SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 número4La depresión incluida en la historia de la familia índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Texto & Contexto - Enfermagem

versión impresa ISSN 0104-0707

Texto contexto - enferm. vol.13 no.4 Florianópolis dic. 2004

https://doi.org/10.1590/S0104-07072004000400001 

EDITORIAL

 

 

A saúde mental, enquanto campo de prática assistencial, recebe importante contribuição a partir da década de sessenta do século XX, ficando conhecida como psiquiatria preventiva, fruto das denúncias das péssimas condições da assistência psiquiátrica americana, requerendo urgentes medidas saneadoras.

Com o advento da psiquiatria preventiva ocorre uma demarcação de um novo campo, no qual a terapêutica das doenças mentais adquire uma nova perspectiva. Esta nova perspectiva, alternativa ao modelo psiquiátrico clássico, adota como objeto, não mais a doença, mas a saúde mental, e por objetivo, a prevenção das doenças mentais. Ainda que este novo modelo tenha influenciado de maneira marcante a formação de profissionais e a organização dos serviços em vários países, também gerou várias críticas que vão desde a inconsistência teórica, a linearidade do processo saúde/enfermidade, a medicalização da ordem social e a baixa resolutividade, dentre outras.

A possibilidade de realização de ações preventivas torna necessário o conhecimento da etiologia do evento que se pretende prevenir de tal forma que, controlando determinados fatores, poderemos evitar o surgimento do indesejado.

Outro aspecto diz respeito à própria conceituação de saúde mental, marcada por vários caminhos e múltiplos discursos e práticas. Estas insuficiências não impediram que o campo da saúde mental se tornasse área na qual vários profissionais desenvolvem ações.

A saúde mental tem sido objeto de preocupação de inúmeros protocolos, figurando em destaque nas políticas públicas e no cotidiano de muitas instituições e pessoas. Observa-se uma crescente preocupação, expressa em pesquisas, simpósios e estudos que abordam fatores relacionados ao sofrimento mental.

Na prática assistencial de muitos profissionais é presente a consideração aos possíveis fatores relacionados ao sofrimento psíquico. Embora muitas intervenções tenham como foco o modelo biomédico, autorizado pelos avanços da neurociência, também se observa, sem a exclusão deste, a incorporação de outros conhecimentos de áreas diversas do campo estritamente psiquiátrico, e que levam em consideração os fenômenos políticos, os valores socioculturais e as relações histórico-sociais, para citar alguns, tendo por foco a pessoa em sua existência concreta e complexa. Vida cotidiana, satisfação no trabalho, participação social, eqüidade, lazer, enfim qualidade de vida, passa a compor o corolário da saúde mental. Dessa forma, a saúde mental torna-se necessariamente objeto de uma perspectiva transdisciplinar.

Expressões desta forma de conceber a saúde mental são encontradas em muitos estudos, como bem atestam os aqui publicados, que demonstram a crescente valorização desta área e a necessidade de produção de novos conhecimentos e práticas.

Em virtude de estarmos frente a um campo novo e, justamente devido a esta condição, adquire fundamental importância a discussão, o diálogo, bem como a reflexão sobre as visões e tendências que são observadas na produção teórica e na prática profissional. O que está em jogo é muito mais do que a reorganização de espaços assistenciais, de práticas profissionais. Antes de tudo é uma redefinição do objeto e objetivo de nossas práticas de cuidado e dos instrumentos necessários à consecução dos objetivos.

 

 

Dr. Jonas Salomão Sprícigo

- Professor do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PEN/UFSC) e Coordenador do Serviço de Atendimento as Necessidades Psicossociais (SANPS) - UFSC

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons