SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 issue1EDITORIALSer y tener: engendering development and ethnicity in the Pacific lowlands of Colômbia author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Estudos Feministas

Print version ISSN 0104-026XOn-line version ISSN 1806-9584

Rev. Estud. Fem. vol.12 no.1 Florianópolis Jan./Apr. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2004000100002 

IN MEMORIAM

 

Gloria Evangelina Anzaldúa1

 

 

A escritora e teórica cultural Gloria Evangelina Anzaldúa, reconhecida internacionalmente, faleceu em 15 de maio, aos 61 anos, de complicações relacionadas a diabetes. Autora versátil, Anzaldúa publicou poesia, ensaios teóricos, contos, narrativas autobiográficas, entrevistas, livros infantis e antologias de vários gêneros. Como uma das primeiras autoras americanas de origem mexicana assumidamente lésbicas, Anzaldúa desempenhou um papel de grande relevância na redefinição de identidades chicanas, lésbicas e queer. Como editora ou co-editora de três antologias multiculturais, ela também desempenhou um papel vital no desenvolvimento de um movimento feminista de inclusão.

Anzaldúa é mais conhecida como autora de Borderlands/La Frontera: The New Mestiza (San Francisco: Aunt Lute Books, 1987), uma coleção híbrida de poesia e prosa escolhida como um dos 100 Melhores Livros do Século pelo Hungry Mind Review e Utne Reader.

As obras publicadas de Anzaldúa incluem, também, This Bridge Called My Back: Writings by Radical Women of Color (New York: Kitchen Table Press, 1981), uma coleção pioneira de ensaios e poemas amplamente reconhecida pelos estudiosos como o primeiro texto feminista multicultural; Making Face, Making Soul/Haciendo Caras: Creative and Critical Perspectives by Feminists-of-Color (San Francisco: Aunt Lute Books, 1990), uma coleção de textos de vários gêneros, amplamente utilizada em salas de aula; dois livros infantis bilíngües Friends from the Other Side/Amigos del otro lado (San Francisco: Children's Book Press, 1993) e Prietita and the Ghost Woman/Prietita y la Llorona (San Francisco: Children's Book Press,1995) - e Interviews/Entrevistas (New York: Routledge, 2000), uma coleção de entrevistas/memórias. Publicou ainda This Bridge We Call Home: Radical Visions for Transformation (New York: Routledge, 2002), uma coleção co-editada de ensaios, poesia e arte visual que examina o status atual da teorização feminista e womanist. Anzaldúa recebeu inúmeros prêmios, inclusive o prêmio American Book da Fundação Before Columbus, o prêmio Lamda Lesbian Small Book Press, o Prêmio de Ficção NEA (National Endowment for the Arts), o prêmio Lesbian Rights, o prêmio Sappho com Distinção, e o prêmio Lifetime Achievement da Associação de Estudos Americanos.

Nascida no Vale do Rio Grande, no sul do Texas, em 1942, Anzaldúa era a filha mais velha de Urbano e Amalia Anzaldúa. Recebeu seu diploma superior da Universidade Pan American, concluiu o mestrado na Universidade do Texas em Austin, e estava em vias de completar seu doutorado na Universidade da Califórnia em Santa Cruz. Anzaldúa deixa sua mãe, uma irmã e dois irmãos, além de sobrinhas/os, sobrinhas/os-netos e uma multidão de tias/os.

 


 

 

O silêncio da tradução

Claudia de Lima Costa

No atual momento de grande circulação e tradução de idéias e textos, sempre nos pareceu irônico que os escritos de Anzaldúa - que tanto alimentaram a teorização dos críticos pós-estruturalistas mais em voga - não tivessem sido traduzidos ao português com a mesma voracidade com que as casas editoriais traduzem esses mesmos críticos que, por sua vez, veiculavam em suas formulações epistemológicas as idéias de fronteira e de hibridismo inicialmente articuladas com tanta criatividade por Anzaldúa. Para a crítica, os escritos de Anzaldúa representam a elaboração fundacional de uma poética e política do hibridismo cultural. Quantos/as somos nós que soubemos pela primeira vez de Anzaldúa a partir da tradução do livro de Walter Mignolo Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar (Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003)? No entanto, o livro premiado de Anzaldúa, e o mais (re)conhecido em outras terras - Borderlands/La Frontera - , ainda não apareceu em português, apesar dos seus 17 anos de existência. Tal silêncio nos faz refletir sobre a geopolítica da tradução e os sistemas de exclusão que, em suas múltiplas interseções com os outros eixos da diferença - gênero, raça, classe, orientação sexual, etc. -, selecionam os textos que receberão visto de entrada e aqueles que permanecerão do outro lado da fronteira, desqualificados. Nós - o feminismo - somos quem mais perdemos com tais barreiras dificultando o diálogo e o aprendizado a partir de outras experiências/saberes.

Porém, ao mesmo tempo em que sentimos tristeza pelo falecimento fora do tempo de Anzaldúa e ira pelas fronteiras que barram outros saberes, também nos sentimos afortunadas porque, como integrantes do comitê editorial da Revista Estudos Feministas, conseguimos pelo menos trazer para o português um texto antológico de autora "Falando em línguas" (Speaking in Tongues)2 e o publicamos na Revista. Estamos aos poucos construindo, ainda que tardiamente, um repertório em tradução dos escritos de Anzaldúa. Pedimos a colaboração das outras colegas e publicações para dar continuidade a essa importante tarefa de registro histórico do pensamento feminista latino-americano/chicano/latino.

 

 

1 Nota obituária que circulou pela Internet em maio de 2004, comunicando o falecimento da escritora. Tradução de Eliana Ávila e revisão de Susana Funck.
2 Anzaldúa, G. "Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do Terceiro Mundo" (trad. Édna de Marco). Revista Estudos Feministas, v. 8, n. 1, p. 229-236, 2000.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License