SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 issue2An annotated bibliography on childbirth in Brazil (1972-2002)A construção da 'natureza feminina' no discurso médico author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Estudos Feministas

Print version ISSN 0104-026XOn-line version ISSN 1806-9584

Rev. Estud. Fem. vol.10 no.2 Florianópolis July/Dec. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200018 

RESENHAS

 

Corpo: objeto de estudo

 

 

Ana Maria Marques

Universidade do Vale do Itajaí

 

 

Corpos de passagem: ensaios sobre a subjetividade contemporânea.
SANT'ANNA, Denise Bernuzzi de.
São Paulo: Estação Liberdade, 2001.
127 p.

Na década de 1990, Denise B. de Sant'Anna publicou dois livros problematizando o corpo, além de diversos artigos. A obra Corpos de passagem, ainda um desdobramento dessa reflexão, reúne dez ensaios que foram escritos na mesma década e publicados ou apresentados, integralmente ou parcialmente, em diferentes meios (jornal, revista, mesa-redonda e, certamente, rascunhos do debate acadêmico). Historiadora da PUC-SP, doutorada pela Universidade de Paris VII, Denise B. de Sant'Anna vem ampliar os questionamentos que a sociedade e, em especial, a academia têm feito sobre o corpo, que passa a ser objeto de estudo a partir da década de 1970.

A exploração comercial do corpo, questão levantada por Denise Sant'Anna, trouxe, paradoxalmente, a 'desertificação da vida'. Quanto mais se explora o corpo, mais ele se torna infinito, rompem-se as fronteiras territorias. O corpo não é mais uma unidade, mas um elo entre os corpos. As pesquisas genéticas estão criando transgênicos e seres pós-gênero, no entanto as desigualdades sociais permanecem. Essas são discussões especialmente presentes no sétimo e no oitavo ensaio.

O corpo como equivalente de riqueza e explorado pelo mercado é a tônica das reflexões da autora. A estética aerodinâmica suavizando as linhas, a tecnologia virtualizando a pessoa viva, cria um abismo "entre os nossos", diz ela. O deslocamento é valorizado: viagens de férias, spas ou resorts, esportes radicais... Prometeu reaparece como aquele que vence suas próprias limitações ou conquista seu próprio empreendimento. Ou seja, o indivíduo domina a si mesmo ou os espaços, transformando a natureza, recriando cidades onde passeia sem medo - é a 'indústria da alegria' , - temas tratados no terceiro e no quarto ensaio.

A velocidade também passa a ser condição de sucesso, poder e riqueza, mostra a autora no primeiro ensaio. Aquele que se quer desvencilhar do peso de tudo "teme carregar muito corpo, muita memória, muita identidade. E se vê ameaçado constantemente pela vertigem da compulsão e pela depressão aniquiladora" (p.25), conclui Denise. E faz pensar que os apelos do mercado colocam a vida na moda. Então, envelhecer ou morrer também se comercializa, pois a imortalidade é aqui, nesta vida.

Enquanto a exposição do corpo ganha publicidade, o interior do corpo provoca náuseas. Até bem pouco tempo, doentes eram tratados em casa, bem como galinhas e porcos que além de serem tratados eram mortos em casa. Os penicos ficavam em baixo da cama. A menstruação passava pelas mãos que lavavam as toalhinhas. Sangue, fezes e urina faziam parte da rotina. "Na medida em que o corpo ganha direito de exposição, ele conquista o dever de ser civilizado e fotogênico" (p. 69), coloca a autora, no quinto ensaio. No segundo, mostra como o hospital deixa o corpo 'paciente' aos cuidados e especialidades de estranhos. Estar doente não é mais 'natural'. A dor, que no século XIX era sinônimo de coragem e persistência, deve ser banida. A vida do doente é como se não fosse vida, passa a ser um momento intervalar.

O nono ensaio polemiza a idéia que deu origem ao título do livro: o corpo-passagem. A idéia de possessão como um lugar de passagem. Aquela máxima feminista, da década de 1960, "nosso corpo nos pertence",1 que pretendia ser um contraponto da dominação do homem sobre a mulher, não só se esvazia como nos remete a pensarmos que nossos corpos não pertencem a ninguém, nem a nós mesmos. Na metáfora utilizada pela própria autora, o corpo é parodoxal à medida que não é algo pronto mas também não é um rascunho. Somos e temos um corpo sempre de passagem. Não no sentido cristão de passagem para o céu, embora para alguns também possa ser, mas no sentido de que um mesmo corpo possa assumir formas (plasticidades e comportamentos) em diferentes momentos ou em um mesmo momento. O corpo pode estar em um determinado local e em outro ao mesmo tempo, pode estar parado e em movimento... As polaridades já foram superadas pelas reflexões contemporâneas da subjetividade. E Denise Sant'Anna coloca essas questões nesse livro, embora avise dos riscos de cair na areia movediça da valorização do corpo que carrega a 'universalidade' do indivíduo, onde habita sua pátria, seus sucessos e fracassos. Os conceitos universais de Deus, Nação podem, e têm sido transferidos para a noção de indivíduo. O mercado e a publicidade mostram que a felicidade pode ser comprada, que as coisas e os bichos podem ser humanizados (nos falam, nos incitam, os animais conversam, fazem companhia...). Valores como liberdade, democracia e cidadania são definidos como conseqüências do consumo. As sutilezas provocam outras palavras, histórias, personagens e corpos, conclui a autora.

Denise não quer ser definida como uma historiadora do corpo, embora os corpos e suas relações tenham historicidade. Ela não se preocupou com as relações de gênero, talvez porque não quisesse problematizar a sexualidade, que vem sendo objeto de amplos debates acadêmicos e, seguramente, já extrapolam as questões do sexo. Afinal, se a sexualidade passou a ser objeto de estudo é porque a sociedade contemporânea está preocupada com as relações de gênero e está desconstruindo os conceitos universais de ser homem e de ser mulher. Então, podemos ler nas entrelinhas a questão do gênero que está diretamente relacionada ao corpo.

Corpos de passagem, um conjunto de ensaios, não tem um caráter propriamente acadêmico. Os textos que compõem a obra não aprofundam as discussões teóricas das categorias envolvidas: corpo, subjetividade, indivíduo, por exemplo. Muitas áreas do conhecimento foram exploradas, e o elenco de autores/as franceses apresentados é significativo se comparado a poucos autores/as americanos (James Clifford, citado pelo seu trabalho etnográfico sobre comunidades sedentárias, e Donna Haraway, citada na sua abordagem sobre tecnociência e seres pós-gênero) e outros poucos/as pesquisadores/as brasileiros/as, como Heloisa de Farias Cruz, que aparece quando o assunto é a convivência entre pessoas e animais nas cidades (mostrando a utilização dos animais de carga na São Paulo das primeiras décadas do século passado); Beatriz Sarlo, quando se fala do modo de vida - zapping - dos dias atuais; e Celia M. T. Serrano e Heloisa T. Bruhns quando o assunto é turismo, cultura e ambiente. Entre os/as autores/as em lígua francesa, aparecem: Monique Sicard, sendo referenciada quando o assunto é imagens; Peter Handke, Alain Ehrenberg e Jean-Luis Chrétier, na discussão sobre o charme da lentidão quando a contrapartida é a fatiga; Henri Béraud e Claude Fiscler, inspirando as fala sobre obesidade; Vladimir Jankélevitch, Jean-Pierre Peter, Marie-Christine Pouchelle e Timothy Lenoir discutindo sobre morte, dor, hospitais e cirurgias; Bernand Edelman, sobre a publicidade da privacidade; Marc Guillaume e Pascal Bruckner, com seus respectivos trabalhos sobre a fábrica do riso e a euforia da felicidade; Dora Valayer, com o tema turismo; Michel Serres, com a idéia de pantopia; Andre Pichot e Vandana Shiva, quando a discussão gira em torno de ciência, genética e ética; Claude Olievenstein, que aborda o envelhecimento; e Francis Ponge, que apóia a autora quando trata da visão do homem no animal.

No campo da História, o tema do corpo, envolto pela subjetividade, é preocupação recente. As evidências com o corpo, bem como a sexualidade, tornaram-se debate freqüente na sociedade e fizeram emergir as problemáticas sobre o mesmo. Os historiadores estão se perguntando sobre o corpo porque a sociedade está colocando esse tema em evidência. Não se têm muitas respostas, ou talvez não tenhamos que tê-las. Todavia, a contribuição de Denise Sant'Anna, especialmente no campo da História, é muito importante. Até mesmo para percebermos o quanto os historiadores precisam discutir tanto com a Antropologia, a Psicologia e a Filosofia quanto com a Medicina, o Direito e outras áreas que cientificizaram o corpo e as relações humanas. Nesse momento, o trabalho de arqueólogo sugerido por Foucault2 é pertinente, não para trazer os 'monumentos' mudos, mas transformá-los em documentos tomados de sentidos pelo historiador.

O corpo foi dado a ler 'naturalizado' nas manifestações sobre doença, morte e velhice no século XIX e início do século passado, ou na busca de saúde e prazer infinitos contemporâneos. Esses contrapontos da 'natureza' dos corpos, como mostra a autora, são historicizados, mesmo que as temporalidades sejam efêmeras por não ter uma datação precisa ou presa no calendário de determinada cultura. Desconstruir as formas discursivas, como faz Denise Sant'Anna, é evitar o perigo de transformar o corpo em lugar dos universais.

 

 

1 Lucila Scavone traz essa discussão do primeiro momento do movimento feminista, baseado na noção de diferença e criando uma idéia de liberdade e autonomia das mulheres, associada a uma concepçao de conhecimento e reapropriação do próprio corpo. SCAVONE, Lucila. "Anticonceptión, aborto y tecnologías conceptivas: entre la salud, la ética y los derechos". In: SCAVONE, Lucila (Org.). Género y salud reproductiva en América Larina. Cartago: Libro Universitario Regional, 1999. p. 25-31.
2 FOUCAULT, Michel. A arquelogia do saber. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License