como o inverso da tensão ou pressão correspondente a entrada de ar (VAN GENUCHTEN, 1980).

Por definição, a porosidade livre de água(Ma) pode ser expressa como:

onde h é a porosidade total do solo.

Considerando à porosidade livre de água como sendo igual a porosidade drenável ou efetiva para uma dada tensão hi, isto é, ma= m(hi), das equações (4) e (5) deduz-se que:

Tomando como fator de escala a porosidade do solo na sua capacidade máxima de retenção (mo), a equação (6) pode ser expressa como:

onde,

m*(hi) -porosidade drenável escalonada como uma função da tensão h1;

mo -porosidade do solo correspondente a diferença entre qs e a umidade na "capacidade de campo" (qcc).

Para obter os valores escalonados de porosidade drenável como uma função dos valores medidos de umidade, m*(qi), com o objetivo de comparar os resultados experimentais com os estimados pela equação (7), utilizou-se a seguinte expressão:

Assumindo o teor de água na "capacidade de campo" como sendo igual ao teor de água correspondente ao ponto de inflexão da curva de retenção (qinf), o valor de mo pode ser obtido por:

As equações (7) e (8) estão sujeitas às seguintes condições de contorno:

A partir da equação (4), explicitando h1, obtendo a derivada segunda e igualando a zero, pode-se deduzir a expressão (10), a qual permite determinar a umidade no ponto de inflexão(qinf).

Como m*(hi) varia entre 0 e 1, os valores de hi que satisfazem esta condição devem ser tomados no intervalo de umidade entre o ponto de inflexão e o ponto de saturação (qinf <q<qs). Para qualquer valor de m*(hi), a porosidade drenável m(hi) pode ser obtida pelo produto m*(hi).mo.

Para verificar o grau de ajuste dos valores estimados de porosidade drenável em relação aos resultados experimentais, foram utilizados o coeficiente de determinação ( R2) e o índice "D" proposto por WILLMOTT (1981), sendo este último calculado pela equação (11).

onde,

(hi ) - valores estimados de porosidade drenável (escalonados) em função de hi;

(qi) - valores de porosidade drenável (escalonados), calculados em função dos valores medidos de umidade qi;

(qi ) - média dos valores de µ*(qi).

Para calcular os erros sistemático (Es), não sistemático (Ens) e o erro médio absoluto (EMa), foram utilizadas as equações (12), (13) e (14), respectivamente (WILLMOTT, 1981):

Os valores de m*(ri) foram obtidos a partir da regressão linear entre m*(hi) e m*(qi).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Para uma mesma tensão de água, considerando as 8 repetições de cada profundidade de amostragem, os valores obtidos de umidade volumétrica (cm3/cm3) apresentaram uma pequena variação. Para profundidade de 30 cm, os valores mínimos e máximos de desvio-padrão e coeficiente de variação foram 0.024 cm3/cm3, 0.053 cm3/cm3, 5.48 % e 8.57 %, respectivamente. Os maiores valores obtidos de c.v. são inferiores aos menores valores observados por outros autores ao estudarem a variabilidade espacial e temporal da umidade de um solo hidromórfico cinzento, textura média, desenvolvido a partir de sedimentos aluvionais (LIBARDI et al., 1992).

Os valores médios de umidade das amostras obtidas na profundidade de 50 cm, para uma mesma tensão, foram ligeiramente superiores aos obtidos na profundidade de 30cm (Figura 1). Este fato pode está associado ao aumento da porcentagem de argila com a profundidade, acarretando um aumento na capacidade de retenção de água pelo solo. Para amostra conjunta obteve-se uma curva de retenção intermediária, conforme mostra a Figura 1.

 

 

Aplicando o teste "t" para igualdade das médias de umidade, utilizando-se as equações (2) e (3), ao nível de significância de 1%, verifica-se que as médias de umidade podem ser consideradas como provenientes de uma mesma população. Portanto, considerando-se a amostra conjunta (profundidades de 30 e 50 cm), os valores mínimos e máximos de desvio-padrão e c.v. foram 0.0315 cm3/cm3, 0.0389 cm3/cm3, 5,50 % e 7,26 %, respectivamente.

Com as tensões e os valores médios de umidade da amostra conjunta, foram obtidos os parâmetros da equação de VAN GENUCHTEN (equação 4) através da utilização do programa computacional desenvolvido por DOURADO NETO et al (1990). O programa cm3 realizou um total de 604 iterações e forneceu os seguintes resultados: qs =0.626 cm3/cm3, qr=0.357 cm3/cm, qinf=0.548 cm3/cm3, a = 0.0299 cm-1, m=0.1859 e n =0.8909. O coeficiente de ajuste dos dados ao modelo (R2) foi de 0.997. Com estes resultados pode-se escrever a seguinte relação funcional entre umidade e tensão:

Para porosidade drenável, expressa na forma da equação (6), obteve-se a seguinte relação funcional:

A equação (6a) permite estimar a porosidade drenável para qualquer tensão de água. A Figura 2 mostra a relação entre a porosidade drenável, expressa em %, e a tensão de água, expressa em c.c.a. e em termos absolutos. No ponto de saturação (hi = 0), m(0) = 0. Para uma tensão máxima de 15000 c.c.a. obteve-se um valor médio m(15000) = 17.12 %. Para esta tensão, em solos da série "Luiz de Queiroz" e "Sertãozinho", para profundidade de 45 cm, SCARDUA (1972) obteve os valores de 17.86 e 23.92 %, respectivamente. Observa-se ainda na Figura 2 que na faixa de pequenas tensões, uma pequena variação de tensão, proporciona uma grande variação na porosidade drenável. Um aumento de tensão de 40 para 100 c.c.a., por exemplo, proporcionou uma variação de 60%, aproximadamente, na porosidade drenável, enquanto um aumento de tensão de 6000 para 15000 c.c.a., proporcionou uma variação de apenas 10 %, aproximadamente.

 

 

Com a umidade correspondente ao ponto de inflexão (qinf), da equação (4a) obteve-se hi aproximadamente igual a 218 cm. Esta seria teoricamente a tensão necessária para levar a umidade do solo do ponto de saturação até a "capaciade de campo", correspondendo a mais de 3 vezes o valor limite de separação entre a macro e microporosidade citado por OLIVEIRA (1968).

Em termos de drenagem interna no perfil do solo, a umidade de 0.548 cm3/cm3 seria atingida na camada superficial do solo quando o lençol freático permanecesse em equilíbrio na profundidade de aproximadamente 2.2 metros. Entre este valor de umidade e o ponto de saturação, qualquer valor de hi (0 a 218 cm) pode ser considerado para estimativa da porosidade drenável escalonada, expressa na forma da equação (7).

A porosidade drenável correspondente a "capacidade de campo "(mo), obtida pela diferença entre a umidade de saturação e a umidade do ponto de inflexão, resultou num valor de 0.078 cm3/cm3. Com este valor de mo e introduzindo os parâmetros da equação de VAN GENUCHTEN (1980) na equação (7), obteve-se a seguinte relação funcional para porosidade drenável escalonada:

A equação (7a) permite estimar a porosidade drenável admensional para qualquer valor de hi. Os valores de m*(hi) estimados através da equação (7a) e os valores de m*(qi) determinados em função dos dados de umidade do solo (equação 8), plotados em função da tensão de água resulta a Figura 3. Plotando-se os valores de m*(hi) versus m*(qi) obtém-se a Figura 4. Observa-se nesta Figura uma concentração dos pontos em relação a reta 1/1, resultando a alto valor do coeficiente de determinação (R2=0,992). Observa-se não haver uma tendência no sentido de caracterizar erros sistemáticos na estimativa de m*(hi). Calculando-se o erro sistemático através da equação (12) obteve-se um valor de 2,316.10-3, enquanto o erro não sistemático obtido por meio da equação (13) foi de 2,668.10-2 . Portanto, o erro não sistemático é cerca de 12 vezes o erro sistemático, indicando que a maior parte do erro pode ser atribuída a causas aleatórias. O erro médio absoluto, calculado através da equação (14), foi de 0,0185 cm3/cm3.

 

 

 

 

Utilizando-se a equação (11) obteve-se um índice "D" igual a 0,993. A pequena diferença entre o R2 e o índice "D", neste caso, está relacionada com o pequeno valor do erro sistemático, porém em situações onde este componente de erro é considerável, as diferenças podem ser bem maiores.

 

CONCLUSÕES

Pela análise dos resultados apresentados neste trabalho verifica-se que a porosidade drenável pode ser estimada em função da tensão de água no solo, a partir do conhecimento dos parâmetros da equação de Van Genuchten. Trata-se de uma relação funcional que pode ser bastante útil em estudos de drenagem em condições de regime variável, onde a porosidade drenável constitui um importante parâmetro a ser considerado.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BELTRAN, J.M. Drenaje agrícola. Madrid: Iryda, 1986 239p.        [ Links ]

BHATTACHARYA, A.K.; BROUGHTON, R.S. Variable drainable porosity in drainage design. Journal of the Irrigation and Drainage Division, New York, v.105, n.l,p.71-85, 1979.        [ Links ]

BLAKE, A. Bulk density. In: Black, C.A., ed. Methods of soil analysis. I. Physical and mineralogical methods. Madison: American Society of Agronomy, 1986. p.363-75.        [ Links ]

CRUCIANI, D.E. A drenagem na agricultura. 2.ed. São Paulo: Nobel, 1983. 337p.        [ Links ]

DOURADO NETO, D.; LIER, Q. J.V.; BOTREL, T.A.; LIBARDI, P. L. Programa para confecção da curva de retenção da água no solo utilizando o modelo de Genuchten. Engenharia. Rural, Piracicaba, v.1, n.2, p.92-102, 1990.        [ Links ]

DUKE, H.R. Capillary properties of soils: influence upon specific yield. Transactions of the ASAE, St. Joseph, v.15, n.4, p.688-91, 1972.        [ Links ]

FONSECA, J.S.; MARTINS, G.A. Curso de estatística. São Paulo: Atlas, 1993. 317p.        [ Links ]

GUPTA, S.K. Unsteady drainage with variable drainage porosity. Journal of the Irrigation and Drainage Engineering, New York, v.120, n.4, p.703-15, 1994.        [ Links ]

KLUTE, A. Water retention: a laboratory methods. In: Black, C.A., ed. Methods of soil analysis. I. Physical and mineralogical methods. Madison: American Society of Agronomy, Inc., Soil Science Society of America, Inc. Publisher. 1986. p.635-662.        [ Links ]

LEAMER, R.W.; SHAW, B. A simple apparatus for measuring noncapillary porosity on an extensive scale. Journal of the American Society of Agronomy, Washington, v.33, n.11, p.1003-8, 1941.        [ Links ]

LIBARDI, P.L.; MANFRON, P.A.; MORAES, S.O.; TUON, R.L. Variabilidade espacial e temporal da umidade de um solo hidromórfico do R.G. do Sul. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA, 21., Santa Maria, 1992. Anais. Santa Maria: Sociedade Brasileira de Engenharia Agrícola, 1992. p.431-41.        [ Links ]

LUTHIN, J.N.; WORSTELL, R.V. The falling water table in tile drainage: a laboratory study. Soil Science Society of America Proceedings, Maidson, v.21, p.580-84, 1957.        [ Links ]

MILLAR, A.A. Drenagem de terras agrícolas: bases agronômicas. São Faulo:Editerra, 1988. 306p.        [ Links ]

OLIVEIRA, L.B. Determinação da macro e microporosidade pela "mesa de tensão" em amostras de solo com estrutura indeformada. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.3, p. 197-200, 1968.        [ Links ]

PENDEY, R.S.; BHATTACHARYA, A.K.; SINGH, O.P.; GUPTA, S.K. Drawdown solution with variable drainable porosity. Journal of the Irrigation and Drainage Division, New York, v.118, n.3, p.382-96, 1992.        [ Links ]

PIZARRO, F. Drenaje agrícola y recuperación de suelos salinos. Madrid: Agrícola Espanhola, 1978. 525p.        [ Links ]

RICHARDS, L.A. Diagnosis and improvement of Saline and alkaline soils. Washington: United States Salinity Laboratory Staff, 1954. 160p. (Agriculture Handbook, 60).        [ Links ]

SCARDUA, R. Porosidade livre de água de dois solos do Município de Piracicaba, SP. Piracicaba, 1972. 83p. Dissertação (M.S.) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo.        [ Links ]

SKAGGS, R.W. Saturated and unsaturated flow to parallel drains. Journal of the Irrigation and Drainage Division, New York, v.102, n.2, p. 221-38, 1976.        [ Links ]

TAYLOR, G.S. Drainage porosity evaluation from outflow measurement and its use in drawdown equations. Soil Science, Baltimore, v.90, n.6, p.338-43, 1960.        [ Links ]

VAN GENUCHTEN, M. Th. A closed-form equation for predicting the hydraulic conductivity of unsaturated soils. Soil Science Society of America Journal, Madison, v. 44, p.892-8, 1980.        [ Links ]

VIDAL-TORRADO, P.; SPAROVEK, G. Mapa pedológico detalhado do campus "Luiz de Queiroz" (Escala 1:10000). Piracicaba: Universidade de São Paulo, 1993 (Não publicado).        [ Links ]

WILLMOTT, C.J. On the validation models. Physical Geography, Madison, v.2, p. 184-94, 1981.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 16.03.95
Aceito para publicação em 10.04.95

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License