SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue2Gender and heritage: ‘pro-women’ of Capilla del SeñorWeavers of existence author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Estudos Feministas

Print version ISSN 0104-026X

Rev. Estud. Fem. vol.22 no.2 Florianópolis May/Aug. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2014000200009 

IN MEMORIAN

 

Rose Marie Muraro: uma mulher impossível

 

 

Em 21 de junho de 2014, Rose Marie Muraro nos deixou, aos 83 anos, após um legado singular de ação política e de produção intelectual sobre o feminismo. Nasceu em 1930, no Rio de Janeiro, e desde muito jovem contribuiu para os jornais estudantis cariocas. Estudou física e economia, o que agregou a suas reflexões lógica e sensibilidade. Em seu percurso de formação acadêmica, despertou para a necessidade de humanizar a relação entre tecnologia e papéis das mulheres na sociedade, momento em que se aproximou das ideias feministas.

Rose Marie Muraro foi uma das pioneiras do movimento feminista no país na década de 1970 e popularizou seu pensamento de modo contestador, corajoso e inovador. Discutiu abertamente temas que eram tabus e proibidos naquela época, como sexualidade e corpo, o que lhe rendeu algumas agressões e preconceitos, suplantados por sua personalidade marcante e sensível.

Mulher, mãe de cinco filhos, escritora, intelectual perspicaz e feminista, foi realmente uma "mulher impossível". Desnaturalizou valores, denunciou injustiças e "gritou" a inexistência de um padrão feminino, lutando pela liberdade e autonomia das mulheres.

Marta Suplicy a denominou de "furacão", justamente por ser uma vencedora, superar limites físicos, familiares e econômicos; por sua atuação no cenário intelectual e político brasileiros; e por criar instituições representativas dos direitos das mulheres.

Seu legado político e teórico no campo feminista contribuiu para a construção de novos ideais feministas e de direitos sociais, materializados nos seus feitos e no reconhecimento social conquistado. Sua contribuição ao feminismo brasileiro não tem precedentes.

Intelectual apaixonada pelas letras, publicou mais de 40 livros, inúmeros artigos e poesias, além de editorar aproximadamente 1.600 livros. Trabalhou na editora Vozes e fundou suas próprias editoras, denominadas Editora Forense Universitária (1965) e Rosa dos Tempos (1990), sendo esta a primeira editora de mulheres do Brasil. Nos últimos tempos, dedicava-se ao Instituto Cultural Rose Marie Muraro, fundado em 2009, que funciona em um imóvel cedido pelo Patrimônio Histórico da União.

Do conjunto de sua produção bibliográfica, marcaram época as obras: Sexualidade da mulher brasileira: corpo e classe social no Brasil (1983); Os seis meses em que fui homem (1990); Memórias de uma mulher impossível (1999); Textos da fogueira (2000); Feminino e masculino: uma nova consciência para o encontro das diferenças (2002), juntamente com Leonardo Boff; Os avanços tecnológicos e o futuro da humanidade (2009); e Reinventando o capital / dinheiro (2012).

Dentre seus vários prêmios e condecorações, destacamos sua indicação nove vezes para "Mulher do Ano"; sua nomeação como uma das "Mulheres do século XX", em 1990, pela revista Desfile; sua eleição como "Intelectual do Ano", em 1994, pela União Brasileira de Escritoras; sua nomeação como "Patrona do Feminismo Brasileiro", em 2006, pelo governo brasileiro; e a concessão do "Prêmio Bertha Lutz", em 2008, pelo Senado Federal.

Falar de Rose Marie Muraro é tarefa difícil, tamanha foi sua intensidade, transgressões e profundidade; descrever suas realizações em poucas linhas é impossível, sendo esta homenagem uma pequena expressão de agradecimento pelo seu pionerismo nas lutas por oportunidades para todas as mulheres brasileiras.

Que o novo caminho de Rose seja feito de voos marcantes e inesquecíveis como os que aqui fez:

Tu vieste como um pássaro
E pousaste no meu ombro
E eu fui habitada
Pela paixão da entrega. [...]
Com teu bico colocaste na minha mão esquerda
A semente da morte
E na direita a semente da vida
Para que com as duas juntas
Eu fizesse a escolha de cada momento,
Ligando o instante à sua profundidade eterna.
(O Pássaro de Fogo, de Rose Marie Muraro)

 

Florianópolis, inverno de 2014.

 

 

Luciana Zucco; Teresa Kleba Lisboa

Universidade Federal de Santa Catarina

 

 

1 Nicole-Claude MATHIEU, 1991, p. 17.
2 MATHIEU, 1991, p. 144.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License